Mar­chas e con­tra­mar­chas

Planeta - - EDITORIAL -

A pes­qui­sa ge­né­ti­ca in­di­ca que nos­sa ra­ça, o Ho­mo sa­pi­ens, sur­giu na Áfri­ca e, há de­ze­nas de mi­lha­res de anos, co­me­çou a ocu­par ou­tras re­giões do glo­bo. Al­guns es­tu­dos in­di­cam que es­ses mo­vi­men­tos mi­gra­tó­ri­os es­tão as­so­ci­a­dos a trans­for­ma­ções cli­má­ti­cas nas re­giões de ori­gem, e aí já po­de­mos iden­ti­fi­car a mo­la mes­tra pri­mor­di­al das mu­dan­ças: sair de uma si­tu­a­ção ruim e a prin­cí­pio sem es­pe­ran­ça pa­ra ou­tra me­lhor.

Eis o elo que une to­dos os gran­des trân­si­tos de pes­so­as ao re­dor do pla­ne­ta – dos fu­gi­ti­vos da guer­ra na Sí­ria aos cen­tro-ame­ri­ca­nos que dei­xam seus paí­ses cor­rup­tos e vi­o­len­tos pa­ra ten­tar a sor­te nos Es­ta­dos Uni­dos; dos ir­lan­de­ses e ita­li­a­nos que, no sé­cu­lo 19, cru­za­ram o Atlân­ti­co fu­gin­do da po­bre­za em seus paí­ses aos afri­ca­nos mi­se­rá­veis que ho­je ar­ris­cam-se no Me­di­ter­râ­neo ru­mo à Eu­ro­pa; dos ve­ne­zu­e­la­nos que che­gam a paí­ses co­mo Colôm­bia ou Bra­sil de­ses­pe­ra­dos por anos de des­go­ver­no cha­vis­ta/ma­du­ris­ta aos bra­si­lei­ros de clas­se al­ta ou mé­dia que, can­sa­dos do gi­gan­te ain­da ador­me­ci­do em ber­ço es­plên­di­do, op­tam pe­la mo­men­tâ­nea es­ta­bi­li­da­de eu­ro­peia ou nor­te-ame­ri­ca­na. Es­sas e tan­tas ou­tras pes­so­as bus­ca­ram ou bus­cam sim­ples­men­te uma vi­da me­lhor, pa­ra elas e seus des­cen­den­tes.

A ma­té­ria de ca­pa des­ta edi­ção, ela­bo­ra­da por Re­na­ta Va­lé­rio de Mes­qui­ta, mos­tra que a re­jei­ção a es­ses es­tran­gei­ros, co­mum em mui­tos paí­ses ho­je, não faz sen­ti­do. Ela não ape­nas des­res­pei­ta o his­tó­ri­co de mi­gra­ção do ser hu­ma­no co­mo se atém a li­nhas de pen­sa­men­to que su­ces­si­vos es­tu­dos re­ve­lam es­tar er­ra­das. Um exem­plo: os mi­gran­tes não re­pre­sen­tam pre­juí­zos, mas ga­nhos pa­ra a eco­no­mia dos paí­ses que os re­ce­bem. Ca­da em­pre­go as­su­mi­do por um mi­gran­te sig­ni­fi­ca a cri­a­ção de 1,2 em­pre­go. Com as de­vi­das res­sal­vas, es­sas pes­so­as não re­pre­sen­tam ame­a­ça à se­gu­ran­ça in­ter­na. E sua pre­sen­ça di­na­mi­za a so­ci­e­da­de e a cul­tu­ra dos paí­ses que as aco­lhem.

Bas­ta sair da tur­bu­lên­cia do mo­men­to atu­al, re­cu­ar um pou­co no tem­po e con­si­de­rar os re­sul­ta­dos de le­vas mi­gra­tó­ri­as já con­so­li­da­das pa­ra per­ce­ber que a re­jei­ção a pri­o­ri é um er­ro. Foi ne­ga­ti­va, por exem­plo, a vin­da de ita­li­a­nos, ale­mães e ja­po­ne­ses pa­ra o Bra­sil, ou de chi­ne­ses, me­xi­ca­nos e ir­lan­de­ses pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos? Ig­no­rar os be­ne­fí­ci­os des­sas con­tri­bui­ções sig­ni­fi­ca an­dar na con­tra­mão da tra­je­tó­ria evo­lu­ti­va da nos­sa ra­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.