ES­PA­ÇO A BAI­XO CUS­TO

A Ín­dia promete le­var um de seus ha­bi­tan­tes pa­ra além das fron­tei­ras ter­res­tres até 2020. A pro­pos­ta de­ve ser vi­a­bi­li­za­da gra­ças so­bre­tu­do à for­ma su­pe­re­conô­mi­ca co­mo o país tem de­sen­vol­vi­do seu pro­gra­ma es­pa­ci­al

Planeta - - EDITORIAL - Por Jú­lio Cé­sar Bor­ges

A Ín­dia promete le­var um as­tro­nau­ta pa­ra além das fron­tei­ras ter­res­tres até 2020. A pro­pos­ta de­ve ser vi­a­bi­li­za­da gra­ças so­bre­tu­do ao seu pro­gra­ma es­pa­ci­al su­pe­re­conô­mi­co

Quan­do o pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­a­no Na­ren­dra Mo­di anun­ci­ou em agos­to que seu país en­vi­a­ria um as­tro­nau­ta ao es­pa­ço até 2022, as re­a­ções de des­con­fi­an­ça não se avo­lu­ma­ram co­mo se po­de­ria es­pe­rar de iní­cio. A Ín­dia é, sem dú­vi­da, um país de ter­cei­ro mun­do, com gi­gan­tes­cos de­sa­fi­os in­ter­nos, que cer­ta­men­te me­re­ce­ri­am mais in­ves­ti­men­tos do que um pro­gra­ma es­pa­ci­al. Mas o país tem de­mons­tra­do ao lon­go dos anos que con­se­gue fei­tos nes­sa área a cus­tos bem me­no­res do que as ou­tras po­tên­ci­as es­pa­ci­ais, e o de­sen­vol­vi­men­to nes­sa área po­de lhe abrir mui­tas por­tas num se­tor cu­ja im­por­tân­cia só tem cres­ci­do.

Se de­pen­der de Kai­la­sa­va­di­voo Si­van, pre­si­den­te da Or­ga­ni­za­ção de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais da Ín­dia (Is­ro, na si­gla em in­glês), a pro­mes­sa de Mo­di se­rá cum­pri­da. “O pre­miê deu o ob­je­ti­vo de 2022 e é nos­so de­ver aten­dê­lo”, dis­se na oca­sião. “De­sen­vol­ve­mos mui­tas tec­no­lo­gi­as, co­mo mó­du­lo de tri­pu­la­ção e sis­te­mas de es­ca­pe. O pro­je­to es­tá em an­da­men­to; ago­ra pre­ci­sa­mos pri­o­ri­zar e atin­gir a me­ta.” Se­gun­do ele, os pi­lo­tos e a tri­pu­la­ção, fre­quen­te­men­te cha­ma­dos de vyo­ma­nau­tas (“vyom” sig­ni­fi­ca es­pa­ço em sâns­cri­to), pas­sa­ri­am pe­lo me­nos se­te di­as no es­pa­ço.

Pa­ra Si­van, a mis­são, pro­pos­ta pe­la pri­mei­ra vez há qua­se uma dé­ca­da, cus­ta­ria à Ín­dia cer­ca de US$ 1,2 bi­lhão. Ela se­ria se­gui­da por du­as ex­pe­di­ções não tri­pu­la­das, a pri­mei­ra de­las a ser lan­ça­da em 2020.

O pro­gra­ma es­pa­ci­al in­di­a­no foi cri­a­do em 1962 e lan­çou sua pri­mei­ra son­da lu­nar há uma dé­ca­da. Des­de 2014, a ini­ci­a­ti­va tem ga­nha­do no­vas pro­por­ções. Na- que­le ano, o país co­lo­cou com su­ces­so um sa­té­li­te na ór­bi­ta de Mar­te, tor­nan­do-se a pri­mei­ra na­ção a fa­zê-lo em sua ten­ta­ti­va ini­ci­al e o pri­mei­ro país asiá­ti­co a al­can­çar o Pla­ne­ta Ver­me­lho. O pre­ço da ex­pe­di­ção tam­bém foi des­ta­que: US$ 74 mi­lhões, an­te US$ 671 mi­lhões da mis­são Ma­ven, que a Na­sa, a agên­cia es­pa­ci­al ame­ri­ca­na, en­vi­ou na­que­le ano pa­ra es­tu­dar a at­mos­fe­ra mar­ci­a­na. De 2014 pa­ra cá, a Ín­dia já lan­çou 237 sa­té­li­tes pa­ra cli­en­tes in­ter­na­ci­o­nais de 29 paí­ses, e em 2017 le­vou à ór­bi­ta ter­res­tre 104 mi­cros­sa­té­li­tes em um úni­co fo­gue­te. São nú­me­ros ad­mi­rá­veis sob qual­quer ân­gu­lo de aná­li­se.

Lan­ça­men­to de veí­cu­lo trans­por­ta­dor de sa­té­li­tes da Ín­dia em 2016: es­pa­ço tam­bém pa­ra son­das da Ar­gé­lia, do Ca­na­dá e dos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.