FÉ COM LI­BER­DA­DE

é pre­ci­so per­ten­cer a es­sa ou aque­la li­nha re­li­gi­o­sa pa­ra ates­tar a cren­ça em Deus? El­sie Du­bu­gras mos­tra aqui co­mo sua in­de­pen­dên­cia nes­sa área a aju­dou a for­mu­lar su­as pró­pri­as con­cep­ções acer­ca dos prin­cí­pi­os es­pi­ri­tu­ais que re­gem a hu­ma­ni­da­de

Planeta - - EDITORIAL - Por El­sie Du­bu­gras*

El­sie Du­bu­gras mos­tra aqui co­mo sua in­de­pen­dên­cia na se­a­ra re­li­gi­o­sa a aju­dou a for­mu­lar su­as con­cep­ções acer­ca dos prin­cí­pi­os es­pi­ri­tu­ais que re­gem a hu­ma­ni­da­de

Des­de que o ar­ti­go “Por que não sou re­li­gi­o­sa” foi pu­bli­ca­do em PLA­NE­TA, mui­tos lei­to­res têm me per­gun­ta­do se acre­di­to em Deus. Gos­ta­ria de ex­pli­car que não ser re­li­gi­o­so não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te ne­gar a exis­tên­cia de Deus. Quer di­zer sim­ples­men­te que não se per­ten­ce a uma co­mu­ni­da­de mo­ral cha­ma­da igre­ja. É o que ocor­re no meu ca­so. Fui cri­a­da de acor­do com os pre­cei­tos da re­li­gião an­gli­ca­na. Já adul­ta, co­nhe­ci ou­tras re­li­giões, cris­tãs e não cris­tãs, e o que mais me sur­pre­en­deu fo­ram as di­fe­ren­ças en­tre elas.

To­me­mos co­mo exem­plo as igre­jas ca­tó­li­ca ro­ma­na e an­gli­ca­na. Em­bo­ra am­bas se con­si­de­rem apos­tó­li­cas, seus con­cei­tos e ce­rimô­ni­as di­ver­gem bas­tan­te en­tre si. En­quan­to a ca­tó­li­ca ro­ma­na im­põe o ce­li­ba­to a seu cor­po sa­cer­do­tal, os pa­dres an­gli­ca­nos se ca­sam e têm fi­lhos.

A con­fis­são au­ri­cu­lar não é exi­gi­da pe­la igre­ja an­gli­ca­na, que a subs­ti­tuiu pe­la ge­ral, fei­ta em voz al­ta por to­da a con­gre­ga­ção.

O pa­pa, che­fe da igre­ja ca­tó­li­ca ro­ma­na, tem um car­go vi­ta­lí­cio. Já o lí­der dos an­gli­ca­nos, o ar­ce­bis­po de Can­tuá­ria, pode, se ne­ces­sá­rio, ser subs­ti­tuí­do. Du­ran­te a mis­sa (ce­rimô­nia prin­ci­pal nas du­as re­li­giões), os ca­tó­li­cos ro­ma­nos de­vem co­mun­gar em je­jum, pois as es­pé­ci­es são tran­subs­tan­ci­a­das e, na co­mu­nhão, só re­ce­bem a hós­tia; é o pa­dre que to­ma o vi­nho. Os an­gli­ca­nos não res­pei­tam o je­jum, uma vez que a ce­rimô­nia é re­a­li­za­da em lem­bran­ça à Úl­ti­ma Ceia; as es­pé­ci­es não são tran­subs­tan­ci­a­das e os que co­mun­gam re­ce­bem tan­to pão co­mo vi­nho. A di­ver­si­da­de nas for­mas de cul­tu­ar Deus mul­ti­pli­ca-se ao in­fi­ni­to quan­do se con­si­de­ra o nú­me­ro de re­li­giões exis­ten­tes no mundo. Se­gun­do pes­qui­sas re­cen­tes, só na In­gla­ter­ra, país con­si­de­ra­do con­ser­va­dor, há mais de 2 mil sei­tas di­fe­ren­tes; no Ja­pão, exis­tem cer­ca de 160 mil. Al­go pa­re­ci­do acon­te­ce em ou­tros paí­ses de to­dos os con­ti­nen­tes. O que se pode de­du­zir des­sa pro­li­fe­ra­ção re­li­gi­o­sa?

VI­SÕES DA SU­PER­FÍ­CIE

De­pois de mui­ta re­fle­xão, con­cluí que, nes­se as­pec­to, os se­res hu­ma­nos se­ri­am com­pa­rá­veis a cri­a­tu­ras que, vi­ven­do em lu­ga­res es­cu­ros, no fun­do da terra, pou­co ou na­da sa­bem do que ocor­re fora de­la. Um dia, al­guém des­co­bre uma tri­lha e, após ca­mi­nhar du­ran­te al­gum tem­po, che­ga à su­per­fí­cie. Ali en­con­tra um mundo es­tra­nho, lu­mi­no­so, cheio de ve­ge­ta­ção e cri­a­tu­ras sin­gu­la­res. As­sus­ta­do, vol­ta à sua ca­ver­na e des­cre­ve a ex­pe­ri­ên­cia pa­ra os com­pa­nhei­ros. Al­guns acre­di­tam, ou­tros não. Por fim, a mai­o­ria con­clui que o vi­a­jan­te de­ve ter es­ta­do num lu­gar não ter­res­tre, po­vo­a­do por se­res in­cor­pó­re­os. As­sim nas­ce a cren­ça num mundo es­pi­ri­tu­al, re­ple­to de luz, ha­bi­ta­do por cri­a­tu­ras dig­nas de ve­ne­ra­ção.

Mais tar­de, ou­tros so­bem por no­vas tri­lhas e tam­bém che­gam à su­per­fí­cie, mas em lo­cais di­fe­ren­tes. De­pa­ram-se com se­res es­tra­nhos, ani­mais des­co­nhe­ci­dos, pai­sa­gens por ve­zes be­las, por ve­zes de­sér­ti­cas, quen­tes de­mais ou ex­tre­ma­men­te ge­la­das. Su­as des­cri­ções pas­sam a in­flu­en­ci­ar gru­pos dis­tin­tos de pes­so­as e, aos pou­cos, ou­tras cren­ças vão sur­gin­do, com deu­ses, demô­ni­os, cri­a­tu­ras an­ge­li­cais, céus, in­fer­nos e pur­ga­tó­ri­os.

To­das es­sas ima­gens re­fle­tem uma con­cep­ção pró­pria, re­sul­ta­do de mui­tos es­tu­dos e ob­ser­va­ções que, se não me con­du­zi­ram à ver­da­de de­fi­ni­ti­va, per­mi­ti­ram-me des­co­brir

prin­cí­pi­os que ex­pli­cam a di­ver­si­da­de no mo­do de pen­sar e de se com­por­tar da hu­ma­ni­da­de. Um de­les, en­si­na­do pe­los es­pi­ri­tu­a­lis­tas e es­pí­ri­tas, mas não acei­to pe­la mai­o­ria da cris­tan­da­de, é a hi­pó­te­se re­en­car­na­tó­ria. O prin­ci­pal mo­ti­vo ale­ga­do pe­los cris­tãos pa­ra re­jei­tar es­se con­cei­to é a omis­são da “Bí­blia” so­bre o as­sun­to. Ao con­trá­rio do que se afir­ma, po­rém, vá­ri­os ca­sos são ci­ta­dos tan­to no An­ti­go co­mo no No­vo Tes­ta­men­to.

ELI­AS: JOÃO BA­TIS­TA

O de Eli­as, a pro­pó­si­to, apa­re­ce em am­bos. Con­si­de­ra­do um dos mai­o­res pro­fe­tas he­breus, ele foi ali­men­ta­do por cor­vos quan­do se re­fu­gi­ou no de­ser­to pa­ra es­ca­par da ira do rei Aca­be, res­sus­ci­tou um jo­vem que ha­via mor­ri­do, sal­vou a re­li­gião ju­dai­ca da cor­rup­ção dos ado­ra­do­res de Ba­al e, fi­nal­men­te, su­biu aos céus num car­ro de fo­go, pu­xa­do por ca­va­los tam­bém de fo­go. No Li­vro de Ma­la­qui­as, o úl­ti­mo do An­ti­go Tes­ta­men­to, há a pro­mes­sa de que ele vol­ta­ria: “Eis que vos en­vio o pro­fe­ta Eli­as, an­tes que ve­nha o dia gran­de e ter­rí­vel do Se­nhor” (4:5).

Je­sus não só con­fir­mou o prog­nós­ti­co de Ma­la­qui­as co­mo re­ve­lou o no­vo no­me do pro­fe­ta ao afir­mar: “(...) Eli­as já veio, e não o co­nhe­ce- ram, mas fi­ze­ram-lhe tu­do o que qui­se­ram. (...) En­tão en­ten­de­ram os dis­cí­pu­los que lhes fa­la­ra de João Ba­tis­ta” (Ma­teus 17:12-13).

Ou­tro ca­so, mais ve­la­do, é o do ce­go de nas­cen­ça. Se­gun­do o Evan­ge­lho de João, ao pas­sa­rem por um ce­go de nas­cen­ça, os dis­cí­pu­los per­gun­ta­ram a Je­sus: “(...) quem pe­cou, es­te ou seus pais, pa­ra que nas­ces­se ce­go?” (9:2).

A pri­mei­ra par­te da per­gun­ta su­ge­re que os dis­cí­pu­los acre­di­ta­vam na pre­e­xis­tên­cia da al­ma e no res­ga­te de er­ros co­me­ti­dos em vi­das pas­sa­das. Quan­to à dú­vi­da so­bre os pais te­rem pe­ca­do, pa­re­ce uma re­fe­rên­cia às pa­la­vras di­tas por Deus a Moi­sés no Mon­te Si­nai: “(...) sou Deus ze­lo­so, que vi­si­to a mal­da­de dos pais nos fi­lhos até a ter­cei­ra e quar­ta ge­ra­ção da­que­les que me abor­re­cem” (Êxo­do 20:5).

É in­te­res­san­te as­si­na­lar ain­da que, até me­a­dos do sé­cu­lo 6 da nos­sa era, a re­en­car­na­ção fa­zia par­te dos en­si­na­men­tos do cris­ti­a­nis­mo. Ela foi abo­li­da da dou­tri­na pe­lo Con­cí­lio de Cons­tan­ti­no­pla, no ano 533, por mo­ti­vos con­tro­ver­sos. Nos sé­cu­los 12 e 13, con­tu­do, a cren­ça na re­en­car­na­ção foi re­a­vi­va­da pe­los cá­ta­ros, con­si­de­ra­dos he­ré­ti­cos pe­la igre­ja ca­tó­li­ca ro­ma­na e, con­se­quen­te­men­te, per­se­gui­dos.

O fa­to de não me con­si­de­rar re­li­gi­o­sa não im­pe­de, por­tan­to, que eu for­mu­le mi­nhas pró­pri­as con­cep­ções so­bre Deus e os prin­cí­pi­os es­pi­ri­tu­ais que re­gem a hu­ma­ni­da­de. Na ver­da­de, is­so tem me es­ti­mu­la­do a pes­qui­sar tais ques­tões con­ti­nu­a­men­te e ca­da vez com mai­or pro­fun­di­da­de. Mes­mo por­que, pa­ra mim, é pro­cu­ran­do que se en­con­tra. E eu vou con­ti­nu­ar pro­cu­ran­do.

Ri­to bu­dis­ta no Ne­pal: uma das múl­ti­plas for­mas de cul­tu­ar Deus

Mis­sa: ce­rimô­nia prin­ci­pal pa­ra an­gli­ca­nos e ca­tó­li­cos

João Ba­tis­ta ba­ti­za Je­sus: ele se­ria a re­en­car­na­ção do pro­fe­ta Eli­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.