NOI­TE DE GA­LA

Qual Viagem - - ÁUSTRIA -

Se te­nho que es­co­lher uma prin­ce­sa Dis­ney co­mo fa­vo­ri­ta, des­de pe­que­na sem­pre me iden­ti­fi­quei com a Bela. Mui­to do seu jei­to lem­bra a mim mes­ma, po­rém por uma noi­te me sen­ti mes­mo a Cin­de­re­la. De bor­ra­lhei­ra a prin­ce­sa. E, mes­mo sem ma­gia pu­de con­tar ou­tros ti­pos de fa­da-ma­dri­nha.

No ca­so, uma lo­ja de alu­guel de ves­ti­dos, uma es­co­la de dan­ça e uma ma­qui­a­do­ra/ca­be­le­rei­ra pro­fis­si­o­nal. Eis a mi­nha trí­pli­ce má­gi­ca. Com re­la­ção ao pri­mei­ro ca­so, é uma op­ção pa­ra quem vai a Viena com a in­ten­ção de par­ti­ci­par de um bai­le, mas não é a re­gra. Há di­ver­sas lo­jas, co­mo a que fui, a Von­dru. Mas vo­cê po­de le­var seu pró­prio tra­je de ga­la. O que me sal­vou já que, por um pe­que­no er­ro de ajus­te (aper­ta­ram de­mais), aca­bei usan­do o ves­ti­do que le­vei por ga­ran­tia na ma­la. Ufa!

Com re­la­ção a au­la de dan­ça, on­de in­ge­nu­a­men­te achei que era ape­nas apren­der a clás­si­ca val­sa, foi uma experiência por si só. No ca­so não se tra­ta­va ape­nas da mun­di­al­men­te fa­mo­sa val­sa de três tem­pos, o Da­nú­bio Azul de Strauss. Na Tanzs­chu­le El­mayer, uma das mais le­gen­dá­ri­as ins­ti­tui­ções de dan­ças de Viena, se apren­de além dos pas­sos ne­ces­sá­ri­os.

O que va­le pa­ra a eti­que­ta de bai­le e o que po­de e não po­de fa­zer. Se apren­de, por exem­plo, a for­ma cor­re­ta de con­vi­dar uma da­ma pa­ra dan­çar, e co­mo ela de­ve acei­tar ou re­cu­sar tal pe­di­do. Es­ta par­te foi fá­cil, di­fí­cil mes­mo, pa­ra de­cep­ção ge­ral da es­co­la, já que de­du­zi­ram que bra­si­lei­ra man­ja tu­do de dan­ça, foi apren­der a val­sar ao es­ti­lo vi­e­nen­se. E, ver­da­de se­ja di­ta, mais dei ri­sa­da do que dan­cei. São mui­tos co­man­dos e pas­sos pa­ra me­mo­ri­zar.

De­pois de ca­be­lo e ma­qui­a­gem fei­tos, e de­vi­da­men­te tra­ja­da, era ho­ra de, com to­do o gla­mour do mun­do, su­bir nu­ma car­ru­a­gem ru­mo a um dos prin­ci­pais pa­lá­ci­os de Viena, o Hof­burg, on­de é re­a­li­za­do o Wi­e­ner Kaf­fe­e­si­e­der­ball, o bai­le dos pro­pri­e­tá­ri­os de ca­fe­te­ri­as da ci­da­de. E, que no pró­xi­mo ano, se­rá no dia 22 de fe­ve­rei­ro.

Ou­tro car­tão-pos­tal da ca­pi­tal aus­tría­ca, o Hof­burg da­ta do sé­cu­lo 13, e tem di­fe­ren­tes es­ti­los ar­qui­tetô­ni­cos, in­do do bar­ro­co ao gó­ti­co. São cer­ca de 2.600 de­pen­dên­ci­as dis­tri­buí­das em 18 alas. Não em vão é

des­cri­to co­mo uma ci­da­de den­tro da ci­da­de. E por is­so ser­viu de re­si­dên­cia de in­ver­no da di­nas­tia dos Habs­bur­gos por mais de 600 anos.

Den­tre su­as cu­ri­o­si­da­des mais em­ble­má­ti­cas es­tá o fa­to de ter si­do on­de nas­ceu Ma­ria An­to­ni­e­ta, em 1755. A Igre­ja dos Agus­ti­nos, a Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal, os mu­seus Al­ber­ti­na, de His­tó­ria e Ar­te, de His­tó­ria Na­tu­ral, Et­no­grá­fi­co e o Mu­seum Qu­ar­ti­er (um dos dez mai­o­res es­pa­ços cul­tu­rais do mun­do) são ape­nas al­guns dos lo­cais que fa­zem par­te des­se ma­jes­to­so com­ple­xo. Pa­ra che­gar ne­le vo­cê atra­ves­sa o Volks­gar­ten, um dos mui­tos par­ques que va­le a vi­si­ta.

Pa­ra lá de es­pe­ci­al pa­ra uma noi­te dig­na de prin­ce­sa não é mes­mo? Foi as­sim que me sen­ti o tem­po to­do, mas em par­ti­cu­lar ao des­cer da car­ru­a­gem. E, mes­mo mor­ren­do de frio, abri mão do ca­sa­co só pa­ra fa­zer a fi­na e des­cer com clas­se pa­ra a fo­to.

Uma vez lá den­tro tu­do mui­to bem or­ga­ni­za­do, co­mo é de se es­pe­rar dos aus­tría­cos. É qua­se im­pos­sí­vel des­cre­ver tu­do que vi e sen­ti em meio ao meu con­to de fa­das par­ti­cu­lar. Mas pa­ra ten­tar dar uma ideia, vi­su­a­li­ze o in­te­ri­or de um pa­lá­cio lu­xu­o­sís­si­mo, to­do ri­co em de­ta­lhes que pren­dem nos­sa aten­ção, a pon­to que até dá pa­ra es­que­cer a quan­ti­da­de de pes­so­as, pois são mo­vi­men­ta­dos es­ses bai­les.

Há gen­te por to­dos os can­tos, afi­nal de con­tas são dis­po­ni­bi­li­za­dos 3.600 lu­ga­res. O sa­lão prin­ci­pal é on­de tu­do acon­te­ce, ao me­nos com re­la­ção aos atos prin­ci­pais do bai­le. E não es­tra­nhe se, a prin­cí­pio, vo­cê se lem­brar de uma fes­ta de de­bu­tan­te. Pois é bem por aí.

O Kaf­fe­e­si­e­der­ball é aber­to por um “co­mi­tê” de mo­ças e ra­pa­zes es­tu­dan­tes da Tanzs­chu­le El­mayer. E es­sas jo­vens es­tão de fa­to de­bu­tan­do, abrin­do seu pri­mei­ro bai­le. Su­as re­a­ções são ní­ti­das em seus ros-

tos, on­de se no­ta um tur­bi­lhão de emo­ções. O que va­le pa­ra seus par­cei­ros tam­bém, que, ape­sar da se­ri­e­da­de que ten­tam im­por, não dei­xam de ser jo­vens ra­pa­zes. Por de­trás de ca­da pas­so há uma co­re­o­gra­fia e vá­ri­os di­as de en­sai­os. Tu­do mui­to pre­ci­so. No­va­men­te, na­da além do que se es­pe­ra dos aus­tría­cos.

Es­ta es­treia das me­ni­nas, ago­ra mo­ças, re­mon­ta aos di­as da mo­nar­quia - a in­tro­du­ção for­mal na so­ci­e­da­de. Ves­ti­das com um lon­go bran­co, com uma co­roa na ca­be­ça e lon­gas lu­vas bran­cas com um ra­ma­lhe­te na mão di­rei­ta, elas vão pa­ra a pis­ta de dan­ça de bra­ços da­dos com seus acom­pa­nhan­tes de smo­king, ge­ral­men­te ao som de “Fä­cher-po­lo­nai­se”, de Carl Mi­cha­el Zi­eh­rer, ex-re­gen­te da cor­te im­pe­ri­al.

Ao fi­nal des­te so­le­ne ri­tu­al é a vez da val­sa – com os pa­res gi­ran­do no sen­ti­do an­ti-ho­rá­rio. O que não é tão fá­cil quan­to pa­re­ce. Es­que­ça aque­la me­ra val­si­nha dos ani­ver­sá­ri­os de 15 anos. Não é em vão que por lá as es­co­las de dan­ça são tão bem fre­quen­ta­das. Só em Viena exis­tem cer­ca de 30 ins­ti­tui­ções. E são elas as res­pon­sá­veis por or­ga­ni­za­rem as ce­rimô­ni­as de aber­tu­ra dos bai­les.

Exe­cu­ta­dos com exí­mio pri­mor, que mos­tra não só téc­ni­ca co­mo mui­ta de­di­ca­ção, os mo­vi­men­tos rít­mi­cos cri­am um vi­su­al fas­ci­nan­te em pre­to e bran­co. Não tem co­mo não se ver con­tem­plan­do. Eu mes­ma, de­vo di­zer que me vi por vá­ri­as ve­zes bo­qui­a­ber­ta. E sol­tan­do sus­pi­ros.

Após to­das as for­ma­li­da­des, e apre­sen­ta­ções ofi­ci­ais, se ou­ve com em­pol­ga­ção a fra­se “Al­les Wal­zer”, on­de to­dos são con­vi­da­dos pa­ra a pis­ta de dan­ça, des­ta vez pa­ra val­sar no sen­ti­do ho­rá­rio. E com meus dois pés es­quer­dos me ren­di, com cer­ta di­fi­cul­da­de, de­vo di­zer. Mas a de­cep­ção que sen­ti co­mi­go, por ser uma ne­ga­ção dan­çan­do, foi bre­ve, pois não tem co­mo não ficar en­can­ta­do mes­mo que só ad­mi­ran­do.

É uma su­ces­são de es­ti­los de dan­ças, já que não se li­mi­ta so­men­te a val­sa não. Mas o mo­men­to mais aguar­da­do é a meia-noi­te, quan­do é a ho­ra da qua

dril­le. Sim, uma qua­dri­lha, que em al­guns as­pec­tos lem­bra as nos­sas ju­ni­nas, de­vi­dos aos co­man­dos da­dos. Mas pa­ra por aí a com­pa­ra­ção, pois os pas­sos são bem com­pli­ca­di­nhos. Mes­mo com a ex­pli­ca­ção do mes­tre de ce­rimô­ni­as. É tu­do mui­to rá­pi­do, o que dá bre­cha pa­ra a con­fu­são. É di­ver­ti­dís­si­mo, não tem co­mo não en­trar no clima. A me­lo­dia é ca­ti­van­te, e a ale­gria ge­ral con­ta­gia.

Não ra­ro, no en­tan­to, a dan­ça ter­mi­na em um ca­os bem-hu­mo­ra­do cau­sa­do por al­guns dan­ça­ri­nos de al­to as­tral du­ran­te a cor­ri­da lou­ca pe­las pas­sa­gens

en­tre as fi­lei­ras de dan­ça­ri­nos. Em to­do ca­so, é uma ma­nei­ra de dar aque­la re­no­va­da, já que es­ses bai­les cos­tu­mam ir até o ama­nhe­cer, lá pe­las 5h.

Va­le res­sal­tar que, há vá­ri­os ou­tros es­pa­ços do pa­lá­cio aber­tos pa­ra ga­ran­tir que nin­guém fi­que pa­ra­do, pois há di­fe­ren­tes es­ti­los mu­si­cais. Ou se­ja, dá pa­ra agra­dar to­do mun­do, dos mais con­ser­va­do­res até os mais mo­der­ni­nhos. Mas a gra­ça é jus­ta­men­te tran­si­tar de um pa­ra ou­tro.

E quan­to o meu fi­nal fe­liz, foi bem es­ti­lo Cin­de­re­la após o bai­le, só que no meu ca­so não a meia-noi­te, mas sim as 3h30 da ma­nhã, vol­tan­do bem bor­ra­lhei­ra an­dan­do até o meu hotel, o Park Hyatt, que fi­ca bem pró­xi­mo ao Hof­burg (le­vei um sa­pa­to sem sal­to só pa­ra po­der fa­zer is­so), pa­ran­do pa­ra comer uma le­gí­ti­ma wurst (sal­si­cha).

Di­fí­cil mes­mo, além de abrir mão da bela ma­qui­a­gem, foi con­se­guir dor­mir, pois, ape­sar de can­sa­da a adre­na­li­na me fa­zia ficar re­pas­san­do tu­do em men­te, até fi­nal­men­te mu­dar de prin­ce­sa e vi­rar a Bela Ador­me­ci­da.

En­tão se per­mi­ta, se dei­xe le­var pe­la au­ra im­pe­ri­al da ci­da­de, pe­lo gla­mour de um even­to co­mo es­te e vá li­vre de pré-con­cei­tos e ver­go­nha, pois a di­ver­são é ga­ran­ti­da, as­sim co­mo uma lem­bran­ça ines­que­cí­vel!

Pron­ta pa­ra o meu pri­mei­ro bai­le vi­e­nen­se, im­pos­sí­vel não se sen­tir em um con­to de fa­das. Abai­xo, o Kaf­fe­e­si­e­der­ball, que é anu­al­men­te aber­to por um “co­mi­tê” de mo­ças e ra­pa­zes es­tu­dan­tes da es­co­la de dan­ças El­mayer.

O sa­lão prin­ci­pal é on­de tu­do acon­te­ce. Des­de as apre­sen­ta­ções ofi­ci­ais do bai­le até a ho­ra que to­dos os pre­sen­tes são con­vi­da­dos a dan­çar. Sen­do que o mo­men­to mais aguar­da­do é a da qua­dri­lha. To­dos os anos, du­ran­te o Kaf­fe­e­si­e­der­ball, o Hof­burg fi­ca lo­ta­do. Tem gen­te por to­dos os can­tos do pa­lá­cio, afi­nal de con­tas são dis­po­ni­bi­li­za­dos 3.600 lu­ga­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.