A CURA PELAS AGULHAS NA CA­BE­ÇA

Téc­ni­ca de acu­pun­tu­ra no crâ­nio de­sen­vol­vi­da pe­lo mé­di­co ja­po­nês Toshi­kat­su Ya­ma­mo­to de­mons­tra efei­tos sur­pre­en­den­tes pa­ra do­res e do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas

Planeta - - EDITORIAL - Por Gui­lher­me No­vel­li

Téc­ni­ca de acu­pun­tu­ra no crâ­nio de­sen­vol­vi­da pe­lo mé­di­co ja­po­nês Toshi­kat­su Ya­ma­mo­to de­mons­tra efei­tos sur­pre­en­den­tes pa­ra do­res e do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas

“Ome­nor nú­me­ro de agulhas, a mai­or quan­ti­da­de de res­pos­tas”. É o que cos­tu­ma acon­se­lhar o dr. Toshi­kat­su Ya­ma­mo­to, ja­po­nês de 88 anos, cri­a­dor da No­va Cra­ni­o­pun­tu­ra de Ya­ma­mo­to (YNSA), uma for­ma de acu­pun­tu­ra com in­ser­ção de agulhas na re­gião do crâ­nio, que re­pa­gi­nou a tra­di­ci­o­nal me­di­ci­na chi­ne­sa, por sua efi­cá­cia, pra­ti­ci­da­de e bai­xo cus­to. Os pon­tos são lo­ca­li­za­dos na fron­te e no to­po da ca­be­ça, re­gião yin (cor­res­pon­den­te ao prin­cí­pio fe­mi­ni­no no ta­oís­mo), e na nu­ca, la­te­ral da ca­be­ça e ore­lhas, re­gião yang (li­ga­da ao prin­cí­pio mas­cu­li­no).

Ya­ma­mo­to cur­sou me­di­ci­na e anes­te­sia em Tó­quio, no Nip­pon Me­di­cal Col­le­ge, no pe­río­do pós-se­gun­da Guer­ra. Es­pe­ci­a­li­zou-se em No­va York, na Uni­ver­si­da­de de Co­lum­bia, com re­si­dên­cia no Hos­pi­tal Saint Lu­kes. De­pois, fez gi­ne­co­lo­gia e obs­te­trí­cia em Colô­nia (Ale­ma­nha). Pas­sou mais dez anos fora do Ja­pão e en­fim re­tor­nou, no iní­cio dos anos 1960, pa­ra sua ci­da­de na­tal, Ni­chi­nan, fa­mo­sa pe­los cam­pos ala­ga­dos de ar­roz. Acom­pa­nha­vam-no sua es­po­sa, a en­fer­mei­ra ale­mã He­len Ya­ma­mo­to, e du­as fi­lhas pe­que­nas. Uma de­las, Mi­chi­ko Ya­ma­mo­to, tam­bém se tor­nou mé­di­ca adep­ta da YNSA e tra­ba­lha com o pai.

Em Ni­chi­nan mo­ra­vam mui­tos cam­po­ne­ses ido­sos com pos­tu­ra cur­va­da de­vi­do ao tra­ba­lho de co­lhei­ta e plan­tio nos ar­ro­zais. Ti­nham mui­tas do­res na co­lu­na e em ou­tras ar­ti­cu­la­ções. Ya­ma­mo­to cos­tu­ma­va tra­tá-los ini­ci­al­men­te com in­fil­tra­ções de li­do­caí­na, um anes­té­si­co. Cer­ta vez, uma pa­ci­en­te bas­tan­te ido­sa foi con­sul­tá-lo, re­cla­man­do de uma dor no om­bro. Ele lhe apli­cou uma in­je­ção na tes­ta, mas se es­que­ceu de co­lo­car o anes­té­si­co. A pa­ci­en­te dis­se que a in­je­ção do­eu de­mais, mas, lo­go em se­gui­da, as do­res no om­bro ces­sa­ram. No dia se­guin­te, ela re­tor­nou pe­din­do uma no­va in­fil­tra­ção na tes­ta, pois não so­men­te a dor agu­da no om­bro ha­via de­sa­pa­re­ci­do, mas to­das as do­res nas ar­ti­cu­la­ções que ha­via anos a afli­gi­am.

MA­PE­A­MEN­TO EM­PÍ­RI­CO

In­tri­ga­do com o acon­te­ci­men­to, Ya­ma­mo­to fez vá­ri­as per­gun­tas a es­sa pa­ci­en­te e re­la­ci­o­nou a cura aos me­ri­di­a­nos da acu­pun­tu­ra chi­ne­sa. Pro­cu­rou um acu­pun­tu­ris­ta das re­don­de­zas e pe­diu-lhe em­pres­ta­do um an­ti­go li­vro so­bre a téc­ni­ca mi­le­nar. “An­tes de ma­pe­ar os pon­tos que uti­li­za­mos na YSNA, ele pra­ti­cou por mui­to tem­po anes­te­sia com ele­tro­a­cu­pun­tu­ra, acu­pun­tu­ra sis­tê­mi­ca com es­tí­mu­los elé­tri­cos”, ex­pli­ca Ale­xan­dre Yoshi­zu­mi, di­re­tor do Co­lé­gio Mé­di­co Bra­si­lei­ro de Acu­pun­tu­ra (CMBA), que aten­de em São Pau­lo. Ya­ma­mo­to fez mais de 3 mil ci­rur­gi­as, co­mo apen­di­ci­te, ce­sa­ri­a­na e am­pu­ta­ções, uti­li­zan­do es­se mé­to­do anes­té­si­co.

A ideia da apli­ca­ção das agulhas de acu­pun­tu­ra em um mi­cros­sis­te­ma do cor­po ha­via sur­gi­do na dé­ca­da an­te­ri­or, com o mé­di­co fran­cês Paul No­gi­er, de­sen­vol­ve­dor da au­ri­cu­lo­te­ra­pia. Ele ma­pe­ou os pon­tos de cura da ore­lha em 1951, ba­se­an­do-se

nu­ma cu­ran­dei­ra da ci­da­de de Mar­se­lha, Ma­da­me Bar­rin. Ela fa­zia uma pe­que­na quei­ma­du­ra na ore­lha dos que a pro­cu­ra­vam pa­ra cu­rar do­res ne­vrál­gi­cas.

Em­pi­ri­ca­men­te, Ya­ma­mo­to ma­pe­ou as re­giões re­fle­xas do cor­po no mi­cros­sis­te­ma do crâ­nio a par­tir de pal­pa­ções nos seus pa­ci­en­tes e ob­ser­va­ção da re­la­ção com os pon­tos do cor­po. Su­as des­co­ber­tas fo­ram pu­bli­ca­das em 1970 e a téc­ni­ca ga­nhou o mundo, tra­zen­do o mes­tre in­clu­si­ve pa­ra vi­si­tas ao Bra­sil, a par­tir de 1999 (ve­ja­o­qua­dro na­pá­gi­na­a­o­la­do ). Nu­ma de su­as vi­a­gens ao nos­so país, Ya­ma­mo­to aten­deu um ra­paz que não me­xia um dos bra­ços de­vi- do a uma do­en­ça neu­ro­ló­gi­ca. In­se­riu ape­nas uma agu­lha, es­ti­mu­lou um pou­co o pon­to e, na mes­ma ho­ra, o pa­ci­en­te vol­tou a mo­ver o bra­ço.

A YNSA é mais re­cen­te que a cra­ni­o­pun­tu­ra chi­ne­sa, de­sen­vol­vi­da em 1960, e os pon­tos usa­dos são dis­tin­tos. O mé­to­do de Ya­ma­mo­to é pon­tu­al; do­res agu­das são cu­ra­das em uma ses­são. Di­vi­di­da em zo­nas – sen­si­ti­va, mo­to­ra, de tre­mo­res –, a cra­ni­o­pun­tu­ra chi­ne­sa é um mé­to­do que mui­tas ve­zes fun­ci­o­na ape­nas es­ti­mu­lan­do-se a agu­lha ma­nu­al­men­te ou com ele­tro­a­cu­pun­tu­ra. Já a YNSA não pre­ci­sa de es­tí­mu­los. Ou­tra di­fe­ren­ça é que na acu­pun­tu­ra chi­ne­sa não exis­te o la­do de di­ag­nós­ti­cos.

A YNSA é de fá­cil apli­ca­ção. O pa­ci­en­te de­ve fi­car sen­ta­do e não pre­ci­sa se des­pir. Su­as prin­ci­pais in­di­ca­ções são ca­sos de do­res os­te­o­mus­cu­la­res e do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas – se­que­las de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC), he­mi­ple­gia, pa­ra­ple­gia, afa­sia, pa­ra­li­sia fa­ci­al pe­ri­fé­ri­ca, pa­ra­li­sia de Bell, do­res ne­vrál­gi­cas, nos tri­gê­me­os, ner­vo fa­ci­al e fi­bro­mi­al­gia. “É uma téc­ni­ca bem com­ple­ta de mi­cros­sis­te­ma que ser­ve tan­to pa­ra o tra­ta­men­to quan­to pa­ra o di­ag­nós­ti­co. Con­si­go fa­zer di­ag­nós­ti­co pal­pan­do a re­gião cer­vi­cal, a ab­do­mi­nal e o bra­ço. Is­so me dá o que es­tá al­te­ra­do no sis­te­ma e os pon­tos on­de in­se­rir as agulhas”, afir­ma Ale­xan­dre Yoshi­zu­mi.

Ya­ma­mo­to es­te­ve al­gu­mas ve­zes no Bra­sil, a úl­ti­ma de­las em 2010

O tra­ta­men­to con­se­gue re­sul­ta­dos sur­pre­en­den­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.