SO­LI­DÃO GALÁCTICA?

Por que o enor­me nú­me­ro de pla­ne­tas na Via Lác­tea ain­da não re­sul­tou em um con­ta­to com ci­vi­li­za­ções ali­e­ní­ge­nas? Uma aná­li­se de ci­en­tis­tas in­gle­ses ten­ta res­pon­der à ques­tão

Planeta - - EDITORIAL - Por Jú­lio Cé­sar Bor­ges

Por que o enor­me nú­me­ro de pla­ne­tas na Via Lác­tea ain­da não re­sul­tou em um con­ta­to com ci­vi­li­za­ções ali­e­ní­ge­nas? Ci­en­tis­tas in­gle­ses ten­tam res­pon­der à ques­tão

É uma per­gun­ta ha­bi­tu­al: se há pe­lo me­nos 100 bi­lhões de pla­ne­tas na nos­sa ga­lá­xia, a Via Lác­tea, por que ne­nhu­ma ci­vi­li­za­ção ali­e­ní­ge­na se apre­sen­tou a nós? Em ju­lho, o as­trô­no­mo ame­ri­ca­no Seth Shos­tak, do pro­je­to de bus­ca por in­te­li­gên­cia ex­tra­ter­res­tre (Se­ti, na si­gla em in­glês), vol­tou ao te­ma ao abor­dar um ar­ti­go re­cen­te de três pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford (In­gla­ter­ra).

O ar­ti­go ana­li­sa o Pa­ra­do­xo de Fer­mi, um que­bra-ca­be­ça ba­se­a­do em um ques­ti­o­na­men­to do fí­si­co ita­li­a­no En­ri­co Fer­mi so­bre “on­de es­tá to­do mun­do”. Fer­mi cal­cu­lou quan­to tem­po uma so­ci­e­da­de com foco em er­guer um im­pé­rio le­va­ria pa­ra do­mi­nar a Via Lác­tea e che­gou a al­gu­mas de­ze­nas de mi­lhões de anos – nú­me­ro qua­se mil ve­zes me­nor do que a ida­de da ga­lá­xia. Ou se­ja: há tem­po mais do que su­fi­ci­en­te, mas até ago­ra nin­guém deu o ar da gra­ça.

Os pes­qui­sa­do­res pen­sam que a ex­pli­ca­ção pa­ra is­so es­tá nos nú­me­ros in­fla­dos com que es­pe­cu­la­mos quan­tas so­ci­e­da­des ali­e­ní­ge­nas exis­tem na ga­lá­xia. Os cál­cu­los se ba­sei­am na Equa­ção de Dra­ke, cri­a­da pe­lo as­trô­no­mo ame­ri­ca­no Frank Dra­ke (fun­da­dor do Se­ti) em 1961. Ela es­ti­ma a frequên­cia com que es­pé­ci­es in­te­li­gen­tes sur­gem mul­ti­pli­can­do a pro­ba­bi­li­da­de de que a vi­da apa­re­ça pe­la pro­ba­bi­li­da­de de que ela se ca­pa­ci­te a de­sen­vol­ver ci­ên­cia e tec­no­lo­gia.

Segundo os in­gle­ses, os va­lo­res da equa­ção cons­ti­tu­em ba­si­ca­men­te su­po­si­ções. Um exem­plo é a pro­ba­bi­li­da­de – en­tre 1% e 10%, diz a fór­mu­la – de que mi­cró­bi­os sai­am da so­pa pri­mor­di­al de um pla­ne­ta aquá­ti­co. O ín­di­ce se­ria bem me­nor, ava­li­am os pes­qui­sa­do­res.

Shos­tak re­co­nhe­ce que sa­be­mos mui­to pou­co so­bre es­ses nú­me­ros. Se, por exem­plo, mi­cró­bi­os fo­rem des­co­ber­tos em uma lua de Sa­tur­no, is­so au­men­ta­ria mui­to a pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar vi­da em ou­tros can­tos da ga­lá­xia, o que exi­gi­ria re­ver o con­cei­to dos in­gle­ses. Pa­ra Shos­tak, a úni­ca for­ma de me­lho­rar as es­ti­ma­ti­vas é se­guir in­ves­ti­gan­do o te­ma. Ele lem­bra que, an­tes da des­co­ber­ta da An­tár­ti­da, a pos­si­bi­li­da­de de ha­ver um con­ti­nen­te aus­tral era de 10 pa­ra 1. “Is­so de­mons­tra que vo­cê não faz des­co­ber­tas cal­cu­lan­do pro­ba­bi­li­da­des, ape­nas in­ves­ti­gan­do – no ca­so da An­tár­ti­da, is­so sig­ni­fi­ca­va en­vi­ar na­vi­os pa­ra o sul”, diz. E con­clui: “Sem­pre va­le a pe­na cal­cu­lar as chan­ces de su­ces­so em nos­sa bus­ca por con­fra­des cós­mi­cos. Mas tais exer­cí­ci­os não de­vem nos im­pe­dir de uma bus­ca re­al.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.