AS VANTAGENS DA AMIZADE

Em um li­vro lan­ça­do re­cen­te­men­te, a jor­na­lis­ta Ka­te Le­a­ver con­fir­ma co­mo é im­por­tan­te pa­ra o ser hu­ma­no ter ami­gos e re­ve­la que nem mes­mo os re­la­ci­o­na­men­tos mais tê­nu­es das re­des so­ci­ais de­vem ser des­pre­za­dos

Planeta - - EDITORIAL - Por Ma­ri­a­ne Li­ma

Um li­vro re­cen­te con­fir­ma co­mo é im­por­tan­te pa­ra o ser hu­ma­no ter ami­gos e re­ve­la que nem mes­mo as re­la­ções mais tê­nu­es das re­des so­ci­ais de­vem ser des­pre­za­das

Pou­cos dis­cor­dam que ami­gos são um bem pre­ci­o­so, mas, cu­ri­o­sa­men­te, o po­der da amizade ain­da não atraiu mui­to in­te­res­se aca­dê­mi­co. Uma pos­sí­vel ex­pli­ca­ção pa­ra is­so são os di­fe­ren­tes ma­ti­zes apre­sen­ta­dos por re­la­ções que vão dos co­le­gas de es­co­la ou tra­ba­lho que ga­nham mais aten­ção do que a ha­bi­tu­al aos “ami­gos do pei­to”. Co­mo abar­car tan­tas for­mas de amizade? A jor­na­lis­ta aus­tra­li­a­na Ka­te Le­a­ver fez uma ex­pe­ri­ên­cia bem­su­ce­di­da nes­se sen­ti­do em seu re­cen­te li­vro “The Fri­endship Cu­re” (A Cura da Amizade, pu­bli­ca­do pe­la The Over­lo­ok Press), no qual usa a ciência da co­ne­xão so­ci­al, en­tre­vis­tas e per­cep­ções pes­so- ais pa­ra exa­mi­nar as vantagens fí­si­cas e emo­ci­o­nais de vá­ri­os ti­pos con­tem­po­râ­ne­os de amizade.

So­mos ani­mais so­ci­ais, e nos­sos cor­pos (e cé­re­bros) evo­luí­ram de mo­do a nos aju­dar na re­la­ção com os ou­tros. Fa­ze­mos ami­za­des e cri­a­mos in­ti­mi­da­de por meio de atos co­mo o to­que (que li­be­ra o hormô­nio oxi­to­ci­na e au­men­ta a con­fi­an­ça), o me­xe­ri­co (que nos aju­da a en­ten­der nos­so lu­gar em uma re­de so­ci­al e evi­ta que per­so­na­gens de­sa­gra­dá­veis en­trem ne­la) e

em mo­vi­men­tos em sin­cro­nia com os ou­tros (que li­be­ram en­dor­fi­nas e au­men­tam a co­ne­xão).

O im­pul­so pa­ra cri­ar co­ne­xões com ou­trem é re­fre­a­do por cer­tos li­mi­tes, diz Ro­bin Dun­bar, da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, es­tu­di­o­so das ami­za­des que Ka­te ou­viu pa­ra o li­vro. Ele des­co­briu que as pes­so­as em ge­ral con­se­guem man­ter cer­ca de 150 co­ne­xões so­ci­ais de graus va­ri­a­dos de pro­xi­mi­da­de: cin­co ami­gos ín­ti­mos, dez ami­gos pró­xi­mos, 35 ami­gos e cem co­nhe­ci­dos.

“Ami­za­des não são co­mo re­la­ci­o­na­men­tos com mem­bros da fa­mí­lia, que vo­cê pode ig­no­rar vez ou ou­tra, por­que sa­be que há um con­tra­to bi­o­ló­gi­co pa­ra ama­rem-se um ao ou­tro”, es­cre­ve Ka­te so­bre es­se li­mi­te. “Eles exi­gem com­pro­mis­so tem­po­ral e emo­ci­o­nal, ou sim­ples­men­te se de­sin­te­gram.”

A mé­dia en­con­tra­da por Dun­bar não im­pe­de nin­guém de ter mais ami­gos nas vá­ri­as ca­te­go­ri­as, co­mo as re­des so­ci­ais. Es­tas, aliás, po­dem ser po­de­ro­sas na cri­a­ção de re­la­ções – Ka­te ci­ta no li­vro uma mu­lher cu­jas três me­lho­res ami­gas sur­gi­ram via Twit­ter. Mas “ain­da es­ta­mos li­ga­dos ao nos­so ne­o­cór­tex”, diz ela – ou se­ja, em ter­mos cog­ni­ti­vos, não con­se­gui­mos man­ter mui­tas ami­za­des adi­ci­o­nais de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va.

BE­NE­FÍ­CI­OS VA­RIÁ­VEIS

Os be­ne­fí­ci­os ad­vin­dos des­sas re­la­ções va­ri­am. Nos­so cír­cu­lo ín­ti­mo en­glo­ba ami­gos mui­to pró­xi­mos ou fa­mi­li­a­res dis­po­ní­veis pa­ra um pro­fun­do apoio emo­ci­o­nal e até apoio prá­ti­co, co­mo em­pres­tar uma quan­tia de emer­gên­cia ou ofe­re­cer ca­ro­na. O gru­po se­guin­te in­clui pes­so­as que gos­ta­mos de en­con­trar pa­ra um ca­fé ou re­ce­be­mos com agra­do no ani­ver­sá­rio.

O ter­cei­ro con­jun­to abran­ge in­di­ví­du­os com os quais po­de­mos con­tar pa­ra re­ce­ber fa­vo­res sim­ples que gos­ta­ría­mos de re­tri­buir. Já o mai­or gru­po en­glo­ba pes­so­as me­nos li­ga­das emo­ci­o­nal­men­te a nós, mas que po­dem nos ofe­re­cer uma vi­são di­fe­ren­te so­bre o mundo ou aju­dar na bus­ca de em­pre­go. Ele in­clui, por exem­plo, os ami­gos do Fa­ce­bo­ok que se­gui­mos ati­va­men­te.

Ami­gos agem co­mo um cír­cu­lo de al­truís­mo, di­zem os pes­qui­sa- do­res, aju­dan­do a nos pro­te­ger do so­fri­men­to ou de pre­juí­zos cau­sa­dos por ou­tros. Tal­vez se­ja por is­so que as pes­qui­sas su­ge­rem que, con­for­me en­ve­lhe­ce­mos, os ami­gos se tor­nam ain­da mais im­por­tan­tes pa­ra o nos­so bem-es­tar. Eles tam­bém ser­vem co­mo um es­pe­lho pa­ra per­ce­ber­mos quem so­mos e on­de nos si­tu­a­mos no mundo, es­cre­ve Ka­te.

As­sim co­mo os re­la­ci­o­na­men­tos ro­mân­ti­cos, nem to­das as ami­za­des são sau­dá­veis ou du­ra­dou­ras, lem­bra a au­to­ra. Elas ter­mi­nam por mui­tas ra­zões, tais co­mo mal-en­ten­di­dos, re­a­lo­ca­ções pro­fis­si­o­nais, mu­dan­ça de va­lo­res ou sim­ples­men­te dis­tan­ci­a­men­to ge­o­grá­fi­co.

Per­der uma amizade pode ser mui­to do­lo­ro­so e au­men­tar nos­sa sen­sa­ção de so­li­dão – “um pe­ri­go mui­to re­al pa­ra to­dos nós”, diz Ka­te. Pi­or do que fu­mar 15 ci­gar­ros por dia ou ser obe­so, a so­li­dão au­men­ta o ris­co de de­mên­cia clí­ni­ca, ata­que car­día­co, der­ra­me e mor­te.

A au­to­ra lem­bra que al­guns in­di­ví­du­os se sen­tem so­zi­nhos mes­mo quan­do cer­ca­dos por ou­tras pes­so­as, so­bre­tu­do se cre­em que es­tas úl­ti­mas po­dem não ser au­tên­ti­cas. Por is­so, de­sen­vol­ver re­la­ci­o­na­men­tos de apoio (em ge­ral) é o mais im­por­tan­te pa­ra nos­so bem-es­tar e uma ver­da­dei­ra fon­te de fe­li­ci­da­de, al­go que a ciência con­fir­ma re­pe­ti­da­men­te. Nes­se sen­ti­do, a in­ter­net é bem­vin­da, diz Ka­te: “Se usar­mos a tec­no­lo­gia com sa­be­do­ria, ela tem a mais glo­ri­o­sa ca­pa­ci­da­de de nos aju­dar a re­sol­ver a epi­de­mia de so­li­dão e a nos en­con­trar­mos de no­vo. A in­ter­net pode ser um lu­gar que vi­cia e ali­e­na, mas tam­bém pode ser o meio pa­ra nos aju­dar a re­vi­ver a amizade”.

Ter ami­gos traz be­ne­fí­ci­os físicos e emo­ci­o­nais

Nem mes­mo re­la­ções mais tê­nu­es, co­mo as ori­gi­na­das em re­des so­ci­ais, de­vem ser des­pre­za­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.