TRA­BA­LHO POR UM FIO

Por que mi­lha­res de sal­va­do­re­nhos e ou­tros cen­tro-ame­ri­ca­nos que­rem dei­xar sua terra na­tal e ar­ris­car-se nos Es­ta­dos Uni­dos? O tex­to a se­guir mos­tra al­gu­mas das ra­zões que os mo­vem

Planeta - - EDITORIAL - Tex­to e fo­tos: Giu­lio Pa­let­ta

Por que mi­lha­res de sal­va­do­re­nhos e ou­tros cen­tro-ame­ri­ca­nos que­rem dei­xar sua terra na­tal e ar­ris­car-se nos Es­ta­dos Uni­dos? Entenda al­gu­mas das ra­zões que os mo­vem

Asal­va­do­re­nha Son­ja La­ra es­ta­va mui­to con­ten­te na­que­la ma­nhã, na se­gun­da me­ta­de dos anos 1990, pois ha­via re­ce­bi­do uma ofer­ta de em­pre­go do di­re­tor de uma ma­qui­la, uma fá­bri­ca têx­til vol­ta­da pa­ra ex­por­ta­ção. Mas a ale­gria não du­rou mui­to: à tar­de, seu es­ta­do de es­pí­ri­to mu­dou quan­do ela foi co­nhe­cer o lu­gar on­de tra­ba­lha­ria e viu os res­pon­sá­veis gri­tan­do e ar­re­mes­san­do ob­je­tos em al­gu­mas te­ce­lãs.

Son­ja per­gun­tou o que acon­te­cia. Su­as fu­tu­ras co­le­gas res­pon­de­ram que os ca­pa­ta­zes es­ta­vam in­sa­tis­fei­tos com a qua­li­da­de do tra­ba­lho. Elas lhe con­ta­ram tam­bém que quem não tra­ba­lha­va se­guin­do as exi­gên­ci­as dos su­pe­ri­o­res era obri­ga­do por ve­zes a fi­car em pé do la­do de fora das ins­ta­la­ções, sob o sol a pi­no. Na noi­te da vés­pe­ra do seu pri­mei­ro dia de tra­ba­lho, a mo­ça vol­tou pa­ra ca­sa es­tar­re­ci­da.

“A at­mos­fe­ra de tra­ba­lho era as­sus­ta­do­ra, mas eu pre­ci­sa­va de di­nhei­ro”, re­la­ta Son­ja. Seu ma­ri­do ga­nha­va mui­to pou­co, e ela, aos 21 anos, aca­ba­ra de ter uma fi­lha. Os se­te me­ses que pas­sou na fá­bri­ca fi­ca­ram re­gis­tra­dos pa­ra sem­pre na sua me­mó­ria.

A jo­vem mãe tra­ba­lha­va 12 ho­ras por dia, e mui­tas ve­zes, du­ran­te o fim de se­ma­na, che­gou

a cum­prir jor­na­das de 24 ho­ras se­gui­das. Um dia, quan­do já não aguen­ta­va mais, de­ci­diu não se­guir os con­se­lhos das co­le­gas e re­sol­veu or­ga­ni­zar um sin­di­ca­to. Ao en­ten­de­rem o que es­ta­va acon­te­cen­do, os di­ri­gen­tes a de­mi­ti­ram, as­sim co­mo já ha­vi­am fei­to com ou­tras an­tes de­la.

Na fá­bri­ca on­de pas­sou a tra­ba­lhar, seus su­pe­ri­o­res qui­se­ram obri­gá-la a se ins­cre­ver em um sin­di­ca­to or­ga­ni­za­do pe­la pró­pria di­re­ção da em­pre­sa. Son­ja se re­cu­sou e, mais uma vez, foi de­mi­ti­da. Por sua sor­te, de­pois dis­so foi con­vi­da­da por Ser­gio Chá­vez, que a co­nhe­cia de quan­do co­la­bo­ra­vam jun­tos no sin­di­ca­to, a par­ti­ci­par de uma pes­qui­sa so­bre as con­di­ções de tra­ba­lho nas fá­bri­cas. Ela acei­tou, e des­de 1999 o ati­vis­ta Ser­gio e a co­ra­jo­sa Son­ja, que cria so­zi­nha qua­tro fi­lhos, tra­ba­lham jun­tos.

CUS­TOS REDUZIDOS

Dos 6,3 mi­lhões de ha­bi­tan­tes de El Sal­va­dor, 70 mil tra­ba­lham na in­dús­tria têx­til. As pri­mei­ras fá­bri­cas nas­ce­ram no iní­cio dos anos 1980 nas no­vas zo­nas in­dus­tri­ais, on­de as em­pre­sas que pro­du­zem pa­ra ex­por­ta­ção não pa­gam ta­xas. “Want to cut you la­bel costs?” era o slo­gan das pri­mei­ras pro­pa­gan­das pa­ra a po­ten­ci­al cli­en­te­la ame­ri­ca­na.

Na épo­ca, El Sal­va­dor es­ta­va em meio a uma vi­o­len­ta guer­ra ci­vil, na qual en­tre 1979 e 1992 mor­re­ram 75 mil pes­so­as. Os ha­bi­tan­tes de to­do o país se mu­da­ram em mas­sa pa­ra a ca­pi­tal, San Sal­va­dor, em bus­ca de opor­tu­ni­da­des.

De­pois de ter­mi­nar a fa­cul­da­de, em 1979, Ser­gio Chá­vez con­se­guiu um em­pre­go em uma com­pa­nhia te­lefô­ni­ca pri­va­da e cri­ou ali um sin­di­ca­to. Pou­co tem­po de­pois, des­co­briu que o ser­vi­ço se­cre­to sal­va­do­re­nho o acom­pa­nha­va de per­to. Na­que­la épo­ca, os es­qua­drões da mor­te co­man­da­dos pe­la di­rei­ta as­sas­si­na­vam em mé­dia qua­tro sin­di­ca­lis­tas por dia.

Ser­gio de­ci­diu en­tão fu­gir do país. Ele vol­tou quan­do a guer­ra ci­vil aca­bou, em 1992, e lo­go em se­gui­da foi con­vi­da­do por uma or­ga­ni­za­ção nor­te-ame­ri­ca­na a par­ti­ci­par de es­tu­dos so­bre a si­tu­a­ção das ma­qui­las de El Sal­va­dor. Na­que­le mo­men­to cres­cia o in­te­res­se em se di­vul­gar as con­di­ções de tra­ba­lho nes­sas fá­bri­cas ao re­dor do mundo.

Com o con­vi­te de Ser­gio, Son­ja co­me­çou a tra­ba­lhar em vá­ri­as ma­qui­las pa­ra co­nhe­cer de per­to as con­di­ções de tra­ba­lho. Ge­ral­men­te ela fa­la com

as ope­rá­ri­as ape­nas quan­do es­tas se reú­nem, na ho­ra do al­mo­ço, nos ban­cos da par­te ex­ter­na da fá­bri­ca. “Com­pro qual­quer coi­sa pa­ra co­mer e con­ver­so com elas dis­cre­ta­men­te”, diz Son­ja. Ela re­ve­la às cos­tu­rei­ras que es­tá re­co­lhen­do in­for­ma­ções so­bre a ma­qui­la ape­nas se per­ce­be que exis­te uma re­la­ção de con­fi­an­ça re­cí­pro­ca.

Es­ses da­dos são a ba­se do tra­ba­lho de mui­tas en­ti­da­des sin­di­cais. Os tra­ba­lha­do­res que de­ci­dem se or­ga­ni­zar em sin­di­ca­tos re­ce­bem ame­a­ças con­ti­nu­a­men­te. Além dis­so, os pro­pri­e­tá­ri­os das ma­qui- las não he­si­tam em co­la­bo­rar com as as­so­ci­a­ções cri­mi­no­sas do país. Em El Sal­va­dor, mui­tos tra­ba­lha­do­res ins­cri­tos em sin­di­ca­tos são pa­ra­dos na fren­te das fá­bri­cas ou no meio da rua por ho­mens ar­ma­dos, que os in­ti­mam a sair das or­ga­ni­za­ções. Ou­tros re­ce­bem ame­a­ças di­re­tas ou di­ri­gi­das a seus fa­mi­li­a­res.

PE­RI­GO CONS­TAN­TE

Uma das ma­qui­las mais sim­bó­li­cas des­se cli­ma é a Flo­ren­zi, si­tu­a­da em um dos bair­ros mais po­bres e pe­ri­go­sos de San Sal­va­dor. A gan­gue Bair­ro 18, um dos qua­tro gru­pos cri­mi­no­sos que con­tro­lam a zo­na, pe­de uma “ta­xa” aos ven­de­do­res am­bu­lan­tes dos mer­ca­dos e aos pro­pri­e­tá­ri­os de ôni­bus. Os par­ti­dos po­lí­ti­cos pa­gam às gan­gues pa­ra po­der fa­zer su­as cam­pa­nhas elei­to­rais ali.

Isa­bel Men­ji­var faz um si­nal com a mão aos qua­tro jo­vens ar­ma­dos. De­pois me ex­pli­ca que ti­nha fei­to um acor­do com o che­fe da gan­gue pa­ra mi­nha vi­si­ta. Es­sa mu­lher gra­ci­o­sa pu­la um cór­re­go e con­ti­nua ca­mi­nhan­do tran­qui­la pe­la rua prin­ci­pal do bair­ro. Ao fun­do en­con­tra-se um ra­paz com um bo­né de la­do, cal­ça je­ans e o nú­me­ro 18 ta­tu­a­do do pes­co­ço.

Isa­bel se­gue por uma ru­e­la e pa­ra em fren­te a uma ca­sa com te­to de alu­mí­nio on­du­la­do e chão de ar­gi­la. O es­ti­lo de vi­da de uma cos­tu­rei­ra que tra­ba­lha há 30 anos em uma fá­bri­ca têx­til é mo­des­to. Es­sa mu­lher man­tém seus cin­co fi­lhos so­zi­nha. Com um sa­lá­rio de US$ 211, que qua­se nun­ca che­ga até o fim do mês, ela mui­tas ve­zes pas­sa a noi­te em cla­ro pa­ra re­men­dar as rou­pas dos vi­zi­nhos com sua ve­lha má­qui­na de cos­tu­ra. Mas

TRA­BA­LHA­DO­RES SINDICALIZADOS SÃO PA­RA­DOS POR HO­MENS AR­MA­DOS, QUE OS IN­TI­MAM A DEI­XAR AS OR­GA­NI­ZA­ÇÕES

não é ra­ro que, mes­mo com es­se es­for­ço ex­tra­or­di­ná­rio, ela não con­si­ga com­prar os três itens mais im­por­tan­tes na des­pen­sa de um sal­va­do­re­nho: açú­car, fei­jão e fa­ri­nha.

“Es­tou can­sa­da”, diz Isa­bel, que tem de fa­zer as con­tas sob a pres­são de su­as co­le­gas mais jo­vens. “Quan­do sou mui­to len­ta, elas me in­sul­tam”, ex­pli­ca. O sis­te­ma in­ter­no das fá­bri­cas é pen­sa­do pa­ra fa­vo­re­cer a com­pe­ti­ção en­tre as tra­ba­lha­do­ras: um gru­po pode ser pre­mi­a­do ape­nas se to­dos os seus in­te­gran­tes con­se­guem en­tre­gar o tra­ba­lho com ra­pi­dez. Os em­pre­en­de­do­res tam­bém se en­con­tram sob pres­são, vis­to que de­vem ga­nhar da gran­de con­cor­rên­cia pro­ve­ni­en­te da Ásia, on­de os sa­lá­ri­os são ain­da me­no­res do que na Amé­ri­ca Cen­tral e a pro­cu­ra por em­pre­gos é mui­to mai­or.

FÁ­BRI­CAS LUCRATIVAS

Os pro­pri­e­tá­ri­os das fá­bri­cas de El Sal­va­dor exi­gem sem­pre mais dos tra­ba­lha­do­res, con­ta Gil­ber­to Gar­cía, que faz par­te do con­se­lho de fá­bri­ca da Young One. Nes­se es­ta­be­le­ci­men­to, 1.450 pes­so­as pro­du­zem rou­pas pa­ra a mar­ca de rou­pas es­por­ti­vas The North Fa­ce. En­quan­to an­ti­ga­men­te ca­da um dos 45 ope­rá­ri­os ti­nha de cos­tu­rar 23 ca­sa­cos por ho­ra, ho­je há equi­pes de 20 mu­lhe­res que, no mes­mo pe­río­do, de­vem pro­du­zir 30 pe­ças per ca­pi­ta. A fá­bri­ca tri­pli­cou seu ren­di­men­to.

“Mui­tas ope­rá­ri­as fi­cam nas ma­qui­las até os 40 anos; de­pois dis­so, não con­se­guem mais su­por­tar o ritmo ex­tre­ma­men­te in­ten­so de tra­ba­lho”, ex­pli­ca Son­ja La­ra. Mas Isa­bel quer re­sis­tir ou­tros cin­co anos, até seus fi­lhos te­rem ida­de su­fi­ci­en­te pa­ra se vi­rar so­zi­nhos. In­fe­liz­men­te, co­mo mui­tas ope­rá­ri­as, que du­ran­te os tur­nos pra­ti­ca­men­te não be-

O SIS­TE­MA DAS FÁ­BRI­CAS FA­VO­RE­CE A COM­PE­TI­ÇÃO: SÓ HÁ PRÊ­MIO SE TO­DAS AS FUNCIONÁRIAS ENTREGAREM AS PE­ÇAS COM RA­PI­DEZ

bem água nem vão ao ba­nhei­ro, Isa­bel es­tá do­en­te do co­ra­ção e tem pro­ble­mas nos rins. Al­guns di­as an­tes de con­ver­sar­mos, o mé­di­co lhe dis­se que de­via ser ope­ra­da. “Não pos­so nem pen­sar nis­so”, pro­tes­ta. “Pre­ci­so ga­nhar di­nhei­ro.”

No de­grau mais bai­xo da in­dús­tria têx­til sal­va­do­re­nha es­tão as bor­da­do­ras, co­mo Ines Co­el­la e Ma­ria Car­men Mil­len­des, que tra­ba­lham em ca­sa e têm os de­dos co­ber­tos por ca­los. Es­sas mu­lhe­res re­ce­bem US$ 2 por pe­ça que cos­tu­ram, bor­dan­do mo­ti­vos co­lo­ri­dos co­mo prin­ce­sas, ani­mais ou fru­tas por até 16 ho­ras se­gui­das. O sa­lá­rio de­las é um ter­ço do que Isa­bel Men­ji­var ga­nha na fá­bri­ca. Se a re­pre­sen­tan­te da ma­qui­la no­ta qual­quer im­pre­ci­são, re­al ou não, quan­do pas­sa pa­ra re­ti­rar as rou­pas bor­da­das, as bor­da­do­ras ga­nham ain­da me­nos.

Os tem­pos são ou­tros, por­que ho­je os ope­rá­ri­os têm a co­ra­gem de ex­por as in­jus­ti­ças so­fri­das. Nos pri­mei­ros se­te me­ses de 2018 che­ga­ram às au­to­ri­da­des 19 mil de­nún­ci­as so­bre o tra­ba­lho nas ma­qui­las, e pa­ra sim­pli­fi­car o pro­ce­di­men­to o mi­nis­té­rio cri­ou um call cen­ter pa­ra re­ce­ber as re­cla­ma­ções. Mas a si­tu­a­ção con­ti­nua ain­da di­fí­cil. Os jo­vens não têm mui­tas ou­tras pos­si­bi­li­da­des de tra­ba­lho além das fá­bri­cas têx­teis.

A fi­lha mais ve­lha de Son­ja tem ho­je 21 anos, a ida­de em que sua mãe co­me­çou a tra­ba­lhar na pri­mei­ra ma­qui­la. “Mi­nha fi­lha fez fa­cul­da­de e se for­mou em in­glês”, diz a mãe, or­gu­lho­sa. “Se ti­ver sor­te, vai con­se­guir um em­pre­go em um call cen­ter ou em um fast fo­od. De qual­quer for­ma, é sem­pre me­lhor do que em uma fá­bri­ca têx­til.”

Interior da Te­xops, te­ce­la­gem que pro­duz rou­pas es­por­ti­vas e de io­ga pa­ra mar­cas in­ter­na­ci­o­nais. Ali tra­ba­lham mais de 1.200 pes­so­as

Cer­ca de 70 mil sal­va­do­re­nhos, dos 6,3 mi­lhões de ha­bi­tan­tes do país, tra­ba­lham na in­dús­tria têx­til

Rou­pa es­por­ti­va con­fec­ci­o­na­da em El Sal­va­dor: pro­du­tos fa­bri­ca­dos em cer­tas zo­nas in­dus­tri­ais do país não pa­gam im­pos­tos

Re­tra­tos de dois lí­de­res mor­tos nos anos 1980 ilus­tram as pa­re­des de um sin­di­ca­to da in­dús­tria

Fá­bri­ca têx­til em um das zo­nas fran­cas de El Sal­va­dor, ao la­do de uma es­tra­da que li­ga a área ao ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal: fa­ci­li­da­de pa­ra ex­por­tar

Bor­da­do­ra à fren­te de sua ca­sa: na ca­ma­da mais bai­xa das con­fec­ções sal­va­do­re­nhas

Bor­da­do­ra mos­tra uma rou­pa cos­tu­ra­da por ela: US$ 2 por pe­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.