SUS­TEN­TA­BI­LI­DA­DE: QUE CHATO?!

Planeta - - PLANETÁRIO - Mariana Cre­go

Des­de a dé­ca­da de 70, sus­ten­ta­bi­li­da­de é um ter­mo mui­to dis­cu­ti­do, e eu di­ria que, pa­ra mui­tos, já es­tá ba­ti­do. Vi­rou as­sun­to chato, es­tag­na­do, mal en­ten­di­do e mal in­ter­pre­ta­do. Mui­tas ve­zes, re­la­ci­o­na­do a um pro­du­to feio, uma fal­sa es­tra­té­gia de mar­ke­ting ou a uma su­ca­ta. Mas, cal­ma, va­mos re­cons­truir es­sa ima­gem jun­tos. O que, afi­nal, é a sus­ten­ta­bi­li­da­de e por que ela im­por­ta? Vai mu­dar a mi­nha vi­da? De­pen­de. Vo­cê gos­ta de con­for­to? Gos­ta da sua em­pre­sa, de boa co­mi­da, de vi­a­jar, de fa­zer com­pras? Gos­ta de es­tar em um lu­gar lim­po, se­gu­ro e pla­ne­ja­do com in­te­li­gên­cia pa­ra que vo­cê apro­vei­te to­das as co­mo­di­da­des? Hum, en­tão vo­cê se im­por­ta e es­se é o pri­mei­ro pas­so.

Pa­ra co­me­çar a en­ten­der, a ba­se da sus­ten­ta­bi­li­da­de po­de ser em­pre­ga­da em qual­quer si­tu­a­ção: ci­da­des, pro­du­tos, mo­de­los de ges­tão, po­lí­ti­cas so­ci­ais e por aí vai. Ela sig­ni­fi­ca uma me­di­da que, apli­ca­da em qual­quer si­tu­a­ção, vi­sa ao seu de­sen­vol­vi­men­to ao mes­mo tem­po que con­ser­va re­cur­sos. Ou se­ja, é uma me­di­da pa­ra que uma ci­da­de, um em­pre­en­di­men­to ou uma em­pre­sa, por exem­plo, sus­ten­te-se.

E pa­ra ser sus­ten­tá­vel? Tem que ser cor­re­to, viá­vel, in­te­li­gen­te e unir har­mo­ni­ca­men­te de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e meio am­bi­en­te. De­sen­vol­vi­men­to? Po­de is­so na sus­ten­ta­bi­li­da­de, pro­du­ção? Po­de e de­ve.

Co­mo já di­zia a Agen­da 21 des­de 1992, pre­ser­va­ção e de­sen­vol­vi­men­to de­vem an­dar jun­tos. Ape­nas evo­luin­do é que con­se­gui­re­mos achar al­ter­na­ti­vas mais efi­ci­en­tes pa­ra pro­du­zir e pre­ser­var. A se­gun­da op­ção se­ria vol­tar ao tem­po das ca­ver­nas, o que não é viá­vel e, lo­go, não é sus­ten­tá­vel. Afi­nal, ha­ja ca­ver­nas pa­ra to­dos nós.

Bom, e o que mu­da? A par­tir do mo­men­to em que vo- cê uti­li­za a in­te­li­gên­cia pa­ra su­prir seus con­for­tos sem es­tra­gar re­cur­sos, au­to­ma­ti­ca­men­te co­me­ça a apli­car is­so em to­dos os cam­pos da sua vi­da. Ima­gi­ne uma ci­da­de sem po­lui­ção, mui­to ar­bo­ri­za­da, se­gu­ra, sem li­xo, sem en­chen­tes, sem apa­gões, sem trân­si­to e por aí vai.

So­nho? Não. Sus­ten­ta­bi­li­da­de. E a saú­de agra­de­ce. Olá, pul­mão lim­po. Tchau, pe­le res­se­ca­da, tchau, an­si­o­lí­ti­cos e uma be­la lis­ta de itens pa­ra se re­com­por.

Po­xa, mas is­so não es­tá lon­ge? Não é ape­nas pa­ra lon­go pra­zo? Tam­bém não. Cla­ro que o mun­do in­tei­ro não mu­da em um segundo, mas to­das as al­ter­na­ti­vas já es­tão aí – bas­ta pes­qui­sar, ade­rir e, cla­ro, exi­gir. Ape­nas exi­gin­do é que o mer­ca­do mu­da.

As po­lí­ti­cas te­rão que ado­tar me­di­das ver­des e sau­dá­veis, as em­pre­sas te­rão de usar sua in­te­li­gên­cia pa­ra ge­rar pro­du­tos sem des­trui­ção e as pes­so­as só po­de­rão for­ne­cer o que for bem pen­sa­do pa­ra a ou­tra usu­fruir. Tchau, pro­du­tos ruins. Tchau, ser­vi­ços sem qua­li­da­de. É uma ques­tão de que­rer e co­lo­car em prá­ti­ca, a-p-e-n-a-s.

Se is­so tu­do pa­re­ce di­fí­cil, aque­la “coi­sa de ci­da­de eu­ro­peia lon­ge de nos­sa re­a­li­da­de”… Sur­pre­sa: lá vem o Ce­a­rá lan­çan­do uma das ci­da­des mais sus­ten­tá­veis e sau­dá­veis pa­ra ser vi­ver no mun­do. Co­le­ta in­te­li­gen­te, pro­du­ção de ener­gia lim­pa, hor­tas es­pa­lha­das, apli­ca­ti­vo em tem­po re­al mo­ni­to­ran­do a área da ci­da­de e pra­ças com equi­pa­men­tos es­por­ti­vos que ge­ram ener­gia con­for­me vo­cê se exer­ci­ta.

Va­mos co­me­çar to­dos?

Mariana Cre­go, for­ma­da pe­la Fa­ap em ar­qui­te­tu­ra e ur­ba­nis­mo e pós-gra­du­a­da na Es­co­la da Ci­da­de, é a ter­cei­ra pro­fis­si­o­nal no mun­do, e a pri­mei­ra no Bra­sil, a re­ce­ber os ates­ta­dos piloto do pro­ces­so AQUA-HQE Pro­je­tos de In­te­ri­o­res, que pro­mo­ve prá­ti­cas sus­ten­tá­veis na cons­tru­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.