PA­RAÍ­SO DO TU­RIS­MO MUN­DI­AL

Qual Viagem - - PELO - POR ROBERTO MAIA

Bem re­sol­vi­do en­tre a fé mu­çul­ma­na e o es­ti­lo oci­den­tal, o des­ti­no do Ori­en­te Mé­dio tem ati­vi­da­des pa­ra to­das as ida­des e gos­tos. En­tão di­vir­ta-se nos par­ques aquá­ti­cos e te­má­ti­cos, aven­tu­re-se em pas­sei­os pe­lo de­ser­to, cur­ta as prai­as de águas cris­ta­li­nas e não eco­no­mi­ze nas com­pras, afi­nal os pre­ços são de duty free

Prin­ci­pal des­ti­no dos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos (EAU), no Ori­en­te Mé­dio, Du­bai é ho­je um dos lu­ga­res mais de­se­ja­dos do pla­ne­ta e re­ce­be mi­lhões de visitantes ávi­dos pe­lo lu­xo me­ga­lo­ma­nía­co à dis­po­si­ção. Pa­ra atrair tu­ris­tas in­ves­tiu pe­sa­do na cons­tru­ção de sun­tu­o­sos ho­téis e re­sorts, gi­gan­tes­cos shop­pings cen­ters, pra­ças de es­por­tes, pis­tas de esqui na ne­ve in­do­or, res­tau­ran­tes de clas­se mun­di­al, par­ques aquá­ti­cos e te­má­ti­cos e uma va­ri­a­da ofer­ta de en­tre­te­ni­men­to e la­zer. E não fal­ta­ram ex­cen­tri­ci­da­des co­mo o Burj Kha­li­fa, o edi­fí­cio mais al­to do mun­do, e os ar­qui­pé­la­gos ar­ti­fi­ci­ais Palm Is­lands e The World, que po­dem ser avis­ta­dos do es­pa­ço. Com­ple­tam o ce­ná­rio de atra­ções as prai­as des­lum­bran­tes e o de­ser­to.

Por tu­do is­so, Du­bai al­me­ja se tor­nar a ci­da­de mais vi­si­ta­da do mun­do nos pró­xi­mos anos. Atu­al­men­te na quar­ta co­lo­ca­ção, re­ce­beu 15,8 mi­lhões de tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais em 2017. O ob­je­ti­vo é che­gar até 2020 – ano em que re­a­li­za­rá a Ex­po­si­ção Uni­ver­sal - aos 20 mi­lhões.

Pa­ra con­ti­nu­ar atrain­do ca­da vez mais vi­a­jan­tes, se­gue in­ves­tin­do pe­sa­do em no­vas atra­ções, ho­téis e re­sorts, me­ga­e­ven­tos e me­lho­ri­as na ex­pe­ri­ên­cia dos visitantes. É o ca­so da Du­bai Ope­ra, inau­gu­ra­da em agos­to de 2018. O im­pres­si­o­nan­te cen­tro de cul­tu­ra e ar­tes tem 60 mil me­tros qua­dra­dos e 2 mil lu­ga­res. Es­tá lo­ca­li­za­do em Down-town Du­bai e tem vis­ta pa­ra o ma­jes­to­so Burj Kha­li­fa e pa­ra a Du­bai Foun­tain. O es­pa­ço re­ce­be ópe­ras, pe­ças de te­a­tro, con­cer­tos, ex­po­si­ções de ar­te, or- ques­tras sinfô­ni­cas, ci­ne­ma, even­tos es­por­ti­vos e pro­gra­mas sa­zo­nais. Seu ar­ro­ja­do pro­je­to tem a for­ma de um na­vio à ve­la tra­di­ci­o­nal. Ou­tra no­vi­da­de re­cen­te é o es­pe­tá­cu­lo La Per

le by Dra­go­ne, cri­a­do pe­la franquia Cir­que du So­leil, que apre­sen­ta um show aquá­ti­co com 65 ar­tis­tas, que mis­tu­ram per­for­man­ces ar­tís­ti­cas imer­si­vas, acro­ba­ci­as aé­re­as, efei­tos vi­su­ais e tec­no­lo­gia de pon­ta.

Mas quem vê Du­bai ho­je nem de lon­ge ima­gi­na que há pou­co mais de 50 anos aque­la ter­ra are­no­sa era uma al­deia de pes­ca­do­res, on­de be­duí­nos vi­vi­am da co­le­ta de pé­ro­las. Com uma área apro­xi­ma­da de 3,9 mil km2 - me­nor do que Per­nam­bu­co - e uma po­pu­la­ção igual à da ci­da­de de Por­to Ale­gre, per­ten­ceu ao emi­ra­do Abu Dha­bi até 1833, ano em que a tri­bo da fa­mí­lia dos al-mak­toum se ins­ta­lou na re­gião, re­cu­sou obe­di­ên­cia e go­ver­na até ho­je.

A pro­du­ção de pe­tró­leo trou­xe di­nhei­ro e pro­gres­so. Mas, ao con­trá­rio dos ou­tros seis emi­ra­dos que com­põem os EAU, a eco­no­mia de Du­bai não se ba­seia pri­mor­di­al­men­te na ex­plo­ra­ção do ou­ro ne­gro. Até o iní­cio dos anos 1970, era qua­se des­co­nhe­ci­do. Só des­pon­tou in­ter­na­ci­o­nal­men­te quan­do deu iní­cio a uma re­vo­lu­ção pe­la mo­der­ni­za­ção. Ho­je, a eco­no­mia lo­cal já não de­pen­de do pe­tró­leo e tem re­cei­tas bi­li­o­ná­ri­as gra­ças ao se­tor imo­bi­liá­rio, co­mér­cio, fi­nan­cei­ro, tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção e prin­ci­pal­men­te tu­ris­mo. Não o tu­ris­mo con­ven­ci­o­nal ba­se­a­do em ce­ná­ri­os na­tu­rais e his­tó­ri­cos, mas no fo­ca­do no lu­xo e na gran­di­o­si­da­de.

Sim­bo­los da ri­que­za

Atu­al­men­te, o prin­ci­pal sím­bo­lo da pu­jan­ça de Du­bai é o Burj Kha­li­fa, o edi­fí­cio mais al­to do mun­do – an­te­ri­or­men­te co­nhe­ci­do co­mo Burj Du­bai – foi inau­gu­ra­do em 2010 a um cus­to es­ti­ma­do de US$ 10 bi­lhões. Com 828 me­tros de al­tu­ra e 160 an­da­res é o pon­to cen­tral de um com­ple­xo co­mer­ci­al e re­si­den­ci­al de 2 km2 de área chamado Down­town Burj Du­bai. Ne­le fun­ci­o­nam o Ar­ma­ni Ho­tel em 11 an­da­res, um ob­ser­va­tó­rio com mi­ran­te de 360 graus no 124º, o fa­mo­so res­tau­ran­te At­mosphe­re no 122º e cer­ca de 700 apar­ta­men­tos par­ti­cu­la­res en­tre o 45º e o 108º. Cor­po­ra­ções com­ple­tam a mai­or par­te dos an­da­res res­tan­tes. O ar­ra­nha-céu tem tam­bém o ele­va­dor mais rá­pi­do do mun­do com ve­lo­ci­da­de de 65 km/h, po­den­do al­can­çar o to­po em me­nos de um mi­nu­to.

Mas, no iní­cio do sé­cu­lo 21 a ima­gem que cor­reu o mun­do foi a do me­ga­pro­je­to de cons­tru­ção de um ar­qui­pé­la­go ar­ti­fi­ci­al de­no­mi­na­do

Palm Is­lands. Em su­as três ilhas - Palm Ju­mei­rah, Palm Je­bel Ali e Palm Dei­ra – fo­ram er­gui­dos

ho­téis, re­sorts, cen­tros co­mer­ci­ais, res­tau­ran­tes e con­do­mí­ni­os re­si­den­ci­ais de lu­xo. As ilhas são tão gran­des que po­dem ser vis­tas do es­pa­ço.

O su­ces­so imo­bi­liá­rio de Palm Is­lands foi tão gran­de que mo­ti­vou o lan­ça­men­to de um ou­tro pro­je­to si­mi­lar e mai­or com a for­ma de um ma­pa-mún­di, o The World. Con­ce­bi­do em 2003, o ar­qui­pé­la­go ar­ti­fi­ci­al tem 9 quilô­me­tros de com­pri­men­to por 6 quilô­me­tros de lar­gu­ra, ro­de­a­do por um que­bra-mar em for­ma oval. Ti­nha co­mo pú­bli­co al­vo es­tre­las de ci­ne­ma, es­por­tis­tas fa­mo­sos, re­a­le­za e mag­na­tas. Su­as cer­ca de 300 ilhas têm áre­as de 23 mil a 83 mil me­tros qua­dra­dos. Pa­ra aces­sar as ilhas so­men­te atra­vés de bar­cos ou por via aé­rea. Elas es­tão lo­ca­li­za­das a 4 quilô­me­tros da cos­ta de Ju­mei­rah, per­to de Palm Ju­mei­rah, en­tre o Burj Al Arab e o por­to Rashid.

De­pois de cin­co anos de dra­ga­gens, a cri­se de 2008 que afe­tou a eco­no­mia glo­bal fre­ou o em­pre­en­di­men­to. A úni­ca ilha aber­ta ao pú­bli­co, a

lu­xu­o­sas, sen­do que al­gu­mas com dois an­da­res e es­ca­das de már­mo­re. No 25º an­dar es­tão du­as suí­tes re­ais equi­pa­das com ele­va­do­res e tor­nei­ras e ou­tras pe­ças de ou­ro na de­co­ra­ção. Re­quin­ta­dos res­tau­ran­tes e ba­res – um de­les de­co­ra­do com um imen­so aquá­rio – com­ple­tam o car­dá­pio de ser­vi­ços ofe­re­ci­dos aos pri­vi­le­gi­a­dos hós­pe­des.

Não bas­tas­sem es­ses íco­nes, mais um po­de en­gros­sar es­sa lis­ta. É o len­dá­rio na­vio de cruzeiros

Qu­e­en Eli­za­beth II (QE2), que foi mi­nu­ci­o­sa­men­te res­tau­ra­do e trans­for­ma­do em um ho­tel flu­tu­an­te de lu­xo. Inau­gu­ra­do re­cen­te­men­te, ele es­tá an­co­ra­do no Por­to Rashid de Du­bai, pró­xi­mo a al­gu­mas atra­ções fa­mo­sas co­mo o Burj Kha­li­fa, o Du­bai Mall, o Cen­tro Fi­nan­cei­ro In­ter­na­ci­o­nal e o Du­bai World Tra­de Cen­ter.

Apo­sen­ta­do em 2008, após 39 anos em ser­vi­ço, foi com­pra­do por US$ 100 mi­lhões e pas­sou por mi­nu­ci­o­so pro­ces­so de res­tau­ra­ção que con­su­miu cer­ca de 100 mi­lhões de eu­ros em dez anos. O ve­lho na­vio re­a­li­zou cer­ca de 800 tra­ves­si­as do Oce­a­no Atlân­ti­co, trans­por­tan­do mais de 2,5 mi­lhões do Lí­ba­no, tem um clu­be de praia com pis­ci­na, res­tau­ran­te e um lo­cal pa­ra shows, fes­tas e even­tos cor­po­ra­ti­vos. Mas ho­je os tem­pos são ou­tros e os pla­nos – ain­da mais am­bi­ci­o­sos - es­tão sen­do re­to­ma­dos. Há mui­ta mo­vi­men­ta­ção em vá­ri­as ilhas e no­vi­da­des sur­gi­rão nos pró­xi­mos anos.

Ou­tra ima­gem cons­tan­te­men­te as­so­ci­a­da ao gi­gan­tis­mo de Du­bai é o Burj Al Arab, um dos mais caros ho­téis do pla­ne­ta. Com li­nhas ar­qui­tetô­ni­cas que lem­bram uma imen­sa e mo­der­na ca­ra­ve­la, o edi­fí­cio de 321 me­tros de al­tu­ra foi pro­je­ta­do pa­ra fa­zer dos hos­pe­des ver­da­dei­ros sul­tões. Con­si­de­ra­do um ho­tel ca­te­go­ria 7 es­tre­las, foi cons­truí­do em uma ilha ar­ti­fi­ci­al a 300 me­tros da or­la. Em seus 60 an­da­res são ofe­re­ci­dos itens de con­for­to e mor­do­mi­as ca­pa­zes de im­pres­si­o­nar os mais exi­gen­tes hós­pe­des, que po­dem, in­clu­si­ve, es­co­lher en­tre au­to­mó­veis Rolls-roy­ce ou he­li­cóp­te­ro no trans­por­te de e pa­ra o ae­ro­por­to. Os mi­mos co­me­çam lo­go que o hós­pe­de en­tra no ho­tel, quan­do são re­cep­ci­o­na­dos por fun­ci­o­ná­ri­os com ban­de­jas de tâ­ma­ras. Su­as suí­tes são

de pas­sa­gei­ros, além de 25 vol­tas ao mun­do.

O ho­tel de 13 an­da­res e 500 quar­tos manteve as­pec­tos clás­si­cos da de­co­ra­ção co­mo mó­veis de épo­ca, pin­tu­ras e ja­ne­las vi­gi­as ori­gi­nais, com­bi­na­do com equi­pa­men­tos tec­no­ló­gi­cos. A bor­do os hós­pe­des dis­põem de 13 res­tau­ran­te – al­guns ori­gi­nais - e sa­lões ex­clu­si­vos, lo­jas duty free, um mu­seu com ar­te dos anos 1960 e li­te­ra­tu­ra da bi­bli­o­te­ca ori­gi­nal. A diá­ria mais em con­ta cus­ta cer­ca de US$ 226.

À esq., o im­pres­si­o­nan­te Burj Kha­li­fa, o ar­ra­nha-céu mais al­to do mun­do com 828 me­tros de al­tu­ra e 160 an­da­res. No cen­tro, o ar­qui­pé­la­go ar­ti­fi­ci­al The World, que reú­ne cer­ca de 300 ilhas. E, abai­xo, o ho­tel Burj Al Arab com li­nhas ar­qui­tetô­ni­cas que lem­bram uma imen­sa e mo­der­na ca­ra­ve­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.