Sem al­ter­na­ti­vas

Planeta - - EDITORIAL -

As on­das de ca­lor de­ri­va­das do aque­ci­men­to glo­bal var­rem o mun­do, com efeitos com­pre­en­si­vel­men­te mais no­ta­dos nos paí­ses do he­mis­fé­rio nor­te – afi­nal, é a par­te do pla­ne­ta que con­cen­tra o mai­or nú­me­ro de ha­bi­tan­tes. Mas o que es­tá acon­te­cen­do nas vas­ti­dões ge­la­das e des­po­vo­a­das do Ár­ti­co é cer­ta­men­te o mai­or tes­te­mu­nho de que a mu­dan­ça cli­má­ti­ca acar­re­ta trans­for­ma­ções subs­tan­ci­ais e de lon­go pra­zo na Ter­ra, co­mo res­sal­ta a ma­té­ria de ca­pa des­ta edi­ção. Quem ou­sa­ria di­zer em me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do, por exem­plo, que uma em­bar­ca­ção co­mer­ci­al na­ve­ga­ria pe­lo li­to­ral ár­ti­co da Rús­sia em ple­na es­ta­ção mais fria do ano? Pois is­so acon­te­ceu no in­ver­no de 2017-2018. Os úl­ti­mos obs­tá­cu­los que im­pe­dem o Oce­a­no Ár­ti­co de se tor­nar uma ro­ta co­mum pa­ra na­vi­os es­tão gra­du­al­men­te su­min­do.

Em la­ti­tu­des mais bai­xas, é pos­sí­vel bus­car al­ter­na­ti­vas à mu­dan­ças cli­má­ti­ca. Cul­tu­ras tí­pi­cas de um de­ter­mi­na­do cli­ma po­dem ser le­va­das pa­ra ter­ras mais fri­as ou mais al­tas, por exem­plo. No ca­so do Ár­ti­co (e, na­tu­ral­men­te, da An­tár­ti­da), não há op­ção. Os ha­bi­tan­tes tra­di­ci­o­nais des­sa re­gião do mun­do ou se adap­tam às no­vas con­di­ções, ou sim­ples­men­te de­sa­pa­re­cem. É co­nhe­ci­do o dra­ma dos ur­sos-po­la­res, cu­ja re­si­dên­cia ha­bi­tu­al são os blo­cos de ge­lo ma­ri­nho, on­de eles ga­ran­tem a so­bre­vi­vên­cia ca­çan­do fo­cas. Com o aque­ci­men­to glo­bal, po­rém, o ge­lo ma­ri­nho es­tá re­cu­an­do sis­te­ma­ti­ca­men­te, e as ce­nas des­ses ma­mí­fe­ros iso­la­dos num blo­co à de­ri­va são ca­da vez mais co­muns.

Ci­en­tis­tas já fla­gra­ram es­pé­ci­es de aves ár­ti­cas cu­jo tra­je­to en­tre o li­to­ral, on­de têm o ni­nho, e o ge­lo ma­ri­nho, on­de con­se­guem o sus­ten­to, es­tá tes­tan­do sua re­sis­tên­cia de vo­ar. E ba­lei­as já en­fren­tam pro­ble­mas com os no­vos tem­pos de na­ve­ga­ção in­ten­si­fi­ca­da nas águas ár­ti­cas. Os ruí­dos emi­ti­dos pe­las em­bar­ca­ções atra­pa­lham, as­sim co­mo o pró­prio trân­si­to dos na­vi­os pe­los di­ver­sos ha­bi­tats.

O aque­ci­men­to do Ár­ti­co é mo­ti­vo de co­me­mo­ra­ção pa­ra mui­ta gen­te, a co­me­çar pe­las pe­tro­lei­ras – a ex­plo­ra­ção de cer­ca de 22% das re­ser­vas mun­di­ais de pe­tró­leo e gás vai, en­fim, co­me­çar a se tor­nar viá­vel. Mas o pre­juí­zo am­bi­en­tal é ine­gá­vel, e nes­se sen­ti­do va­le lem­brar uma fra­se do in­glês Cli­ve Hol­lands, fa­mo­so de­fen­sor dos di­rei­tos dos ani­mais: o fim de uma es­pé­cie não é ape­nas uma per­da pa­ra ela – a pró­pria ra­ça hu­ma­na per­de com es­se de­sa­pa­re­ci­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.