PISTA DO NONO PLA­NE­TA

A des­co­ber­ta do pla­ne­ta anão Go­blin, com uma es­tra­nha ór­bi­ta alon­ga­da, re­for­ça a te­se de que exis­te um gran­de cor­po ce­les­te na par­te ex­te­ri­or do Sis­te­ma So­lar in­flu­en­ci­an­do a for­ma co­mo ele e ou­tros pe­que­nos ob­je­tos as­tronô­mi­cos gi­ram em tor­no do Sol

Planeta - - EDITORIAL - Por Jú­lio Cé­sar Borges

A des­co­ber­ta do pla­ne­ta anão Go­blin re­for­ça a te­se de que exis­te um gran­de cor­po ce­les­te na par­te ex­te­ri­or do Sis­te­ma So­lar

Em­bo­ra Plu­tão te­nha si­do re­bai­xa­do a pla­ne­ta anão em 2006, o nú­me­ro de pla­ne­tas do Sis­te­ma So­lar tei­ma em ser no­ve. A ideia, já co­gi­ta­da há al­gum tem­po pe­la co­mu­ni­da­de as­tronô­mi­ca, ga­nhou um re­for­ço em ou­tu­bro, com o anún­cio da des­co­ber­ta de um pe­que­no e lon­gín­quo cor­po ce­les­te, de­no­mi­na­do Go­blin. As­sim co­mo ou­tros dois pla­ne­tas anões en­con­tra­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das, Sed­na e 2012 VP113, ele pa­re­ce ser in­flu­en­ci­a­do por um ob­je­to gran­de e ain­da in­vi­sí­vel – o Pla­ne­ta No­ve.

O ge­la­do Go­blin (“Du­en­de”, em in­glês; ofi­ci­al­men­te, 2015 TG387) tem um di­â­me­tro de cer­ca de 300 km e ór­bi­ta mui­to alon­ga­da, que o le­va a dar uma vol­ta em tor­no do Sol em 40 mil anos. Quan­do mais se apro­xi­ma da nos­sa es­tre­la, ele es­tá a uma dis­tân­cia 2,5 ve­zes mai­or que a de Plu­tão; no pon­to mais afas­ta­do, fi­ca qua­se 60 ve­zes mais lon­ge do que o pla­ne­ta re­bai­xa­do em 2006. Por cau­sa dis­so, a luz que ele re­fle­te é mui­to fra­ca pa­ra ser vis­ta da Terra du­ran­te 99% de sua ór­bi­ta.

“Só ago­ra es­ta­mos des­co­brin­do co­mo se­ria a par­te ex­ter­na do Sis­te­ma So­lar e o que po­de­ria es­tar por ali”, dis­se Scott Shep­pard, do Ins­ti­tu­to Car­ne­gie pa­ra a Ciência, de Washing­ton, e mem­bro da equi­pe que fez a des­co­ber­ta. “Acre­di­ta­mos que há mi­lha­res de pla­ne­tas anões no Sis­te­ma So­lar ex­te­ri­or. Es­ta­mos ape­nas ven­do a pon­ta do ice­berg ago­ra.”

A ten­dên­cia mais for­te pa­ra ex­pli­car por que as ór­bi­tas de Sed­na, Go­blin e 2012 VP113 pa­re­cem agru­pa­das é a exis­tên­cia de um gran­de cor­po ce­les­te a con­du­zi-las, que pode ser dez ve­zes mai­or do que a Terra. Pa­ra Kons­tan­tin Baty­gin, pro­fes­sor as­sis­ten­te de ciência pla­ne­tá­ria no Cal­te­ch (EUA), que tra­ba­lhou em si­mu­la­ções teó­ri­cas do hi­po­té­ti­co Pla­ne­ta No­ve, a no­tí­cia do Go­blin cons­ti­tui uma “gran­de des­co­ber­ta de fa­to”.

O Go­blin foi en­con­tra­do por meio do te­les­có­pio ja­po­nês Su­ba­ru, ins­ta­la­do no vul­cão ador­me­ci­do Mau­nea Kea, no Ha­vaí. O Su­ba­ru é o úni­co no mundo ca­paz de pro­du­zir ima­gens pro­fun­das dos li­mi­tes ex­ter­nos do Sis­te­ma So­lar, além de ter um campo de vi­são am­plo o su­fi­ci­en­te pa­ra vi­su­a­li­zar o céu em con­di­ções de des­co­brir ob­je­tos ra­ros. Em no­vem­bro a equi­pe do Go­blin vol­tou a usá-lo em bus­ca de ou­tros cor­pos ce­les­tes – en­tre eles, o Pla­ne­ta No­ve.

Re­pre­sen­ta­ção ar­tís­ti­ca do Go­blin: in­vi­sí­vel pa­ra os ter­res­tres du­ran­te 99% da sua ór­bi­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.