NAMORO COM O DE­SAS­TRE

Planeta - - EDITORIAL - Pe­lo Ob­ser­va­tó­rio do Cli­ma

Es­tu­do in­di­ca que o des­con­tro­le do des­ma­ta­men­to de­ri­va­do de acor­dos en­tre o go­ver­no Te­mer e par­la­men­ta­res ru­ra­lis­tas po­de es­tou­rar a meta cli­má­ti­ca do Bra­sil no Acor­do de Pa­ris

Es­tu­do pu­bli­ca­do em ju­lho in­di­ca que des­con­tro­le do des­ma­ta­men­to de­ri­va­do de acor­dos en­tre o go­ver­no Te­mer e par­la­men­ta­res ru­ra­lis­tas po­de le­var à emis­são de 1,8 bi­lhão de to­ne­la­das em 2030 na Amazô­nia e no Cer­ra­do, es­tou­ran­do a meta cli­má­ti­ca do Bra­sil no Acor­do de Pa­ris

Aa­li­an­ça do go­ver­no de Mi­chel Te­mer com os ru­ra­lis­tas no Con­gres­so po­de ter sal­vo o pre­si­den­te de ser in­ves­ti­ga­do no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral por cor­rup­ção, mas dei­xou um mon­te de mor­tos pe­lo ca­mi­nho. Um de­les po­de ser a meta bra­si­lei­ra de re­du­ção das emis­sões de ga­ses que cau­sam o aque­ci­men­to glo­bal, con­for­me su­ge­re o es­tu­do “The th­re­at of po­li­ti­cal bar­gai­ning to cli­ma­te mi­ti­ga­ti­on in Bra­zil”, pu­bli­ca­do em ju­lho na re­vis­ta “Na­tu­re Cli­ma­te Chan­ge”.

Um gru­po de pes­qui­sa­do­res do Rio de Ja­nei­ro, de Mi­nas Ge­rais e de Brasília mos­trou no pe­rió­di­co co­mo as bar­ga­nhas po­lí­ti­cas fei­tas des­de 2016 afe­tam o con­tro­le do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia e no Cer­ra­do. No pi­or ca­so, is­so fa­ria as emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa por des­ma­ta­men­to re­tor­na­rem aos pa­ta­ma­res do sé­cu­lo pas­sa­do. Des­sa for­ma, o Bra­sil es­tou­ra­ria em 2030 to­dos os li­mi­tes de emis­sões com­pa­tí­veis com o cum­pri­men­to de sua meta no acor­do do cli­ma de Pa­ris, fir­ma­do em de­zem­bro de 2015.

Só por des­ma­ta­men­to o país emi­ti­ria, nes­se ce­ná­rio, 1,8 bi­lhão de to­ne­la­das lí­qui­das de gás carbô­ni­co em 2030 – um va­lor 50% mai­or do que a meta in­di­ca­ti­va da Con­tri­bui­ção Na­ci­o­nal­men­te De­ter­mi­na­da (NDC, na si­gla em in­glês), o com­pro­mis­so bra­si­lei­ro em Pa­ris, que é de 1,2 bi­lhão de to­ne­la­das na­que­le mes­mo ano.

No ce­ná­rio mais pro­vá­vel, a con­ta da ali­an­ça com os ru­ra­lis­tas so­bra­ria pa­ra ou­tros se­to­res, co­mo a in­dús­tria e os trans­por­tes. E se­ria sal­ga­da: pa­ra o Bra­sil se man­ter na meta em 2030, o res­tan­te da eco­no­mia te­ria de de­sem­bol­sar US$ 2 tri­lhões (mais do que o va­lor to­tal do PIB em 2017) pa­ra ado­tar tec­no­lo­gi­as ain­da ima­tu­ras ou não tes­ta­das e ze­rar su­as emis­sões, de for­ma a com­pen­sar o car­bo­no emi­ti­do a mais no se­tor flo­res­tal.

GOVERNANÇA COM­PRO­ME­TI­DA

O gru­po res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do, li­de­ra­do por Ro­ber­to Scha­ef­fer, do Ins­ti­tu­to Al­ber­to Luiz Coim­bra de Pós-gra­du­a­ção e Pes­qui­sa de En­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (Cop­pe-

UFRJ), e Bri­tal­do So­a­res-fi­lho, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais, re­cor­reu a mo­de­los de com­pu­ta­dor que fa­zem si­mu­la­ções de co­mo o uso da ter­ra evo­lui no ter­ri­tó­rio e de co­mo as re­la­ções en­tre uso da ter­ra e ener­gia se de­sen­vol­vem em res­pos­ta a con­tex­tos di­ver­sos. Pa­ra is­so, eles ali­men­ta­ram o mo­de­lo com as ta­xas de des­ma­ta­men­to e as con­di­ções de governança am­bi­en­tal em três mo­men­tos: an­tes de 2005, quan­do não ha­via con­tro­le so­bre a de­vas­ta­ção das flo­res­tas; en­tre 2005 e 2012, quan­do me­di­das fo­ram ado­ta­das e a ta­xa de des­ma­ta­men­to caiu; e en­tre 2012 e 2017, quan­do a ten­dên­cia de que­da se rom­peu na es­tei­ra do en­fra­que­ci­men­to do Có­di­go Flo­res­tal e da crise po­lí­ti­ca.

Nos úl­ti­mos dois anos, o qua­dro de governança pós-2012 se agra­vou. Pa­ra ten­tar apro­var o im­pe­a­ch­ment, de­pois re­for­mas im­po­pu­la­res, de­pois pa­ra sal­var a pró­pria pe­le, Mi­chel Te­mer fez uma sé­rie de con­ces­sões à ban­ca­da ru­ra­lis­ta, que re­pre­sen­ta cer­ca de 40% dos vo­tos na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos: a grilagem de ter­ras de até 2.500 hec­ta­res foi le­ga­li­za­da, a de­mar­ca­ção de ter­ras in­dí­ge­nas foi con­ge­la­da, uni­da­des de con­ser­va­ção ti­ve­ram pro­pos­tas de re­du­ção de li­mi­tes e o li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal pas­sou a ser ame­a­ça­do por vá­ri­os pro­je­tos de lei.

Os ru­ra­lis­tas não ga­nha­ram tu­do ain­da. “Mas, pa­ra o des­ma­ta­men­to, a si­na­li­za­ção ne­ga­ti­va que o go­ver­no dá tem uma im­por­tân­cia enor­me”, diz Ra­o­ni Ra­jão, da UFMG, co­au­tor do es­tu­do.

Com ba­se nes­sas in­for­ma­ções, os mo­de­los pro­du­zi­ram três ce­ná­ri­os. Num de­les, a governança am­bi­en­tal é for­ta­le­ci­da, al­go que soa pou­co fac­tí­vel atu­al­men­te. Nes­se ca­so, o des­ma­ta­men­to do Cer­ra­do al­can­ça 3.794 km2 em 2030, com­pa­ra­do aos mais de 9.484 km2 ho­je. O da Amazô­nia cai­ria dos atu­ais 7.000 km2 pa­ra 3.920 km2.

No ce­ná­rio in­ter­me­diá­rio, con­si­de­ra­do o mais pro­vá­vel pe­lo gru­po de es­tu­dos, o des­ma­ta­men­to no Cer­ra­do vai a 14.759 km2, e o da Amazô­nia, a 17.377 km2 em 2030. No pi­or ce­ná­rio, a governança am­bi­en­tal é com­ple­ta­men­te aban­do­na­da e o des­ma­ta­men­to anu­al re­tor­na aos ní­veis mais al­tos: 18.517 km2 no Cer­ra­do e 27.772 km2 na Amazô­nia.

OR­ÇA­MEN­TO COM­PLI­CA­DO

O car­bo­no emi­ti­do por per­da de flo­res­tas e sa­va­nas nos três ce­ná­ri­os foi com­pa­ra­do com o cha­ma­do “or­ça­men­to de car­bo­no” do Bra­sil, ou se­ja, quan­to CO o país ain­da po­de emi­tir pa­ra cum­prir seu com­pro­mis­so na meta do Acor­do de Pa­ris de es­ta­bi­li­zar o aque­ci­men­to da Ter­ra abai­xo de 2oc em re­la­ção à era pré-in­dus­tri­al. Da­do o ta­ma­nho da eco­no­mia e da po­pu­la­ção do nos­so país, es­se or­ça­men­to foi cal­cu­la­do em 24 bi­lhões de to­ne­la­das lí­qui­das de CO equi­va­len­te en­tre 2010 e 2050. Co­mo já emi­ti­mos 4,6 bi­lhões de 2010 a 2017, o or­ça­men­to re­ma­nes­cen­te é de 19,4 bi­lhões de to­ne­la­das.

No ce­ná­rio mais pro­vá­vel, o in­ter­me­diá­rio, as emis­sões acu­mu­la­das ape­nas por des­ma­ta­men­to en­tre 2010 e 2030 che­gam a 16,3 bi­lhões de to­ne­la­das. O Bra­sil só con­se­gue se man­ter den­tro do or­ça­men­to de car­bo­no se im­pu­ser ao se­tor in­dus­tri­al e ener­gé­ti­co as tais tec­no­lo­gi­as mais ca­ras a cus­to de US$ 2 tri­lhões.

A NDC tam­bém vai pa­ra o vi­na­gre já no ce­ná­rio in­ter­me­diá­rio. “O com­pro­mis­so as­su­mi­do no Acor­do de Pa­ris é de che­gar a 2030 com 1,2 bi­lhão de to­ne­la­das de emis­sões no con­jun­to da eco­no­mia. Mas, no ce­ná­rio ten­den­ci­al, so­men­te as emis­sões por des­ma­ta­men­to já al­can­ça-

AS CON­CES­SÕES FEI­TAS EM 2016 E 2017 IN­CLU­EM A LEGALIZAÇÃO DA GRILAGEM DE TER­RAS ATÉ 2.500 HEC­TA­RES

ri­am es­se va­lor”, afir­ma Ra­jão.

O ce­ná­rio mais gra­ve é um aler­ta, mas por ora não é o mais pro­vá­vel, já que o Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te con­ti­nua a agir pa­ra con­tro­lar a de­vas­ta­ção. No go­ver­no Te­mer, pa­ra­do­xal­men­te, o or­ça­men­to do Iba­ma pa­ra a fis­ca­li­za­ção am­bi­en­tal foi incrementado em re­la­ção ao do segundo man­da­to de Dil­ma Rous­seff, com di­nhei­ro do­a­do pe­la No­ru­e­ga.

Ain­da em ju­lho, o ór­gão anun- ci­ou que con­clui­ria nes­se mês a Ope­ra­ção Pa­nop­ti­cum, que con­sis­te no en­vio de 25,2 mil car­tas e e-mails a pro­pri­e­tá­ri­os de ter­ra de 59 mu­ni­cí­pi­os com ris­co de des­ma­ta­men­to. O ob­je­ti­vo é in­for­mar aos pro­pri­e­tá­ri­os que eles es­tão sen­do mo­ni­to­ra­dos por sa­té­li­te e se­rão pu­ni­dos em ca­so de des­ma­ta­men­to ile­gal.

“O Iba­ma con­ti­nua me­lho­ran­do, mas, no ca­so da Amazô­nia, is­so vai di­mi­nuir no má­xi­mo um ter­ço do des­ma­ta­men­to to­tal, que es­tá em ter­ras pri­va­das que já es­tão no Ca­das­tro Am­bi­en­tal Ru­ral”, dis­se Ra­jão, que con­ce­beu a Ope­ra­ção Pa­nop­ti­cum com Jair Schmitt, di­re­tor de Po­lí­ti­cas de Com­ba­te ao Des­ma­ta­men­to do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. Segundo ele, é mais di­fí­cil fa­zer es­se con­tro­le em áre­as pri­va­das fo­ra do CAR, em uni­da­des de con­ser­va­ção, ter­ras de­vo­lu­tas, ter­ras in­dí­ge­nas e as­sen­ta­men­tos.

“O es­tu­do mos­tra que o Bra­sil es­tá pra­ti­can­do ho­je um ti­po de po­lí­ti­ca do sé­cu­lo 19, o que faz com que tal­vez te­nha­mos de re­cor­rer a tec­no­lo­gi­as do sé­cu­lo 21, mui­tas de­las ain­da não ma­du­ras ou co­mer­ci­al­men­te dis­po­ní­veis, pa­ra com­pen­sar o au­men­to das emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa ad­vin­das do au­men­to do des­ma­ta­men­to de­cor­ren­tes des­sa po­lí­ti­ca”, dis­se Ro­ber­to Scha­ef­fer.

des­ma­ta­da na Amazô­nia: em 2030, ce­ná­ri­os as­sim po­de­rão so­mar mais de 27 mil quilô­me­tros qua­dra­dos

Te­mer (cen­tro), o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Blai­ro Mag­gi (di­rei­ta) e par­la­men­ta­res ru­ra­lis­tas: ali­an­ça pe­ri­go­sa

Trans­por­tes: se­tor que se­rá afe­ta­do pe­la ne­ces­si­da­de de usar tec­no­lo­gi­as mais ca­ras

Cer­ra­do: des­ma­ta­men­to su­pe­ra­ria mais de 18.000 km2 no pi­or ce­ná­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.