QUAN­DO O ALU­NO FAZ A ES­CO­LA

Planeta - - CAPA -

Na Es­co­la Ma­nu­el Ban­dei­ra, da pre­fei­tu­ra de Gu­a­ru­lhos (Gran­de São Pau­lo), de­mo­cra­cia se apren­de des­de ce­do. Is­so sig­ni­fi­ca in­cluir alu­nos da edu­ca­ção in­fan­til e do fun­da­men­tal 1 no pro­ces­so de de­ci­são so­bre co­mo de­vem ser as au­las, o in­ves­ti­men­to de di­nhei­ro, o re­creio, as re­fei­ções ou as res­pos­tas à in­dis­ci­pli­na. Des­de 2013, re­pre­sen­tan­tes de clas­se par­ti­ci­pam de um “con­se­lhi­nho”, que ava­lia pro­pos­tas saí­das das ro­das de con­ver­sa em sa­la de au­la. Uma vez apro­va­das, es­sas su­ges­tões são vo­ta­das por to­dos os alu­nos. Mas pa­ra se che­gar a es­se pon­to, os pro­fes­so­res ti­ve­ram que re­ver cer­tos con­cei­tos que apren­de­ram du­ran­te sua for­ma­ção. “Até o pro­fes­sor le­van­ta a mão em sa­la e es­pe­ra sua vez pa­ra fa­lar. As cri­an­ças es­co­lhem o que que­rem es­tu­dar, e den­tro dis­so a gen­te tra­ba­lha to­dos os ei­xos dos sa­be­res (lin­gua­gem oral e es­cri­ta, ma­te­má­ti­ca, na­tu­re­za e so­ci­e­da­de). O bom é que vo­cê não pre­ci­sa fa­lar pa­ra o alu­no que ele pre­ci­sa fi­car fa­zen­do li­ção e se in­te­res­sar mais.” Os es­tu­dan­tes de­sen­vol­vem pro­je­tos de acor­do com seus in­te­res­ses. To­da es­sa au­to­no­mia ge­ra mais en­ga­ja­men­to e apren­di­za­gem. “Fi­ca mais gos­to­so apren­der as­sim, por­que não tem aque­la au­la cha­ta que vo­cê não vê a ho­ra de aca­bar”, diz Ma­ri­a­na, do quin­to ano. O re­sul­ta­do é cres­ci­men­to pes­so­al pa­ra to­dos. A pro­fes­so­ra de edu­ca­ção in­fan­til, Ade­li­ta Bar­bo­sa, diz que não re­ce­be mais 100% de sor­ri­sos :) nas ava­li­a­ções de su­as au­las – há tam­bém ca­re­tas :(. E não há na­da de ne­ga­ti­vo nis­so: é si­nal de que per­de­ram o me­do de se po­si­ci­o­nar e con­tes­tar. E as­sim ela po­de apri­mo­rar seu tra­ba­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.