ELAS ES­TÃO MU­DAN­DO O PAÍS

Runner’s World (Brazil) - - EDITORIAL - PATRICIA JULIANELLI, REDATORA-CHEFE

Ou­tro dia man­dei uma men­sa­gem para o ce­lu­lar de uma ami­ga e mar­ca­mos de cor­rer juntas no Par­que Vil­la-lo­bos. Acor­dei, to­mei um su­co e fui. Nós nos abra­ça­mos, acer­ta­mos nos­sos re­ló­gi­os e saí­mos. Apro­vei­ta­mos o rit­mo len­to para co­lo­car o pa­po em dia. Uma ce­na tão cor­ri­quei­ra que eu ja­mais ha­via re­fle­ti­do sobre o seu va­lor, até ler o texto da re­por­ta­gem “As mu­lhe­res sau­di­tas vão do­mi­nar o rei­no”, da pág. 66.

Per­ce­bi ali que o que para mim é al­go tri­vi­al – mu­lhe­res sain­do para cor­rer – na Ará­bia Sau­di­ta é al­go re­vo­lu­ci­o­ná­rio. Nos anos 1960, o go­ver­no proi­biu a edu­ca­ção física e os esportes para me­ni­nas e im­pe­diu as mu­lhe­res de for­ma­rem equi­pes ou de par­ti­ci­pa­rem de even­tos es­por­ti­vos.

Fa­zer exer­cí­ci­os em pú­bli­co até hoje é ta­bu. Mas grupos de mu­lhe­res cor­re­do­ras já co­me­çam a mu­dar es­sa re­a­li­da­de. Um de­les é o JRC Wo­men, uma di­vi­são do gru­po de cor­ri­da lo­cal Jed­dah Run­ning Col­lec­ti­ve, li­de­ra­do por Nes­re­en Gho­naim, de 43 anos. Quan­do o JRC foi fun­da­do no fim de 2013, o país não ti­nha grupos de cor­ri­da fe­mi­ni­nos.

Há muito pou­co tempo, em 2016, as mu­lhe­res que que­ri­am sair para cor­rer se pre­o­cu­pa­vam com os pos­sí­veis olha­res, em so­fre­rem as­sé­dio ou até se­rem pa­ra­das pe­la Mu­tawwa, a po­lí­cia re­li­gi­o­sa sau­di­ta, que im­pu­nha ves­ti­men­tas e com­por­ta­men­to “mo­des­tos” e ve­ta­va a mis­tu­ra com o gê­ne­ro opos­to. Ar­gu­men­ta­vam que as in­te­ra­ções en­tre ho­mens e mu­lhe­res que não têm grau de pa­ren­tes­co po­de­ri­am le­var a com­por­ta­men­tos imo­rais. En­tão as mu­lhe­res eram obri­ga­das a cor­rer em ca­sa, nas su­as es­tei­ras.

Mas, mes­mo com a re­pres­são da po­lí­cia (há pessoas que já fo­ram le­va­das à de­le­ga­cia para in­ter­ro­ga­tó­rio) e os olha­res e agres­sões de es­tra­nhos, ne­nhu­ma in­te­gran­te des­ses grupos ja­mais pen­sou em pa­rar. Ali, te­mos his­tó­ri­as de fu­man­tes que lar­ga­ram o ví­cio, de­pres­si­vas que ven­ce­ram a do­en­ça, mu­lhe­res que re­co­bra­ram a au­to­es­ti­ma. “De­sa­fie a si mes­mo, en­ca­re seus li­mi­tes. En­ten­di is­so com a cor­ri­da”, dis­se uma de­las.

“Somos par­te da mu­dan­ça que es­tá acon­te­cen­do ago­ra”, afir­mou Nes­re­en sobre o es­for­ço para mu­dar ati­tu­des cul­tu­rais em re­la­ção à cor­ri­da mis­ta e fe­mi­ni­na. “Is­so não acon­te­ce do dia para a noi­te. É pre­ci­so ser pa­ci­en­te e per­sis­ten­te.” E a cada pas­sa­da, elas dão um grande pas­so para es­sa mu­dan­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.