DOZE ANOS DECISIVOS

Planeta - - EDITORIAL -

No­vo re­la­tó­rio do IPCC re­co­men­da fre­ar o aque­ci­men­to glo­bal em 1,5 °C, o que re­quer cor­te de 45% nas emis­sões até 2030

Cor­tar emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa pa­ra que a Terra se aque­ça no má­xi­mo 1,5 °C é um es­for­ço que va­le a pe­na, se com­pa­ra­do a um li­mi­te de 2,0 °C. Es­sa é a con­clu­são do re­la­tó­rio es­pe­ci­al do IPCC (Pai­nel In­ter­go­ver­na­men­tal de Mu­dan­ça Cli­má­ti­ca) di­vul­ga­do em 5 de ou­tu­bro em In­che­on (Co­reia do Sul). Pa­ra tor­nar is­so pos­sí­vel, po­rém, uma mi­ti­ga­ção drás­ti­ca de­ve ser de­fla­gra­da “mui­to an­tes de 2030″, di­zem os ci­en­tis­tas.

O do­cu­men­to do pai­nel do cli­ma da ONU foi pro­je­ta­do es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra tra­tar des­sa ques­tão, já que o li­mi­te con­si­de­ra­do no âm­bi­to do Acor­do de Pa­ris pa­ra com­ba­te à mu­dan­ça cli- má­ti­ca é de 2,0 °C aci­ma dos ní­veis me­di­dos an­tes da Revolução In­dus­tri­al. Em 2015, po­rém, já ha­via mui­tos in­dí­ci­os de que es­se nú­me­ro tal­vez fos­se oti­mis­ta de­mais, e o no­vo re­la­tó­rio com­pa­ra os de­sa­fi­os e be­ne­fí­ci­os de mu­dar a me­ta pa­ra 1,5 °C.

Não sur­pre­en­deu os ci­en­tis­tas que tan­to os de­sa­fi­os quan­to os be­ne­fí­ci­os são mui­to mai­o­res. Ago­ra, po­rém, há uma me­di­da bem quan­ti­fi­ca­da so­bre es­sa di­fe­ren­ça.

Em es­sên­cia, bar­rar o aque­ci­men­to em até 1,5 °C re­quer um cor­te glo­bal de emis­sões de 45% em 2030, em re­la­ção às emis­sões me­di­das em 2010 (li­nha de ba­se do Acor­do de Pa­ris), e de 100% em 2050. Já a me­ta de 2,0 °C re­quer um cor­te de 20% em 2030 e emis­sões ze­ro em 2075.

Co­mo te­mos 12 anos até 2030, não se tra­ta de um de­sa­fio tri­vi­al, so­bre­tu­do se pen­sar­mos que a Terra já é ho­je 1,0 °C mais quen­te do que na era pré-in­dus­tri­al. Mas os be­ne­fí­ci­os de fre­ar a su­bi­da em 1,5 °C com­pen­sa­ri­am o es­for­ço.

Pa­ra re­for­çar a ro­bus­tez em su­as con­clu­sões, o IPCC reu­niu 91 ci­en­tis­tas na pro­du­ção do re­la­tó­rio. O tex­to ci­ta mais de 6 mil es­tu­dos, vá­ri­os de­les en­co­men­da­dos es­pe­ci­al­men­te pa­ra o pai­nel da ONU.

BE­NE­FÍ­CI­OS E DE­SA­FI­OS

O au­men­to mé­dio do ní­vel do mar, por exem­plo, ten­de­ria a cair 10 cm no ce­ná­rio de 1,5 °C (nu­ma pro­je­ção até 2100). Co­mo se tra­ta de uma mé­dia, fa­ria uma di­fe­ren­ça drás­ti­ca pa­ra áre­as cos­tei­ras bai­xas, as mais ame­a­ça­das pe­la mu­dan­ça cli­má­ti­ca.

Áre­as ter­res­tres vul­ne­rá­veis a cri­ses hí­dri­cas tam­bém po­de­ri­am en­co­lher 50% com a mu­dan­ça de me­ta su­ge­ri­da. Ela re­du­zi­ria ain­da os ris­cos do aque­ci­men­to glo­bal pa­ra a bi­o­di­ver­si­da­de ma­ri­nha, os re­cur­sos pes­quei­ros, os ecos­sis­te­mas e os ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la na­tu­re­za aos hu­ma­nos.

Os be­ne­fí­ci­os so­ci­o­e­conô­mi­cos mais di­re­tos tam­bém se­ri­am gran­des. A me­ta de 1,5 °C re­du­zi­ria em ní­veis apre­ciá­veis os ris­cos cli­má­ti­cos pa­ra saúde, pro­du­ção de ali­men­tos, mo­dos de sus­ten­to, re­cur­sos hí­dri­cos e se­gu­ran­ça hu­ma­na. Es­sa mu­dan­ça sig­ni­fi­ca­ria ain­da um mai­or im­pul­so ao cres­ci­men­to econô­mi­co glo­bal, com­pen­san­do in­ves­ti­men­tos em mi­ti­ga­ção.

Os ce­ná­ri­os mais viá­veis tra­ça­dos pe­lo IPCC pa­ra pos­si­bi­li­tar is­so, po­rém, re­que­rem ação pra­ti­ca­men­te ime­di­a­ta. Se­gun­do o re­la­tó­rio, quan­to mais ce­do as emis­sões caí­rem, me­nos o pla­ne­ta de­pen­de­rá de ações ma­ci­ças de re­mo­ção de car­bo­no, co­mo plan­tio de vas­tas áre­as de flo­res­ta. As tra­je­tó­ri­as si­mu­la­das com me­nor pres­sa pa­ra a mi­ti­ga­ção de emis­sões exi­gem que, no fu­tu­ro, a Terra atin­ja “emis­sões lí­qui­das ne­ga­ti­vas”, com ações de re­mo­ção su­pe­ran­do em vo­lu­me a emis­são de ga­ses-es­tu­fa.

A ne­ces­si­da­de de re­mo­ver e es­to­car car­bo­no co­lo­ca a ques­tão do des­ma­ta­men­to – prin­ci­pal fon­te de emis­sões no Bra­sil – co­mo um ele­men­to crí­ti­co pa­ra atin­gir es­sa me­ta. Ca­da hec­ta­re de flo­res­ta fa­rá di­fe­ren­ça quan­do o pla­ne­ta ti­ver de ze­rar su­as emis­sões lí­qui­das, e é mui­to mais ba­ra­to man­ter uma área flo­res­ta­da do que plan­tar ou­tra de igual ta­ma­nho.

Quan­to mai­or a de­mo­ra em se to­mar ações, po­rém, me­nos re­a­lis­tas pa­re­cem os ce­ná­ri­os re­co­men­da­dos. Uma len­ti­dão mai­or pa­ra che­gar a 50% no cor­te de emis­sões im­pli­ca­ria a ado­ção ex­ten­sa de es­tra­té­gi­as de efi­cá­cia ain­da des­co­nhe­ci­da em es­ca­la ope­ra­ci­o­nal.

Con­si­de­ran­do-se que a tra­je­tó­ria atu­al de emis­sões na Terra apon­ta pa­ra um aque­ci­men­to de 3,4 °C, po­rém, sa­be-se que nem a me­ta de 2,0 °C pa­re­ce atin­gí­vel. O ce­ná­rio de 1,5 °C tor­na mais pal­pá­vel o de­ba­te so­bre au­men­to da am­bi­ção en­tre os sig­na­tá­ri­os do Acor­do de Pa­ris. As ações to­ma­das di­an­te dos fa­tos de­pen­dem ago­ra de o que vai ocor­rer no pla­no po­lí­ti­co.

Áre­as cos­tei­ras co­mo as do Rio de Ja­nei­ro se­ri­am be­ne­fi­ci­a­das com a li­mi­ta­ção do au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra em 1,5 oc, me­ta que de­pen­de do con­tro­le do des­ma­ta­men­to (à di­rei­ta)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.