GARIMPANDO

Qual Viagem - - SUMÁRIO - IN­FOR­MA­ÇÕES: anan­ta­ra.com | azorho­tel.com | lis­bo­nhe­li­cop­ters.com | pa­la­ci­o­go­ver­na­dor.com | pes­ta­na.com |por­tu­gal­sen­se­fi­ve.com

Portugal me en­can­ta. Ca­da vez que pi­so em ter­ras por­tu­gue­sas meu co­ra­ção ba­te mais for­te e a emo­ção es­can­ca­ra em mi­nha al­ma. Cla­ro que mi­nhas raí­zes con­tam mui­to mas o que mais me dei­xa flu­tu­ar são os lu­ga­res es­pe­ci­ais com seus cos­tu­mes tão en­rai­za­dos.

Obri­ga­tó­ria a pa­ra­da em Lisboa e ho­je a ca­pi­tal vi­ve um mo­men­to pa­ra lá de es­pe­ci­al, de for­ma re­mo­de­la­da e com atra­ções con­tem­po­râ­ne­as, es­tá bri­lhan­do sem se es­que­cer dos clás­si­cos cos­tu­mes.

Fi­quei 4 di­as cur­tin­do es­sa ci­da­de sen­sa­ci­o­nal hos­pe­da­do num hotel fan­tás­ti­co: Nau Pa­lá­cio do Go­ver­na­dor, um mer­gu­lho na his­tó­ria lu­si­ta­na. Atra­vés do Re­cep­ti­vo “Portugal Sen­se Fi­ve” ti­ve um olhar bou­ti­que e Pre­mium so­bre Lisboa com vo­os de he­li­cóp­te­ro e pas­sei­os de lan­cha pe­lo Te­jo. Um so­nho! Ser con­du­zi­do por uma equi­pe que sa­be exa­ta­men­te os seus de­se­jos faz to­da a di­fe­ren­ça.

De lá fo­mos até o Al­gar­ve e são ape­nas 2 ho­ras e meia de car­ro por ca­mi­nhos di­ver­sos. Ca­so re­sol­va ir pe­lo li­to­ral pro­gra­me uma pa­ra­da pa­ra comer o fa­mo­so Ar­roz de Li­guei­rão no ma­ra­vi­lho­so res­tau­ran­te “Cais da Es­ta­ção” na ci­da­de his­tó­ri­ca de Si­nes. Ou­tro pon­to de pa­ra­da obri­ga­tó­ria é Por­to Co­vo, um pe­que­no vilarejo char­mo­sís­si­mo com uma praia lin­dís­si­ma e gen­te co­ol ca­mi­nhan­do de um la­do pro ou­tro.

O Al­gar­ve é um des­ti­no es­can­da­lo­so com can­ti­nhos be­los e ci­da­des es­pe­ci­ais. Ficar nu­ma ho­te­la­ria de al­ta qua­li­da­de é que­si­to fun­da­men­tal no sul por­tu­guês. Mi­nha op­ção foi o fan­tás­ti­co Hotel Anan­ta­ra, com des­ta­que aos es­pa­ços de Golf e Spa. Uma ver­da­dei­ra lou­cu­ra, um so­nho!

O Pró­prio Anan­ta­ra já re­a­li­za ex­pe­ri­ên­ci­as ex­clu­si­vas aos hós­pe­des co­mo a vi­si­ta com ga­rim­pos de sa­bo­res no Mer­ca­do Pú­bli­co da ci­da­de his­tó­ri­ca Lou­lé, o pas­seio de TukTuk até “Pu­ro Beach” que é um loun­ge es­pe­ci­al da ca­deia Mi­nor fren­te ao mar, jan­ta­res har­mo­ni­za­dos no res­tau­ran­te “EMO” den­tro do pró­prio hotel, mas­sa­gens es­pe­ta­cu­la­res, en­tre tan­tas ou­tras de­lí­ci­as.

Alu­gar um bom car­ro com se­gu­ro com­ple­to dei­xa a viagem ain­da mais es­pe­ci­al pois Portugal é o ti­po de des­ti­no on­de va­le a pe­na fu­çar TU­DO o tem­po in­tei­ro, de nor­te a sul, de les­te a oes­te.

Uma di­ca que pa­ra mim fun­da­men­tal é con­tra­tar um se­gu­ro viagem de con­fi­an­ça e rá­pi­do em su­as ações. Es­tou sem­pre com a As­sist Card, sin­to-me pro­te­gi­do em to­dos os as­pec­tos afi­nal mi­nha tran­qui­li­da­de não tem pre­ço.

Re­sol­vi des­sa vez avan­çar além mar e des­bra­var a Ilha da Ma­dei­ra e São Mi­guel nos Aço­res. De­ci­são cer­ta pois vi­vi nes­ses dois des­ti­nos mo­men­tos sen­sa­ci­o­nais.

A Ilha da Ma­dei­ra en­can­ta em to­dos os sen­ti­dos, des­de a che­ga­da no ae­ro­por­to in­crus­ta­do nas mon­ta­nhas até as sen­sa­ci­o­nais pai­sa­gens que mes­clam mar, flo­res­tas e fa­lé­si­as. Pa­ra to­do can­to que olha­mos exis­te uma be­le­za a ser ad­mi­ra­da.

Fi­ca­mos hos­pe­da­dos no fan­tás­ti­co Pes­ta­na Ca­si­no to­do pro­je­ta­do pe­lo mes­tre Os­car Ni­e­meyer e até ho­je uma ar­qui­te­tu­ra con­tem­po­râ­nea as­so­ci­a­da a uma ho­te­la­ria lu­xu­o­sa e de al­ta qua­li­da­de. Uma hon­ra dor­mir num es­pa­ço cri­a­do por al­guém tão úni­co e com ta­ma­nha re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de.

Comer na Ilha é um ca­so à par­te, tu­do é de­li­ci­o­so e o que não fal­ta são sa­bo­res es­pe­ci­ais co­mo o Bo­lo de Mel, as Es­pe­ta­das (chur­ras­co pre­pa­ra­do no pau de Lo­ro), o pei­xe es­pa­da com ba­na­na, além de fru­tos do mar in­crí­veis. Fi­quei mui­to im­pres­si­o­na­do com um lu­gar em es­pe­ci­al que al­mo­ça­mos cha­ma­do “Fa­jã dos Pa­dres” num va­le à bei­ra mar im­pres­si­o­nan­te cu­jo aces­so é atra­vés de um te­le­fé­ri­co.

O po­vo lo­cal de uma sim­pa­tia ím­par e is­so faz to­da a di­fe­ren­ça. Ser re­ce­bi­do com os bra­ços aber­tos e sor­ri­so es­tam­pa­do trans­for­ma qual­quer jor­na­da em um so­nho pa­ra sem­pre guar­da­do do la­do es­quer­do do pei­to.

De Fun­chal par­ti­mos pa­ra os Aço­res, em es­pe­ci­al pa­ra a Ilha de São Mi­guel. Um lu­gar que eu di­ria ser fan­tás­ti­co. A Ilha é to­da vul­câ­ni­ca e por di­ver­sos pon­tos ve­mos o va­por sair do so­lo, bem a nos­sa fren­te. Im­pres­si­o­nan­te!

Fi­ca­mos no Azor Hotel, um char­mo­so hotel Bou­ti­que com um bom gos­to ím­par e com uma am­bi­en­ta­ção bem di­fe­ren­ci­a­da de tu­do o que já vi. O hotel fi­ca de fren­te ao mar e em seu ro­of top te­mos uma vis­ta es­can­da­lo­sa de lin­da além de um res­tau­ran­te con­tem­po­râ­neo sen­sa­ci­o­nal. Os ser­vi­ços pres­ta­dos nes­sa ho­te­la­ria são de ti­rar o cha­péu e em ca­da can­to so­mos sur­pre­en­di­dos com mais ele­gân­cia e pro­fis­si­o­na­lis­mo.

A Ilha é de uma di­ver­si­da­de in­crí­vel, com pon­tos en­so­la­ra­dos e ou­tros bas­tan­te ge­la­dos. La­go­as e mais la­go­as, flo­res­tas e mais flo­res­tas, mon­ta­nhas e mais mon­ta­nhas que en­can­tam a ab­so­lu­ta­men­te to­dos os vi­si­tan­tes. Pre­ci­so re­tor­nar com mi­nha fa­mí­lia nes­se des­lum­bran­te des­ti­no pois a ca­da no­vo olhar e no­vo clic so­nha­va mos­trar a eles tan­tas be­le­zas.

De­lí­ci­as não po­dem dei­xar de ser di­tas: a car­ne de São Mi­guel é con­si­de­ra­da uma das me­lho­res do mun­do e o fi­lé pre­pa­ra­do com mo­lho lo­cal é al­go de ba­bar de tão bom. Um pra­to a ba­se de car­ne de por­co, va­ca e le­gu­mes é pre­pa­ra­do de­bai­xo na ter­ra no co­ra­ção do Vul­cão: um co­zi­do que le­va 12 ho­ras pra ficar pron­to en­ter­ra­do num pa­ne­lão de fer­ro. Que lou­cu­ra de bom! Os quei­jos pro­du­zi­dos na Ilha são de um pa­la­dar úni­co. Trou­xe vá­ri­os, cla­ro, se­não mor­re­ria de sau­da­des.

To­do pa­raí­so tem que ter um do­ce es­pe­ci­al e em São Mi­guel as Qu­e­ja­das são a mai­o­res es­pe­ci­a­li­da­des. Uau, o que é is­so meu Deus! Es­sa sim trou­xe cai­xas e cai­xas pros meus amo­res no Bra­sil.

Ah, não po­de­mos es­que­cer da cul­tu­ra do Ana­nás que es­tá por to­da Ilha é tem um gos­to ja­mais pro­va­do an­tes. Qu­e­ro ele to­dos os di­as na mi­nha me­sa!

Portugal é Al­ma, Portugal é um pe­da­ci­nho da gen­te em ca­da es­qui­na, em ca­da pa­la­vra e em ca­da ges­to de gen­te boa, em ca­da en­con­tro com es­se po­vo ama­do e ir­mão. Qu­e­ro mais, qu­e­ro sem­pre, qu­e­ro pra to­da vi­da! Aguar­dem, lo­go lo­go vol­to!

Lobby Hotel Anan­ta­ra Vil­la­mou­ra, Al­gar­ve

Bar Gin Lo­vers & Less, Lisboa

Ao la­do, vis­ta das Se­te Ci­da­des em Pon­ta Del­ga­da, Aço­res

garimpando.li­fe @garimpando.li­fe Tra­vel Box Bra­zil TV a ca­bo de quar­ta-fei­ra às 20h e sex­ta-fei­ra às 22h)

Ca­te­dral de Vi­la Fran­ca do Cam­po, Aço­res

Hotel Pes­ta­na Ca­si­no, Fun­chal, Ilha da Ma­dei­ra

Ca­si­nhas tí­pi­cas de San­ta­na, Ilha da Ma­dei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.