Mui­to além das co­res, sons e per­fu­mes

Qual Viagem - - AFRES DO SUL - Por Fa­bío­la Mu­sar­ra

Com pai­sa­gens ur­ba­nas e cam­pes­tres, prai­as de águas azul­zi­nhas, sa­va­nas e ma­jes­to­sas mon­ta­nhas, o país si­tu­a­do no ex­tre­mo sul do Con­ti­nen­te Afri­ca­no é apai­xo­nan­te. Mul­tiét­ni­co, mes­cla as tra­di­ções de clãs an­ces­trais com as dos imi­gran­tes que aju­da­ram a de­se­nhar sua his­tó­ria. É ain­da o lu­gar on­de nas­ceu o em­ble­má­ti­co Nel­son Man­de­la, cu­jo cen­te­ná­rio de nas­ci­men­to es­tá sen­do co­me­mo­ra­do es­te ano

AÁ­fri­ca do Sul tem nos sa­fá­ris o seu prin­ci­pal pos­tal. Mas o país é mui­to mais do que is­so. Abri­ga pai­sa­gens ci­ne­ma­to­grá­fi­cas, bu­có­li­cos vi­la­re­jos e bor­bu­lhan­tes cen­tros ur­ba­nos por on­de se es­pa­lham e con­vi­vem di­fe­ren­tes et­ni­as. É ain­da ater­ra de Nel­son Man­de­la, lí­der atu­an­te na lu­ta con­tra o apartheid, a po­lí­ti­ca de se­gre­ga­ção ra­ci­al im­pos­ta pelos su­ces­si­vos go­ver­nos de mi­no­ria bran­ca que im­pe­rou no país no pe­río­do de 1948 a 1994. Pas­sa­do e pre­sen­te se mis­tu­ram nes­te in­tri­gan­te ter­ri­tó­rio, um lu­gar má­gi­co que se tra­duz em sons, co­res, for­mas, aro­mas e sa­bo­res... Em­be­le­zas que agen­te nun­ca es­que­ce.

Abra­ça­da pe­lo azul dos oce­a­nos Atlân­ti­co e Ín­di­co, a África do Sul é um mer­ca­do emer­gen­te. A ren­da mé­dia da po­pu­la­ção é con­si­de­ra­da al­ta pe­lo Ban­co Mun­di­al. Sua eco­no­mia ocu­pa um dos pri­mei­ros lu­ga­res no ran­king dos top 10 do Con­ti­nen­te Afri­ca­no. É ain­da uma das mai­o­res pro­du­to­ras de ou­ro, di­a­man­tes e mi­né­ri­os do mun­do. E seus vi­nhos, de ex­ce­len­te qua­li­da­de, são con­cei­tu­a­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te. Le­galt am­bé mé sa­ber que o país sul-afri­ca­no é bas­tan­te aces­sí­vel eco­no­mi­ca­men­te aos tu­ris­tas, in­cluin­do os bra­si­lei­ros. O rand(R)éa­su amo­e­da ofi­ci­al. Va­le R $0,25 do re­al. Por­tan­to, R$ 1 = 4R. En­tão, dá pa­ra ima­gi­nar que é pos­sí­vel vi­ver di­as de­so­nhon es­te­so lo. Eé mes­mo!

An­tes de vi­a­jar, po­rém, é me­lhor apren­der mais so­bre a África do Sul. O país tem on­ze idi­o­mas ofi­ci­ais, en­tre eles o zu­lu e o xho­sa, o afri­câ­ner e o in­glês. Es­sas du­as des­sas úl­ti­mas são de ori­gem eu­ro­peia. O afri­câ­ner se ori­gi­nou a par­tir do ne­er­lan­dês eé fa­la­da pe­la mai­o­ria dos bran­cos e mes­ti­ços do país. Já o in­glês é a lín­gua usa­da na vi­da pú­bli­ca e co­mer­ci­al, mas é ape­nas o quin­to idi­o­ma pra­ti­ca­do em ca­sa – nor­mal­men­te, os sul-afri­ca­nos ado­tam a lín­gua na­ti­va nas con­ver­sas com a fa­mí­lia. Co­mo é fa­la­do pe­la mai­o­ria da po­pu­la­ção, vo­cê te­rá de ter ao me­nos o in­glês in­ter­me­diá­rio se qui­ser co­nhe­cer e so­bre­vi­ver lá. Ou en­tão, le­var um apli­ca­ti­vo tra­du­tor na ba­ga­gem.

Co­lo­ni­za­do por di­fe­ren­tes paí­ses eu­ro­peus e, so­bre­tu­do, pe­la In­gla­ter­ra, o país aco­lheu ain­da mi­lha­res de imi­gran­tes in­di­a­nos. Mahat­ma Gandhi (1869/1948), por exem­plo, mo­rou lá – em Dur­ban, é pos­sí­vel co­nhe­cer a ca­sa on­de ele vi­veu em 1891, an­tes de vol­tar à Ín­dia. Em 1897, o lí­der pa­ci­fis­ta re­gres­sou a África do Sul, on­de per­ma­ne­ceu até 1914. Nos anos que vi­veu no país, Gandhi, com sua fi­lo­so­fia pa­cí­fi­ca ba­se­a­da no uso da não vi­o­lên­cia, se po­si­ci­o­nou con­tra o apartheid, mas li­de­rou, so­bre­tu­do, a lu­ta em de­fe­sa dos di­rei­tos da mi­no­ria hin­du que vi­via no ter­ri­tó­rio sul-afri­ca­no.

Os tra­ços dos imi­gran­tes são vi­sí­veis na África do Sul. E eles sur­gem na gas­tro­no­mia e tam­bém são en­con­tra­dos em mei­os de trans­por­te. Ca­so dos trens e das es­tra­das de fer­ro que in­ter­li­gam as ci­da­des sul-afri­ca­nas, he­ran­ça dei­xa­da pelos in­gle­ses, as­sim co­mo o vo­lan­te do mo­to­ris­ta dis­pos­to à di­rei­ta do car­ro e do ôni­bus. Há, ain­da, o há­bi­to de to­mar chá, ou­tra tra­di­ção her­da­da dos bri­tâ­ni­cos. Mis­to de mo­der­ni­da­de, de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e con­tra­di­ções so­ci­ais, a África do Sul é, exa­ta­men­te por es­ses mo­ti­vos e por mui­tos ou­tros, um fas­ci­nan­te pe­da­ci­nho do pla­ne­ta que me­re­ce mes­mo ser co­nhe­ci­do.

Sa­fá­ris em Ca­bo Ori­en­tal

Im­pos­sí­vel não se en­ter­ne­cer ao fa­zer um sa­fá­ri na África do Sul. A aven­tu­ra atrai tu­ris­tas do mun­do to­do eéo mai­or mo­ti­vo de o país ser­vi si­ta­do. Nãoà toa. O pas­seio é fei­to ge­ral­men­te em land-ro­ver ou em veí­cu­lo se­mi­a­ber­to e in­ter­ca­la sa­va­nas, pla­ní­ci­es, ri­os, la­gos... E o mais ba­ca­na: dá di­rei­to a es­tar bem per­to de uma abun­dân­cia e va­ri­e­da­de sur­re­ais de aves, rép­teis e ma­mí­fe­ros, al­guns em ex­tin­ção. No país de Nel­son Man­de­la não fal­tam en­de­re­ços on­de vo­cê po­de se hos­pe­dar e vi­ven­ci­ar es­sa ines­que­cí­vel ex­pe­ri­ên­cia.

Com 7.500 hec­ta­res, a Re­ser­va de Ca­ça de Amakha­la é um de­les. Es­tá lo­ca­li­za­da na re­gião do Gran­de Ad­do e Fron­ti­er Coun­try, na Pro­vín­cia do Ca­bo Ori­en­tal, a 50 mi­nu­tos de car­ro anor­des­te do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Por tE li­za­beth.Pe la sua am­pli­tu­de, es­tão dis­tri­buí­das dez pro­pri­e­da­des de três, qua­tro ec in­co­es­tre­las. Per­ten­cemà mar­ca Amakha­la e dis­po­ni­bi­li­zam lod­ges pa­ra to­dos os gos­tos. Qu­er dor­mir em uma so­fis­ti­ca­da e bem equi­pa­da ca­ba­na, em ple­na re­ser­va?

Wo­od­bury Lod­ge, um acam­pa­men­to da mar­ca, é uma op­ção. Com vis­ta pa­ra o ver­de va­le do Rio Bush­mans,su­asc aba­nas de di­fe­ren­tes ta­ma­nhos pos­si­bi­li­ta­mo con­ta­to di­re­to co­ma na­tu­re­za. Dor­mi­rem uma de­las, sa­ben­do que à noi­te ani­mais sel­va­gens ron­dam o lu­gar, é má­gi­co. Pre­fe­re um quar­to mais tra­di­ci­o­nal? O Sa­fá­ri Lod­ge,com­su as suí­tes de pis­ci­nas pr iva ti­vas,éa al­ter­na­ti­va. In­de­pen­den­te­men­te da sua es­co­lha, os dois em­pre­en­di­men­tos ofe­re­cem sa­fá­ris diá­ri­os (in­clu­sos na hos­pe­da­gem, as­sim co­mo as re­fei­ções), um de ma­nhã ce­di­nho, e o ou­tro à tar­de.

A Re­ser­va Amakha­la,c omos eu di­ver­si­fi­ca­do e cos­sis te­ma,éo ha­bi­tat de­mais de 60 es­pé­ci­es de ma­mí­fe­ros e cen­te­nas de aves, rép­teis e in­se­tos. Eles têm trân­si­to li­vre em seu in­te­ri­or–o lu­gar ape­na sé de­mar­ca­do com cer­cas em su­as fron­tei­ras co­ma es­tra­da, pa­ra im­pe­dir que os ani­mais in­va­dam a pis­ta e se ma­chu­quem. O pas­seio de mais de três ho­ras em ro­tas pré-de­ter­mi­na­das nes­se imen­so zo­o­ló­gi­co ao ar li­vre é acom­pa­nha­do por um guia-mo­to­ris­ta. É ele quem, du­ran­te o tra­je­to, lo­ca­li­za as di­fe­ren­tes es­pé­ci­es que ali vi­vem e dá ex­pli­ca­ções so­bre aflo­ra e fau­na lo­cais.

Em­bo­ra os gui­as sai­bam exa­ta­men­te quais ani­mais e a quan­ti­da­de de­les que ha­bi­ta a re­ser­va, ao fa­zer um sa­fá­ri, agen­te nun­ca sa­be oque vai en­con­trar, quan­do vaie se­vai. Oque po­de ser bem ex­ci­tan­te.

Ao la­do, o le­o­par­do um dos ani­mais mais di­fí­ceis de se­rem vis­tos em um sa­fá­ri. No cen­tro, ele­fan­te to­man­do ba­nho na re­ser­va na­tu­ral do Amakha­la. Abai­xo, um “ban­do” de bú­fa­los. Ou, uma enor­me frus­tra­ção – nem sem­pre se en­con­tra um leão, que é um dos ani­mais que to­do mun­do qu­er ver. Co­mo cer­te­za, vo­cê só tem a ga­ran­tia de que vai ver bi­chos. Mas, é bem im­pro­vá­vel que não en­con­tre gi­ra­fas, ze­bras, im­pa­las, gnus ne­gros, ja­va­lis, bú­fa­los e ou­tras es­pé­ci­es pe­lo ca­mi­nho, o que, por si só, sig­ni­fi­ca mo­men­tos de ab­so­lu­to en­can­ta­men­to.

A ex­pe­di­ção off-ro­ad pe­la imen­si­dão da Amakha­la é mes­mo sur­pre­en­den­te. Afi­nal, a re­ser­va tam­bém é o lar dos Big Fi­ve, os cin­co ma­mí­fe­ros sel­va­gens de gran­de por­te mais di­fí­ceis de se­rem ca­ça­dos pe­lo ho­mem: o leão, o ele­fan­te afri­ca­no, o bú­fa­lo afri­ca­no, o le­o­par­do e o ri­no­ce­ron­te bran­co e ne­gro. Quem sa­be, se de­ci­dir em­bar­car em um sa­fá­ri, vo­cê se­ja brin­da­do pe­lo en­con­tro com al­gum de­les? É apos­tar na sor­te e tor­cer!

Co­mi­di­nhas e be­bi­di­nhas

Sain­do da na­tu­re­za in­tac­ta e in­do di­re­to pa­ra a me­sa, en­ten­da que a gas­tro­no­mia do país re­fle­te os seus tra­ços mul­tiét­ni­cos. É um mix de in­fluên­ci­as de et­ni­as sul-afri­ca­nas, co­mo os zu­lus (a mai­or de­las), os xho­sas (Man­de­la per­ten­cia a es­se clã) e os ba­sothos (do Sul e do Nor­te), e dos imi­gran­tes e des­cen­den­tes que ali ain­da vi­vem. E tam­bém dos po­vos que por lá so­men­te pas­sa­ram. Por is­so, é bas­tan­te co­mum en­con­trar nos me­nus lo­cais pra­tos com in­ter­fe­rên­ci­as dos por­tu­gue­ses, ho­lan­de­ses, in­gle­ses, in­di­a­nos, ára­bes... Mas, an­tes de ex­pe­ri­men­tar al­gum de­les, é bom sa­ber o que vai co­mer.

Na África do Sul, o tem­pe­ro que se exi­be em dez en­tre dez dos car­dá­pi­os é o pe­ri-pe­ri (pi­men­ta-pi­men­ta, no idi­o­ma afri­ca­no su­aí­li). Ele é usa­do em car­nes, mo­lhos e é bem for­te e ar­di­do. Por is­so, se vo­cê não gos­ta da es­pe­ci­a­ria, fu­ja dos pra­tos tem­pe­ra­dos com ela. O Bo­bo­tie, por sua vez, é a mai­or ve­de­te da cu­li­ná­ria do país. Con­si­de­ra­do o pra­to na­ci­o­nal da África do Sul e o que era o pre­fe­ri­do de Man­de­la, é um bo­lo co­zi­do de car­ne moí­da (nor­mal­men­te fei­to com a de cor­dei­ro), cas­ta­nhas, ce­bo­la, pão, lei­te, da­mas­cos e pas­sas. É acom­pa­nha­do de ar­roz aro­ma­ti­za­do com aça­frão e sam­bal, um con­di­men­to fei­to com ma­la­gue­ta amas­sa­da com sal e vi­na­gre e mis­tu­ra­da a pe­pi­no, to­ma­te, ce­bo­la e io­gur­te.

Co­mo o Bo­bo­tie, mui­tos ou­tros pra­tos da gas­tro­no­mia sul-afri­ca­na são pre­pa­ra­dos com car­nes de ca­ça, co­mo a de cor­dei­ro, aves­truz e ja­ca­ré, só pa­ra ci­tar al­gu­mas. Pa­ra acom­pa­nhar as car­nes bo­vi­na e as de

ca­ça, a Cha­ka­la­ka e o Pap. O pri­mei­ro é um ti­po de mo­lho api­men­ta­do e bem en­cor­pa­do de ve­ge­tais, en­quan­to o se­gun­do é uma es­pé­cie de po­len­ta, só que fei­ta com fa­ri­nha de mi­lho. Sem­pre pre­sen­tes à me­sa sul-afri­ca­na tam­bém es­tão os cur­ri­es de car­ne (bo­vi­na ou de ca­ça), fran­go e pei­xe. Pra­to tí­pi­co in­di­a­no, são acom­pa­nha­dos de ar­roz ti­po bas­ma­ti e ro­tis, um pão com for­ma­to e mas­sa se­me­lhan­te ao da pan­que­ca.

Pa­ra en­ga­nar a fo­me, o país sul-afri­ca­no ofe­re­ce pe­tis­cos bem tí­pi­cos: o Bil­tong e o Droëwors. Os dois snaks na­da mais são do que pe­que­nos pe­da­ços de car­ne se­ca. Ge­ral­men­te, o pri­mei­ro é fei­to com a bo­vi­na. Já o se­gun­do, com a Dunwor, uma lin­gui­ça fi­na. Pro­du­zi­dos co­mo nos tem­pos em ain­da não exis­tia a ge­la­dei­ra, as car­nes usa­das na con­fec­ção des­ses pe­tis­cos são sal­ga­das, tem­pe­ra­das e fi­cam cu­ran­do por vá­ri­os di­as até fi­ca­rem bem se­qui­nhas.

Os sul-afri­ca­nos ado­ram do­ces. E eles se mul­ti­pli­cam nas me­sas, in­cluin­do nos ca­fés da ma­nhã ser­vi­dos nos res­tau­ran­tes de ho­téis. En­tre as es­tre­las, des­ta­que pa­ra os Ko­ek­sis­ters, uma es­pé­cie de bo­li­nho de chu­va que é pas­sa­do em uma cal­da de açú­car e li­mão – al­gu­mas ve­zes, tam­bém é co­ber­to com bau­ni­lha ou gen­gi­bre. É ser­vi­do fri­to. Tão po­pu­lar (e tal­vez até mais) que o bo­li­nho é o Mal­va Pud­ding. Fei­to com ge­leia de da­mas­co e, às ve­zes, com açú­car mas­ca­vo, é um mis­to de bo­lo e pu­dim. É ser­vi­do quen­te, acom­pa­nha­do por sor­ve­te ou cre­me de bau­ni­lha. Ou, por am­bos.

Pa­ra to­mar en­tre uma e ou­tra e tam­bém após a re­fei­ção, na­da me­lhor do que um chá. A tra­di­ção tra­zi­da pelos in­gle­ses es­tá pre­sen­te em ba­res, lan­cho­ne­tes, ca­sas de chá e res­tau­ran­tes. A prin­ci­pal mar­ca sul-afri­ca­na é a Ro­oi­bos. De cor ver­me­lha bem acen­tu­a­da, o chá é for­te e pro­du­zi­do com uma plan­ta na­ti­va. Por fa­lar em be­bi­das, a África do Sul é a in­ven­to­ra do Ama­ru­la, um li­cor fei­to do fru­to da ma­ru­lei­ra (co­nhe­ci­da tam­bém co­mo ár­vo­re dos ele­fan­tes, que ado­ram co­mer su­as fo­lhas), açú­car e cre­me. Com 17% de te­or al­cóo­li­co, o li­cor co­me­çou a ser pro­du­zi­do em 1989 e tam­bém é em­pre­ga­do na con­fec­ção de al­guns cho­co­la­tes.

Ir em­bo­ra do país sem de­gus­tar os vi­nhos sul-afri­ca­nos é qua­se co­mo co­me­ter um pe­ca­do mor­tal. O con­cei­tu­a­do im­por­ta­dor mun­di­al ofe­re­ce ver­sões da be­bi­da de Bac­co em im­per­dí­veis co­res, aro­mas e sa­bo­res, das mais su­a­ves às mais en­cor­pa­das. O Vi­nho Pi­no­ta­ge é o mais fa­mo­so de­les. É pro­du­zi­do com a uva pi­no­ta­ge, uma es­pé­cie que foi cri­a­da na África do Sul a par­tir do cru­za­men­to das uvas do ti­po Pi­not Noir com a Cin­sault, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Her­mi­ta­ge. Tão con­cei­tu­a­do quan­to o tin­to são os bran­cos. Os­ten­tan­do o tí­tu­lo de “me­lhor vi­nho bran­co do mun­do”, a be­bi­da é fei­ta com as uvas Char­don­nay e Sau­vig­non Blanc. É ex­pe­ri­men­tar e con­fe­rir!

Li­ção de his­tó­ria em Jo­a­nes­bur­go

De­pois de che­gar à vi­bran­te me­tró­po­le, vá ex­plo­rar es­sa que é mai­or ci­da­de do país, mas não é a sua ca­pi­tal. A África do Sul não tem uma, mas sim três: Pre­tó­ria (ca­pi­tal exe­cu­ti­va e ad­mi­nis­tra­ti­va), Ci­da­de

do Ca­bo (le­gis­la­ti­va) e Blo­em­fon­tein (ju­di­ci­al). In­clua em sua agen­da o Sowe­to e o Mu­seu do Apartheid. O Sowe­to é um bair­ro ale­gre e co­lo­ri­do, em­bo­ra ain­da con­cen­tre mui­tas fa­mí­li­as po­bres – tem gen­te até que ga­ran­te que o dis­tri­to é uma gran­de fa­ve­la. A re­a­li­da­de não é bem as­sim. Atu­al­men­te, mui­tas fa­mí­li­as da clas­se mé­dia al­ta e ri­cos mo­ram lá. E, pa­ra elas, is­so é mo­ti­vo de mui­to or­gu­lho. Por quê? A his­tó­ria.

Sowe­to é a abre­vi­a­ção de South-wes­tern Townships. E thownships eram re­giões na pe­ri­fe­ria das ci­da­des on­de os ne­gros eram obri­ga­dos a vi­ver du­ran­te o apartheid. O dis­tri­to foi cri­a­do em 1963 pa­ra jun­tar sob uma mes­ma ad­mi­nis­tra­ção um con­jun­to de bair­ros pa­ra ne­gros. Fi­cou co­nhe­ci­do por ser um fo­co de re­sis­tên­cia an­tir­ra­cis­ta e im­por­tan­te pal­co de pro­tes­tos dos ne­gros con­tra a po­lí­ti­ca ofi­ci­al de dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al.

Há mui­tos anos, po­rém, o Sowe­to dei­xou de ser um re­du­to on­de ne­gros ti­nham su­as ca­sas in­cen­di­a­das e des­truí­das por bom­bas mo­lo­tov jo­ga­das por po­li­ci­ais nos in­jus­tos tem­pos do re­gi­me, quan­do se­quer po­di­am an­dar li­vre­men­te e mui­to me­nos ter uma ca­sa nas áre­as da ci­da­de on­de vi­vi­am os bran­cos. Ho­je, o dis­tri­to si­tu­a­do a su­do­es­te de Jo­a­nes­bur­go pre­ser­va em­ble­má­ti­cos mar­cos his­tó­ri­cos.

Co­nhe­cê-los vai te con­du­zir a uma viagem ao pas­sa­do, fa­zen­do vo­cê com­pre­en­der me­lhor a tur­bu­len­ta e ain­da mui­to re­cen­te his­tó­ria do país. Foi nu­ma rua des­te di­nâ­mi­co cen­tro, mais pre­ci­sa­men­te na Vi­la­ka­zi Stre­et, que mo­ra­ram dois ven­ce­do­res do Prê­mio No­bel da Paz: Man­de­la (1993) e o ar­ce­bis­po an­gli­ca­no Des­mond Tu­tu (1984). Aliás, a rua ain­da abri­ga a ca­sa on­de Man­de­la vi­veu com a sua pri­mei­ra e se­gun­da es­po­sas. Foi pa­ra ela tam­bém que ele quis vol­tar após ter fi­ca­do pre­so por 27 anos. Sím­bo­lo de re­sis­tên­cia, o lí­der sul-afri­ca­no foi uma das mais al­tas vo­zes que se le­van­tou con­tra o apartheid.

Ho­je, trans­for­ma­da em mu­seu (man­de­lahou­se.co. za), a ca­sa guar­da pou­co de sua cons­tru­ção ori­gi­nal – foi pra­ti­ca­men­te re­cons­truí­da após um in­cên­dio. Mes­mo as­sim, em seu in­te­ri­or, vo­cê vai en­con­trar ob­je­tos pes­so­ais de Man­de­la, fo­tos da fa­mí­lia e o quar­to on­de dor­mia, por exem­plo. Em fren­te à ca­sa do icô­ni­co lí­der sul-afri­ca­no, ob­ser­ve os ani­ma­dos gru­pos mu­si­cais que dan­çam em­ba­la­dos pelos os rit­mos que eles mes­mos exe­cu­tam. Ce­na que de­li­ci­o­sa­men­te vai se re­pe­tir mui­tas ve­zes du­ran­te a sua viagem.

Por to­da ex­ten­são da Vi­la­ka­zi Stre­et e em su­as ime­di­a­ções es­pa­lham-se lo­jas e bar­ra­qui­nhas de ar­te­sa­na­to, lan­cho­ne­tes e res­tau­ran­tes, além do Mu­seu e Me­mo­ri­al Hec­tor Pi­e­ter­son. A me­lhor ma­nei­ra pa­ra co­nhe­cer o lu­gar é con­tra­tar um tour gui­a­do. Vo­cê tam­bém po­de des­ven­dar o bair­ro em um pas­seio de bi­ke ou de tuk tuk (sowe­to­bicy­cle­tours.com). Se pre­fe­rir eco­no­mi­zar tem­po e di­nhei­ro, a op­ção é o City Sight­se­eing Bus (city-

sight­se­eing.co.za). Não mui­to dis­tan­te do Sowe­to fi­ca o Mu­seu do Apartheid (apartheid­mu­seum.org). Aliás, em so­lo sul-afri­ca­no não fal­tam mu­seus de­di­ca­dos a Man­de­la nem os que mos­tram co­mo era na África do Sul nos tem­pos em que tu­do era se­pa­ra­do e bran­cos e ne­gros não po­di­am se mis­tu­rar. O mu­seu de Jo­a­nes­bur­go é um de­les. Mo­der­no, am­plo e di­nâ­mi­co, re­tra­ta em fo­tos, fil­mes, ob­je­tos, do­cu­men­tos e do­cu­men­tá­ri­os co­mo era a vi­da dos ne­gros sob o re­gi­me ra­ci­al se­gre­ga­ci­o­nis­ta. Lo­go na en­tra­da, as su­as du­as por­tas dei­xam bem cla­ro o que foi o apartheid, clas­si­fi­can­do o vi­si­tan­te de acor­do com a cor da pe­le, co­mo era fei­to com os ne­gros e mes­ti­ços sul-afri­ca­nos.

Dei­xe de la­do o cli­ma pe­sa­do e an­gus­ti­an­te do apartheid e vá co­nhe­cer a des­con­traí­da Nel­son Man­de­la Squa­re (nel­son­man­de­las­qua­re.co.za), em Sand­ton. A pra­ça de 1.000 m2 é pu­ro char­me. Guar­da gra­ci­o­sos ca­fés, res­tau­ran­tes e lo­jas, além de uma es­cul­tu­ra al­tís­si­ma de Man­de­la (leia-se pon­to de pa­ra­da obri­ga­tó­ria pa­ra um click). Por fa­lar em Man­de­la, no ano em que se co­me­mo­ra o seu cen­te­ná­rio de nas­ci­men­to (1918/2013), que tal se­guir os pas­sos de­le e cri­ar seu o seu pró­prio ro­tei­ro? Pa­ra is­so, é só bai­xar o apli­ca­ti­vo “Ma­di­bas Jour­ney”. O app pa­ra IOS e An­droid, com ver­são em por­tu­guês, con­ta a his­tó­ria do ex-pre­si­den­te do país e mos­tra 27 pon­tos tu­rís­ti­cos em ci­da­des sul-afri­ca­nas re­la­ci­o­na­dos a ele.

Dur­ban, lin­da e cheia de bos­sa

In­crí­vel co­mo as pai­sa­gens se re­ve­zam na África do Sul. São úni­cas e ao mes­mo tem­po tão di­fe­ren­ci­a­das. E mu­dam o tem­po to­do. Me­tró­po­les, pe­que­ni­nas vi­las, prai­as, sa­va­nas, vi­ní­co­las, mon­ta­nhas, es­tra­das mo­der­nas e de ter­ra se in­ter­ca­lam in­ces­san­te­men­te di­an­te do olhar. Em ca­da pe­da­ci­nho de so­lo sul-afri­ca­no, um no­vo flash e agra­dá­veis sur­pre­sas. D ur­ban, na pro­vín­cia deKwa zu­lu-na­tal, na­cost ales­te do­país,p orex em­plo,étã olin­da que agen­te fi­ca até ator­do­a­do.

É até di­fí­cil di­zer oqueé­mais­bo ni to­nes te­can­ti­nhoà­be ira-mar­da África do Sul: se o azul in­ten­so do Oce­a­no Ín­di­co que aca­ri­cia su­as prai­as, se a sua gen­te sem­pre sor­ri­den­te... As lon­gas e lar­gas ave­ni­das? Os mo­der­nos e im­po­nen­tes edi­fí­ci­os? Os rit­mos que eco­am nas ru­as? As co­res dos ci­ne­ma­to­grá­fi­cos ce­ná­ri­os que se mis­tu­ram tin­gin­do o in­fi­ni­to? Tu­do aqui, nes­te ca­lei­dos­có­pio de sons, ima­gens e for­mas, en­fei­ti­ça e se­duz. É tan­ta vi­da que pul­sa que, se bo­be­ar, a gen­te até es­que­ce o re­ló­gio e os com­pro­mis­sos.

O no­me des­ta ci­da­de sig­ni­fi­ca baía, em zu­lu, a lín­gua na­ti­va mais fa­la­da por aqui. O cal­ça­dão da Gol­den Mi­le é um de seus pos­tais. Ele en­vol­ve to­da a or­la de D ur­ban eéa pas­sa­re­la por on­de des­fi­lam sun­tu­o­sos ho­téis e ani­ma­dos bar zi­nhos, ca­fe­te­ri­as e res­tau­ran­tes. É pal­co ain­da por on­de ale­gres gru­pos mu­si­cais se mul­ti­pli­cam, con­ta­gi­an­do com seus rit­mos e su­as dan­ças as pes­so­as que ne­le pas­sam. Dur­ban tem to­da a des­con­tra­ção e a le­ve­za ca­rac­te­rís­ti­cas das ci­da­des li­to­râ­ne­as, mas é bem mais do que is­so.

É um efer­ves­cen­te cal­dei­rão on­de os so­ta­ques se mis­tu­ram e con­vi­vem em har­mo­nia. Tão lo­go pi­se na ci­da­de, vo­cê en­ten­de­rá o que is­so sig­ni­fi­ca. Ao an­dar pe­las ru­as, de ca­ra, vai es­bar­rar em um zu­lu (mui­tos de­les vi­vem aqui) ou em um in­di­a­no – Dur­ban con­cen­tra o mai­or nú­me­ro de ex­pa­tri­a­dos hin­dus do mun­do, além de ser a mai­or ci­da­de in­di­a­na fo­ra da Ín­dia, com um mi­lhão de des­cen­den­tes. Os cos­tu­mes e as cul­tu­ras des­sas et­ni­as es­tão im­pres­sos na gas­tro­no­mia, no ar­te­sa­na­to e na ar­qui­te­tu­ra da ci­da­de. Tam­bém as su­as fi­si­o­no­mi­as e ves­ti­men­tas não dei­xam dú­vi­das quan­to às su­as ori­gens.

Qu­er mais? De um pu­lo até o Vic­to­ria Stre­et Mar­ket, no cen­tro. Com fa­cha­da que lem­bra um pa­lá­cio ori­en­tal, con­cen­tra um mon­te de lo­ji­nhas pelos seus dois an­da­res (no se­gun­do não há mui­to o que ver). Ali, se ven­de de tu­do, de car­nes e pei­xes a sa­pa­tos e sá­ris, pas­san­do pe­las más­ca­ras afri­ca­nas e pe­las “rou­pas” de pe­le e ar­mas usa­das pelos zu­lus. Cu­ri­o­so é que mes­mo pe­que­nas es­cul­tu­ras, tú­ni­cas co­lo­ri­das, sa­ron­gues e bi­ju­te­ri­as com mi­çan­gas, en­tre ou­tras pe­ças do ar­te­sa­na­to sul-afri­ca­no, são ven­di­dos em lo­jas cu­jo o pro­pri­e­tá­rio é um hin­du.

Os in­di­a­nos es­tão pre­sen­tes nas lo­jas que co­mer­ci­a­li­zam os per­fu­ma­dos (e sa­bo­ro­sos) tem­pe­ros de seu país, em seus co­lo­ri­dos tra­jes tí­pi­cos e até no jei­to de ne­go­ci­ar: bas­ta pa­rar um pou­qui­nho di­an­te de uma

pra­te­lei­ra pa­ra olhar os pro­du­tos que, pron­to, já vem um de­les in­sis­tin­do pa­ra vo­cê com­prar. E co­mo são per­se­ve­ran­tes... E tam­bém sim­pá­ti­cos. In­de­pen­den­te­men­te dis­so, uma di­ca: se vo­cê pre­ten­de co­nhe­cer o mer­ca­do e es­tá pen­san­do em ad­qui­rir al­go, le­ve di­nhei­ro, pois os car­tões não são acei­tos lá.

Ins­ti­gan­te tam­bém é a gas­tro­no­mia des­te que é o ter­cei­ro cen­tro ur­ba­no do país, com três mi­lhões de ha­bi­tan­tes. Por es­tar em uma ci­da­de prai­a­na, vo­cê pen­sa que os pra­tos com fru­tos do mar são seu for­te. E são, mas sur­gem nos car­dá­pi­os ao la­do dos in­di­a­nos cur­ri­es e do Bbunny Show, um pão re­che­a­do com cur­ry e que é uma es­pe­ci­a­li­da­de de Dur­ban. A di­ver­si­da­de cul­tu­ral-gas­tronô­mi­ca tam­bém po­de ser vis­ta no ele­gan­te ho­tel The Oys­ter Box. To­das os di­as, das 14h30 às 17h, em seu sa­lão é ser­vi­do o high tea, o chá da tar­de (tra­di­ção in­gle­sa), que é acom­pa­nha­do por de­ze­nas de do­ces e gu­lo­sei­mas (ado­ra­das pelos sul-afri­ca­nos).

À noi­te, um dos des­ta­ques de seu res­tau­ran­te, o Oce­an Ter­ra­ce, é o bu­fê de co­mi­da in­di­a­na. Na ban­ca­da não fal­tam po­ti­nhos, clo­ches e ré­chauds com pe­lo me­nos on­ze api­men­ta­das va­ri­a­ções de cur­ry (fran­go, cor­dei­ro, ca­bra, pei­xe e até uma ver­são ve­ge­ta­ri­a­na), além de lamb cur­ry (fei­to com car­ne de ca­bra ou de cor­dei­ro e acom­pa­nha­do por le­gu­mes e mo­lho), pa­lak chic­ken (fran­go com es­pi­na­fre) e but­ter chic­ken, uma es­pé­cie de es­tro­go­no­fe fei­to com pe­da­ci­nhos de fran­go de ou car­ne.

In­fluên­ci­as cul­tu­rais à par­te, não dei­xe de co­nhe­cer a Ga­le­ria de Ar­te e o Cen­tro de Ar­te Afri­ca­na de Dur­ban, com ce­râ­mi­cas, ces­tos, pin­tu­ras, bi­ju­te­ri­as e bor­da­dos fei­tos com ca­ri­nho pe­las mãos de ar­te­sãos de di­fe­ren­tes ci­da­des sul-afri­ca­nas. Nos tra­ba­lhos não fal­tam con­tas, mi­çan­gas, pa­lha, cou­ro, te­ci­do e bar­ro, além de pe­da­ços de fio te­lefô­ni­co, sa­cos de plás­ti­co, la­tas de ga­so­li­na, tam­pas de gar­ra­fas e até eti­que­tas de la­tas de co­mi­da, es­tes úl­ti­mos uti­li­za­dos pa­ra cri­ar co­lo­ri­das ti­ge­las em pa­pel ma­chê.

Se vo­cê gos­ta de “fa­zer ar­te” nas al­tu­ras, o Es­tá­dio Mo­ses Mabhi­da (mms­ta­dium.com) é o point. Atra­ção tu­rís­ti­ca que se exi­be no azul céu de Dur­ban, é um es­pa­ço mul­tiu­so on­de acon­te­cem jo­gos de fu­te­bol e de rúg­bi (ou­tra he­ran­ça dos in­gle­ses), com­pe­ti­ções es­por­ti­vas, shows e ou­tros even­tos. Ne­le, vo­cê tam­bém po­de su­bir de Sky Car (uma es­pé­cie de ele­va­dor ti­po o da Tor­re Eif­fel em Pa­ris) até uma pla­ta­for­ma de 106 m de al­tu­ra, des­fru­tan­do de uma in­des­cri­tí­vel vis­ta pa­no­râ­mi­ca do Ín­di­co e da ci­da­de à bei­ra-mar que se es­ten­de a per­der de vis­ta.

O Mo­ses Mabhi­da tem um ele­va­do ar­co, pro­je­ta­do in­ten­ci­o­nal­men­te pa­ra a prá­ti­ca de big swing – é se­me­lhan­te ao bun­gee jump, só que em vez de vo­cê ser im­pul­si­o­na­do em di­re­ção ao chão, voa co­mo um pên­du­lo. Pa­ra se lan­çar nes­te que é o mai­or swing do mun­do, mo­ti­vo por ter si­do in­cluí­do no “Guin­ness Bo­ok” (o li­vro dos re­cor­des), vai pre­ci­sar fa­zer um trei­no em ter­ra e su­bir uma es­ca­da de qua­se 300 de­graus. Os 20 se­gun­dos de adre­na­li­na são con­tra­ta­dos na Big Rush (bi­grush.co.za), que fun­ci­o­na no tér­reo do es­tá­dio. So­men­te de­pois dis­so é que vo­cê pu­la. Tem co­ra­gem? Não. Ho­ra de par­tir pa­ra a pró­xi­ma aven­tu­ra.

A fu­ga de Ma­di­ba em Howick

Na pro­vín­cia de Kwa­zu­lu-na­tal, o stop obri­ga­tó­rio é a Es­tra­da R103, per­to de Howick. O mo­ti­vo? Foi aqui que Man­de­la foi pre­so pe­la po­lí­cia que per­se­guia seu car­ro, no dia 5 de agos­to de 1962. Fo­ra­gi­do ha­via 17 me­ses, ele vol­ta­va de uma reu­nião se­cre­ta com o pre­si­den­te do Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no, Al­bert Luthu­li, a quem ti­nha ido in­for­mar so­bre a sua tem­po­ra­da no ex­te­ri­or, in­cluin­do o trei­na­men­to mi­li­tar no Mar­ro­cos e na Etió­pia, e a sua vi­si­ta a Lon­dres, na In­gla­ter­ra, pa­ra bus­car apoio pa­ra a lu­ta ar­ma­da.

Dis­far­ça­do com uni­for­me de mo­to­ris­ta, Man­de­la foi pa­ra­do pe­la po­lí­cia e ne­gou a sua iden­ti­da­de. Po­rém, os po­li­ci­ais não acre­di­ta­ram, pois sa­bi­am que ele era o ho­mem mais pro­cu­ra­do da África do Sul. Man­de­la foi pre­so e le­va­do a jul­ga­men­to por sair do país sem pas­sa­por­te e por in­ci­ta­ção à gre­ve. Em no­vem­bro de 1862, foi sen­ten­ci­a­do a cum­prir cin­co anos de pri­são, co­me­çan­do aí a sua ár­dua tra­je­tó­ria de 27 anos em pre­sí­di­os sul-afri­ca­nos – o mais lem­bra­do de­les fi­ca na Ilha Rob­ben e é aber­to à vi­si­ta­ção.

Man­de­la ab­di­cou de sua vi­da pes­so­al pa­ra se de­di­car a um ide­al mai­or: li­ber­tar os ne­gros da opres­são do apartheid. Foi e fi­cou pre­so por anos pe­la cau­sa que tan­to acre­di­ta­va e de­fen­dia. Pra­ti­ca­men­te não viu os fi­lhos cres­ce­rem. Nem mes­mo es­te­ve pre­sen­te quan­do nas­ce­ram. De­pois de ser li­ber­ta­do, Man­de­la foi pre­si­den­te da África do Sul de 1994 a 1999, de­sem­pe­nhan­do um pa­pel fun­da­men­tal pa­ra a in­te­gra­ção do país no pe­río­do pós-apartheid. Pai da mo­der­na na­ção sul-afri­ca­na, on­de é ca­ri­nho­sa­men­te cha­ma­do co­mo Ma­di­ba (no­me que foi ba­ti­za­do em seu clã) e Ta­ta (pai), re­ce­beu mais de 250 prê­mi­os e con­de­co­ra­ções, in­cluin­do o No­bel da Paz em 1993.

Par­te des­ses fa­tos e de ou­tros da vi­da de Man­de­la es­tão re­tra­ta­dos nos pai­néis, fo­tos e ví­de­os do mu­seu que fun­ci­o­na em Howick. Ali vo­cê tam­bém vai ver a cri­a­ti­va ex­po­si­ção ao ar li­vre “O Lon­go Ca­mi­nho da Li­ber­da­de”. No tra­je­to de 500 m, pla­cas re­tan­gu­la­res de fer­ro fin­ca­das no chão con­tam, em or­dem cro­no­ló­gi­ca, os prin­ci­pais epi­só­di­os da vi­da do lí­der sul-afri­ca­no. Lá lon­ge, in­de­ci­frá­veis bar­ras ne­gras de aço, de di­fe­ren­tes for­ma­tos e al­tu­ras, são cap­ta­das pe­lo olhar e de­sa­fi­am a in­te­li­gên­cia de qual­quer mor­tal. So­men­te a pou­cos pas­sos do fi­nal do per­cur­so e em um pon­to es­pe­cí­fi­co, elas fa­zem sen­ti­do: jun­tas, com­põem o ros­to de Man­de­la. Atrás da es­cul­tu­ra de Mar­co Ci­an­fa­nel­li, com 50 bar­ras de aço cor­ta­das em la­zer, a ro­do­via, o exa­to lu­gar on­de ele foi cap­tu­ra­do pelos po­li­ci­ais.

Per­to da­li, mas ain­da na pro­vín­cia de Kwa­zu­lu-na-

tal, não dei­xe de vi­si­tar Mi­dlands Me­an­der. É uma ex­pe­ri­ên­cia ab­so­lu­ta­men­te má­gi­ca. Per­me­a­da por pai­sa­gens bu­có­li­cas, es­sa re­gião da África do Sul ofe­re­ce im­per­dí­veis ce­ná­ri­os em to­das as es­ta­ções do ano: é tin­gi­da por to­na­li­da­des de ver­me­lho, cas­ta­nho e dou­ra­do no ou­to­no, en­quan­to a ne­ve abra­ça as su­as mon­ta­nhas no in­ver­no. E, na pri­ma­ve­ra e no ve­rão, co­bre-se de flo­res, co­res e per­fu­mes, exi­bin­do múl­ti­plos tons de ver­de.

Mi­dlands Me­an­der es­ten­de-se por uma dis­tân­cia de 80 km en­tre as ci­da­des de Pi­e­ter­ma­ritz­burg e Mo­oi Ri­ver e abri­ga de­ze­nas de ga­le­ri­as de ar­te e de ar­te­sa­na­to. Pa­ra co­nhe­cer es­se lin­dís­si­mo re­can­to sul-afri­ca­no, o ide­al é alu­gar um car­ro. A viagem pe­la es­tra­da N3, par­tin­do de Jo­a­nes­bur­go, de­mo­ra de qua­tro a cin­co ho­ras. De Dur­ban, pe­gue a N3 em di­re­ção à Pi­e­ter­ma­ritz­burg (PMB). Mas as agên­ci­as de vi­a­gens lo­cais tam­bém po­dem te le­var até lá. Ve­ri­fi­que ain­da se o ho­tel que es­tá hos­pe­da­do não ofe­re­ce o ser­vi­ço, pois al­guns de­les fa­zem tours de um dia pa­ra lá.

Ar­te aos pés da Cor­di­lhei­ra de Dra­kens­berg

Si­tu­a­da em Cham­pag­ne Val­ley, na Cor­di­lhei­ra de Dra­kens­berg (foi de­cla­ra­da pa­trimô­nio mun­di­al da hu­ma­ni­da­de pe­la Unes­co por abri­gar gran­de va­ri­e­da­de de plan­tas en­dê­mi­cas e um va­li­o­so con­jun­to de pin­tu­ras ru­pes­tres do an­ti­go po­vo San), a Ard­mo­re é um dos mais im­pres­si­o­nan­tes ate­li­ês da África do Sul, reu­nin­do uma gran­de co­le­ção de ce­râ­mi­cas que en­can­ta os apai­xo­na­dos por ar­te e de­sign do mun­do to­do. Su­as obras são ela­bo­ra­das a par­tir de uma mis­tu­ra ou­sa­da de téc­ni­cas e da uti­li­za­ção das vi­bran­tes co­res zu­lu.

Ins­pi­ra­das na exó­ti­ca fau­na e flo­ra afri­ca­nas, as pe­ças em ce­râ­mi­ca – uti­li­tá­ri­as ou sim­ples­men­te de­co­ra­ti­vas – são ri­cas em de­ta­lhes. Eles são es­cul­pi­dos em ban­de­jas, bu­les, xí­ca­ras e ou­tros ob­je­tos, em for­mas de leões, gi­ra­fas, ze­bras... Po­dem re­tra­tar ain­da ce­nas da vi­da sel­va­gem, de se­xo e de his­tó­ri­as do fol­clo­re sul-afri­ca­no. Com en­tra­da gra­tui­ta, a ga­le­ria tam­bém abri­ga o Mu­seu de Ce­râ­mi­ca Bon­nie Ntsha­lintsha­li e ofi­ci­nas on­de mais de 50 há­beis ar­te­sões pro­du­zem ca­pri­cha­das pe­ças, do mol­de à pin­tu­ra.

A ga­le­ria foi cri­a­da por Fée Hals­ted, uma pin­to­ra e ce­ra­mis­ta do Zim­babwe, e por Bo­na­ke­le Ntsha­lintsha­li, uma ar­tis­ta na­ti­va fa­le­ci­da em 1999. Bon­nie, co­mo era o seu ape­li­do, era pa­ra­plé­gi­ca, ten­do con­traí­do po­li­o­mi­e­li­te na in­fân­cia. A par­ce­ria en­tre as du­as ar­tis­tas não po­de­ria ter si­do mais bem-su­ce­di­da: Fée con­tri­buiu com o seu co­nhe­ci­men­to em es­cul­tu­ra em ce­râ­mi­ca e pin­tu­ra. Bon­nie, por sua vez, acres­cen­tou cri­a­ti­vas in­ter­pre­ta­ções ins­pi­ra­das em ri­tu­ais afri­ca­nos e em nar­ra­ti­vas bí­bli­cas.

Além da Ard­mo­re, Mi­dlands Me­an­der pos­sui mui­tos ou­tros te­sou­ros. Se qui­ser per­ma­ne­cer por mais tem­po

e ex­plo­rar me­lhor a re­gião, o si­te do Es­cri­tó­rio de Tu­ris­mo de Mi­dlands Me­an­der (mi­dlands­me­an­der.co.za) po­de te aju­dar, dan­do di­cas e in­for­ma­ções. É bom sa­ber tam­bém que que es­te exu­be­ran­te ter­ri­tó­rio sul-afri­ca­no guar­da, es­pa­lha­dos pe­lo seu in­te­ri­or, de­ze­nas de bons res­tau­ran­tes e ofe­re­ce di­ver­sas op­ções de hos­pe­da­gem, des­de ho­téis e al­ber­gues pa­ra mo­chi­lei­ros até re­sorts sun­tu­o­sos. Ca­so do Dra­kens­berg Sun Re­sort.

Ocu­pan­do uma ex­ten­sa área ver­de de pri­vi­le­gi­a­da be­le­za de Cath­kin Pe­ak, nas Mon­ta­nhas Dra­kens­berg, re­sort (tso­go­sun.com/dra­kens­berg-sun-re­sort) é sinô­ni­mo de di­ver­são e ati­vi­da­des de la­zer e en­tre­te­ni­men­to pa­ra to­das as ida­des: dis­po­ni­bi­li­za pas­sei­os de bar­co, de ca­noa e ca­mi­nha­das ao pôr do sol em seu la­go pri­va­do (o Nkwan­ki), ti­ro­le­sa, moun­tain bi­ke e tri­lhas de di­fe­ren­tes ta­ma­nhos e graus de di­fi­cul­da­de nas mon­ta­nhas – em al­gu­mas de­las é pos­sí­vel ver cu­ri­o­sos ma­ca­cos e ban­dos de bag­gi­os.

Ago­ra que vo­cê tem uma no­ção do que é a África do Sul, com­pre a pas­sa­gem e vá co­nhe­cê-la ao vi­vo e em co­res – a South Afri­can Airways e a La­tam Air­li­nes dis­po­ni­bi­li­zam vo­os diá­ri­os e di­re­tos en­tre São Pau­lo e Jo­a­nes­bur­go, com du­ra­ção apro­xi­ma­da de no­ve ho­ras. Um úl­ti­mo lem­bre­te: bra­si­lei­ros não pre­ci­sam de vis­to pa­ra en­trar no país, po­rém, o Cer­ti­fi­ca­do In­ter­na­ci­o­nal de Va­ci­na­ção con­tra a fe­bre ama­re­la é obri­ga­tó­rio. A prin­ci­pal por­ta de en­tra­da pa­ra es­se pa­raí­so si­tu­a­do no ex­tre­mo sul do Con­ti­nen­te Afri­ca­no é o Ae­ro­por­to Oli­ver Re­gi­nald Tam­bo, em Jo’burg, co­mo a cos­mo­po­li­ta e des­co­la­da Jo­a­nes­bur­go é ca­ri­nho­sa­men­te cha­ma­da pelos seus ha­bi­tan­tes.

O ter­mi­nal aé­reo (johan­nes­burg-air­port.com) es­tá a uns 25 quilô­me­tros da ci­da­de. Pa­ra che­gar e ir em­bo­ra de­le, vo­cê po­de to­mar um tá­xi – os de lá não têm ta­xí­me­tros e tra­ba­lham com pre­ços es­ta­be­le­ci­dos. Por is­so, ne­go­cie o pre­ço da cor­ri­da an­tes de en­trar no car­ro. Dê ain­da pre­fe­rên­cia aos veí­cu­los com o lo­go­ti­po do ae­ro­por­to. Vo­cê tam­bém po­de pe­gar um ôni­bus ou em­bar­car no Gau­train (gau­train.co.za). Cons­truí­do pa­ra a Co­pa Mun­di­al de Fu­te­bol de 2010, es­se trem de al­ta ve­lo­ci­da­de vai te le­var aos prin­ci­pais bair­ros da ci­da­de – tem es­ta­ções em Sand­ton e Ro­se­bank, além de Pre­tó­ria, um dis­tri­to que fi­ca cer­ca de 60 quilô­me­tros de dis­tân­cia de Jo­a­nes­bur­go.

O Bo­bo­tie com ar­roz ama­re­lo, o pra­to pre­fe­ri­do de Man­de­la.

Ao la­do, o Mal­va Pud­ding e abai­xo os Ko­e­ki­si­ters

A pra­ça Nel­son Man­de­la guar­da uma be­la es­cul­tu­ra em sua ho­me­na­gem.

Aci­ma, o City Sight­se­eing Bus. Abai­xo, o car­taz do Mu­seu do Apartheid

Vis­ta da or­la de uma das prai­as de Dur­ban.

À di­rei­ta, pes­so­as ca­mi­nhan­do na Gol­den Mi­le e abai­xo o Es­tá­dio Mo­ses Mabhi­da

A ins­ta­la­ção fei­ta com bar­ras de aço . com­pon­do o ros­to de Man­de­la. Atrás de­la, a es­tra­da on­de ele foi cap­tu­ra­do, em Howick.

Cor­di­lhei­ra de Dra­kens­berg

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.