A CRATERA DA GROENLÂNDIA

A ex­ten­sa for­ma­ção cri­a­da há cer­ca de 12 mil anos pe­lo cho­que de um me­te­o­ri­to con­tra o so­lo é a pri­mei­ra a ser en­con­tra­da sob um man­to de ge­lo e uma das 25 mai­o­res des­co­ber­tas na Terra

Planeta - - EDITORIAL - Por Equi­pe Pla­ne­ta

Uma ex­ten­sa for­ma­ção cri­a­da há 12 mil anos pe­lo cho­que de um me­te­o­ri­to con­tra o so­lo é a pri­mei­ra a ser en­con­tra­da sob um man­to de ge­lo na Terra

Uma enor­me cratera de im­pac­to foi des­co­ber­ta 800 me­tros abai­xo do man­to de ge­lo no no­ro­es­te da Groenlândia. A de­pres­são apa­ren­te­men­te re­sul­tou da co­li­são com a ilha de um me­te­o­ri­to com 1,6 km de lar­gu­ra e 10 bi­lhões de to­ne­la­das, que vi­a­ja­va a 68.400 km/h. O im­pac­to, há cer­ca de 12 mil anos, li­be­rou uma ener­gia 47 mi­lhões de ve­zes mai­or que a da bom­ba lan­ça­da em Hi­roshi­ma em 1945. O cho­que te­ria der­re­ti­do gran­des quan­ti­da­des de ge­lo, lan­çan­do água do­ce nos oce­a­nos e frag­men­tos ro­cho­sos na at­mos­fe­ra.

Pri­mei­ra de seu gê­ne­ro a ser en­con­tra­da sob um man­to de ge­lo, a cratera gro­en­lan­de­sa tem qua­se 31 quilô­me­tros de lar­gu­ra e es­tá en­tre as 25 mai­o­res des­co­ber­tas na Terra. Kurt Kjær, do Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral da Di­na­mar­ca, em Co­pe­nha­gue, res­sal­ta a ra­ri­da­de do even­to ao lem­brar que uma cratera do mes­mo por­te foi for­ma­da há 40 mi­lhões de anos.

A pri­mei­ra sus­pei­ta so­bre a exis­tên­cia da cratera sur­giu em 2015, quan­do ci­en­tis­tas avis­ta­ram uma enor­me de­pres­são nas ima­gens de ra­dar do lei­to ro­cho­so sob a ge­lei­ra Hi­awatha fei­tas pe­la Na­sa. Kjær foi o pri­mei­ro a ima­gi­nar se um me­teo- ri­to po­de­ria ser o cul­pa­do. A hi­pó­te­se ga­nhou for­ça com um no­vo sis­te­ma de ra­dar de pe­ne­tra­ção de ge­lo ope­ra­do a par­tir do ar. Em maio de 2016, os ci­en­tis­tas so­bre­vo­a­ram a ge­lei­ra Hi­awatha e usa­ram o ra­dar pa­ra ma­pe­ar a ro­cha sub­ja­cen­te em de­ta­lhes iné­di­tos.

As ima­gens re­ve­la­ram to­das as mar­cas de uma cratera de im­pac­to. A pró­pria ba­cia ti­nha mais de 300 me­tros de pro­fun­di­da­de, de acor­do com um re­la­tó­rio pu­bli­ca­do na re­vis­ta “Sci­en­ce Ad­van­ces”.

En­tre os se­di­men­tos co­le­ta­dos na área ha­via par­tí­cu­las de quart­zo im­pac­ta­das e ou­tros ma­te­ri­ais pro­du­zi­dos ti­pi­ca­men­te pe­la vi­o­lên­cia de uma co­li­são es­pa­ci­al. Tes­tes ge­oquí­mi­cos dos grãos su­ge­rem que o me­te­o­ri­to era fei­to de fer­ro.

Até ago­ra, foi im­pos­sí­vel es­ta­be­le­cer uma ida­de fir­me pa­ra a cratera, mas sua con­di­ção su­ge­re que ela se for­mou de­pois que o ge­lo co­me­çou a co­brir a Groenlândia, cer­ca de 3 mi­lhões de anos atrás. Mas a cratera pode ter sur­gi­do mui­to mais re­cen­te­men­te. As ima­gens de ra­dar mos­tram que, en­quan­to as ca­ma­das su­per­fi­ci­ais da ge­lei­ra ime­di­a­ta­men­te aci­ma da cratera pa­re­cem nor­mais, as mais pro­fun­das, com mais de 12 mil anos, são mui­to de­for­ma­das e chei­as de ro­chas com di­men­sões mai­o­res do que as de ca­mi­nhões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.