MO­DE­LOS DISFUNCIONAIS

Ou­tro ân­gu­lo cu­ri­o­so de aná­li­se de­tec­ta em he­roí­nas de Dis­ney al­guns pa­drões tí­pi­cos de trans­tor­nos es­tu­da­dos pe­la a mo­der­na psi­co­lo­gia. Con­fi­ra a se­guir

Planeta - - COMPORTAMENTO -

CIN­DE­RE­LA: TRANSTORNO DE PER­SO­NA­LI­DA­DE DE­PEN­DEN­TE

Ser­va em sua pró­pria ca­sa, Cin­de­re­la é for­ça­da a fa­zer to­das as ta­re­fas do­més­ti­cas. Sua úni­ca chan­ce de so­bre­vi­vên­cia dig­na é pe­dir um par de sa­pa­tos de sal­to al­to e um be­lo ves­ti­do à sua fa­da ma­dri­nha pa­ra ir ao bai­le e en­con­trar um su­jei­to ri­co que a res­ga­te de sua vi­da mi­se­rá­vel. No fim, tu­do es­tá re­sol­vi­do: não há na­da co­mo ca­sar com um ca­ra ri­co que vo­cê mal co­nhe­ceu (em­bo­ra ele nem se lem­bre de seu ros­to). Cin­de­re­la de­no­ta uma in­ten­sa de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal dos ou­tros e faz tu­do que po­de pa­ra agra­dar.

AU­RO­RA: SÍNDROME DE KLEINE-LEVIN

O pa­ci­en­te des­se transtorno so­fre de sú­bi­tas mu­dan­ças de com­por­ta­men­to e de hu­mor e por ve­zes dor­me mui­to além do nor­mal. Au­ro­ra fa­la pou­co e mal (é uma das prin­ce­sas da Dis­ney com me­nos diá­lo­gos e dor­me 75% do fil­me) e ma­ni­fes­ta-se des­ti­tuí­da de au­to­no­mia.

BRAN­CA DE NE­VE: ES­TRES­SE PÓS-TRAUMÁTICO

A ma­dras­ta des­sa prin­ce­sa as­sas­si­nou seu pai e con­tra­tou um ban­di­do pa­ra en­con­trá-la e ma­tá-la, por in­ve­ja da ex­tra­or­di­ná­ria be­le­za da en­te­a­da... Es­tres­sa­da, Bran­ca de Ne­ve se es­con­de na ca­sa dos se­te anões. O que faz ao en­trar em uma ca­sa que per­ten­ce a se­te ho­mens? Co­me­ça uma fa­xi­na.

BE­LA: SÍNDROME DE ESTOCOLMO

Es­se transtorno acon­te­ce quan­do uma pes­soa se­ques­tra­da se apai­xo­na por seu cap­tor. No ca­so de Be­la, seu se­ques­tra­dor é meio ho­mem, meio bi­cho, pe­lu­do fei­to um ur­so – mas é tão sen­sí­vel e bon­zi­nho...

ARI­EL: DISPOSOFOBIA (ACU­MU­LA­ÇÃO COMPULSIVA DE OB­JE­TOS)

A ca­ver­na da ca­ti­van­te se­rei­a­zi­nha es­tá re­ple­ta de ob­je­tos, mui­tos dos quais inú­teis, que ela não tem co­ra­gem de jo­gar fo­ra.

RA­PUN­ZEL: SÍNDROME DA PER­SO­NA­LI­DA­DE BORDERLINE

Ra­pun­zel foi con­fi­na­da em uma tor­re por sua su­pos­ta mãe. En­quan­to

jo­ga xa­drez, es­tu­da as­tro­no­mia e apren­de a li­dar com sua vas­ta ca­be­lei­ra, es­pe­ra a che­ga­da do prín­ci­pe que vi­rá sal­vá-la.

JAS­MI­NE: AN­SI­E­DA­DE SO­CI­AL E CLAUSTROFOBIA

Co­mo Ra­pun­zel, Jas­mi­ne vi­ve tran­ca­da. No pa­lá­cio on­de mo­ra, seu me­lhor ami­go é um ti­gre... Além dis­so, ela en­fren­ta um pro­ble­ma clás­si­co de prin­ce­sas da Dis­ney: um ca­sa­men­to ar­ran­ja­do. Mas ela re­a­ge e diz: “Não sou um prê­mio a ser ga­nho”. Bom si­nal...

TI­A­NA: ES­TRES­SE AGUDO

Tí­pi­ca mu­lher in­de­pen­den­te, Ti­a­na sa­be o que quer e tra­ba­lha du­ro pa­ra atin­gir seus ob­je­ti­vos. Ga­nha di­nhei­ro e é do­na do seu na­riz até... apai­xo­nar-se por um sa­po. E não há bei­jo que o trans­for­me em prín­ci­pe...

MÉ­RI­DA: SOCIOPATIA

Mé­ri­da evi­ta os ho­mens, e pa­ra al­guns ana­lis­tas is­so na­da tem a ver com sua fe­mi­ni­li­da­de – é, na ver­da­de, in­dí­cio de uma per­so­na­li­da­de an­tis­so­ci­al. Ela não se con­for­ma às re­gras so­ci­ais, não se im­por­ta com os di­rei­tos dos ou­tros, ten­de a tor­cer to­das as re­gras e a men­tir. Ofe­re­ci­da em um ca­sa­men­to ar­ran­ja­do, ela se re­cu­sa a ser tra­ta­da co­mo me­ro tro­féu e com­pe­te vi­to­ri­o­sa­men­te em um tor­neio.

PO­CAHON­TAS: PER­SO­NA­LI­DA­DE HISTRIÔNICA

Na ver­são dis­neya­na, Po­cahon­tas fi­ca des­con­for­tá­vel quan­do pas­sa des­per­ce­bi­da e pre­ci­sa sem­pre atrair as aten­ções so­bre si. Pa­ra is­so, ten­ta ser pro­vo­can­te e até mes­mo se­xu­al­men­te se­du­to­ra. Mai­or re­pre­sen­tan­te do eco­fe­mi­nis­mo da Dis­ney, é tam­bém uma das pou­cas prin­ce­sas que es­co­lhem seu pró­prio des­ti­no e ne­gam seu prín­ci­pe. Li­vre, au­to­con­fi­an­te e co­ra­jo­sa, ela en­si­na li­ções que têm a ver com amor, res­pei­to e igual­da­de.

ANA: TRANSTORNO DE DÉ­FI­CIT DE ATEN­ÇÃO E HIPERATIVIDADE

Em­bo­ra ado­rá­vel, Ana pa­re­ce ter di­fi­cul­da­de pa­ra per­ma­ne­cer fo­ca­da em al­go du­ran­te mui­to tem­po. É im­pul­si­va, im­pa­ci­en­te, fa­la sem pa­rar e cos­tu­ma so­nhar acor­da­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.