IDEN­TI­DA­DE CUL­TU­RAL

Planeta - - CAPA -

É in­ques­ti­o­ná­vel que os es­tran­gei­ros ofe­re­cem ou­tra pers­pec­ti­va pa­ra as pe­cu­li­a­ri­da­des lo­cais e le­vam con­si­go ha­bi­li­da­des, idei­as e co­nhe­ci­men­tos no­vos. O fas­cí­nio pelas pe­dras pre­ci­o­sas bra­si­lei­ras, por exem­plo, nas­ceu do olhar do ale­mão Hans Stern, que che­gou ao país fu­gi­do da guer­ra. Ele não só des­co­briu o po­ten­ci­al de mui­tas va­ri­e­da­des co­mo cri­ou uma clas­si­fi­ca­ção das ge­mas e ain­da pro­mo­veu a be­le­za e o va­lor de­las pe­lo pla­ne­ta afo­ra por meio da H. Stern, que ho­je é a mai­or re­de de jo­a­lhe­ri­as do Bra­sil e uma das cin­co mai­o­res do mundo, pre­sen­te em 30 paí­ses.

“Eu sem­pre brin­co que a mai­or bri­ga en­tre ára­bes e ju­deus em São Pau­lo é qual é o me­lhor hos­pi­tal – o Al­bert Eins­tein ou o Sí­rio Li­ba­nês”, diz Mo­ni­que, do Ce­bri. No Rio de Ja­nei­ro ela gos­ta de des­ta­car, en­tre mui­tas ou­tras, a his­tó­ria da Li­vra­ria Da Vin­ci, fun­da­da por uma re­fu­gi­a­da ro­me­na, que an­tes da in­ter­net era o lu­gar on­de os in­te­lec­tu­ais ti­nham aces­so a li­vros e à cul­tu­ra es­tran­gei­ra. “Se vo­cê pa­rar pa­ra pen­sar, a vin­da dos imi­gran­tes pa­ra o Bra­sil de­vi­do à Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, que foi a ou­tra gran­de cri­se hu­ma­ni­tá­ria an­te­ri­or à atu­al, dei­xou um sal­do mui­to po­si­ti­vo aqui”, afir­ma.

“Não te­mos es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos, mas ve­ri­fi­ca­mos em­pi­ri­ca­men­te no dia a dia das nos­sas ope­ra­ções no Bra­sil e no mundo que os re­fu­gi­a­dos têm to­tal ca­pa­ci­da­de de con­tri­buir pa­ra as co­mu­ni­da­des de aco­lhi­da, se fo­rem da­das con­di­ções de fa­ze­rem is­so, se­ja den­tro de em­pre­sas, na mú­si­ca, na gas­tro­no­mia, com ou­tros ti­pos de ar­te”, apon­ta Go­di­nho, do Ac­nur Bra­sil.

Go­di­nho acre­di­ta que a de­sin­for­ma­ção é a cau­sa mai­or do re­cha­ço ao es­tran­gei­ro. “En­ten­der as ra­zões que le­vam os re­fu­gi­a­dos a se des­lo­ca­rem e por que se en­con­tram no seu país é vi­tal pa­ra per­mi­tir um mai­or en­ga­ja­men­to e uma pos­tu­ra mais so­li­dá­ria.” O que se apli­ca per­fei­ta­men­te tam­bém aos imi­gran­tes, aliás. Ele des­ta­ca que o aco­lhi­men­to não é ta­re­fa ape­nas das au­to­ri­da­des, é tam­bém do ci­da­dão co­mum.

Nas em­pre­sas já se sa­be que equi­pes mais di­ver­sas em gê­ne­ro, ra­ça, cor, ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, se­xu­a­li­da­de, etc. têm mais ri­que­za de pen­sa­men­to, são mais ino­va­do­ras e cri­am es­tra­té­gi­as di­fe­ren­ci­a­das. O re­sul­ta­do cos­tu­ma ser mai­or en­ga­ja­men­to, pro­du­ti­vi­da­de e de­sem­pe­nho fi­nan­cei­ro. Nos paí­ses não é di­fe­ren­te.

Li­vra­ria Da Vin­ci, no Rio de Ja­nei­ro: obra de uma re­fu­gi­a­da ro­me­na que virou re­fe­rên­cia de li­vros es­tran­gei­ros. À es­quer­da, o ale­mão Hans Stern, cri­a­dor da jo­a­lhe­ria H. Stern

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.