AU­RA IM­PE­RI­AL

Qual Viagem - - ÁUSTRIA -

E a ci­da­de é o ce­ná­rio per­fei­to pa­ra um con­to de fa­das da vi­da re­al, afi­nal de con­tas es­ta­mos fa­lan­do de um des­ti­no com au­ra im­pe­ri­al, com be­las pai­sa­gens e sun­tu­o­sas edi­fi­ca­ções. Além, cla­ro, de mui­ta cul­tu­ra, ar­te, mú­si­ca e gas­tro­no­mia. Al­guns dos ele­men­tos que ten­dem a con­quis­tar a pri­mei­ra vi­si­ta. E de­vo di­zer, a se­gun­da tam­bém! Es­ta­mos fa­lan­do de um lu­gar que, por 3 anos, foi elei­to o me­lhor do mun­do pa­ra se vi­ver!

A me­lhor de­fi­ni­ção que te­nho pa­ra Viena é de que se tra­ta de uma ci­da­de pri­mo­ro­sa. Por is­so, com bai­le ou sem o ide­al é de­di­car ao me­nos 3 di­as so­men­te pa­ra co­nhe­ce-la, pois são mui­tos pa­lá­ci­os, mo­nu­men­tos, par­ques e mu­seus. Po­de so­ar exa­ge­ro, mas por to­dos os can­tos há uma gra­ta sur­pre­sa pron­ta pa­ra te fa­zer sus­pi­rar. Al­go fá­cil até, pois a at­mos­fe­ra ro­mân­ti­ca de Viena pro­por­ci­o­na is­so na­tu­ral­men­te.

Con­tu­do, ape­sar de ter es­te la­do que re­me­te a sé­cu­los pas­sa­dos, com di­rei­to a car­ru­a­gens pe­las ru­as, se tra­ta de um lu­gar di­nâ­mi­co e mo­der­no, com to­da a agi­ta­ção da vi­da con­tem­po­râ­nea de uma me­tró­po­le.

Ou­tro char­me da ci­da­de é o fa­to de ser re­cor­ta­da pe­lo Rio Da­nú­bio, que, por si­nal, é um dos seus mai­o­res sím­bo­los. Se sua viagem for no ve­rão não dei­xe de in­cluir no ro­tei­ro um pas­seio de bar­co. Va­le di­zer que, a es­ta­ção é bem quen­te em ter­ras vi­e­nen­ses, com tem­pe­ra­tu­ras mé­di­as ele­va­das. En­quan­to que o in­ver­no po­de ser bem ri­go­ro­so, com que­da de ne­ve prin­ci­pal­men­te en­tre de­zem­bro e mar­ço.

E, pa­ra quem ain­da não co­nhe­ce, Viena é di­vi­di­da em 23 dis­tri­tos, que, em­bo­ra dis­po­nham de no­mes, são mais co­nhe­ci­dos por su­as nu­me­ra­ções que co­me­çam a par­tir do cen­tro his­tó­ri­co. Re­gião es­ta que, des­de 2001, faz par­te da lis­ta de Pa­trimô­ni­os da Unes­co. Fi­ca a di­ca: ape­sar de ter um sis­te­ma de trans­por­te pú­bli­co efi­ci­en­te, o ide­al, pa­ra não per­der ne­nhum de­ta­lhe, é apro­vei­tar o quan­to pu­der a pé mes­mo, ain­da mais que tu­do é per­to na re­gião cen­tral. Vo­cê irá no­tar que, além de be­lís­si­ma, a ca­pi­tal aus­tría­ca é lim­pa e se­gu­ra.

É ber­ço de gran­des no­mes da mú­si­ca eru­di­ta co­mo Franz Schu­bert e Johann Strauss II, sem con­tar que foi op­ção de mo­ra­da de Mo­zart e Be­etho­ven. Ou­tros dois vi­e­nen­ses de gran­de im­pac­to na his­tó­ria são Sig­mund Freud e o pin­tor Gus­tav Klimt, res­pon­sá­vel por obras co­mo o fa­mo­so “O Bei­jo”.

Ter­ra de gran­des no­mes da mú­si­ca, co­mo Strauss, tam­bém tem em seu his­tó­ri­co de vi­e­nen­ses o pin­tor Gus­tav Klimt, do­no da fa­mo­sa obra “O bei­jo” (aci­ma), que po­de ser en­con­tra­da em ex­po­si­ção no be­lís­si­mo pa­lá­cio de Bel­ve­de­re (ao la­do), uma óti­ma op­ção pa­ra in­cluir no ro­tei­ro. As­sim co­mo quem qui­ser fa­zer um pas­seio de car­ru­a­gem pe­la ci­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.