ADIS ABE­BA

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Ro­ber­to Maia

Mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra o país, é o úni­co da Áfri­ca que nun­ca foi co­lo­ni­za­do pe­las po­tên­ci­as eu­ro­pei­as dos sé­cu­los 19 e 20.

Mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra os etío­pes, o país é o úni­co da Áfri­ca que nun­ca foi co­lo­ni­za­do pe­las po­tên­ci­as eu­ro­pei­as dos sé­cu­los 19 e 20. Tam­bém é con­si­de­ra­do o ber­ço da hu­ma­ni­da­de, se­gun­do es­tu­dos ar­que­o­ló­gi­cos que ga­ran­tem que a ori­gem da es­pé­cie ho­mo sa­pi­ens é ori­gi­ná­ria de lá. Cos­mo­po­li­ta, a ca­pi­tal reú­ne es­sa ri­ca his­tó­ria de lu­tas pe­la li­ber­da­de

Com a am­pli­a­ção dos vo­os da Ethi­o­pi­an Air­li­nes, com­pa­nhia aé­rea etío­pe que têm Adis Abe­ba co­mo prin­ci­pal hub de co­ne­xão, a ca­pi­tal da Etió­pia pas­sa a ser in­te­res­san­te op­ção an­tes ou de­pois do des­ti­no fi­nal da viagem. Foi o que acon­te­ceu co­mi­go no fi­nal de 2017, quan­do, vol­tan­do da Ín­dia, re­sol­vi apro­vei­tar o sto­po­ver da aé­rea pa­ra ficar dois di­as no des­ti­no – tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra co­nhe­cer os prin­ci­pais pon­tos de atra­ção.

Prin­ci­pal ci­da­de do país e se­de das União das Na­ções Afri­ca­nas, Adis - co­mo é ca­ri­nho­sa­men­te cha­ma­da pelos lo­cais – sig­ni­fi­ca “no­va flor” no com­ple­xo idi­o­ma Amá­ri­co e tem mui­to a ofe­re­cer aos vi­si­tan­tes. Mas não se im­pres­si­o­ne com a con­fu­são ve­ri­fi­ca­da no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal Bo­le – o quin­to mais mo­vi­men­ta­do da Áfri­ca com flu­xo de 19 mi­lhões de pas­sa­gei­ros por ano -, atu­al­men­te pas­san­do por pro­ces­so de am­pli­a­ção e re­vi­ta­li­za­ção, que in­clui­rá a cons­tru­ção de um hotel de lu­xo. Ten­te não se es­tres­sar com a con­fu­são – agra­va­da pe­lo há­bi­to lo­cal de não res­pei­ta­rem fi­las. Mas com cal­ma e pa­ci­ên­cia tu­do aca­ba dan­do cer­to.

Ao sair do ae­ro­por­to já é vi­sí­vel o mo­men­to de pu­jan- ça vi­vi­do pe­la ci­da­de, que vem re­ce­ben­do in­ves­ti­men­to de paí­ses es­tran­gei­ros. Adis Abe­ba tem ave­ni­das lar­gas, um trân­si­to con­fu­so, mui­tos pré­di­os es­tão em cons­tru­ção e uma in­fi­ni­da­de de guin­das­tes são vi­su­a­li­za­dos no ho­ri­zon­te. Um con­tras­te doí­do quan­do per­ce­be­mos o gran­de nú­me­ro de pes­so­as po­bres que vi­ve por lá. A de­si­gual­da­de so­ci­al é gri­tan­te, al­go que nós bra­si­lei­ros es­ta­mos acos­tu­ma­dos a ver tam­bém em nos­so país.

O pro­gres­so e ex­pan­são da ca­pi­tal etío­pe dei­xa no pas­sa­do um tris­te mo­men­to vi­vi­do pe­lo país na dé­ca­da de 1990, quan­do a po­pu­la­ção foi cas­ti­ga­da pe­la mi­sé­ria e fo­me cau­sa­da pe­la se­ca e pe­la guer­ra ci­vil en­tre o go­ver­no e re­bel­des se­pa­ra­tis­tas da pro­vín­cia da Eri­treia. Cer­ca de um mi­lhão de pes­so­as mor­re­ram. Mas ho­je os tem­pos são ou­tros e, acre­di­te, a Etió­pia – e Adis - têm mui­to a ofe­re­cer aos seus vi­si­tan­tes.

Lo­go no iní­cio do tour pe­la ci­da­de sal­ta aos olhos as di­fe­ren­ças nas ves­ti­men­tas de ho­mens e mu­lhe­res. En­quan­to elas usam rou­pas e véus co­lo­ri­dos, eles pre­fe­rem a so­bri­e­da­de dos tra­jes mais so­ci­ais e até pa­le­tós e gra­va­tas. O tem­po foi cur­to, mas foi pos­sí­vel co­nhe­cer os prin­ci­pais atra­ti­vos de Adis Abe­ba.

MON­TE EN­TO­TO

Lo­ca­li­za­do no dis­tri­to vi­zi­nho de Oro­mia, é o pon­to mais al­to de on­de é pos­sí­vel apre­ci­ar uma lin­da vis­ta pa­no­râ­mi­ca da ca­pi­tal etío­pe, prin­ci­pal­men­te ao en­tar­de­cer. Es­tá a 3,2 mil me­tros de al­ti­tu­de em re­la­ção ao ní­vel do mar. Eu­ca­lip­tos im­por­ta­dos da Aus­trá­lia co­brem e em­be­le­zam as en­cos­tas. Lá no al­to es­tão a igre­ja de San­ta Ma­ria e a an­ti­ga mo­ra­dia de Me­ne­lik II – co­ro­a­do em 1882. A igre­ja em for­ma oc­to­go­nal abri­ga um pe­que­no mu­seu com ob­je­tos pes­so­ais do im­pe­ra­dor e sua es­po­sa.

MU­SEU NA­CI­O­NAL

É o prin­ci­pal mu­seu do país so­bre a ar­que­o­lo­gia, pa­le­on­to­lo­gia, his­tó­ria etío­pe, et­no­gra­fia, ar­te e cul­tu­ra - an­ti­gas e con­tem­po­râ­ne­as. Lo­ca­li­za­do pró­xi­mo à Uni­ver­si­da­de de Adis Abe­ba, guar­da obras de ar­tis­tas lo­cais, pe­ças ar­que­o­ló­gi­cas e da an­ti­ga re­a­le­za. O lo­cal é a atu­al re­si­dên­cia da fa­mo­sa Lucy - es­que­le­to fos­si­li­za­do de uma mu­lher (aus­tra­lo­pi­te­cos) en­con­tra­do no Va­le Awash, em 1974. Se­gun­do es­ti­ma­ti­vas ela te­ria vi­vi­do há cer­ca de 3,2 mi­lhões de anos. Ga­nhou es­se no­me em ho­me­na­gem à mú­si­ca Lucy in

The Sky of Di­a­monds dos Be­a­tles, que era can­ta­da pelos ar­queó­lo­gos fe­li­zes por te­rem en­con­tra­do ves­tí­gi­os de ci­vi­li­za­ção.

CA­TE­DRAL DA SANTÍSSIMA TRINDADE

A mais bela de to­das as igre­jas da ci­da­de tem al­to sig­ni­fi­ca­do his­tó­ri­co pa­ra o país. Foi cons­truí­da em 1941 em co­me­mo­ra­ção à li­ber­ta­ção da Etió­pia da in­va­são ita­li­a­na. Lá es­tão as tum­bas dos prin­ci­pais he­róis da na­ção co­mo do im­pe­ra­dor Hai­le Se­las­sie e da im­pe­ra­triz Me­nen. O edi­fí­cio com ar­cos cha­ma a aten­ção, prin­ci­pal­men­te por cau­sa da sua tor­re do si­no e dos pi­ná­cu­los. An­tes de en­trar é pre­ci­so dei­xar os sa­pa­tos do la­do de fo­ra. Apre­sen­ta lin­dos vi­trais, ex­ten­sos mu­rais e uma gran­de co­le­ção de cru­zes, além da ca­ma do quar­to im­pe­ra­dor. Ti­ve a sor­te de vi­si­tar a igre­ja no mo­men­to em que acon­te­cia um ca­sa­men­to. A ce­rimô­nia mui­to di­fe­ren­te do que es­ta­mos acos­tu­ma­dos a ver no Bra­sil.

CA­TE­DRAL DE SÃO JOR­GE

Lo­ca­li­za­da em fren­te à Pra­ça Me­ne­lik II, es­sa igre­ja or­to­do­xa é co­nhe­ci­da pe­la sua dis­tin­ta for­ma oc­to­go­nal. Foi cons­truí­da em 1896 por pri­si­o­nei­ros de guer­ra ita­li­a­nos der­ro­ta­dos na Ba­ta­lha de Adwa. Co­mo ou­tras igre­jas etío­pes, ela guar­da a Ta­bot – uma es­pé­cie de ar­ca que abri­ga ré­pli­cas das tá­bu­as em que os dez man­da­men­tos bí­bli­cos fo­ram ins­cri­tos. Du­ran­te a guer­ra, em 1937, ela foi des­truí­da e in­cen­di­a­da. Após a li­ber­ta­ção, em 1941, foi res­tau­ra­da. Tam­bém é co­nhe­ci­da co­mo Igre­ja da Co­ro­a­ção por­que, em 1917, a im­pe­ra­triz Zew­di­tu foi co­ro­a­da lá, bem co­mo o im­pe­ra­dor Se­las­sie em 1930. No in­te­ri­or da ca­te­dral há um mu­seu que guar­da um tro­no im­pe­ri­al em ex­po­si­ção, além de ar­ma­men­tos uti­li­za­dos nas gu­er­ras con­tra os ita­li­a­nos.

MER­CA­TO

Não ten­te vi­si­ta-lo sem a com­pa­nhia de um guia lo­cal. O lu­gar é um ver­da­dei­ro e gi­gan­tes­co la­bi­rin­to que abri­ga um ema­ra­nha­do de bar­ra­qui­nhas, lo­ji­nhas e gal­pões on­de se ven­de de tu­do. Não à toa é con­si­de­ra­do o mai­or mer­ca­do ao ar li­vre da Áfri­ca. Tam­bém é cha­ma­do de Ad­dis Ke­te­ma, que sig­ni­fi­ca Ci­da­de No­va. O sá­ba­do pe­la ma­nhã é o mo­men­to de mai­or mo­vi­men­to, atrain­do cer­ca de 50 mil com­pra­do­res e ven­de­do­res.

“RED TERROR” MARTYRS MEMORIAL MU­SEUM

Inau­gu­ra­do em 2010, pres­ta ho­me­na­gem à me­mó­ria das ví­ti­mas do cha­ma­do “Terror Ver­me­lho” – pe­río­do en­tre 1977 e 1978, quan­do a jun­ta mi­li­tar do go­ver­no de Men­gis­tu Hai­le Ma­ri­am se opôs vi­o­len­ta­men­te con­tra os opo­si­to­res do re­gi­me. Além da ex­po­si­ção, o mu­seu tam­bém re­a­li­za pes­qui­sa his­tó­ri­ca pa­ra iden­ti­fi­car os res­tos mor­tais en­con­tra­dos em va­las co­muns. Há vi­si­tas gra­tui­tas com gui­as fa­lan­do in­glês, sen­do que al­guns de­les fo­ram pri­si­o­nei­ros po­lí­ti­cos que so­bre­vi­ve­ram.

MU­SEU ET­NO­GRÁ­FI­CO

Den­tro do cam­pus da Uni­ver­si­da­de de Adis Abe­ba, es­tá em um an­ti­go pa­lá­cio do im­pe­ra­dor Se­las­sie. Seu acer­vo de 13 mil itens in­clui uten­sí­li­os do­més­ti­cos e ou­tros ma­te­ri­ais uti­li­za­dos por et­ni­as etío­pes. Os apo­sen­tos do ca­sal im­pe­ri­al es­tão aber­tos à vi­si­ta­ção.

MU­SEU DE ADIS ABE­BA

Ins­ta­la­do em uma an­ti­ga re­si­dên­cia re­al, guar­da im­por­tan­te co­le­ção de rou­pas de ce­ri­mo­ni­ais an­ti­gos, do­cu­men­tos, fo­tos e ar­te­fa­tos. En­fo­ca a his­tó­ria ar­qui­tetô­ni­ca da ca­pi­tal, as­sim co­mo a sua vi­da so­ci­al, cul­tu­ral e po­lí­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.