Colôm­bia

Qual Viagem - - SUPERDICA - vi­a­jan­do­com­ga­bi vi­a­jan­do­com­ga­bi fa­ce­bo­ok.com/vi­a­jan­do­com­ga­bi vi­a­jan­do­com­ga­bi.com Por Ga­bri­e­la Val­ver­de Ca­rim­ban­do o pas­sa­por­te e co­le­ci­o­nan­do bo­as me­mó­ri­as sem­pre que pos­sí­vel. Vem co­mi­go! vi­a­jan­do­com­ga­bi

EL ACUARIO

San An­drés, Pro­vi­dên­cia e San­ta Ca­ta­li­na fa­zem par­te de um dos ar­qui­pé­la­gos mais bo­ni­tos que já vi­si­tei. Há vo­os diá­ri­os de vá­ri­as ci­da­des co­lom­bi­a­nas e tam­bém do Bra­sil. Pa­ra en­tar em San An­drés é pre­ci­so pa­gar uma ta­xa tu­rís­ti­ca de 109 mil pe­sos co­lom­bi­a­nos (cer­ca de R$ 152). E lá vo­cê vai en­con­trar as águas ca­ri­be­nhas mais tur­que­sas da Colôm­bia. Re­co­men­do de 7 a 10 di­as pa­ra co­nhe­cer as três ilhas e a viagem po­de ser com­bi­na­da com Car­ta­ge­na e Bo­go­tá, por exem­plo.

SAN AN­DRÉS

Dois pas­sei­os que eu re­co­men­do são a vol­ta à ilha e Johnny Cay + El Acuario. Du­ran­te a vol­ta à ilha, os prin­ci­pais pon­tos são: West Vi­ew com os fa­mo­sos tram­po­lim e to­bo­gã (fo­to aci­ma), La Pis­ci­ni­ta, Hoyo So­pla­dor, Playa San Luis e Rocky Cay. Po­de ser fei­ta com mo­to ou em car­ri­nhos de gol­fe ou Mu­le. Não pre­ci­sa da car­tei­ra de mo­to­ris­ta, mas é bom ter experiência.

PRO­VI­DÊN­CIA

Mi­nha ilha pre­fe­ri­da! Três noi­tes já dá pra ter um gos­ti­nho do que é es­se pa­raí­so. Re­co­men­do alu­gar uma sco­o­ter pa­ra co­nhe­cer as prai­as. Me­lhor se hos­pe­dar na Baía de Água Dul­ce, on­de o sol se põe com aque­la vis­ta lin­da. Pas­seio im­per­dí­vel? Cayo Can­gre­jo, sem dú­vi­da! A água mais cris­ta­li­na que vi na Colôm­bia. Bar­cos par­tem do hotel De­ep Blue. E não dei­xem de su­bir até o mi­ran­te pa­ra ter uma vis­ta de do­er os olhos.

SAN­TA CA­TA­LI­NA

Es­sa ilha es­tá li­ga­da à Pro­vi­dên­cia por uma pon­te de pe­des­tres e ofe­re­ce vis­tas exu­be­ran­tes. Da pa­ra dor­mir lá, mas per­noi­tan­do em Pro­vi­dên­cia vo­cê po­de pas­sar o dia fa­zen­do a tri­lha até a Ca­be­ça de Mor­gan (fá­cil), fa­mo­so pi­ra­ta que, se­gun­do uma len­da, es­con­deu te­sou­ros no lo­cal. Tal­vez ele es­ti­ves­se se re­fe­rin­do as prai­as ma­ra­vi­lho­sas e ao vi­su­al no fim da tri­lha. Va­le pa­ra fe­char a trip com cha­ve de ou­ro! Va­le ou não va­le a pe­na?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.