NA­VI­OS INTELIGENTES, UM NO­VO CA­MI­NHO

Planeta - - PLANETÁRIO - Ti­mo­teo Mul­ler é ge­ren­te de ven­das da Das­sault Systè­mes pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na Ti­mo­teo Mul­ler

De hu­mil­des jan­ga­das de ma­dei­ra de vi­nhas a bal­sas (a va­por) do ta­ma­nho de uma ci­da­de que trans­por­tam mi­lha­res de vi­si­tan­tes de ca­da vez, a hu­ma­ni­da­de, co­mo es­pé­cie, do­mi­na a téc­ni­ca de vi­a­jar pe­los oce­a­nos. Ago­ra pode ter che­ga­do a ho­ra em que nos­sa pre­sen­ça ali já não é tão re­le­van­te. As úl­ti­mas em­bar­ca­ções oceâ­ni­cas não têm ne­ces­si­da­de de um ca­pi­tão hu­ma­no e a era dos na­vi­os au­to­na­ve­gá­veis es­tá se apro­xi­man­do mui­to ra­pi­da­men­te.

O trans­por­te ma­rí­ti­mo é um gran­de ne­gó­cio: uma in­dús­tria glo­bal que va­le de­ze­nas de bi­lhões de dó­la­res. Mi­lhões de con­têi­ne­res chei­os de tri­lhões de pro­du­tos são ro­ti­nei­ra­men­te trans­por­ta­dos aci­ma das on­das. É um gran­de em­pre­en­di­men­to que exi­ge equi­pes e re­cur­sos a bor­do. Atu­al­men­te, a in­dús­tria ma­rí­ti­ma es­tá bus­can­do re­du­zir o cus­to do trans­por­te de car­ga atra­vés de tec­no­lo­gia autô­no­ma ini­ci­a­da pe­la Rolls- Roy­ce.

A mun­di­al­men­te fa­mo­sa em­pre­sa de en­ge­nha­ria es­tá pro­pon­do um pro­je­to de na­vio autô­no­mo que em­pre­ga câ­me­ras HD, as quais trans­mi­tem pa­ra equi­pes de vi­gi­lân­cia em terra as tec­no­lo­gi­as de sen­so­res, ima­gens tér­mi­cas e o ra­dar tér­mi­co. É um pro­je­to am­bi­ci­o­so que com­bi­na sis­te­mas de co­mu­ni­ca­ções de pon­ta pa­ra fa­bri­car o na­vio de car­ga do ama­nhã.

Os dro­nes ago­ra são co­muns e os car­ros sem mo­to­ris­ta es­tão a ca­mi­nho. A en­ge­nha­ria trou­xe ao mundo os veículos autônomos, no chão e no ar. No en­tan­to, com dois ter­ços do nos­so pla­ne­ta co­ber­tos por água, vo­cê pode ser per­do­a­do por su­por que po­de­ría­mos ter fei­to o mes­mo mais ce­do pa­ra os ma­res.

Es­ta­be­le­cen­do um pra­zo até 2020 pa­ra pro­du­zir o pri­mei­ro na­vio com tri­pu­la­ção re­du­zi­da, a Rolls-roy­ce pre­vê mais 15 anos pa­ra aper­fei­ço­ar o pro­je­to de um na­vio autô­no­mo to­tal­men­te fun­ci­o­nal. Não é um pra­zo ir­ra­cio- nal. Em­bar­ca­ções me­no­res e re­du­zi­das exis­tem há vá­ri­os anos e são usa­das por for­ças na­vais e pes­qui­sa­do­res.

En­tão, se a tec­no­lo­gia ne­ces­sá­ria es­tá dis­po­ní­vel, por que o mo­vi­men­to de na­ve­ga­ção autô­no­mo ape­nas co­me­çou? Em pri­mei­ro lu­gar, há uma re­sis­tên­cia con­si­de­rá­vel da pró­pria in­dús­tria à no­vi­da­de. O trans­por­te autô­no­mo sig­ni­fi­ca tri­pu­la­ções me­no­res e, em úl­ti­ma aná­li­se, ne­nhu­ma equi­pe. Tal­vez, com­pre­en­si­vel­men­te, ha­ja re­lu­tân­cia em abra­çar uma evo­lu­ção da in­dús­tria que le­ve à re­du­ção de em­pre­gos.

Da mes­ma for­ma, há con­tro­vér­si­as so­bre os cus­tos do em­pre­en­di­men­to. En­quan­to al­guns acre­di­tam que a re­mes­sa autô­no­ma pos­sa ter uma eco­no­mia de cus­to de trans­por­te de 22%, ou­tros co­lo­cam os cus­tos de tri­pu­la­ção de um na­vio em ape­nas 6%. É di­fí­cil ava­li­ar quão viá­vel é re­al­men­te o in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro na tec­no­lo­gia de na­ve­ga­ção autô­no­ma.

Por úl­ti­mo, o en­vio de na­vi­os não tri­pu­la­dos pa­ra águas car­to­gra­fa­das é, iro­ni­ca­men­te, uma es­pé­cie de aven­tu­ra em águas des­co­nhe­ci­das. As res­pon­sa­bi­li­da­des por aci­den­tes e in­ci­den­tes em na­vi­os não tri­pu­la­dos são um ato­lei­ro le­gal pa­ra o qual atu­al­men­te há pouquís­si­ma le­gis­la­ção. Os go­ver­nos te­rão que fe­char quais­quer bre­chas le­gais pa­ra man­ter as leis à pro­va d’água nas ra­ras oca­siões em que as pró­pri­as em­bar­ca­ções não o fo­rem.

Ape­sar des­ses obs­tá­cu­los, o pro­gra­ma autô­no­mo es­tá fun­ci­o­nan­do, com mui­tos dos prin­ci­pais par­ti­ci­pan­tes do se­tor a bor­do. A rá­pi­da as­cen­são da tec­no­lo­gia in­te­li­gen­te em­pur­rou as pos­si­bi­li­da­des da lo­gís­ti­ca pa­ra os ma­res ape­nas na úl­ti­ma dé­ca­da, com o car­guei­ro autô­no­mo a pou­cos anos de sua pri­mei­ra jor­na­da. Con­tra o pa­no de fun­do do pro­gres­so ca­da vez mai­or, as vo­zes dis­cor­dan­tes po­dem tor­nar-se ca­da vez mais uma go­ta no oce­a­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.