HERANÇA BENDITA

Ao con­trá­rio do que apre­go­am cer­tos po­lí­ti­cos e go­ver­nan­tes, abrir as por­tas pa­ra imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos traz no ge­ral im­pac­tos po­si­ti­vos à eco­no­mia e à iden­ti­da­de cul­tu­ral dos paí­ses on­de são bem aco­lhi­dos e ne­nhu­ma ame­a­ça à se­gu­ran­ça na­ci­o­nal

Planeta - - EDITORIAL - Por Re­na­ta Va­lé­rio de Mes­qui­ta

Ao con­trá­rio do que apre­go­am cer­tos po­lí­ti­cos e go­ver­nan­tes, acei­tar imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos traz no ge­ral im­pac­tos po­si­ti­vos à eco­no­mia e à iden­ti­da­de cul­tu­ral dos paí­ses on­de são bem aco­lhi­dos

Se­ja por cu­ri­o­si­da­de, por de­se­jo de cres­ci­men­to pes­so­al e econô­mi­co ou por re­ais ne­ces­si­da­des de so­bre­vi­vên­cia, o ser hu­ma­no se des­lo­ca pe­lo pla­ne­ta des­de o iní­cio da sua exis­tên­cia e nun­ca dei­xa­rá de fa­zê-lo. Em 2017, de uma po­pu­la­ção mun­di­al es­ti­ma­da em 7,6 bi­lhões de ha­bi­tan­tes, 258 mi­lhões de pes­so­as mo­ram em um país di­fe­ren­te do qual nas­ce­ram, de acor­do com o Re­la­tó­rio de Mi­gra­ções In­ter­na­ci­o­nais da ONU. Is­so quer di­zer que de ca­da 100 se­res hu­ma­nos, pe­lo me­nos três (mais exa­ta­men­te, 3,4) vi­vem fora da sua terra na­tal – em 2000, es­sa ta­xa era de 2,7.

Den­tro des­ses 258 mi­lhões, cer­ca de 10% são re­fu­gi­a­dos, aque­les que fu­gi­ram pa­ra pre­ser­var a pró­pria vi­da, por so­frer com con­fli­tos ar­ma­dos, per­se­gui­ções e vi­o­lên­cia dos di­rei­tos hu­ma­nos nos seus paí­ses de ori­gem – di­fe­ren­te­men­te dos mi­gran­tes, que op­ta­ram por sair. Mu­dan­ças in­ter­na­ci­o­nais vo­lun­tá­ri­as ou não cos­tu­mam en­vol­ver um lon­go pro­ces­so de adap­ta­ção e es­bar­ram nas re­sis­tên­ci­as pes­so­ais dos mi­gran­tes e do po­vo an­fi­trião, as­sim co­mo dos seus go­ver­nos.

Os con­tí­nu­os mo­vi­men­tos mi­gra­tó­ri­os in­ter­na­ci­o­nais têm atraí­do mais a aten­ção do mundo des­de 2015, quan­do mais de 1 mi­lhão de pes­so­as che­ga­ram à Eu­ro­pa, vin­dos prin­ci­pal­men­te de áre­as con­fla­gra­das do Ori­en­te Mé­dio. Atu­al­men­te, o des­ta­que é a ca­ra­va­na de cen­tro-ame­ri­ca­nos que ca­mi­nhou cer­ca de 5 mil quilô­me­tros pa­ra dei­xar a re­gião de mai­or ín­di­ce de as­sas­si­na­tos do mundo (ex­cluí­das as zo­nas de guer­ra), o cha­ma­do “Tri­ân- gu­lo Nor­te” – Gu­a­te­ma­la, El Sal­va­dor e Hon­du­ras –, ru­mo ao so­nho de en­trar nos Es­ta­dos Uni­dos. Ela se en­con­tra bar­ra­da na fron­tei­ra Mé­xi­co-eua por por­tões, mu­ros, ara­mes, po­li­ci­ais, e, prin­ci­pal­men­te, pe­la pos­tu­ra an­ti-imi­gra­ção do atu­al pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump – um des­cen­den­te de ale­mães e es­co­ce­ses, ca­sa­do com uma es­lo­ve­na e ex-ma­ri­do de uma tche­ca.

Mais ao sul, a es­cas­sez de ali­men­tos, cus­tos de vi­da exor­bi­tan­tes, al­ta cri­mi­na­li­da­de e per­se­gui­ção a opo­si­to­res do re­gi­me ge­ra­das pe­lo re­gi­me de Ni­co­lás Ma­du­ro fi­ze­ram com que mais de 3 mi­lhões de ve­ne­zu­e­la­nos dei­xas­sem o país. En­quan­to a Colôm­bia aco­lheu um ter­ço de­les, e até o Pa­na­má re­ce­beu cer­ca de 100 mil, até no­vem­bro, no Bra­sil, a re­cep­ção ini­ci­al aos ve­ne­zu­e­la­nos não foi das me­lho­res. Cal­cu­la-se que nes­se mes­mo pe­río­do te­nham che­ga­do aqui em tor­no de 85 mil ve­ne­zu­e­la­nos, dos quais 65 mil pe­di­ram re­fú­gio.

O des­pre­pa­ro dos go­ver­nos de to­das as es­fe­ras fren­te à cri­se há tem­pos anun­ci­a­da e a pres­são so­bre os ser­vi­ços bá­si­cos ge­ra­ram re­sis­tên­cia de par­te da po­pu­la­ção lo­cal, pro­tes­tos e até ata­ques aos ve­ne­zu­e­la­nos, prin­ci­pal­men­te em Pa­ca­rai­ma, Ro­rai­ma, pos­to da fron­tei­ra

bra­si­lei­ra com a Ve­ne­zu­e­la. Mas o pro­ces­so de “in­te­ri­o­ri­za­ção” dos re­cém-che­ga­dos já vai abrin­do pers­pec­ti­vas me­lho­res pa­ra to­dos.

Em­bo­ra se tra­te do mai­or ter­ri­tó­rio da Amé­ri­ca do Sul e da mai­or eco­no­mia da re­gião, o Bra­sil não abri­ga mui­tos es­tran­gei­ros ho­je. Se­gun­do da­dos da Po­lí­cia Fe­de­ral, a po­pu­la­ção de imi­gran­tes – vo­lun­tá­ri­os ou não – é de 750 mil, o que não re­pre­sen­ta nem 0,5% do to­tal do país, en­quan­to a mé­dia mun­di­al é de 3%. Em 1920, en­tre­tan­to, 5,1% dos re­si­den­tes no Bra­sil eram pes­so­as de ou­tras ori­gens. Já os bra­si­lei­ros que de­ci­di­ram sair do país so­mam o quá­dru­plo dos es­tran­gei­ros re­ce­bi­dos: mais de 3 mi­lhões, de acor­do com da­dos do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res.

“A meu ver, uma coi­sa po­si­ti­va des­se dra­ma é que en­fim o Bra­sil des­per­ta pa­ra es­sa te­má­ti­ca. Ape­sar de ter­mos uma his­tó­ria su­per­cos­mo­po­li­ta, atu­al­men­te pre­ci­sa­mos nos abrir mais pa­ra o in­ter­na­ci­o­nal, pro­cu­rar en­ten­der es­sas pes­so­as, apren­der com elas”, afir­ma Mo­ni­que So­chac­zews­ki, co­or­de­na­do­ra aca­dê­mi­ca e de pro­je­tos no Cen­tro Bra­si­lei­ro de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais (Ce­bri), li­ga­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal­men­te ao te­ma de mi­gra­ções.

Ape­sar de to­dos os mu­ros, cer­cas e leis le­van­ta­dos por paí­ses pa­ra evi­tar a en­tra­da de quem é de fora, a con­tri­bui­ção dos es­tran­gei­ros sem­pre foi um dos prin­ci­pais mo­to­res de evo­lu­ção da pró­pria es­pé­cie. Em­bo­ra os âni­mos exal­ta­dos dos que que­rem se pro­te­ger do di­fe­ren­te – mui­tas ve­zes con­si­de­ra­do “in­va­sor” – não lhes per­mi­tam per­ce­ber, os im­pac­tos dos es­tran­gei­ros são be­né­fi­cos na eco­no­mia, na so­ci­e­da­de e no co­nhe­ci­men­to, prin­ci­pal­men­te, no mé­dio e no lon­go pra­zos. Con­fi­ra!

Aci­ma, ve­ne­zu­e­la­nos pres­tes a sair de Ro­rai­ma ru­mo a ou­tras par­tes do Bra­sil. À es­quer­da, mi­gran­tes do Ori­en­te Mé­dio dei­xam a Hun­gria, em 2015. À di­rei­ta, mi­gran­te da Gu­a­te­ma­la em co­lhei­ta de to­ma­tes na Fló­ri­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.