ANGKOR: ES­PLEN­DOR NA SELVA

En­cra­va­da nas flo­res­tas do Cam­bo­ja es­tá uma ma­ra­vi­lha ar­qui­tetô­ni­ca que, no sé­cu­lo 19, che­gou a ri­va­li­zar em fa­ma com as pi­râ­mi­des do Egi­to. Mas o tu­ris­mo sem con­tro­le ame­a­ça sua pre­ser­va­ção

Planeta - - EDITORIAL - Por Ma­ri­a­ne Li­ma

Nas flo­res­tas do

Cam­bo­ja es­tá uma ma­ra­vi­lha ar­qui­tetô­ni­ca que, no sé­cu­lo 19, che­gou a ri­va­li­zar em fa­ma com as pi­râ­mi­des do Egi­to. O tu­ris­mo sem con­tro­le ame­a­ça sua pre­ser­va­ção

Quan­do o na­tu­ra­lis­ta fran­cês Hen­ri Mouhot che­gou a Angkor (no no­ro­es­te do atu­al Cam­bo­ja, per­to da ci­da­de de Si­em Re­ap), em 1858, o im­pac­to do que en­con­trou não po­de­ria ser mais in­ten­so. “Era mai­or do que tu­do aqui­lo que nos foi le­ga­do pe­la Gré­cia e por Ro­ma”, des­cre­veu em um diá­rio pu­bli­ca­do lo­go após a sua mor­te, em 1861. A di­vul­ga­ção da des­co­ber­ta, que nas dé­ca­das se­guin­tes ren­de­ria a Angkor uma fa­ma qua­se igual à das pi­râ­mi­des do Egi­to, atraiu vá­ri­as ex­pe­di­ções à re­gião. Mas a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca mais sis­te­má­ti­ca ali só se­ria or­ga­ni­za­da em 1898, com a cri­a­ção do nú­cleo da Es­co­la Fran­ce­sa pa­ra o Ex­tre­mo Ori­en­te, ba­se­a­da em Sai­gon (atu­al Ho Chi Mi­nh, no Vi­et­nã), cu­jo prin­ci­pal ob­je­ti­vo era iden­ti­fi­car, pes­qui­sar e res­tau­rar os edi­fí­ci­os en­con­tra­dos.

Uma das ma­ra­vi­lhas ar­qui­tetô­ni­cas do pla­ne­ta, Angkor, a ca­pi­tal do Im­pé­rio Kh­mer, con­ti­nha no seu au­ge qua­se mil tem­plos e pa­lá­ci­os em uma área de 8 km por 24 km. Em ge­ral ins­pi­ra­das no hin­duís­mo, as cons­tru­ções – de pi­lhas de es­com­bros a tem­plos bem pre­ser­va­dos – es­pa­lham-se em um lo­cal de den­sa ve­ge­ta­ção, que der­ru­bou pa­re­des, mu­ros e fun­da­ções dos pré­di­os aban­do­na­dos ao lon­go dos sé­cu­los.

Pri­mei­ro di­re­tor da Es­co­la, o ar­queó­lo­go Je­an Co­mail­le ini­ci­ou a de­sobs­tru­ção dos tem­plos me­nos afe­ta­dos pe­las ár­vo­res. Em 1907, par­te das ruí­nas já es­ta­va lim­pa, e os pes­qui­sa­do­res pas­sa­ram a re­co­lo­car as pe­dras der­ru­ba­das em seus lo­cais de ori­gem, re­cu­pe­ran­do a for­ma de tem­plos e pa­lá­ci­os.

A prin­ci­pal edi­fi­ca­ção en­con­tra­da foi Angkor Wat, tem­plo er­gui­do en­tre 1113 e 1150 e con­si­de­ra­do o mai­or mo­nu­men­to re­li­gi­o­so do mun­do. Sua de­sobs­tru­ção to­tal, nu­ma área con­tí­nua com cer­ca de

2 km2, re­ve­lou vá­ri­os tú­neis e pas­sa­gens se­cre­tas que ocul­ta­vam a tum­ba do rei Surya­var­man II, lí­der do Es­ta­do kh­mer du­ran­te o pe­río­do da cons­tru­ção.

COS­MO­LO­GIA HIN­DUÍS­TA

Angkor Wat é vis­ta co­mo uma re­pre­sen­ta­ção ar­qui­tetô­ni­ca da cos­mo­lo­gia hin­duís­ta. Su­as torres cen­trais sim­bo­li­zam o Mon­te Me­ru, lar dos deu­ses; as pa­re­des ex­ter­nas, as mon­ta­nhas que cer­cam o mun­do; e o fos­so, os oce­a­nos além des­sas ele­va­ções. Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram ali es­tá­tu­as e obras de arte re­quin­ta­das, mas a sa­la do te­sou­ro ci­ta­da em ma­nus­cri­tos an­ti­gos ja­mais foi en­con­tra­da.

Em 1916, an­tes de ter­mi­nar seu tra­ba­lho no gran­de edi­fí­cio, Com­mai­le foi as­sas­si­na­do por pi­ra­tas flu­vi­ais quan­do le­va­va o pa­ga­men­to de seus fun­ci­o­ná­ri­os. Ele foi subs­ti­tuí­do pe­lo ar­qui­te­to e apre­ci­a­dor de ar­que­o­lo­gia Hen­ri Mar­chal, que co­me­çou por de­sobs­truir a an­ti­ga ca­pi­tal, Angkor Thom, si­tu­a­da a 800 me­tros de Angkor Wat e eri­gi­da num for­ma­to qua­dra­do, em que ca­da la­do me­dia três quilô­me­tros.

A cons­tru­ção de Angkor Thom da­ta do sé­cu­lo 10, mas os pré­di­os ain­da de pé são do fim do sé­cu­lo 12. No cen­tro da ca­pi­tal en­con­tra-se uma joia ar­qui­tetô­ni­ca, o tem­plo bu­dis­ta de Bayon, er­gui­do pe­lo rei Jaya­var­man VII. Es­se era um dos 20 tem­plos que, se­gun­do um em­bai­xa­dor chi­nês jun­to aos go­ver­nan­tes kh­mers no sé­cu­lo 13, ti­nham as torres e o te­lha­do re­ves­ti­dos de fi­nas lâ­mi­nas de ou­ro – co­ber­tu­ras me­tá­li­cas que de­sa­pa­re­ce-

O IM­PÉ­RIO KH­MER VI­VEU SEU ÁPI­CE EN­TRE OS ANOS 800 E 1220 E é ADMIRADO POR SUA TEC­NO­LO­GIA HI­DRÁU­LI­CA, VIS­TA CO­MO UMA OBRA-PRI­MA DE EQUI­LÍ­BRIO ECO­LÓ­GI­CO

ram sem dei­xar ves­tí­gi­os. O edi­fí­cio, com área de 600 m2, pos­suía ori­gi­na­ri­a­men­te 54 torres, ca­da uma for­man­do qua­tro fa­ces da di­vin­da­de.

Mui­tas das di­ver­sas ga­le­ri­as exis­ten­tes no in­te­ri­or de Bayon re­ve­la­ram pas­sa­gens se­cre­tas pa­ra câ­ma­ras sub­ter­râ­ne­as. Em al­gu­mas de­las fo­ram en­con­tra­das es­tá­tu­as de di­vin­da­des e va­sos de ce­râ­mi­ca ou pe­dra.

IM­PUL­SO PA­RA A PES­QUI­SA

Por vol­ta de 1929, o es­cri­tor André Mal­raux con­se­guiu per­mis­são pa­ra ir a Angkor e as­sis­tir aos tra­ba­lhos de res­tau­ra­ção dos edi­fí­ci­os. Sua im­pres­si­o­nan­te des­cri­ção das ruí­nas atraiu a aten­ção do go­ver­no fran­cês, e em 1932 um gru­po de ins­pe­to­res foi en­vi­a­do pa­ra ob­ser­var o pro­gres­so dos tra­ba­lhos. Na oca­sião, cor­re­ram ru­mo­res de que num dos tem­plos de Angkor Thom fo­ra des­co­ber­ta uma tum­ba com um riquís­si­mo mo­bi­liá­rio fú­ne­bre, que in­cluía es­ta­tu­as de ou­ro e pe­dras pre­ci­o­sas. Na mes­ma épo­ca, foi ven­di­do em Xan­gai (Chi­na) um ru­bi de 45 qui­la­tes que mui­tos atri­buí­ram a es­se te­sou­ro per­di­do.

O Im­pé­rio Kh­mer vi­veu seu au­ge en­tre 800 e 1220 d.c., pe­río­do ba­li­za­do pe­los reis Jaya­var­man II (802850) – o pri­mei­ro so­be­ra­no des­se po­vo a se de­cla­rar “mo­nar­ca uni­ver­sal” – e Jaya­var­man VII (1181- 1218), que em seu tem­po co­man­dou a mai­or par­te da In­do­chi­na. Jaya­var­man VII mar­cou a tran­si­ção dos go­ver­nan­tes kh­mers do hin­duís­mo pa­ra o bu­dis­mo, sua cren­ça pes­so­al. Em agra­de­ci­men­to ao au­xí­lio di­vi­no, ele man­dou cons­truir uma gran­de es­tá­tua de Bu­da to­tal­men­te in­crus­ta­da de es­me­ral­das, as quais fa­zi­am com que o ído­lo pa­re­ces­se ter si­do es­cul­pi­do de uma só pe­dra. Es­sa ma­ra­vi­lha de­sa­pa­re­ceu e, se­gun­do len­das, es­ta­ria ocul­ta no in­te­ri­or do Bayon.

No sé­cu­lo 14, o Es­ta­do Kh­mer en­trou em de­ca­dên­cia e foi in­va­di­do em 1351 pe­lo rei­no Tai, seu vi­zi­nho do oes­te. Um prín­ci­pe kh­mer co­man­dou a re­vol­ta pos­te­ri­or con­tra os ocu­pan­tes e exe­cu­tou o rei im­pos­to. A re­a­ção le­vou a no­va in­va­são dos tais, em 1431, mar­ca­da pe­lo sa­que a tem­plos, pa­lá­ci­os e mo­ra­di­as de no­bres. De­pois dis­so, Angkor foi aban­do­na­da por seus ha­bi­tan­tes e, aos pou­cos, en­go­li­da pe­la flo­res­ta.

A tra­du­ção dos di­ver­sos tex­tos gra­va­dos nas tum­bas e pa­re­des dos tem­plos for­ne­ceu um in­ven­tá­rio de reis kh­mers e a épo­ca de seus go­ver­nos, bem co­mo su­as re­a­li­za­ções no cam­po hi­dráu­li­co. Ao con­se­gui­rem sis­te­ma­ti­ca­men­te es­ta­bi­li­zar, ar­ma­ze­nar e dis­per­sar as águas do rio Me­kong e de ou­tras fon­tes pró­xi­mas, os kh­mers trans­for­ma­ram vas­tas áre­as ala­ga­das em cam­pos de cul­ti­vo e es­pa­ços pa­ra edi­fi­ca­ção, num fei­to con­si­de­ra­do por mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas uma obra-pri­ma de equi­lí­brio eco­ló­gi­co. O avan­ça­dís­si­mo sis­te­ma usa­do per­mi­tia, no ápi­ce da­que­la ci­vi­li­za­ção, uma pro­du­ção de ali­men­tos su­fi­ci­en­te pa­ra ali­men­tar um mi­lhão de pes­so­as.

Vis­ta de Angkor Wat: o mai­or mo­nu­men­to re­li­gi­o­so do mun­do é uma re­pre­sen­ta­ção ar­qui­tetô­ni­ca da cos­mo­lo­gia hin­duís­ta

Com o aban­do­no, ár­vo­res sur­gi­ram em meio às cons­tru­ções

Re­pre­sen­ta­ções bu­dis­tas no tem­plo de Bayon, úl­ti­ma gran­de obra ar­qui­tetô­ni­ca kh­mer

Ruí­nas do tem­plo de Bayon, cons­truí­do no rei­no de Jaya­var­man VII

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.