“SE­RES VIVOS CRI­AM SIGNIFICADO, E A COMPUTAÇÃO NÃO”

Pa­ra o fi­ló­so­fo e psi­ca­na­lis­ta ar­gen­ti­no, re­du­zir a com­ple­xi­da­de de um ser vi­vo a um có­di­go de com­pu­ta­dor é um er­ro – as­sim co­mo a ideia de que as má­qui­nas po­dem subs­ti­tuir se­res hu­ma­nos cons­ti­tui um ab­sur­do

Planeta - - EDITORIAL - Por Ré­gis Mey­ran, pa­ra o “Unes­co Cou­ri­er”

Na opi­nião do fi­ló­so­fo e psi­ca­na­lis­ta ar­gen­ti­no Mi­guel Be­na­sayag, a ideia de que as má­qui­nas po­dem subs­ti­tuir se­res hu­ma­nos cons­ti­tui um ab­sur­do

O que dis­tin­gue a in­te­li­gên­cia hu­ma­na da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al (IA)?

BE­NA­SAYAG – A in­te­li­gên­cia vi­va não é uma má­qui­na de cal­cu­lar. É um pro­ces­so que ar­ti­cu­la afe­ti­vi­da­de, cor­po­rei­da­de, er­ro. Nos se­res hu­ma­nos, pres­su­põe a pre­sen­ça do de­se­jo e a cons­ci­ên­cia de sua pró­pria his­tó­ria em lon­go pra­zo. A in­te­li­gên­cia hu­ma­na não é con­ce­bí­vel se­pa­ra­da­men­te dos ou­tros pro­ces­sos ce­re­brais e cor­po­rais.

Di­ver­sa­men­te de hu­ma­nos ou ani­mais que pen­sam com a aju­da de um cé­re­bro si­tu­a­do em seus cor­pos – que exis­te em um am­bi­en­te –, uma má­qui­na pro­duz cál­cu­los e pre­vi­sões sem po­der lhes dar significado al­gum. A ques­tão de sa­ber se uma má­qui­na po­de subs­ti­tuir hu­ma­nos é, de fa­to, ab­sur­da. São se­res vivos que cri­am significado, e não a computação. Mui­tos pes­qui­sa­do­res de IA es­tão con­vic­tos de que a di­fe­ren­ça en­tre in­te­li­gên­cia vi­va e IA é quan­ti­ta­ti­va, ao pas­so que é qua­li­ta­ti­va.

No pro­gra­ma Go­o­gle Brain, dois com­pu­ta­do­res apa­ren­te­men­te se co­mu­ni­ca­ram em uma “lin­gua­gem” que eles pró­pri­os cri­a­ram e que os hu­ma­nos não con­se­gui­ram de­ci­frar. O que acha dis­so?

BE­NA­SAYAG – Is­so sim­ples­men­te não faz

Ex-mem­bro da re­sis­tên­cia de Che Gu­e­va­ra con­tra o re­gi­me de Ju­an Pe­rón, o fi­ló­so­fo e psi­ca­na­lis­ta Mi­guel Be­na­sayag fu­giu da Argentina em 1978 e ago­ra mo­ra em Pa­ris. Es­cre­veu mais de 30 li­vros, o mais re­cen­te dos quais é “A Sin­gu­la­ri­da­de dos Vivos” (2017)

sen­ti­do. Na re­a­li­da­de, a ca­da ini­ci­a­li­za­ção, es­sas du­as má­qui­nas re­pe­tem sis­te­ma­ti­ca­men­te a mes­ma sequên­cia de tro­ca de in­for­ma­ções. E is­so não é uma lin­gua­gem, ela não co­mu­ni­ca.

É co­mo quan­do al­gu­mas pes­so­as di­zem ser “ami­gas” de um robô. Exis­tem até apli­ca­ti­vos pa­ra smartpho­nes que su­pos­ta­men­te per­mi­tem “con­ver­sar” com um. No fil­me “Ela” (2013), de Spi­ke Jon­ze, uma sé­rie de perguntas é fei­ta a um ho­mem, o que per­mi­te que seu cé­re­bro se­ja ma­pe­a­do. Uma má­qui­na en­tão sin­te­ti­za uma voz e fa­bri­ca res­pos­tas que de­sen­ca­dei­am no ho­mem uma sen­sa­ção de es­tar apai­xo­na­do. Mas vo­cê po­de re­al­men­te ter uma re­la­ção ro­mân­ti­ca com um robô? Não, por­que amor e ami­za­de não po­dem ser reduzidos a um con­jun­to de trans­mis­sões neuronais no cé­re­bro.

Amor e ami­za­de exis­tem além do in­di­ví­duo e até mes­mo além da in­te­ra­ção en­tre du­as pes­so­as. Quan­do fa­lo, par­ti­ci­po de al­go que com­par­ti­lha­mos em co­mum, lin­gua­gem. É o mes­mo pa­ra amor, ami­za­de e pen­sa­men­to – es­tes são pro­ces­sos sim­bó­li­cos dos quais os hu­ma­nos par­ti­ci­pam. Nin­guém pen­sa só por si. Um cé­re­bro usa sua ener­gia pa­ra par­ti­ci­par do pen­sa­men­to.

Re­du­zir um ser vi­vo a um có­di­go é a fa­lha prin­ci­pal da IA? BE­NA­SAYAG – De fa­to, al­guns es­pe­ci­a­lis­tas em IA se des­lum­bram tan­to com su­as con­quis­tas téc­ni­cas que per­dem de vis­ta o qua­dro ge­ral. Ca­em na ar­ma­di­lha do re­du­ci­o­nis­mo.

Em 1950, Nor­bert Wi­e­ner, ma­te­má­ti­co ame­ri­ca­no e pai da ci­ber­né­ti­ca, es­cre­veu no li­vro “O Uso Hu­ma­no dos Se­res Hu­ma­nos” que um dia po­de­ría­mos “te­le­gra­far um ho­mem”. Qua­tro dé­ca­das de­pois, a ideia do tran­su­ma­nis­mo [mo­vi­men­to que vi­sa trans­for­mar a con­di­ção hu­ma­na por meio do de­sen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as dis­po­ní­veis pa­ra am­pli­ar as ca­pa­ci­da­des in­te­lec­tu­ais, fí­si­cas e psi- co­ló­gi­cas hu­ma­nas] de “en­vio de da­dos pa­ra a men­te” foi cons­truí­da so­bre a mes­ma fan­ta­sia – que to­do o mun­do re­al po­de ser re­du­zi­do a uni­da­des de in­for­ma­ção pas­sí­veis de ser trans­mi­ti­das de um apa­re­lho a ou­tro.

A ideia de que os se­res vivos po­dem ser mo­de­la­dos em uni­da­des de in­for­ma­ção tam­bém é en­con­tra­da no tra­ba­lho do bió­lo­go fran­cês Pi­er­re-hen­ri Gouyon. Ele vê o áci­do de­so­xir­ri­bo­nu­clei­co (DNA) co­mo a pla­ta­for­ma pa­ra um có­di­go que po­de ser trans­fe­ri­do pa­ra ou­tras pla­ta­for­mas. Mas quan­do pen­sa­mos que os se­res vivos po­dem ser mo­de­la­dos em uni­da­des de in­for­ma­ção, es­que­ce­mos que a so­ma das uni­da­des de in­for­ma­ção não é o ser vi­vo, e nin­guém tem in­te­res­se em pes­qui­sar o que não po­de ser mo­de­la­do.

Le­var em con­ta aqui­lo que não po­de ser mo­de­la­do não nos le­va à ideia de Deus, ou de obs­cu­ran­tis­mo, ou o que quer que se­ja. Os prin­cí­pi­os de im­pre­vi- si­bi­li­da­de e in­cer­te­za es­tão em to­das as ci­ên­ci­as exa­tas. É por is­so que a as­pi­ra­ção dos tran­su­ma­nis­tas pe­lo co­nhe­ci­men­to to­tal é par­te de um dis­cur­so per­fei­ta­men­te ir­ra­ci­o­nal e tec­nó­fi­lo. Ele de­ve seu con­si­de­rá­vel su­ces­so à sua ca­pa­ci­da­de de sa­ci­ar a se­de me­ta­fí­si­ca de nos­sos con­tem­po­râ­ne­os. Os tran­su­ma­nis­tas so­nham com uma vi­da li­vre de to­da a in­cer­te­za. No en­tan­to, te­mos de li­dar com in­cer­te­zas e ale­a­to­ri­e­da­de tan­to na vi­da diá­ria co­mo na pes­qui­sa.

Segundo a te­o­ria tran­su­ma­nis­ta, um dia nos tor­na­re­mos imor­tais, gra­ças à IA.

BE­NA­SAYAG – Em nos­sa atu­al tur­bu­lên­cia pós-mo­der­na, em que do­mi-

NÃO Há RE­LA­ÇÃO COM UM ROBÔ, POR­QUE AMOR E AMI­ZA­DE NÃO PO­DEM SER REDUZIDOS A TRANS­MIS­SÕES NEURONAIS NO CÉ­RE­BRO

nam o re­du­ci­o­nis­mo e o in­di­vi­du­a­lis­mo, a pro­mes­sa tran­su­ma­nis­ta to­ma o lu­gar da ca­ver­na de Pla­tão. Pa­ra o fi­ló­so­fo gre­go, a vi­da re­al não era en­con­tra­da no mun­do fí­si­co, mas no das idei­as. Pa­ra os tran­su­ma­nis­tas, 24 sé­cu­los de­pois, a vi­da re­al não es­tá no cor­po, mas nos al­go­rit­mos. Pa­ra eles, o cor­po é ape­nas uma fa­cha­da – um con­jun­to de in­for­ma­ções úteis de­ve ser ex­traí­do de­le e, en­tão, pre­ci­sa­mos nos li­vrar de seus de­fei­tos na­tu­rais. É as­sim que eles pre­ten­dem al­can­çar a imor­ta­li­da­de.

A hi­bri­di­za­ção de hu­ma­nos e má­qui­nas já é uma re­a­li­da­de. Es­se tam­bém é um ide­al dos tran­su­ma­nis­tas.

BE­NA­SAYAG – Nós nem co­me­ça­mos a en­ten­der os se­res vivos e a hi­bri­di­za­ção, por­que a tec­no­lo­gia bi­o­ló­gi­ca ho­je ain­da omi­te qua­se to­da a vi­da, a qual não po­de ser re­du­zi­da ape­nas aos pro­ces­sos fí­si­co-quí­mi­cos que po­dem ser mo­de­la­dos. Di­to is­to, os vivos já fo­ram hi­bri­di­za­dos com a má­qui­na, e is­so cer­ta­men­te se am­pli­a­rá, com pro­du­tos re­sul­tan­tes de no­vas tec­no­lo­gi­as.

Há mui­tas má­qui­nas com que tra­ba­lha­mos e às quais de­le­ga­mos vá­ri­as fun­ções. Mas to­das elas são ne­ces­sá­ri­as? Es­se é o pon­to. Tra­ba­lhei em im­plan­tes co­cle­a­res e na cul­tu­ra de pes­so­as sur­das. Mi­lhões de sur­dos rei­vin­di­cam sua pró­pria cul­tu­ra – que não é res­pei­ta­da o su- fi­ci­en­te – e se re­cu­sam a ter um im­plan­te co­cle­ar por­que pre­fe­rem se ex­pres­sar em lin­gua­gem de si­nais. Se­rá que es­sa ino­va­ção, que po­de­ria es­ma­gar a cul­tu­ra das pes­so­as sur­das, cons­ti­tui pro­gres­so? A res­pos­ta não é in­trin­se­ca­men­te ób­via.

Aci­ma de tu­do, pre­ci­sa­mos ga­ran­tir que a hi­bri­di­za­ção ocor­ra com res­pei­to à vi­da. No en­tan­to, o que tes­te­mu­nha­mos ho­je não é tan­to a hi­bri­di­za­ção quan­to a co­lo­ni­za­ção dos vivos por má­qui­nas. Por­que elas ex­te­ri­o­ri­zam su­as me­mó­ri­as, mui­tos in­di­ví­du­os não se lem­bram de na­da. Eles têm pro­ble­mas de me­mó­ria que não re­sul­tam de pa­to­lo­gi­as de­ge­ne­ra­ti­vas.

Pe­gue o Sis­te­ma de Po­si­ci­o­na­men­to Glo­bal (GPS), por exem­plo. Hou­ve es­tu­dos so­bre taxistas em Pa­ris e Londres, du­as ci­da­des la­bi­rín­ti­cas. En­quan­to os taxistas lon­dri­nos na­ve­gam ori­en­tan­do-se por si mes­mos, os pa­ri­si­en­ses usam sis­te­ma­ti­ca­men­te seus apa­re­lhos de GPS. Três anos de­pois, tes­tes psi­co­ló­gi­cos mos­tra­ram que os nú­cle­os sub­cor­ti­cais res­pon­sá­veis pe­lo ma­pe­a­men­to do tem­po e do es­pa­ço ha­vi­am atro­fi­a­do na amos­tra pa­ri­si­en­se (atro­fi­as cer­ta­men­te re­ver­sí­veis se a pes­soa ab­di­cas­se des­sa prá­ti­ca). Es- ses taxistas fo­ram afe­ta­dos por uma for­ma de dis­le­xia que os im­pe­de de tra­çar seu ca­mi­nho atra­vés do tem­po e do es­pa­ço. Is­so é co­lo­ni­za­ção – a área do cé­re­bro es­tá atro­fi­a­da por­que sua fun­ção foi delegada, sem ser subs­ti­tuí­da por na­da.

O que o pre­o­cu­pa mais? BE­NA­SAYAG – O su­ces­so des­me­di­do da ló­gi­ca da ino­va­ção. A no­ção de pro­gres­so fa­lhou e deu lu­gar à ideia de ino­va­ção, al­go bem di­fe­ren­te – não con­tém nem um pon­to de par­ti­da nem um pon­to fi­nal, e não é boa nem má. De­ve, por­tan­to, ser ques­ti­o­na­da cri­ti­ca­men­te. Usar um pro­ces­sa­dor de tex­to de com­pu­ta­dor é mui­to mais po­de­ro­so do que a má­qui­na de es­cre­ver Oli­vet­ti que usei nos anos 1970 – pa­ra mim, is­so é pro­gres­so. Mas, in­ver­sa­men­te, ca­da smartpho­ne con­tém de­ze­nas de apli­ca­ti­vos e pou­cas pes­so­as se per­gun­tam a sé­rio de quan­tos de­les re­al­men­te pre­ci­sam. A sa­be­do­ria con­sis­te em man­ter dis­tân­cia do fas­cí­nio cau­sa­do pe­lo en­tre­te­ni­men­to e pe­la efi­cá­cia das no­vas tec­no­lo­gi­as. Além dis­so, em uma so­ci­e­da­de de­so­ri­en­ta­da que per­deu su­as gran­des nar­ra­ti­vas, o dis­cur­so tran­su­ma­nis­ta é mui­to per­tur­ba­dor – ele in­fan­ti­li­za os hu­ma­nos e vê as pro­mes­sas da tec­no­lo­gia sem ce­ti­cis­mo. No Oci­den­te, a tec­no­lo­gia sem­pre se re­fe­riu à ideia de trans­cen­der li­mi­tes. É uma ten­ta­ção hu­ma­na so­nhar que, pe­la ci­ên­cia, nos li­ber­ta­re­mos de nos­sos cor­pos e su­as li­mi­ta­ções – al­go que os tran­su­ma­nis­tas acre­di­tam que en­fim con­se­gui­rão.

Mas o so­nho de um ho­mem to­do­po­de­ro­so, pós-or­gâ­ni­co, que não co­nhe­ce li­mi­tes, tem to­dos os ti­pos de con­sequên­ci­as sé­ri­as pa­ra a so­ci­e­da­de. Pa­re­ce-me que is­so de­ve­ria ser vis­to co­mo uma ima­gem es­pe­lha­da da as­cen­são do fun­da­men­ta­lis­mo re­li­gi­o­so, que se es­con­de por trás dos su­pos­tos va­lo­res na­tu­rais dos se­res hu­ma­nos. Eu os ve­jo co­mo du­as for­mas ir­ra­ci­o­nais de fun­da­men­ta­lis­mo em gu­er­ra.

NOS TAXISTAS PA­RI­SI­EN­SES QUE DEPENDEM DO GPS, UMA ÁREA DO CÉ­RE­BRO SE ATROFIOU POR­QUE SUA FUN­ÇÃO FOI DELEGADA

Ce­na de “Ela”, fil­me de 2013 di­ri­gi­do por Spi­ke Jon­ze: re­la­ção amo­ro­sa en­tre hu­ma­no e má­qui­na

O ta­xis­ta lon­dri­no não se apoia no GPS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.