Bal­neá­rio é des­ti­no ide­al pa­ra um ba­te e vol­ta pa­ra qu­em es­ti­ver por Mon­te­vi­déu ou Pun­ta del Es­te.

Qual Viagem - - SUMÁRIO - Por Ca­ro­li­na Ber­la­to

Lo­ca­li­za­da a me­nos de 100 km de Mon­te­vi­déu e a 40 km de Pun­ta del Es­te, Pi­riá­po­lis es­tá si­tu­a­da no de­par­ta­men­to de Mal­do­na­do e é uma ver­da­dei­ra cai­xi­nha de bo­as sur­pre­sas. Pi­riá­po­lis é ide­al pa­ra um ba­te e vol­ta pa­ra qu­em es­ti­ver por Mon­te­vi­déu ou Pun­ta del Es­te.

A re­gião é um ver­da­dei­ro re­sort à bei­ra mar com to­dos os atra­ti­vos ima­gi­ná­veis: são cas­si­nos, prai­as e o be­lís­si­mo por­to ba­nha­do pe­lo Rio de la Pla­ta. En­tre as mon­ta­nhas e o mar, Pi­riá­po­lis é uma cidade mar­ca­da por his­tó­ri­as en­vol­ven­do al­qui­mia, mas cheia de char­me, ele­gân­cia e di­ver­são. Sur­pre­en­da-se.

AS BELÍSSIMAS PRAI­AS

O li­to­ral de Pi­riá­po­lis con­se­gue agra­dar a to­dos os gos­tos. São cer­ca de 20 quilô­me­tros de or­la e di­ver­sas op­ções pa­ra cur­tir so­zi­nho, a dois ou em família.

Pa­ra qu­em não é fã de prai­as mo­vi­men­ta­das, a Playa Ver­de é uma boa es­co­lha, prin­ci­pal­men­te por es­tar ro­de­a­da de bos­ques e um lin­do mar ver­de es­me­ral­da. No en­tor­no es­tá La Pis­ci­ni­ta, uma pis­ci­na na­tu­ral on­de se po­de pra­ti­car snor­kel e mer­gu­lho, e Proa del Mar, que es­tá um pou­co mais dis­tan­te, mas é sinô­ni­mo de tran­qui­li­da­de e des­co­ne­xão.

Qu­em cur­te es­por­tes po­de fa­zer moun­tain bi­king no Cer­ro de los Bur­ros, de on­de se po­de ter uma be­lís­si­ma vi­são da or­la.

A playa Her­mo­na é ide­al pa­ra qu­em qui­ser cur­tir com a família e es­ti­ver com cri­an­ças. Além de ser sos­se­ga­da, o mar é cal­mo e ao re­dor exis­tem di­ver­sos res­tau­ran­tes e lo­ji­nhas de con­ve­ni­ên­cia.

Lo­ca­li­za­da a ape­nas 5 quilô­me­tros do cen­tro de Pi­riá­po­lis, Pun­ta Co­lo­ra­da ofe­re­ce aos tu­ris­tas ape­nas o ba­ru­lho das on­das e uma na­tu­re­za in­crí­vel. É a par­tir de­la que se po­de en­con­trar os bal­neá­ri­os de Pun­ta Fría e San Fran­cis­co.

Pun­ta Ne­gra é um bal­neá­rio bem pa­re­ci­do com Pun­ta Co­lo­ra­da, com su­as prai­as ex­ten­sas. O des­ta­que, no en­tan­to, é a pes­ca es­por­ti­va, on­de há uma abun­dân­cia de cor­vi­nas e lin­gua­dos. Na cos­ta, es­tá a vi­da no­tur­na agi­ta­da de Pi­rá­po­lis, com di­ver­sas ca­sas de show e ba­la­das.

Pun­ta Fría é um pa­raí­so pa­ra os aman­tes de surf. Com bo­as on­das e mui­to ven­to, é o lo­cal ide­al pa­ra a prá­ti­ca do es­por­te. La Bra­va tam­bém é ou­tra pa­ra­da obri­ga­tó­ria pa­ra os aman­tes de al­tas on­das, mas ain­da pa­ra cur­tir pis­ci­nas na­tu­rais e ob­ser­var as ba­lei­as fran­cas du­ran­te a pri­ma­ve­ra, que fi­cam vi­sí­veis à bei­ra-mar.

O bal­neá­rio de San Fran­cis­co, cri­a­do em ho­me­na­gem a Fran­cis­co Pi­ria, é pró­prio pa­ra ba­nho e pa­ra re­la­xar a men­te. Por ser bem ex­ten­sa, al­gu­mas par­tes são óti­mas pa­ra prá­ti­ca de surf e mer­gu­lho. Além de ser point de ob­ser­va­ção de ba­lei­as du­ran­te o fi­nal do in­ver­no.

RAMBLA DE LOS AR­GEN­TI­NOS

A cons­tru­ção de Rambla de los Ar­gen­ti­nos te­ve iní­cio em 1910, ins­pi­ra­da prin­ci­pal­men­te nos spas eu­ro­peus. São cin­co quilô­me­tros de cons­tru­ção, tu­do fei­to com mui­to ri­gor e pa­dro­ni­za­do. As pe­dras fo­ram tra­zi­das es­pe­ci­al­men­te do Cer­ro Pan de Azú­car, e é ali que se po­de ob­ser­var de per­ti­nho as be­le­zas do por­to.

O as­sen­ta­men­to da or­la per­cor­re pra­ti­ca­men­te to­da a ave­ni­da prin­ci­pal da cidade e é on­de se en­con­tra o cen­tro co­mer­ci­al. Lá, é pos­sí­vel en­con­trar sou­ve­ni­res com itens tí­pi­cos do Uru­guai e de Pi­riá­po­lis.

Ca­mi­nhan­do pe­la Rambla, o vi­si­tan­te po­de­rá ver o por­to, a be­lís­si­ma praia e os his­tó­ri­cos ho­téis de fren­te pa­ra a or­la.

HO­TEL AR­GEN­TI­NO

Ide­a­li­za­do e cri­a­do pe­lo fun­da­dor do Bal­neá­rio de Pi­riá­po­lis, Fran­cis­co Pi­ria, o Ho­tel Ar­gen­ti­no faz par­te do le­ga­do do al­qui­mis­ta e é um dos pa­trimô­ni­os his­tó­ri­cos da cidade. Inau­gu­ra­do em 1930, traz em seu in­te­ri­or gran­de in­fluên­cia dos mai­o­res e me­lho­res em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros do con­ti­nen­te eu­ro­peu. To­dos os mó­veis, jo­gos de ca­ma e ba­nho, lou­ças, ta­lhe­res e até mes­mo al­gu­mas má­qui­nas fo­ram im­por­ta­dos da Eu­ro­pa.

O ho­tel foi pi­o­nei­ro na téc­ni­ca de ta­las­so­te­ra­pia – uso da água do mar pa­ra fins te­ra­pêu­ti­cos – que se tor­nou o prin­ci­pal mo­ti­vo pa­ra ter ala­van­ca­do o turismo na re­gião e com fo­co no turismo de saú­de.

Ho­je, além da ba­ga­gem cul­tu­ral e his­tó­ri­ca, o em­pre­en­di­men­to é ide­al pa­ra ad­mi­rar um es­ti­lo ar­qui­tetô­ni­co úni­co e cheio de per­so­na­li­da­de. O tér­reo po­de ser con­si­de­ra­do um pe­que­no mu­seu; há du­as sa­las de chá, qua­dros – um de­les sen­do o re­tra­to de Fran­cis­co Pi­ria – ce­râ­mi­cas, eti­que­tas de vi­nho dos anos 30, car­tões pos­tais da épo­ca, ca­der­nos de con­ta­bi­li­da­de, li­vro de re­gis­tro dos hós­pe­des, al­guns dos li­vros es­cri­tos pe­lo fun­da­dor, rou­pas de ba­nho, pla­cas de pu­bli­ci­da­de do ho­tel, fo­to­gra­fi­as dos vi­si­tan­tes e enor­mes vi­trais que pro­por­ci­o­nam uma vis­ta in­crí­vel pa­ra o Bal­neá­rio.

O Ho­tel Ar­gen­ti­no ain­da ofe­re­ce ser­vi­ços de hos­pe­da­gem, ten­do mo­der­ni­za­do di­ver­sas par­tes do edi­fí­cio. São 300 quar­tos com di­fe­ren­tes es­ti­los e ser­vi­ços, cin­co res­tau­ran­tes es­pe­ci­a­li­za­dos em di­fe­ren­tes gas­tro­no­mi­as, ins­ta­la­ção pa­ra au­las de yo­ga e academia.

O Cas­si­no del Es­ta­do é uma di­ver­são a par­te. Ele es­tá lo­ca­li­za­do no pi­so prin­ci­pal do ho­tel, com aces­so di­re­to pa­ra os hós­pe­des. E pa­ra fi­na­li­zar, ou­tra atra­ção de des­ta­que é o Cen­tro Ter­mal, com três pis­ci­nas que va­ri­am en­tre tem­pe­ra­tu­ras de 34°C a 38°C, pis­ci­na ex­ter­na com água do mar e um Spa, que con­ta com os tra­ta­men­tos de ta­las­so­te­ra­pia e hi­dro­te­ra­pia, di­ver­sos ti­pos de mas­sa­gens cor­po­rais, tra­ta­men­tos fa­ci­ais, ca­be­le­rei­ro e es­pa­ço pa­ra ses­são de ma­qui­a­gem com pro­fis­si­o­nais.

CER­RO DEL INGLÉS E CA­PE­LA DE SAN AN­TO­NIO

Si­tu­a­do a cer­ca de 130 me­tros aci­ma do ní­vel do mar, Cer­ro del Inglés é um dos me­lho­res lu­ga­res pa­ra se ter uma óti­ma vi­são pa­no­râ­mi­ca do bal­neá­rio e é on­de se en­con­tra a ima­gem de a Vir­gem dos Pes­ca­do­res, pro­cu­ra­da pa­ra dar a ben­ção aos aman­tes do mar e da na­ve­ga­ção. Tam­bém é no mor­ro que es­tá a ca­pe­la de San­to Antô­nio, uma das igre­jas ca­tó­li­cas mais vi­si­ta­das pe­los tu­ris­tas – prin­ci­pal­men­te por mulheres que ain­da não se ca­sa­ram. A ima­gem do san­to foi le­va­da es­pe­ci­al­men­te de Milão pa­ra Pi­riá­po­lis.

No mor­ro, é pos­sí­vel en­con­trar a pe­dra que fun­dou a cidade. O lo­cal é aces­sí­vel por car­ro, te­le­fé­ri­co ou a pé.

CASTILLO DE PI­RIA

O Cas­te­lo de Pi­ria fi­ca ao nor­te da cidade, na Ro­ta 37. O lo­cal foi re­si­dên­cia da família por dois anos.

Cons­truí­do pe­lo ar­qui­te­to ita­li­a­no Aqui­les Mon­za­ni, em 1894, o edi­fí­cio pos­sui um es­ti­lo me­di­e­val e re­nas­cen­tis­ta e imi­ta as vi­las ita­li­a­nas do fi- nal do sé­cu­lo XIX. Além dis­so, con­ta com di­ver­sos ele­men­tos e ma­te­ri­ais que fo­ram im­por­ta­dos da Eu­ro­pa du­ran­te as vi­a­gens do al­qui­mis­ta pe­lo con­ti­nen­te. Al­gu­mas das pe­dras fo­ram ex­traí­das di­re­ta­men­te do Cer­ro Pan de Azú­car.

Atu­al­men­te, o Cas­te­lo fun­ci­o­na ba­si­ca­men­te co­mo um mu­seu mu­ni­ci­pal, on­de é pos­sí­vel en­con­trar al­gu­mas ré­pli­cas dos ob­je­tos ori­gi­nais de Pi­ria, do­cu­men­tos so­bre a história e cri­a­ção da praia, e mui­tas re­fe­rên­ci­as à al­qui­mia e mi­to­lo­gia gre­ga, prá­ti­ca e his­tó­ri­as que fi­ze­ram par­te da cul­tu­ra pes­so­al de Pi­ria des­de sua in­fân­cia. Ao re­dor do cas­te­lo, exis­te ain­da uma área cer­ca­da de ár­vo­res e di­ver­sas plan­tas. O lo­cal é bem tran­qui­lo e ide­al pa­ra qu­em quer re­la­xar. A en­tra­da é fran­ca.

PAR­QUE MU­NI­CI­PAL LA CASCADA

O Par­que de La Cascada foi uma das pri­mei­ras atra­ções pro­pos­tas por Fran­cis­co Pi­ria pa­ra ser fei­ta em Pi­riá­po­lis. Seu gran­de des­ta­que é uma ca­cho­ei­ra de 5 me­tros que dá o no­me ao lo­cal. Além de pas­sei­os eco­ló­gi­cos, há o Mu­seu da Fau­na, an­fi­te­a­tro, área pa­ra pi­que­ni­que e chur­ras­quei­ras, ide­al pa­ra cur­tir o dia em família.

CER­RO DEL TORO E FUENTE DE VENUS

Si­tu­a­do 250 me­tros aci­ma do ní­vel do mar, Cer­ro dol Toro é uma co­li­na on­de se en­con­tra um dos must see da cidade: a Fuente del Toro. É da bo­ca do touro - em ta­ma­nho re­al fei­to de bron­ze - que sai um flu­xo de água que cai di­re­ta­men­te na fon­te lo­go abai­xo. Di­zem as len­das que Fran­cis­co Pi­ria le­vou a es­tá­tua pes­so­al­men­te da Fran­ça pa­ra co­lo­cá-la on­de se en­con­tra. Aos pés do mor­ro fi­ca uma pra­ça bem cha­ma­ti­va e ro­de­a­da de ár­vo­res. É lá que se en­con­tra a Fon­te de Vê­nus, uma ré­pli­ca da exis­ten­te na cidade ita­li­a­na de Vil­la Pa­ra­vi­ci­ni. Jun­ta­men­te com a Fuente del Toro e a Fuente Stel­la Ma­ris, no Cer­ro San An­to­nio, for­ma a tri­lo­gia de fon­tes ide­a­li­za­das por Pi­ria.

Ao la­do, a praia Pun­ta Co­lo­ra­do ofe­re­ce pai­sa­gens na­tu­rais in­crí­veis. Abai­xo, a Rambla de los Ar­gen­ti­nos, cons­tru­ção ao lon­go da or­la da cidade.

Com uma óti­ma vis­ta pa­no­râ­mi­ca, a Ca­pe­la de San An­to­nio é um dos pon­tos tu­rís­ti­cos mais vi­si­ta­dos de Pi­riá­po­lis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.