“FILMAR A RE­A­LI­DA­DE PODE SER PERTURBADOR, MAS AMADURECE”

O di­re­tor ar­ge­li­no fa­la so­bre sua ex­pe­ri­ên­cia de mos­trar a cons­tru­ção de um país, na qual te­mas co­mo edu­ca­ção e li­ber­da­de de im­pren­sa são des­ta­que

Planeta - - EDITORIAL - Por Jas­mi­na So­po­va, pa­ra o “Unesco Cou­ri­er”

O do­cu­men­ta­ris­ta ar­ge­li­no co­nhe­ci­do mun­di­al­men­te fa­la so­bre sua ex­pe­ri­ên­cia de mos­trar a cons­tru­ção de um país, na qual te­mas co­mo edu­ca­ção e li­ber­da­de de im­pren­sa são des­ta­que

Três anos após a in­de­pen­dên­cia da Ar­gé­lia – após oi­to anos (1954-1962) de guer­ra ci­vil –, o di­re­tor ita­li­a­no Gil­lo Pon­te­cor­vo fil­mou “A Ba­ta­lha de Ar­gel”. O fil­me abor­da um dos epi­só­di­os mais san­gren­tos na Guer­ra da Ar­gé­lia, quan­do a Fren­te de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal (FLN), pró-in­de­pen­dên­cia do país, en­fren­tou as au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais fran­ce­sas em 1957. Em 19 de ju­nho de 1965, en­quan­to o fil­me era ro­da­do, as tro­pas da FLN do co­ro­nel Hou­a­ri Bou­mé­diè­ne en­tra­ram na Ar­gé­lia. Tan­ques usa­dos nas fil­ma­gens se mis­tu­ra­vam aos tan­ques re­ais, e os apoi­a­do­res do pre­si­den­te Ah­med Ben Bel­la não vi­am na­da além de fo­go. Co­mo re­sul­ta­do, ele foi der­ru­ba­do.

Meio sé­cu­lo mais tar­de, em 2017, Ma­lek Bens­maïl exa­mi­nou o pa­pel his­tó­ri­co do clás­si­co do es­ti­lo re­por­ta­gem em pre­to e bran­co de Pon­te­cor­vo em seu do­cu­men­tá­rio “A Ba­ta­lha de Ar­gel, um Fil­me den­tro da His­tó­ria”. Mas es­se não é um “fil­me so­bre um fil­me”, ex­pli­ca. É mais uma in­ter­pre­ta­ção da his­tó­ria de um país – a revolução, o gol­pe, as mu­dan­ças de re­gi­me e a des­co­lo­ni­za­ção. Por qua­se 30 anos, o di­re­tor ar­ge­li­no tem cri­a­do o que cha­ma de “me­mó­ria con­tem­po­râ­nea” de seu país.

Por que o sr. es­co­lheu o do­cu­men­tá­rio co­mo for­ma de ex­pres­são?

BENS­MAÏL – Mais que a fic­ção, o do­cu­men­tá­rio é ca­paz de com­ba­ter mi­tos na­ci­o­nais. Não pa­ra des­truí-los, mas pa­ra pô-los em seus lu­ga­res, pa­ra que eles não des­tru­am a so­ci­e­da­de. Se vo­cê não fil­ma sua pró­pria re­a­li­da­de, co­mo po­de­rá as­sis­tir a si mes­mo? De on­de vi­ri­am sua ins­pi­ra­ção, seus so­nhos? Tam­bém, de­ve-se lem­brar, o ci­ne­ma nas­ceu do do­cu­men­tá­rio – lem­bra-se dos ir­mãos Lu­miè­re? O do­cu­men­tá­rio de­ter­mi­na a ima­gi­na­ção co­le­ti­va. É a re­a­li­da­de que nu­tre a fic­ção e ofe­re­ce um es­pe­lho à so­ci­e­da­de. Sei que filmar a vi­da re­al pode ser perturbador, mas tam­bém sei que amadurece.

Nos anos 1990, pe­río­do da “dé­ca­da ne­gra” na Ar­gé­lia, op­tei pe­la re­a­li­da­de. E si­go no mes­mo ca­mi­nho. Mi­nha ideia é fa­zer um fil­me, a ca­da um ou dois anos, so­bre pes­so­as, ins­ti­tui­ções e ques­tões so­ci­ais im­por­tan­tes. Eu gos­ta­ria que es­ses fil­mes ofe­re­ces­sem um me­lhor en­ten­di­men­to so­bre co­mo um país é cons­truí­do ao lon­go dos anos.

Mi­nha in­ten­ção é cri­ar uma me­mó­ria con­tem­po­râ­nea, ao mos­trar es­se la­bo­ra­tó­rio que é a Ar­gé­lia – um país pro­cu­ran­do sua iden­ti­da­de, com seus pro­gres­sos, seus re­tro­ces­sos e su­as ques­tões. Vo­cê não al­can­ça a de­mo­cra­cia em um es­ta­lar de de­dos. Nem com ar­mas!

Um dos pi­la­res da de­mo­cra­cia, a li­ber­da­de de im­pren­sa, é o as­sun­to do seu fil­me so­bre o jor­nal in­de­pen­den­te ar­ge­li­no “El Wa­tan”, lan­ça­do em 2015. Por que o sr. o in­ti­tu­lou “Con­tre-pou­voirs” (Con­tra Po­de­res)?

BENS­MAÏL – Li­ber­da­de de im­pren­sa é uma con­di­ção da de­mo­cra­cia, um di­rei­to pe­lo qual mui­tos jor­na­lis­tas pa­ga­ram com a vi­da. A guer­ra ci­vil (1991-2002) dei­xou 200 mil mor­tos e 100 mil de­sa­pa­re­ci­dos. Cer­ca de 120 jor­na­lis­tas ar­ge- li­nos fo­ram mor­tos por ex­tre­mis­tas is­lâ­mi­cos en­tre 1993 e 1998. Mas is­so ain­da não sig­ni­fi­ca que a li­ber­da­de de im­pren­sa re­pre­sen­te uma for­ça re­al de opo­si­ção em meu país atu­al­men­te.

Pa­ra es­se fil­me, quis dar um olhar “oblí­quo”, se­guin­do um ti­me de jor­na­lis­tas em seu tra­ba­lho. O que me in­te­res­sou não foi tan­to a im­pren­sa co­mo uma for­ça con­trá­ria, mas as for­ças con­trá­ri­as re­pre­sen­ta­das por in­di­ví­du­os.

Na Ar­gé­lia, a no­ção de in­di­ví­duo ain­da não se de­sen­vol­veu to­tal­men­te. Es­ta­mos tran­ca­dos em uma ideia de co­mu­ni­da­de. Te­mos uma na­ção pa­ra de­fen­der, um país pa­ra de­fen­der, um Deus pa­ra de­fen­der, um idi­o­ma pa­ra de­fen­der. Sem­pre há “aque­la” fi­gu­ra, que é oni­pre­sen­te e oni­po­ten­te, e que de­ve­ria in­cluir a to­dos nós – quan­do na re­a­li­da­de há ce­le­bri­da­des, in­te­lec­tu­ais, jor­na­lis­tas, juí­zes, es­tu­dan­tes, etc. que vi­vem em um es­pa­ço mul­ti­cul­tu­ral e mul­ti­lín­gue, que pen­sam de mo­do di­fe­ren­te e cons­ti­tu­em for­ças con­trá­ri­as ne­ces­sá­ri­as a uma de­mo­cra­cia.

De que va­le um jor­nal in­de­pen­den­te se ele não tem ne­nhum im­pac­to na so­ci­e­da­de?

BENS­MAÏL – Mes­mo se ele não cons­ti­tui uma for­ça con­trá­ria re­al, a im­pren­sa li­vre con­se­gue con­de­nar atos de vi­o­lên­cia in­vi­sí­veis, dos quais nin­guém fa­la. A Ar­gé­lia é atu­al­men­te vis­ta co­mo um país cal­mo, pro­te­gi­do do ter­ro­ris­mo, mas na re­a­li­da­de não es­tá imu­ne à hu­mi­lha­ção e à ma­ni­pu­la­ção.

“El Wa­tan” não é o úni­co jor­nal fa­zen­do seu tra­ba­lho. Há di­ver­sos ou­tros, co­mo “Le Qu­o­ti­di­en d’oran”, “El Kha­bar”, “Li­ber­té” e, até cer­to pon­to, “Le Soir d’al­gé­rie”, tam­bém en­vol­vi­dos na re­sis­tên­cia e na lu­ta. Eles não são jor­nais de opo­si­ção. Seu ob­je­ti­vo é ofe­re­cer in­for­ma­ções pre­ci­sas de fon­tes equi­li­bra­das.

O DO­CU­MEN­TÁ­RIO, MAIS QUE A FIC­ÇÃO, é CA­PAZ DE COM­BA­TER MI­TOS NA­CI­O­NAIS, PA­RA QUE ELES NÃO DES­TRU­AM A SO­CI­E­DA­DE

Além dis­so, a mai­o­ria de­les tem web­si­tes gra­tui­tos e aces­sí­veis a to­dos.

O que o “El Wa­tan” faz pa­ra pre­ser­var sua in­de­pen­dên­cia e so­bre­vi­ver?

BENS­MAÏL – Com a ven­da de jor­nais – sua ti­ra­gem é de 140 mil có­pi­as, ven­di­das em 20 ban­cas ar­ge­li­nas (por cer­ca de €0,20 ca­da) – e de pro­pa­gan­da. Pri­va­do da re­cei­ta de pro­pa­gan­da do es­ta­do des­de 1993, o jor­nal tem in­ves­ti­do em uma re­de de pu­bli­ci­da­de e de dis­tri­bui­ção, e em uma grá­fi­ca in­de­pen­den­te que di­vi­de com o “El Kha­bar”. O jor­nal tam­bém se vol­tou pa­ra a pu­bli­ci­da­de pri­va­da, o que lhe per­mi­te pa­gar os cem jor­na­lis­tas e cor­res­pon­den­tes da sua re­da­ção.

O jor­nal pas­sou por pe­lo me­nos seis in­ter­rup­ções em su­as pu­bli­ca­ções e es­te­ve en­vol­vi­do em cer­ca de 200 pro­ces­sos le­gais, que o tor­na­ram vul­ne­rá­vel fi­nan­cei­ra­men­te. Fi­quei sur­pre­so ao ou­vir que Omar Be­lhou­chet, o fun­da­dor e di­re­tor do jor­nal, acre­di­ta que es­ses ca­sos se­jam im­por­tan­tes pa­ra o pro­ces­so de­mo­crá­ti­co. Ima­gi­no que te­nham si­do ex­pe­ri­ên­ci­as do­lo­ro­sas, mas ele sen­tiu que lhe per­mi­ti­ram não ape­nas de­fen­der os jor­na­lis­tas e car­tu­nis­tas, co­mo tam­bém de­fen­der a no­ção de li­ber­da­de de ex­pres­são, es­cri­ta na Cons­ti­tui­ção.

Es­ses jul­ga­men­tos dão a Be­lhou­chet a opor­tu­ni­da­de de ex­pli­car ao tri­bu­nal o que é uma ca­ri­ca­tu­ra, o que é hu­mor, o que é uma crô­ni­ca, o que é uma in­ves­ti­ga­ção e on­de es­tão as res­tri­ções pa­ra a so­ci­e­da­de. Na ver­da­de, ele usa es­ses ca­sos pa­ra edu­car jo­vens ma­gis­tra­dos so­bre a li­ber­da­de de im­pren­sa.

A edu­ca­ção tem pa­pel cen­tral no seu do­cu­men­tá­rio “La Chi­ne Est En­co­re Loin” (A Chi­na Ain­da Es­tá Dis­tan­te, de 2008). Por que o sr. ci­ta a Chi­na quan­do fa­la so­bre uma sa­la de au­la em Tif­fel­fel, uma al­deia nas mon­ta­nhas Aurès, on­de a guer­ra da Ar­gé­lia co­me- çou, em no­vem­bro de 1954? BENS­MAÏL – O tí­tu­lo faz re­fe­rên­cia a uma fra­se do pro­fe­ta Ma­o­mé: “Bus­quem co­nhe­ci­men­to, in­do à Chi­na se for pre­ci­so”. A Chi­na é, po­rém, uma terra sim­bó­li­ca, a terra do co­nhe­ci­men­to, que ape­nas po­de­rá ser al­can­ça­da com um es­for­ço con­si­de­rá­vel. Uma terra ain­da dis­tan­te, vis­ta da Ar­gé­lia.

Lo­go an­tes des­se fil­me, fiz um do­cu­men­tá­rio so­bre a lou­cu­ra (“Alié­na­ti­ons”, 2004). Pas­sei três me­ses em um hos­pi­tal psi­quiá­tri­co e en­con­trei vá­ri­os ca­sos de pes­so­as com de­lí­ri­os po­lí­ti­co-re­li­gi­o­sos. Eu me per­gun­ta­va qual a ori­gem des­sas pa­to­lo­gi­as. Um psi­qui­a­tra me res­pon­deu: “É a so­ci­e­da­de”. Is­so me en­co­ra­jou a pro­cu­rar sa­ber co­mo os jo­vens es­ta­vam sen­do en­si­na­dos, que idei­as re­ce­bi­am na es­co­la. En­tão fui à es­co­la na al­deia on­de a Guer­ra da Ar­gé­lia co­me­çou.

Es­sa guer­ra mui­to vi­o­len­ta du­rou qua­se oi­to anos. Gra­ças a sua vi­tó­ria, a Ar­gé­lia se tor­nou um mi­to, e su­ces­si­vos re­gi­mes tra­ba­lha­ram mui­to pa­ra con­so­li­dá-lo. Não es­tou di­zen­do que a cri­a­ção de um sen­so de or­gu­lho na­ci­o­nal en­tre as pes­so­as não se­ja al­go bom. Mas não con­cor­do quan­do is­so é fei­to de uma for­ma que não con­diz com o dia a dia lo­cal. Eu que­ria filmar a Ar­gé­lia que tra­ba­lha e que lu­ta to­dos os di­as por trás des­se mi­to.

O fil­me mos­tra o abis­mo que se­pa­ra o mi­to da re­a­li­da­de so­ci­al. No fim do dia, per­ce­be­mos que o que es­ta­mos pon­do na men­te das cri­an­ças é o ódio ao ou­tro. O fil­me tam­bém mos­tra que a edu­ca­ção so­bre o “Al­co­rão” es­tá mui­to dis­tan­te das pa­la­vras de Ma­o­mé. O is­la­mis­mo po­lí­ti­co cau­sou tan­to pre­juí­zo que ain­da é sen­ti­do ho­je, so­bre­tu­do nas áre­as ru­rais.

É por is­so que ape­nas uma mu­lher – Ra­chi­da, a fa­xi­nei­ra da es­co­la – tem voz no fil­me? BENS­MAÏL – Ra­chi­da é in­crí­vel. Ela me deu uma li­ção ma­ra­vi­lho­sa so­bre li­ber­da­de! Ela vem de uma al­deia no sul da Ar­gé­lia, de on­de pre­ci­sou sair por­que era di­vor­ci­a­da e, por­tan­to, con­si­de­ra­da pros­ti­tu­ta.

Era im­pos­sí­vel en­tre­vis­tar ou­tras mu­lhe­res, em­bo­ra nes­sa re­gião elas te­nham si­do co­nhe­ci­das pe­lo ge­ren­ci­a­men­to da eco­no­mia – a fa­bri­ca­ção de ta­pe­tes e a agri­cul­tu­ra es­ta­vam em su­as mãos. Ho­je elas fi­cam es­con­di­das atrás das pa­re­des de su­as ca­sas. No interior, elas di­fi­cil­men­te sa­em de ca­sa, mes­mo com véus. São os ho­mens que vão aos mer­ca­dos. Os anos de is­la­mis­mo e con­ser­va­do­ris­mo des­truí­ram o pa­pel so­ci­al tra­di­ci­o­nal das mu­lhe­res e to­dos os ga­nhos que elas ha­vi­am con­quis­ta­do com sua eman­ci­pa­ção. Du­ran­te as fil­ma­gens, elas nos man­da­vam ban­de­jas de co­mi­das, bo­los e ca­fés por meio das cri­an­ças, mas não vía­mos ne­nhu­ma mu­lher.

NO FIM DO DIA, PER­CE­BE­MOS QUE O QUE ES­TA­MOS PON­DO NA MEN­TE DAS CRI­AN­ÇAS É O ÓDIO AO OU­TRO

“Con­tra Po­de­res”: a li­ber­da­de de im­pren­sa em dis­cus­são

“A Chi­na Ain­da Es­tá Dis­tan­te”: en­si­no de­ba­ti­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.