A EX­PE­RI­ÊN­CIA DE CAMPINAS

Planeta - - SAÚDE -

A pri­mei­ra vi­si­ta de Ya­ma­mo­to ao Bra­sil foi em 1999, or­ga­ni­za­da pe­lo dr. Ruy Ta­ni­gawa, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Mé­di­ca Bra­si­lei­ra de Acu­pun­tu­ra (AMBA). Ta­ni­gawa es­ta­va pro­cu­ran­do um sis­te­ma de saúde pa­ra com­pro­var sua efi­cá­cia. En­con­trou o dr.

Wil­li­am Hyp­po­li­to, co­or­de­na­dor da área de Saúde In­te­gra­ti­va de Campinas (SP), em 2005. “Pre­ci­sa­va de al­gu­ma coi­sa que des­se um bo­om, fi­zes­se um es­tra­go, pois era um mo­men­to em que ain­da es­tá­va­mos en­ga­ti­nhan­do com a acu­pun­tu­ra. Pre­ci­sa­va de al­go fá­cil de re­pli­car e com bai­xo cus­to”, co­men­ta Hyp­po­li­to.

Pou­co tem­po de­pois, o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Saúde da épo­ca, Gil­ber­to Sel­ber, fa­mo­so por sua voz po­ten­te, acor­dou rou­co, afô­ni­co. O di­re­tor do de­par­ta­men­to, dr. Pe­dro

Hum­ber­to Sca­va­ri­el­lo, pe­diu a Hyp­po­li­to: “Não im­por­ta co­mo, mas fa­ça o ho­mem vol­tar a fa­lar, pois ele tem um dis­cur­so ho­je e não vai ter co­mo fu­gir”. Hyp­po­li­to exa­mi­nou o se­cre­tá­rio e dis­se que iria apli­car uma no­va téc­ni­ca de acu­pun­tu­ra: “Ele es­ta­va afô­ni­co e de re­pen­te vol­tou a fa­lar, sem mais nem me­nos, pe­din­do que eu trou­xes­se ime­di­a­ta­men­te a téc­ni­ca pa­ra Campinas. Es­se foi o pri­mei­ro pa­ci­en­te do mu­ni­cí­pio”, afir­ma Hyp­po­li­to.

Em 2005, fo­ram for­ma­dos 65 mé­di­cos não acu­pun­tu­ris­tas em YNSA pa­ra aten­der gra­tui­ta­men­te nos pos­tos do SUS, di­re­ci­o­nan­do o tra­ta­men­to pa­ra do­res. A téc­ni­ca foi im­plan­ta­da em 2006, e os re­sul­ta­dos ob­ti­dos apre­sen­ta­ram uma re­du­ção em 12,5% no con­su­mo de di­clo­fe­na­co, um an­ti­in­fla­ma­tó­rio usa­do pa­ra do­res em ge­ral, com eco­no­mia de 75 mil com­pri­mi­dos men­sais nos pri­mei­ros oi­to me­ses. Em 2006, o con­su­mo foi de 549 mil com­pri­mi­dos de di­clo­fe­na­to por mês; em 2007, caiu pa­ra 469 mil. Nos anos se­guin­tes, a de­man­da se es­ta­bi­li­zou em um pa­ta­mar mais bai­xo: 329 mil em 2008, 335 mil em 2009 e 320 mil em 2010. Es­se, aliás, foi o úl­ti­mo ano de apli­ca­ção da cra­ni­o­pun­tu­ra de Ya­ma­mo­to nos pos­tos do SUS de Campinas e da úl­ti­ma vi­a­gem do mé­di­co ja­po­nês ao Bra­sil, oca­sião em que foi ho­me­na­ge­a­do pe­lo se­cre­tá­rio de Saúde de Campinas.

“O con­su­mo me­nor de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os ge­ra uma eco­no­mia aos co­fres pú­bli­cos, mas o mais im­por­tan­te é a eco­no­mia no lon­go pra­zo, em ci­ma dos efei­tos co­la­te­rais: he­mor­ra­gia no estô­ma­go, rim, pro­ble­mas he­pá­ti­cos, com cus­tos mui­to mai­o­res”, ex­pli­ca o mé­di­co Ale­xan­dre Yoshi­zu­mi. Em 2016, o con­su­mo de di­clo­fe­na­to su­biu pa­ra mais de 1 mi­lhão de com­pri­mi­dos men­sais em Campinas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.