CI­DA­DE DO MÉXICO

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Cláu­dio La­cer­da Oli­va

São mui­tas atra­ções, lu­ga­res pa­ra vi­si­tar, uma me­tró­po­le cheia de co­res, sa­bo­res, his­tó­ri­as e be­le­zas.

A pa­la­vra México é uma tra­du­ção e uma sim­pli­fi­ca­ção de Metz­tli­xih­tli­co, o no­me com o qual os as­te­cas cha­ma­vam a ca­pi­tal. O sig­ni­fi­ca­do é “o cen­tro da lua”, pois metz­tli é lua, xic­tli é cen­tro e co é lu­gar. Ale­gre, vi­bran­te e co­lo­ri­da, ela é um dos des­ti­nos cul­tu­ral­men­te mais ri­cos e in­te­res­san­tes do mun­do. Com uma mis­tu­ra sin­gu­lar de cons­tru­ções pri­mi­ti­vas e con­tem­po­râ­ne­as, é uma das mai­o­res me­tró­po­les do pla­ne­ta.

Aci­da­de mais po­pu­lo­sa da Amé­ri­ca do Nor­te e do México, a ca­pi­tal me­xi­ca­na é cheia de co­res, sa­bo­res, his­tó­ri­as e be­le­zas. An­ti­ga se­de do Im­pé­rio As­te­ca, é ho­je uma me­tró­po­le que guar­da o me­lhor do pas­sa­do en­tre ar­ra­nha-céus e mui­tas ave­ni­das.

São mui­tas atra­ções pa­ra co­nhe­cer, lu­ga­res pa­ra vi­si­tar e co­mi­das de­li­ci­o­sas pa­ra pro­var, já que a ci­da­de é re­al­men­te enor­me, é ne­ces­sá­rio fa­zer um ro­tei­ro com o que é mais atra­en­te e in­te­res­san­te.

O Cen­tro His­tó­ri­co

Não tem co­mo co­me­çar uma viagem à Ci­da­de do México sem pri­mei­ro co­nhe­cer seu Cen­tro His­tó­ri­co. Seu pon­to cen­tral é o Zó­ca­lo ou Pra­ça da Cons­ti­tui­ción, a ter­cei­ra mai­or do mun­do. Lo­ca­li­za­da no co­ra­ção da ci­da­de, é ali que se con­cen­tram a se­de dos po­de­res econô­mi­cos, po­lí­ti­cos e re­li­gi­o­sos do país, além de ser o pon­to de en­con­tro pa­ra a mai­o­ria das ce­le­bra­ções e ma­ni­fes­ta­ções na ca­pi­tal.

Tam­bém era em Zó­ca­lo que se con­cen­tra­va o cen­tro po­lí­ti­co e re­li­gi­o­so de Te­no­ch­ti­tlán, a ca­pi­tal do Im­pé­rio As­te­ca, que ho­je é a Ci­da­de do México.

A área his­tó­ri­ca en­glo­ba ain­da im­por­tan­tes edi­fi­ca­ções co­mo a Ca­te­dral Me­tro­po­li­ta­na, o Pa­lá­cio Na­ci­o­nal do México, o Pa­lá­cio dos Cor­rei­os, o Tem­plo Mayor e o Pa­lá­cio de Be­las Ar­tes.

Des­co­ber­to em 1978, du­ran­te os tra­ba­lhos de es­ca­va­ção do me­trô, o Tem­plo Mayor é um au­tên­ti­co tem­plo as­te­ca lo­ca­li­za­do no meio da ci­da­de. Fá­cil de che­gar, lo­ca­li­za­do na re­gião do Zó­ca­lo, ele faz par­te da an­ti­ga ci­da­de de Te­no­ch­ti­tlán, que foi a ca­pi­tal do Im­pé­rio As­te­ca até a che­ga­da dos co­lo­ni­za­do­res es­pa­nhóis. Ao la­do do tem­plo é pos­sí­vel vi­si­tar tam­bém o Mu­seu del Tem­plo Mayor, que guar­da di­ver­sas re­lí­qui­as en­con­tra­das du­ran­te as es­ca­va­ções. O mu­seu abre de ter­ça a do­min­go, das 9h às 17h.

Um ou­tro in­te­res­san­te pas­seio é ex­plo­rar o ma­jes­to­so edi­fí­cio de es­ti­lo Art Nou­ve­au em már­mo­re bran­co de Car­ra­ra, a mai­or ca­sa de ópe­ra do país. Cons­truí­do ini­ci­al­men­te pa­ra co­me­mo­rar o cen­te­ná­rio da in­de­pen­dên­cia me­xi­ca­na, o Pa­lá­cio de Be­las Ar­tes tem uma agen­da cul­tu­ral in­ten­sa, com apre­sen­ta­ções de ópe­ra, te­a­tro, dra­ma­tur­gia e dan­ça.

O es­pa­ço abri­ga dois mu­seus: o Mu­seu del Pa­la­cio de Bel­las Ar­tes, lo­ca­li­za­do no se­gun­do e ter­cei­ro an­da­res, que abri­ga obras de ar­tis­tas na­ci­o­nais e ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as, e o Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­qui­te­tu­ra. Na sa­la prin­ci­pal, é im­pos­sí­vel não no­tar o imen­so te­lão de cris­tal da Ca­sa Tif­fany, de No­va York.

Bem pró­xi­mo ao Pa­lá­cio es­tá a Tor­re La­ti­no-ame­ri­ca­na, que da­ta cons­tru­ção de me­a­dos do sé­cu­lo XX, sen­do o pri­mei­ro ar­ra­nha-céu da Ci­da­de do México. Com mais de 180 me­tros de al­tu­ra, a cons­tru­ção es­tá lo­ca­li­za­da em uma zo­na sís­mi­ca com al­ta ati­vi­da­de. Em um tour his­tó­ri­co pe­la Ci­da­de do México, o Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia res­ga­ta o pas­sa­do da ri­ca ci­vi­li­za­ção pré-co­lom­bi­a­na que ha­bi­tou a Amé­ri­ca do Nor­te – os mai­as e os as­te­cas são ape­nas dois des­ses po­vos. Vi­si­ta­do anu­al­men­te por mi­lha­res de tu­ris­tas

de to­do o mun­do, es­se po­de ser con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais mu­seus das Amé­ri­cas.

A Ca­te­dral da ca­pi­tal me­xi­ca­na é a prin­ci­pal da ci­da­de e uma das mais an­ti­gas do con­ti­nen­te, sen­do um dos sím­bo­los do do­mí­nio es­pa­nhol, que foi cons­truí­do pa­ra so­bre­pu­jar-se em re­la­ção aos tem­plos as­te­cas. Fo­ram mais de 200 anos pa­ra que a igre­ja fi­cas­se pron­ta, en­tão é pos­sí­vel en­con­trar di­ver­sos es­ti­los ar­qui­tetô­ni­cos, co­mo o bar­ro­co, re­nas­cen­tis­ta, ne­o­clás­si­co e ou­tros. A en­tra­da é gra­tui­ta, mas va­le lem­brar que é um lo­cal sa­gra­do, en­tão é re­co­men­dá­vel não usar shorts cur­tos, de­co­tes, bo­nés e cha­péus. E cla­ro, na­da de fo­tos com flash.

O san­tuá­rio de Nos­sa Se­nho­ra de Gu­a­da­lu­pe é con­si­de­ra­do um dos mai­o­res tem­plos ca­tó­li­cos do mun­do. O lo­cal abri­ga di­ver­sas igre­jas e ca­pe­las, in­cluin­do a an­ti­ga ba­sí­li­ca, fi­na­li­za­da no ano de 1709, e a no­va, da dé­ca­da de 1970. Há tam­bém um mu­seu, com um gran­de acer­vo de re­lí­qui­as cul­tu­rais e ar­tís­ti­cas da Vir­gem de Gu­a­da­lu­pe. As vi­si­tas gui­a­das são diá­ri­as e gra­tui­tas e de­vem ser agen­da­das pre­vi­a­men­te. A du­ra­ção do ro­tei­ro é de 1h30.

Mu­seus e sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos

Lo­ca­li­za­dos no sul da ca­pi­tal, os ca­nais de Xo­chi­mil­co reú­nem, aos fi­nais de se­ma­na e fe­ri­a­dos, uma gran­de quan­ti­da­de de tu­ris­tas e tam­bém me­xi­ca­nos que le­vam su­as fa­mí­li­as pa­ra con­fra­ter­ni­zar ou sim­ples­men­te apro­vei­tar o dia. Pa­ra co­me­çar o pas­seio é só alu­gar uma das “tra­ji­ne­ras”, es­pé­cie de bar­qui­nhos co­lo­ri­dos e ador­na­dos com ca­pa­ci­da­de pa­ra cer­ca de 20 pes­so­as. Ao lon­go do per­cur­so, que po­de ter du­ra­ção de uma ho­ra ou o dia in­tei­ro, o vi­a­jan­te po­de ex­pe­ri­men­tar a cu­li­ná­ria lo­cal, com­prar sou­ve­ni­res e até flo­res dos ven­de­do­res flu­tu­an­tes. Pa­ra o pas­seio ficar ain­da mais di­ver­ti­do, é pos­sí­vel con­tra­tar uma apre­sen­ta­ção de ma­ri­a­chis ou con­ta­ção de his­tó­ri­as. Xo­chi­mil­co foi de­cla­ra­do, em 1987, Pa­trimô­nio Cul­tu­ral da Hu­ma­ni­da­de pe­la UNES­CO.

Co­nhe­ci­do po­pu­lar­men­te co­mo “Ca­sa Azul”, é um dos mu­seus mais po­pu­la­res da ca­pi­tal me­xi­ca­na, com cer­ca de 25 mil vi­si­tan­tes ao mês. Lo­ca­li­za­do em Coyo­cán, um dos mais be­los e an­ti­gos bair­ros da ci­da­de, o mu­seu foi a ca­sa on­de nas­ceu, vi­veu e mor­reu Fri­da Kah­lo, a mais im­por­tan­te ar­tis­ta plás­ti­ca do país. O mu­seu-ca­sa re­ve­la ao vi­si­tan­te to­do o uni­ver­so ín­ti­mo e a per­so­na­li­da­de de Fri­da, por meio de um com­ple­to acer­vo de fo­tos, obras, au­tor­re­tra­tos e ob­je­tos pes­so­ais.

A po­lí­ti­ca e a cul­tu­ra do país tem no Zó­ca­lo (à esq.) o pal­co de ma­ni­fes­ta­ções. À di­rei­ta, o Pa­lá­cio de Be­las Ar­tes é pas­seio cul­tu­ral im­per­dí­vel. Já a di­ver­si­da­de da for­ma­ção do po­vo me­xi­ca­no é con­ta­da no im­po­nen­te Mu­seu Na­ci­o­nal (abai­xo).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.