BAI­LES DE VIENA

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Ca­ro­li­na Maia

Mú­si­ca, dan­ça, lu­xo e mui­to gla­mour dão o tom anu­al­men­te na ca­pi­tal da Áus­tria, uma ci­da­de com au­ra im­pe­ri­al.

Em uma ci­da­de com au­ra im­pe­ri­al, mú­si­ca, dan­ça, sun­tu­o­sos es­pa­ços e de­co­ra­ções, da­mas em ves­ti­dos ela­bo­ra­dos, se­nho­res igual­men­te ele­gan­tes e mui­to gla­mour dão anu­al­men­te o tom dos ba­da­la­dos bai­les vi­e­nen­ses. Tu­do pa­ra ga­ran­tir uma noi­te dig­na das pá­gi­nas de um li­vro in­fan­til, que me­xe com nos­so ima­gi­ná­rio e se tor­na ines­que­cí­vel!

To­do con­to de fa­das que se pre­ze co­me­ça com a fa­mo­sa fra­se que dá tí­tu­lo à es­ta ma­té­ria. E, co­mo em tais his­tó­ri­as, pos­so di­zer que por um dia ti­ve a opor­tu­ni­da­de de me sen­tir co­mo uma ver­da­dei­ra prin­ce­sa. Que mes­mo que sem o: “fe­li­zes pa­ra sem­pre” ao fi­nal, ren­deu uma experiência de viagem que me mar­cou de di­fe­ren­tes for­mas. Já adi­an­to que se tra­ta de al­go que va­le en­ca­rar ao me­nos uma vez na vi­da, e não im­por­ta se vo­cê sa­be dan­çar ou não. Pois tu­do se re­su­me a uma noi­te de di­ver­são ines­que­cí­vel!

Coi­sa do des­ti­no, ou não, qua­se 5 anos que eu ha­via vi­si­ta­do a ca­pi­tal aus­tría­ca a pri­mei­ra vez re­ce­bi o con­vi­te pa­ra vol­tar. Po­rém, des­sa vez te­ria ou­tra vi­são, e não so­men­te por ser du­ran­te o in­ver­no. Mas por­que o mo­te da viagem não era sim­ples­men­te apro­vei­tar tu­do que o des­ti­no tem a ofe­re­cer. A ideia era par­ti­ci­par de um bai­le vi­e­nen­se.

E com to­da a pom­pa que ele ga­ran­te, ou se­ja, com di­rei­to a ves­ti­do, ca­be­lo e ma­qui­a­gem. E, pas­mem, au­la de dan­ça e car­ru­a­gem! Es­tá bom pa­ra vo­cê? Mu­lhe­ra­da vai en­ten­der o sen­ti­men­to. Mas não vá pen­san­do que é al­go es­pe­ci­al so­men­te pa­ra o pú­bli­co fe­mi­ni­no não.

A ra­pa­zi­a­da tam­bém en­tra na on­da, cla­ro, que com me­nos fi­ru­las, por as­sim di­zer. Pois va­mos com­bi­nar que, pa­ra vo­cês ho­mens, é mui­to mais fá­cil e sim­ples es­co­lher um tra­je de ga­la que pa­ra nós mu­lhe­res. Bem co­mo se pre­pa­rar pa­ra qual­quer even­to que se­ja.

A tra­di­ção é an­ti­ga, vem des­de 1814. Ou se­ja, por mais de dois sé­cu­los Viena tem si­do a ca­pi­tal in­con­tes­tá­vel dos bai­les. É coi­sa sé­ria mes­mo! E que não per­deu a es­sên­cia mes­mo com o pas­sar do tem­po. E tem vá­ri­as op­ções já que, anu­al­men­te, a ci­da­de aco­lhe cer­ca de 450 even­tos. Dos mais tra­di­ci­o­nais e ele­gan­tes a fes­tas pa­ra lá de car­na­va­les­cas.

Mas não im­por­ta o ti­po, os pas­sos clás­si­cos da val­sa vi­e­nen­se man­têm seu ri­gor. Po­rém, ga­ran­tin­do uma mis­tu­ra úni­ca de an­ti­gas tra­di­ções aus­tría­cas e mag­ní­fi­co ce­ri­mo­ni­al da cor­te. E, ape­sar de ter ré­pli­cas por mais de 30 ci­da­des pe­lo mun­do, na­da su­pe­ra o ori­gi­nal – o ro­man­ce e o char­me de Viena co­lo­cam sua tem­po­ra­da de bai­les no to­po sem­pre.

A tem­po­ra­da co­me­ça em 11 de no­vem­bro, que é o iní­cio do Fas­ching (o car­na­val aus­tría­co). Nes­te dia, dan­ça­ri­nos lo­tam a Gra­ben, rua co­mer­ci­al na ci­da­de ve­lha, pa­ra bai­lar a val­sa em um es­pe­tá­cu­lo li­de­ra­do pe­las prin­ci­pais ins­ti­tui­ções de dan­ça da ci­da­de. A pro­gra­ma­ção se­gue até além da pri­ma­ve­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.