UM FAROL NAS TREVAS

O No­bel da Paz con­ce­di­do em 2018 ao mé­di­co con­go­lês De­nis Mukwe­ge pre­mia seu tra­ba­lho de res­ga­te da in­te­gri­da­de fe­mi­ni­na fa­ce aos cri­mes de es­tu­pro li­ga­dos à guer­ra ci­vil em seu país. A en­tre­vis­ta a se­guir, fei­ta em 2016, ilus­tra sua im­pres­si­o­nan­te atu­a­çã

Planeta - - EDITORIAL - Por Cé­li­ne Hirs­ch­land, pa­ra o “Unesco Cou­ri­er”

Uma en­tre­vis­ta com o mé­di­co con­go­lês De­nis Mukwe­ge, No­bel da Paz de 2018, ilus­tra seu tra­ba­lho de res­ga­te da in­te­gri­da­de fe­mi­ni­na fa­ce aos es­tu­pros ocor­ri­dos na guer­ra ci­vil em seu país

Nos úl­ti­mos 15 anos, mais de 40 mil mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia ex­tre­ma fo­ram aten­di­das no Hos­pi­tal Pan­zi, fun­da­do pe­lo mé­di­co De­nis Mukwe­ge em 1999 na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC). Edu­ca­ção, ser­vi­ços de rein­ser­ção co­mu­ni­tá­ria, as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca, cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção – o dr. Mukwe­ge, len­dá­rio de­fen­sor dos di­rei­tos das mu­lhe­res, não li­mi­ta sua ação a dar as­sis­tên­cia mé­di­ca. Ele pe­de tam­bém que os per­pe­tra­do­res da vi­o­lên­cia se­xu­al se­jam le­va­dos à jus­ti­ça. Su­as con­vic­ções e de­ter­mi­na­ção não fo­ram aba­la­das por seis aten­ta­dos con­tra sua vi­da.

Cui­dar de ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al se tor­nou a ba­ta­lha de sua vi­da. Co­mo e por quê?

Em 1989 eu era o mé­di­co en­car­re­ga­do do hos­pi­tal ge­ral de Le­me­ra, no les­te da RDC. Na épo­ca, mi­nha prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção era re­du­zir a ta­xa de mor­tes ma­ter­nas du­ran­te o par­to. Quan­do a pri­mei­ra guer­ra do Con­go eclo­diu em 1996, o hos­pi­tal foi des­truí­do, pa­ci­en­tes mu­lhe­res fo­ram mor­tas em su­as ca­mas, a equi­pe mé­di­ca foi as­sas­si­na­da. Ti­ve que dei­xar Le­me­ra e ir pa­ra Bu­ka­vu, a ca­pi­tal do Ki­vu do Sul. Foi lá que fun­dei o Hos­pi­tal Pan­zi em 1999, com a ideia de me con­cen­trar na ma­ter­ni­da­de. Mas mi­nha pri­mei­ra pa­ci­en­te não veio pa­ra dar à luz. Es­sa mu­lher ha­via si­do es­tu­pra­da. Seu es­tu­pra­dor ati­rou de per­to nos ór­gãos se­xu­ais de­la. Ela te­ve que fa­zer seis ci­rur­gi­as an­tes de po­der vol­tar a uma vi­da nor­mal.

A prin­cí­pio, pen­sei que fos­se um in­ci­den­te ex­cep­ci­o­nal, um ato bár­ba­ro co­me­ti­do por al­guém que ha­via dei­xa­do de la­do seus sen­ti­dos. Mas, três me­ses de­pois, já ha­via pres­ta­do cui­da­dos a 45 mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al.

Nos úl­ti­mos 15 anos, mais de 40 mil mu­lhe­res que so­bre­vi­ve­ram a es­tu­pros ex­tre­ma­men­te vi­o­len­tos re­ce­be­ram cui­da­dos no Hos­pi­tal Pan­zi. Mas tam­bém te­nho vis­to um au­men­to no nú­me­ro de cri­an­ças es­tu­pra­das. Já em 2013, um re­la­tó­rio da ONU es­ta­be­le­ceu que, no les­te da RDC, cer­ca de 250 cri­an­ças ha­vi­am si­do es­tu­pra­das no es­pa­ço de um ano. Ses­sen­ta

de­las não ti­nham mais de 3 anos de ida­de. Uma vez re­ce­bi uma me­ni­na com 6 me­ses de ida­de. Co­mo eu não po­de­ria lu­tar con­tra is­so?

Se­gun­do o sr., o es­tu­pro é uma ar­ma de guer­ra. Pode ex­pli­car is­so?

De fa­to, o es­tu­pro e a vi­o­lên­cia se­xu­al cons­ti­tu­em uma for­mi­dá­vel ar­ma de guer­ra. Cau­sam o des­lo­ca­men­to de po­pu­la­ções ci­vis, pro­vo­cam o de­clí­nio de­mo­grá­fi­co, des­tro­em a eco­no­mia e de­sin­te­gram o te­ci­do fa­mi­li­ar e so­ci­al. Os agres­so­res usam es­sas tá­ti­cas em to­das as guer­ras, qual­quer que se­ja sua for­ma.

Na RDC, os es­tu­pros em ge­ral ocor­rem em pú­bli­co. Às ve­zes, são co­le­ti­vos – até 300 mu­lhe­res de uma al­deia po­dem ser es­tu­pra­das ao mes­mo tem­po. Os es­tu­pra­do­res obri­gam as fa­mí­li­as a as­sis­tir a es­sas ce­nas ex­cru­ci­an­tes. A mu­lher es­tu­pra­da é de­son­ra­da e seu ma­ri­do é hu­mi­lha­do. Ele en­tão vai se es­con- der em um lu­gar on­de nin­guém o co­nhe­ce. Quan­do es­ses es­tu­pros fi­cam re­cor­ren­tes, mu­lhe­res e cri­an­ças são for­ça­das, em fa­ce da in­se­gu­ran­ça per­ma­nen­te, a bus­car re­fú­gio em ou­tro lu­gar. Além dis­so, a vi­o­lên­cia se­xu­al, quan­do não ma­ta uma mu­lher, pode im­pe­di-la de ter fi­lhos. As do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis po­dem ser fa­tais pa­ra a ví­ti­ma.

O de­clí­nio de­mo­grá­fi­co re­sul­tan­te é um ob­je­ti­vo prin­ci­pal dos ata­can­tes, que tam­bém co­me­tem to­do ti­po de bar­ba­ri­da­de: tor­tu­ram pes­so­as, sa­quei­am seus re­cur­sos, quei­mam al­dei­as e dei­xam as po­pu­la­ções pas­sa­rem fo- me. É ób­vio que os es­tu­pros não são mo­ti­va­dos por im­pul­sos se­xu­ais, mas cons­ti­tu­em um meio de de­bi­li­tar, se não ani­qui­lar, uma po­pu­la­ção.

Es­ses es­tu­pros pú­bli­cos tam­bém le­vam à per­da de iden­ti­da­de da ví­ti­ma. Não é ra­ro uma pa­ci­en­te me di­zer “eu não sou mais uma mu­lher”. Quan­to aos ho­mens, se su­as es­po­sas fo­ram vi­o­len­ta­das ou se eles mes­mos fo­ram es­tu­pra­dos (1% dos ca­sos), eles sen­tem que não me­re­cem mais ser pais. A si­tu­a­ção é tão som­bria, ou pi­or, pa­ra cri­an­ças nas­ci­das de es­tu­pro. Elas são re­jei­ta­das por sua pró­pria co­mu­ni­da­de. São cha­ma­das de “fi­lhos de co­bras”, “ge­no­ci­das” – to­da uma ter­mi­no­lo­gia é pos­ta em prá­ti­ca pa­ra ne­gar sua hu­ma­ni­da­de.

A per­da da iden­ti­da­de in­di­vi­du­al sig­ni­fi­ca que as pes­so­as não mais se re­co­nhe­cem co­mo mem­bros de sua pró­pria co­mu­ni­da­de. Pon­tos de re­fe­rên­cia são per­di­dos, pa­péis são con­fun­di­dos, a co­e­são so­ci­al é des­truí­da. Is­so abre as por­tas pa­ra to­dos os abu­sos. Em ou­tras pa­la­vras, os ata­can­tes po­dem do­mi­nar es­ses lo­cais co­mo mes­tres ab­so­lu­tos.

Es­ses lu­ga­res são em ge­ral áre­as de mi­ne­ra­ção ri­cas em col­tan [de on­de se ex­trai nió­bio e tân­ta­lo – N. da R.] ou ou­ro. É por is­so que de­fen­do uma re­gu­la­ção in­ter­na­ci­o­nal pa­ra pos­si­bi­li­tar o ras­tre­a­men­to da ca­deia de for­ne­ci­men­to de mi­ne­rais. Uma lei res­tri­ti­va é cru­ci­al se qui­ser­mos evi­tar que gru­pos ar­ma­dos nas áre­as de con­fli­to da RDC se­jam fi­nan­ci­a­dos pe­lo co­mér­cio de mi­ne­rais.

O sr. tam­bém pe­de um tri­bu­nal cri­mi­nal in­ter­na­ci­o­nal pa­ra a RDC.

A ju­ris­di­ção in­ter­na­ci­o­nal é vi­tal pa­ra aca­bar com a im­pu­ni­da­de

dos es­tu­pra­do­res. En­quan­to es­ses cri­mes per­ma­ne­ce­rem im­pu­nes, a vi­o­lên­cia, o ter­ror e o es­tu­pro con­ti­nu­a­rão com seus es­tra­gos. Lem­bre-se da­que­le ter­rí­vel mas­sa­cre em Be­ni (RDC) em maio de 2015: mu­lhe­res grá­vi­das evis­ce­ra­das, be­bês mu­ti­la­dos, ho­mens amar­ra­dos e com gar­gan­tas cor­ta­das. Mais de 50 ví­ti­mas ino­cen­tes, pa­ra au­men­tar o já ter­rí­vel nú­me­ro do con­fli­to que as­so­la meu país há mais de 20 anos.

Ime­di­a­ta­men­te após o mas­sa­cre, lan­cei um ape­lo à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal exi­gin­do pro­te­ção pa­ra as po­pu­la­ções ci­vis na re­gião dos Gran­des La­gos (les­te da RDC). Em mar­ço de 2016, apre­sen­tei uma pe­ti­ção à ONU: “Não à im­pu­ni­da­de”. As­si­na­da por 200 or­ga­ni­za­ções, ela exi­gia que o Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU pu­bli­cas­se a lis­ta dos 617 sus­pei­tos de es­tu­pros e vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos na RDC en­tre 1993 e 2003.

Acho que as amos­tras de DNA de­vem ser co­le­ta­das sis­te­ma­ti­ca­men­te sem­pre que hou­ver um es­tu­pro. Is­so per­mi­ti­ria às au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais iden­ti­fi­car os cul­pa­dos – um pas­so gi­gan­tes­co pa­ra aca­bar com a im­pu­ni­da­de.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal não pode fi­car em si­lên­cio di­an­te des­ses cri­mes. Eles às ve­zes são co­me­ti­dos por sol­da­dos de exér­ci­tos es­tran­gei­ros, que nun­ca fo­ram pro­ces­sa­dos. As pes­so­as de­vem per­ce­ber que um cri­me não pode fi­car im­pu­ne. De­ve­mos que­brar o si­lên­cio – in­di­vi­du­al, na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal­men­te. Em 2015, a RDC ado­tou uma lei so­bre os di­rei­tos e a pa­ri­da­de das mu­lhe­res e ela­bo­rou um pro­je­to pa­ra cri­ar um fun­do pa­ra re­pa­ra­ções em be­ne­fí­cio das ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al.

Não há fal­ta de le­gis­la­ção; o pro­ble­ma es­tá em ou­tro lu­gar. Mui­tas ve­zes as mu­lhe­res não sa­bem que exis­tem leis pa­ra pro­te­gê-las. E quan­do sa­bem, pre­ci­sam con­fron­tar nor­mas so­ci­ais que as im­pe­dem de rei­vin­di­car seus di­rei­tos. Há mui­to tra­ba­lho a ser fei­to pa­ra au­men­tar a cons­ci­en­ti­za­ção.

Quan­do uma mu­lher não se atre­ve a re­la­tar um es­tu­pro, por con­si­de­rá-lo um as­sun­to ta­bu, es­tá pro­te­gen­do o es­tu­pra­dor. Seu si­lên­cio au­men­ta o ris­co de mais es­tu­pros. Mas se ela con­se­guir que­brar o si­lên­cio, a ver­go­nha mu­da­rá de la­do e o es­tu­pra­dor sa­be­rá que seu cri­me não pas­sa­rá des­per­ce­bi­do, que ele se­rá jul­ga­do e con­de­na­do. A si­tu­a­ção vai mu­dar com­ple­ta­men­te. Os for­mu­la­do­res de po­lí­ti­cas de­vem ser fir­mes na lu­ta con­tra a im­pu­ni­da­de por tais atos. Não ire­mos lon­ge se a von­ta­de po­lí­ti­ca es­ti­ver fal­tan­do! As mu­lhe­res lu­ta­ram du­ra­men­te nos úl­ti­mos 100 anos pa­ra ob­ter di­rei­tos, mas as leis e re­so­lu­ções in­ter­na­ci­o­nais per­ma­ne­ce­rão ine­fi­ca­zes se a men­te das pes­so­as não mu­dar. A igual­da­de en­tre ho­mens e mu­lhe­res só é pos­sí­vel se for um fa­to ób­vio em nos­sas men­tes.

Igual­men­te de­plo­rá­vel é que, mes­mo quan­do ven­cem seus pro­ces­sos ju­di­ci­ais, as mu­lhe­res es­tu­pra­das não re­ce­bem re­pa­ra­ções subs­tan­ci­ais. As in­de­ni­za­ções con­ce­di­das pe­lo tri­bu­nal aju­da­ri­am a cu­rar es­sas mu­lhe­res to­tal­men­te e con­ven­ce­ri­am as pes­so­as de que elas são de fa­to ví­ti­mas. Co­mo po­de­mos re­cons­truir uma so­ci­e­da­de trau­ma­ti­za­da sem re­pa­ra­ções por cri­mes?

Co­mo o sr. es­tá con­tri­buin­do pa­ra re­cons­truir es­sa so­ci­e­da­de?

O tra­ba­lho do Hos­pi­tal Pan­zi ba­seia-se em qua­tro pi­la­res. O pri­mei­ro é o aten­di­men­to mé­di­co – ope­ra­ções, hos­pi­ta­li­za­ção, tra­ta­men­tos –, in­ti­ma­men­te li­ga­do ao se­gun­do, apoio psi­co­ló­gi­co, que é igual­men­te im­por­tan­te. No ter­cei­ro pi­lar es­tão a edu­ca­ção e a rein­ser­ção co­mu­ni­tá­ria. Quan­do uma mu­lher re­cu­pe­rou sua for­ça fí­si­ca e men­tal, vo­cê não pode sim­ples­men­te man­dá-la de vol­ta pa­ra sua al­deia, so­zi­nha e sem re­cur­sos. Aju­da­mos as ví­ti­mas a vol­tar pa­ra a es­co­la se elas de­sis­ti­ram ou pa­ra ad­qui­rir ha­bi­li­da­des pro­fis­si­o­nais. Tam­bém ofe­re­ce­mos au­las de al­fa­be­ti­za­ção, por­que o anal­fa­be­tis­mo es­tá fre­quen­te­men­te na raiz das trá­gi­cas ex­pe­ri­ên­ci­as des­sas mu­lhe­res. Por fim, o quar­to pi­lar é a as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca. Da­mos a elas acon­se­lha­men­to le­gal gra­tui­to. Seis ad­vo­ga­dos es­tão dis­po­ní­veis pa­ra elas e pa­ga­mos as cus­tas le­gais. No en­tan­to, das 3 mil mu­lhe­res que re­ce­be­mos anu­al­men­te, não mais que 300 vão pa­ra o tri­bu­nal.

Além dis­so, or­ga­ni­za­mos inú­me­ras cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção con­tra a es­tig­ma­ti­za­ção das ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al, que, na mai­o­ria das ve­zes, são re­jei­ta­das e não aju­da­das pe­la so­ci­e­da­de. Fi­co fe­liz em ob­ser­var que, nes­se as­pec­to, as men­tes das pes­so­as es­tão evo­luin­do na di­re­ção cer­ta.

Mukwe­ge em seu hos­pi­tal: re­cu­pe­ra­ção e es­pe­ran­ça de uma vi­da me­lhor pa­ra su­as pa­ci­en­tes

O aten­di­men­to mé­di­co é ape­nas o pri­mei­ro dos qua­tro pi­la­res de atu­a­ção do Hos­pi­tal Pan­zi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.