SAN­TA MAR­TA

Be­las prai­as, mui­ta his­tó­ria, boa gas­tro­no­mia, cul­tu­ra in­dí­ge­na, par­ques na­tu­rais e uma sen­sa­ção de na­tu­re­za em pro­fun­do equi­lí­brio. Con­fi­ra um dos ce­ná­ri­os de Ga­bri­el Gar­cia Már­quez!

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Cláu­dio La­cer­da Oli­va

Be­las prai­as, mui­ta his­tó­ria, boa gas­tro­no­mia, cul­tu­ra in­dí­ge­na, par­ques na­tu­rais, na­tu­re­za em equi­lí­brio e um dos ce­ná­ri­os de Ga­bri­el Gar­cia Már­quez!

Ain­da pou­co co­nhe­ci­do por tu­ris­tas bra­si­lei­ros, o Es­ta­do de Mag­da­le­na, que fi­ca na par­te nor­te da Colôm­bia, abri­ga uma enor­me di­ver­si­da­de de atra­ções tu­rís­ti­cas, his­tó­ri­cas e na­tu­rais. A ca­pi­tal des­se es­ta­do co­lom­bi­a­no é a sur­pre­en­den­te San­ta Mar­ta, que é ras­ga­da pe­lo mar do Ca­ri­be e por um con­jun­to de enor­mes mon­ta­nhas cha­ma­das de Ser­ra Ne­va­da, que se en­con­tram e se com­ple­tam pa­ra tor­nar a ci­da­de em um des­ti­no ines­que­cí­vel, re­ple­to de atra­ções e bas­tan­te di­ver­si­fi­ca­do em ter­mos de ofer­tas tu­rís­ti­cas.

Lo­ca­li­za­da jun­to à baía de mes­mo no­me e cor­ta­da pe­lo enor­me Mar do Ca­ri­be, nos con­tra­for­tes da Ser­ra Ne­va­da, cu­jos pi­cos po­dem ser vis­tos em di­as en­so­la­ra­dos pe­la praia, a ca­pi­tal do es­ta­do de Mag­da­le­na foi fun­da­da no ano de 1525 e é uma das ci­da­des mais an­ti­gas da Amé­ri­ca do Sul. A re­gião da Ser­ra Ne­va­da tem enor­mes mon­ta­nhas ne­va­das, as mai­o­res de to­da a Colôm­bia. Lá é a ter­ra de qua­tro im­por­tan­tes po­vos in­dí­ge­nas em­ble­má­ti­cos da Amé­ri­ca – Ko­guis, Wiwas, Arhu­a­cos e Kan­ku­a­mos – cu­ja cul­tu­ra, tra­di­ções e pro­fun­do conhecimento an­ces­tral cons­ti­tu­em um va­li­o­so pa­trimô­nio pa­ra a hu­ma­ni­da­de.

A enor­me re­gião de mon­ta­nhas ne­va­das abri­ga o Par­que Na­ci­o­nal de Tai­ro­na, que guar­da em su­as ter­ras um con­jun­to de baías de águas cris­ta­li­nas com arei­as bran­cas. As que me­re­cem mais des­ta­ques são: Cin­to, Ne­guan­je, Chen­gue, Ar­re­ci­fe, Gai­a­ra­ca, Bahia Con­cha e Caña­ve­ral. Os enor­mes ma­ci­ços guar­dam res­tos ar­que­o­ló­gi­cos da an­ti­ga cul­tu­ra Tai­ro­na, ex­pres­sa­dos em inú­me­ras tri­lhas, mo­nu­men­tais con­jun­tos de pe­dras, com des­ta­que pa­ra a Ci­da­de Per­di­da e Pu­bli­to.

TER­RA DE POETAS E ES­POR­TES DE AVENTURA

Per­to de on­de nas­ceu Ga­bri­el Gar­cía Már­quez, o pai do re­a­lis­mo má­gi­co, San­ta Mar­ta fas­ci­na com as su­as be­las prai­as, ma­jes­to­sas mon­ta­nhas e a sua ri­ca cul­tu­ra. Sem­pre há bons mo­ti­vos pa­ra os vi­si­tan­tes ex­plo­ra­rem a ca­pi­tal do es­ta­do de Mag­da­le­na: mer­gu­lhar, pra­ti­car es­por­tes de aventura e vi­si­tar prai­as on­de a sel­va se mis­tu­ra com o mar; tam­bém ob­ser­var aves, per­cor­rer os pon­tos his­tó­ri­cos da ci­da­de e vi­si­tar o cen­tro da cul­tu­ra des­sas an­ti­gas ci­vi­li­za­ções in­dí­ge­nas com gran­de des­ta­que pa­ra os Tai­ro­nas.

A ci­da­de de San­ta Mar­ta foi a úl­ti­ma re­si­dên­cia do Li­ber­ta­dor Si­món Bo­lí­var e é o pon­to de par­ti­da pa­ra vi­si­tar di­ver­sas prai­as e os ves­tí­gi­os ar­que­o­ló­gi­cos da cul­tu­ra Tai­ro­na. San­ta Mar­ta foi uma das pri­mei­ras ci­da­des fun­da­das pelos es­pa­nhóis na Amé­ri­ca e ofe­re­ce ama­nhe­ce­res e en­tar­de­ce­res úni­cos. Tam­bém, a opor­tu­ni­da­de de vi­ven­ci­ar ex­pe­ri­ên­ci­as ines­que­cí­veis co­mo na­dar com gol­fi­nhos, mer­gu­lhar pa­ra ex­plo­rar to­da a ri­que­za da fau­na e flo­ra aquá­ti­ca e pra­ti­car snor­kel nos ar­re­ci­fes.

As pes­so­as que ali che­gam po­dem ver um re­su­mo da his­tó­ria da Amé­ri­ca ao vi­si­tar a quin­ta de San Pe­dro Ale­jan­dri­no, a fa­zen­da on­de fa­le­ceu o Li­ber­ta­dor Si­món Bo­lí­var no dia 17 de de­zem­bro de 1830. Es­te lu­gar, que es­tá cer­ca­do por ár­vo­res cen­te­ná­ri­as, con­ser­va par­te dos mó­veis da épo­ca e fun­ci­o­na co­mo se­de do Mu­seu Bo­li­va­ri­a­no de Ar­te Con­tem­po­râ­nea. Sem­pre há bo­as ex­po­si­ções de ar­te, além de mos­tras va­ri­a­das de to­do o ti­po de ar­te, co­mo pin­tu­ras, es­cul­tu­ras e ins­ta­la­ções ar­tís­ti­cas va­ri­a­das.

En­tre os pro­gra­mas im­per­dí­veis pa­ra os tu­ris­tas es­tá a vi­si­ta ao cen­tro his­tó­ri­co pa­ra ver a Ca­te­dral – co­nhe­ci­da tam­bém co­mo Ba­sí­li­ca Me­nor-, cu­ja cons­tru­ção foi con­cluí­da du­ran­te a guer­ra da In­de­pen­dên­cia. A ri­que­za ar­qui­tetô­ni­ca des­te tem­plo se une ao fa­to de que abri­ga os res­tos mor­tais de Ro­dri­go de Bas­ti­das, o con­quis­ta­dor es­pa­nhol que fun­dou a ci­da­de no ano de 1525. O cen­tro his­tó­ri­co ofe­re­ce ain­da um ri­co con­jun­to de ca­sas da épo­ca, bons res­tau­ran­tes, vá­ri­as lo­jas que co­mer­ci­a­li­zam de ar­te­sa­na­tos a al­guns pro­du­tos im­por­ta­dos, co­mo rou­pas, per­fu­mes e be­bi­das. Nas an­dan­ças pe­la área cen­tral, evi­te com­prar pro­du­tos ele­trô­ni­cos, pois a mai­o­ria de­les é de pro­ce­dên­cia du­vi­do­sa e com gran­de pro­ba­bi­li­da­de de ser fal­sa.

CU­LI­NÁ­RIA RI­CA E DIVERSIFICADA

A boa me­sa tem to­ma­do con­ta de San­ta Mar­ta du­ran­te os úl­ti­mos anos, e em es­pe­ci­al em sua área cen­tral que foi re­cen­te­men­te re­no­va­da. Exis­tem vá­ri­os res­tau­ran­tes que ofe­re­cem op­ções de al­ta gas­tro­no­mia pa­ra os pa­la­da­res com di­ver­sas exi­gên­ci­as. Des­ta­que pa­ra os pei­xes, que po­dem ser fri­tos, en­so­pa­dos ou ser­vi­dos ao mo­lho, co­mo: par­go, sa­fia, ca­ra­pau e ser­ra. Não po­de fal­tar a car­ne, o ar­roz, a man­di­o­ca, a ba­na­na da ter­ra e a fa­ri­nha. A ci­da­de e a re­gião vi­vem uma in­va­são de no­vos ho­téis. Re­des ho­te­lei­ras co­mo Ac­cor, Ra­dis­son e Hil­ton têm inau­gu­ra­ções pro­me­ti­das ain­da pa­ra es­se ano. A ho­te­la­ria lo­cal que era ser­vi­da por ban­dei­ras de ho­téis re­gi­o­nais e na­ci­o­nais, vê cres­cer as op­ções de pre­ços e ser­vi­ços, de­mo­cra­ti­zan­do ain­da mais as op­ções aos tu­ris­tas de to­do o mun­do. Prin­ci­pal­men­te nos bair­ros de Ro­da­de­ro e Po­ço Co­lo­ra­do, ofe­re­ce mais de du­as de­ze­nas de ex­ce­len­tes resorts que ven­dem o con­cei­to All In­clu­si­ve, com fo­co nas atra­ções praia, sol e mar. Ta­ri­fas es­pe­ci­ais e bons pro­gra­mas de re­cre­a­ção, mas que li­mi­tam o conhecimento com­ple­to do des­ti­no.

Pa­ra quem es­tá com a fa­mí­lia, va­le co­nhe­cer o Aquá­rio e o Mu­seu do Mar no bair­ro de Ro­da­de­ro. O es­pa­ço além de ser uma atra­ção tu­rís­ti­ca guar­da em su­as ins­ta­la­ções 900 exem­pla­res de 100 es­pé­ci­es que po­dem ser vis­tas em 13 tan­ques e 15 aquá­ri­os, mas tam­bém ofe­re­ce aos vi­si­tan­tes a opor­tu­ni­da­de de na­dar com gol­fi­nhos. Nes­te lu­gar, tam­bém é pos­sí­vel ali­men­tar os tu­ba­rões, tar­ta­ru­gas e pei­xes ca­ra­pau. Ou­tra ma­nei­ra de dar uma olha­da na vi­da ma­ri­nha é vi­si­tar o Aquá­rio Mun­do Ma­ri­nho. O lo­cal tam­bém re­a­li­za pes­qui­sa so­bre a fau­na e a flo­ra ma­ri­nha e re­a­li­za um tra­ba­lho pro­fun­do de cons­ci­en­ti­za­ção e pre­ser­va­ção, por meio de pa­les­tras edu­ca­ti­vas pa­ra es­co­las, po­pu­la­ção lo­cal e vi­si­tan­tes de to­do mun­do.

A re­gião de Po­ços Co­lo­ra­dos fi­ca a pou­cos mi­nu­tos de car­ro do ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal Si­món Bo­lí­var e é um con­jun­to de prai­as de areia bran­ca que, por ser uma zo­na fran­ca tu­rís­ti­ca de San­ta Mar­ta, tem ex­pe­ri­men­ta­do um gran­de cres­ci­men­to na cons­tru­ção de ho­téis e resorts que ofe­re­cem

seus ser­vi­ços aos vi­si­tan­tes. Nes­te lu­gar, é pos­sí­vel con­se­guir pro­gra­mas “tu­do in­cluí­do” pa­ra as pes­so­as que vi­a­jam em fa­mí­lia.

A par­tir do fa­mo­so e so­fis­ti­ca­do bair­ro de Ro­da­de­ro, ou­tra atra­ção im­per­dí­vel é dar um pu­lo na fa­mo­sa e bem pre­ser­va­da Praia Bran­ca, que fi­ca ao nor­te da baía de San­ta Mar­ta. É pos­sí­vel che­gar por lá a par­tir das prai­as do Ro­da­de­ro nu­ma viagem de 20 mi­nu­tos em lan­cha. Nes­ta praia, os vi­si­tan­tes po­dem pra­ti­car es­por­tes aquá­ti­cos e en­con­tram di­ver­sas op­ções de co­mi­da, e tam­bém ser­vi­ços de hos­pe­da­gem, aos fi­nais de se­ma­na po­dem par­ti­ci­par de fes­tas a bei­ra da praia, lu­aus e uma de­ze­na de ba­la­das ten­do a mon­ta­nha e o mar do ca­ri­be co­mo ce­ná­rio.

MON­TA­NHAS, FLO­RES­TAS E CUL­TU­RA IN­DÍ­GE­NA

Mas o des­ti­no do nor­te da Colôm­bia não se li­mi­ta so­men­te à praia e sol. Mon­ta­nhas, ca­cho­ei­ras, ma­tas na­ti­vas e pe­que­nas fa­zen­das que pro­du­zem ca­cau e ca­fé tor­nam a re­gião um mo­sai­co de co­res e sa­bo­res in­fi­ni­tos a se­rem ex­plo­ra­dos. Um exem­plo dis­so é vi­si­tar Ma­man­ca­na, uma re­ser­va bi­o­ló­gi­ca e na­tu­ral que pre­ser­va 600 hec­ta­res de flo­res­ta tro­pi­cal se­ca, que fi­ca si­tu­a­da na es­tra­da en­tre a ci­da­de e o ae­ro­por­to Si­món Bo­lí­var. O lo­cal é ide­al pa­ra quem ado­ra es­tar em con­ta­to com a na­tu­re­za. Nes­te lu­gar, além de re­a­li­zar ca­val­ga­das, os vi­si­tan­tes po­dem ob­ser­var aves e pra­ti­car o Bir­ding Wattng – so­men­te na re­gião nor­te da Colôm­bia, on­de es­tá San­ta Mar­ta, exis­tem mais de 650 es­pé­ci­es de pás­sa­ros ca­ta­lo­ga­dos, sen­do mais de 27 de­les en­dê­mi­cos - es­por­tes de aventura en­tre os quais es­tão a es­ca­la­da em ro­cha, o “ca­nopy” (es­por­te pra­ti­ca­da na co­pa das ár­vo­res) e o pa­ra­pen­te.

Ou­tra atra­ção im­per­dí­vel é ex­plo­rar a re­ser­va na­tu­ral de Tai­ro­na­ka, si­tu­a­da no quilô­me­tro 58 da es­tra­da que con­duz à ci­da­de de Ri­oha­cha, on­de é pos­sí­vel re­pa­rar na im­por­tân­cia cul­tu­ral e his­tó­ri­ca da cul­tu­ra Tay­ro­na. Nes­te lu­gar, se con­ser­vam ter­ra­ços res­tau­ra­dos on­de os in­dí­ge­nas cons­truíam su­as ca­sas e um mu­seu ar­que­o­ló­gi­co com ob­je­tos

ori­gi­nais. Pa­ra os Ko­guis, des­cen­den­tes di­re­tos dos Tay­ro­na, a re­gião pos­sui uma gran­de im­por­tân­cia.

A praia de Caña­ve­ral, lo­ca­li­za­da no Par­que Na­ci­o­nal Na­tu­ral Tay­ro­na, ca­rac­te­ri­za-se pe­la sua ve­ge­ta­ção abun­dan­te, em es­pe­ci­al de co­quei­ros. Pos­sui uma área re­ser­va­da pa­ra acam­par, um res­tau­ran­te e con­ta com uma área de hos­pe­da­gem cu­jas uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais cha­ma­das “ecohabs” imi­tam a tí­pi­ca mo­ra­dia in­dí­ge­na e de­sen­vol­vem um sis­te­ma fun­ci­o­nal de ven­ti­la­ção na­tu­ral.

BANHOS TER­MAIS: UMA TERAPIA NA­TU­RAL

A uma dis­tân­cia apro­xi­ma­da de meia ho­ra do cen­tro de San­ta Mar­ta, no mu­ni­cí­pio de Cié­na­ga, há uma área pa­ra banhos ter­mais on­de che­gam cen­te­nas de tu­ris­tas pa­ra re­ce­ber as pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais do se­di­men­to, to­ni­fi­car o cor­po, re­la­xar as ten­sões e es­fo­li­ar a pe­le.

Es­te pon­to é um res­pi­ra­dou­ro do vul­cão To­tu­mo, que es­tá en­tre os de­par­ta­men­tos do Atlân­ti­co e Bo­lí­var. A cra­te­ra foi cri­a­da pelos ga­ses que ema­na­vam da ter­ra, re­ple­ta de la­ma pa­ra ofe­re­cer pro­pri­e­da­des na­tu­rais pa­ra a saú­de da pe­le. Nes­te lo­cal tu­rís­ti­co, há pes­so­as trei­na­das e qua­li­fi­ca­das pa­ra pres­tar ser­vi­ços com­ple­men­ta­res ao ba­nho de la­ma co­mo es­fo­li­a­ção, mas­sa­gens e lim­pe­za de pe­le. Re­co­men­dam-se três imer­sões na água por 10 mi­nu­tos, de­pois ba­nha-se em água fria. Os banhos na la­goa têm tem­pe­ra­tu­ras que va­ri­am en­tre 30 a 45 graus. Há op­ção de banhos e más­ca­ras de la­ma, que são pa­gos a par­te. A la­goa é, na ver­da­de, uma enor­me fon­te de água quen­te de en­xo­fre e ain­da um lu­gar sa­gra­do on­de os ha­bi­tan­tes da Ser­ra Ne­va­da fi­ze­ram seus ri­tos con­tra o mal; águas me­di­ci­nais pa­ra re­la­xar e re­no­var com ele­men­tos e mi­ne­rais re­ju­ve­nes­ce­do­res.

É im­por­tan­te que os tu­ris­tas te­nham em con­ta que as águas do lo­cal são uma fon­te na­tu­ral sem in­ter­ven­ção de obras fí­si­cas, com a pre­sen­ça de flo­res­tas se­cas tro­pi­cais em to­do o seu re­dor. Pa­ra es­te pas­seio, é es­sen­ci­al le­var uma to­a­lha, re­pe­len­te de in­se­tos, rou­pa de ba­nho e rou­pas con­for­tá­veis.

ARACATACA É A TER­RA DE GA­BRI­EL GAR­CIA MARQUEZ

Aracataca é o pe­que­no po­vo­a­do on­de nas­ceu Ga­bri­el Gar­cia Már­quez, No­bel de Li­te­ra­tu­ra em 1982. Num pas­seio pe­la ci­da­de, é pos­sí­vel con­fe­rir to­do o le­ga­do que o po­e­ta dei­xou. A es­ta­ção de trem lo­cal es­tá con­ser­va­da, um dos lu­ga­res em que se ins­pi­rou pa­ra cri­ar a fan­tás­ti­ca e pre­mi­a­da obra “Cem anos de so­li­dão”; e a ca­sa on­de mo­rou, a qual atu­al­men­te fun­ci­o­na co­mo mu­seu on­de es­tão ob­je­tos que per­ten­ci­am ao es­cri­tor e são re­a­li­za­das ati­vi­da­des cul­tu­rais. Mos­tras ar­tís­ti­cas, pa­les­tras, cur­so de es­pe­ci­a­li­za­ção e ofi­ci­nas de ar­te e li­te­ra­tu­ra fa­zem par­te da pro­gra­ma­ção men­sal do es­pa­ço.

Ou­tro lu­gar es­pe­ci­al é a co­mu­ni­da­de de Bon­da, uma pe­que­na al­deia de ori­gem in­dí­ge­na lo­ca­li­za­da nas pro­xi­mi­da­des do rio Man­za­na­res, cu­jas águas ser­vem pa­ra di­ver­tir os vi­si­tan­tes. Uma atra­ção des­te lu­gar é a pedra Do­na­ma, um mo­nó­li­to que me­de 2,5 me­tros de al­tu­ra, e em sua su­per­fí­cie se con­ser­vam vá­ri­os hi­e­ró­gli­fos em bai­xo re­le­vo. Bon­da fi­ca a me­nos de 40 mi­nu­tos da área cen­tral de San­ta Mar­ta, po­de-se tam­bém vi­si­tar vá­ri­as pe­que­nas fa­zen­das que pro­du­zem o ca­cau.

Mui­tas des­sas pro­pri­e­da­des ru­rais ofe­re­cem tam- bém uma más­ca­ra fa­ci­al de cho­co­la­te, que pro­me­te dei­xar a pe­la su­a­ve, re­ti­ran­do o ex­ces­so de ac­nes e gor­du­ras. O pas­seio é bas­tan­te in­te­res­san­te, on­de os vi­si­tan­tes po­dem par­ti­ci­par da co­lhei­ta do fru­to, que ter­mi­na com uma de­gus­ta­ção de cho­co­la­te quen­te na­tu­ral ser­vi­do com bo­lo, uma experiência sen­sa­ci­o­nal. Ou­tras fa­zen­das mos­tram a co­lhei­ta e o cul­ti­vo do ca­fé, tam­bém per­mi­tin­do que os tu­ris­tas em vi­si­tas in­te­ra­jam de ma­nei­ra par­ti­ci­pa­ti­va de to­do o pro­ces­so.

É im­por­tan­te res­sal­tar que, há me­nos de 10 anos, to­da es­sa re­gião era do­mi­na­da por gru­pos de guer­ri­lhas co­mo as Farc que uti­li­za­vam as ter­ras al­tas, fri­as e si­nu­o­sas pa­ra guar­da­rem seus pre­sos po­lí­ti­cos.

Atu­al­men­te, a re­gião vol­tou pa­ra seus pro­pri­e­tá­ri­os e ne­las mais de 100 es­ta­be­le­ci­men­tos de tu­ris­mo ru­ral, cha­ma­das por ali de FINCAS – uma es­pé­cie de pou­sa­da ru­ral - che­gam a em­pre­gar di­re­ta­men­te mais de 2500 pes­so­as.

Uma das pou­sa­das que in­di­ca­mos é a Fin­ca Si­er­ra San­ju­an Ecolodge – que ofe­re­ce um ver­da­dei­ro re­en­con­tro com a na­tu­re­za. O lo­cal é cer­ca­do de ca­cho­ei­ras pa­ra banhos e ofe­re­ce uma cu­li­ná­ria ba­se­a­da nas fru­tas, le­gu­mes e ver­du­ras pro­du­zi­das ali mes­mo, sem uso de agro­tó­xi­cos. A ba­se das re­fei­ções é to­tal­men­te na­tu­ral. Des­de o mel, os quei­jos a man­tei­ga e os pães são pro­du­zi­dos ali mes­mo pe­la fa­mí­lia.

NEVES ETERNAS NUM PAÍS TRO­PI­CAL

Por mais in­crí­vel que pos­sa pa­re­cer, a Colôm­bia pos­sui áre­as de mon­ta­nhas que guar­dam ma­ci­ços com ne­ve eter­na. Os pi­cos “Co­lón” (de Cris­tó­vão Co­lom­bo) e Bo­lí­var fa­zem par­te da área mais al­ta da Ser­ra Ne­va­da de San­ta Mar­ta (com 5.775 e 5.560 me­tros aci­ma do ní­vel do mar, res­pec­ti­va­men­te) e são con­si­de­ra­dos lu­ga­res sa­gra­dos pe­la cul­tu­ra an­ces­tral Tay­ro­na, cu­jos des­cen­den­tes são res­pon­sá­veis por cui­dar do equi­lí­brio am­bi­en­tal des­ta área. Es­te des­ti­no é re­co­nhe­ci­do co­mo re­ser­va da Bi­os­fe­ra. Vo­cê acha que aca­bou? Não, se en­ga­nou! In­do ru­mo ao sul, o tu­ris­ta vai en­con­trar uma das re­giões mais be­las e úni­cas das Amé­ri­cas. Ro­dan­do pou­co mais de uma ho­ra em car­ro, e qua­se du­as em bar­co rá­pi­do a Cié­na­ga Gran­de de San­ta Mar­ta, é um dos mai­o­res es­tuá­ri­os do mun­do.

Fa­zem par­te des­se ecos­sis­te­ma o Par­que Na­ci­o­nal da Ilha de Sa­la­man­ca e o San­tuá­rio da Flo­ra e Fau­na, de­cla­ra­dos Re­ser­va Na­tu­ral da Bi­os­fe­ra. Bem no in­te­ri­or da Cié­na­da Gran­de, o vi­si­tan­te se de­pa­ra com um in­só­li­to es­pe­tá­cu­lo dos po­vo­a­dos de pa­la­fi­tas - um con­jun­to de pe­que­nas ca­sas en­cra­va­das nas águas do es­tuá­rio que os pes­ca­do­res cons­truí­ram pa­ra per­noi­tar du­ran­te su­as pe­que­nas e rá­pi­das vi­a­gens de pes­ca no prin­cí­pio do séc. XX.

De lá pra cá, sur­giu a co­lo­ri­da ci­da­de­zi­nha de No­va Ve­ne­za, co­nhe­ci­da mun­di­al­men­te co­mo “Gre­en Fi­re”, gra­ças ao fil­me pro­ta­go­ni­za­do, no ano de 1954, por Gracy Kelly e Stewa­trt Gran­ger. Num la­bi­rin­to de es­trei­tas es­tra­das náu­ti­cas, em- bar­ca­ções cru­zam mais de qua­tro de­ze­nas de la­bi­rin­tos pa­ra che­gar ao an­co­ra­dou­ro cen­tral, que abri­ga uma igre­ja, uma es­co­la, uma qua­dra de es­por­tes e um co­mér­cio com pou­co mais de meia dú­zia de pe­que­ni­nos ar­ma­zéns, que ven­dem de bo­la­chas a água mi­ne­ral, de gás de co­zi­nha a óleo de so­ja, além de al­guns ce­re­ais pa­ra o abas­te­ci­men­to da po­pu­la­ção lo­cal.

Aqui, po­de­mos di­zer que se for­mou a pri­mei­ra po­pu­la­ção de ho­mem an­fí­bio do mun­do. A ci­da­de de No­va Ve­ne­za foi de­cla­ra­da pa­trimô­nio da hu­ma­ni­da­de e ho­je, além da pes­ca, o pe­que­no vilarejo la­cus­tre vi­ve re­ce­ben­do gru­pos de tu­ris­tas que ten­tam en­ten­der e es­tu­dar a adap­ta­ção de uma po­pu­la­ção de cer­ca de 2.500 pes­so­as, e pou­co mais de 350 fa­mí­li­as que ado­ta­ram es­se mo­do de vi­da.

Iso­la­dos, sem água po­tá­vel e com um pe­que­no ge­ra­dor que fun­ci­o­na das 18 ho­ras às 5 da ma­nhã, fa­zem qua­se tu­do. Em su­as ca­sas cri­am ga­li­nhas e por­cos, cul­ti­vam pe­que­nas hor­tas e cri­am seus fi­lhos pa­ra um dia, quem sa­be, cres­ce­rem em ter­ra fir­me!

Es­sa é San­ta Mar­ta, a ca­pi­tal de Mag­da­le­na, um pa­raí­so co­lom­bi­a­no que tem prai­as, ser­ras, po­pu­la­ção in­dí­ge­na, flo­res­tas e até o ho­mem an­fí­bio que aguar­da por sua vi­si­ta. Re­al­men­te um des­ti­no di­fe­ren­te úni­co e ex­clu­si­vo que dig­ni­fi­ca uma ex­pres­são: Sa­bro­su­ra.

A Sa­bro­su­ra não tem um sig­ni­fi­ca­do úni­co, é uma ex­pres­são que de­fi­ne ale­gria, pai­xão, pai­sa­gens ir­re­sis­tí­veis, cul­tu­ra, sa­bo­res in­ten­sos. Na ver­da­de, é a von­ta­de de can­tar, res­pi­rar fun­do, dan­çar e sen­tir o co­ra­ção ba­ter ca­da vez mais for­te. Sa­bro­su­ra é Colôm­bia!

À es­quer­da a bela praia de Tay­ro­na, abai­xo a Quin­ta de San Pe­dro Ale­jan­dri­no, e à di­rei­ta o in­te­ri­or da Ba­sí­li­ca de San­ta Mar­ta

A praia de Ro­da­dei­ro, ao la­do, é o pon­to de par­ti­da pa­ra ou­tra fai­xa de areia fa­mo­sa, a praia Bran­ca.

No cen­tro, a Re­ser­va Na­tu­ral de Tai­ro­na­ka, que le­va até Ri­oha­cha, on­de há gran­de pre­ser­va­ção da cul­tu­ra Tay­ro­na. Abai­xo, os banhos ter­mais de Ci­e­ná­ga, a cer­ca de meia ho­ra de San­ta Mar­ta.

O Mu­seu Gar­bri­el Gar­cia Mar­ques fi­ca na ca­sa on­de o es­cri­tor mo­rou em sua ci­da­de na­tal, Aracataca

Os pi­cos Co­lón são con­si­de­ra­dos lu­ga­res sa­gra­dos pe­la cul­tu­ra Tay­ro­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.