CO­MO FRE­AR A PAS­SA­GEM DO TEMPO

A IDA­DE CHE­GA PARA TO­DOS, MAS COM ALGUMAS ES­TRA­TÉ­GI­AS PO­DE­MOS CON­TI­NU­AR TREINANDO FOR­TE E LONGE DAS LESÕES

Runner’s World (Brazil) - - PULSAÇÃO TREINO - POR JEREMY SHORE

QUAN­DO ROMPI meu me­nis­co me­di­al aos 30 e pou­cos anos, ha­via uma pos­si­bi­li­da­de de que nunca mais pu­des­se vol­tar a cor­rer co­mo an­tes – li­vre­men­te, sem­pre que ti­ves­se von­ta­de, du­ran­te o tempo que qui­ses­se, sobre qu­al­quer ter­re­no e a qu­al­quer in­ten­si­da­de.

Es­ta­be­le­ci um ob­je­ti­vo: em vez de ope­rar, re­a­bi­li­ta­ria meu jo­e­lho de for­ma que eu ain­da pu­des­se cor­rer com qua­li­da­de – e com meus dois filhos pe­que­nos. Mar­quei uma con­sul­ta com meu fi­si­o­te­ra­peu­ta, que é es­pe­ci­a­lis­ta em cor­ri­da. Fiz tudo o que ele pe­diu e apren­di mui­ta coi­sa so­zi­nho tam­bém – não ape­nas a res­pei­to do meu jo­e­lho e do meu cor­po, mas tam­bém sobre co­mo trei­nar à me­di­da que en­ve­lhe­cia. Es­sas li­ções são uni­ver­sais e be­ne­fi­ci­am qu­al­quer pes­soa que quei­ra cor­rer li­vre­men­te e sem dor du­ran­te o mai­or tempo pos­sí­vel.

A se­guir, três li­ções es­sen­ci­ais que apren­di du­ran­te a cri­a­ção do meu sis­te­ma de trei­na­men­to Run 360.

In­cor­po­re in­ter­va­la­dos aos seus trei­nos

Tro­que cor­ri­das lon­gas por ses­sões mais cur­tas e in­ten­sas que in­clu­am ace­le­ra­ções. In­ter­va­la­dos são bons para o coração, pois o trei­nam para bom­be­ar com in­ten­si­da­de má­xi­ma e a se re­cu­pe­rar ra­pi­da­men­te. Eles tam­bém tra­ba­lham as fi­bras mus­cu­la­res de con­tra­ção rá­pi­da. Para man­ter o peso, qu­al­quer ti­po de trei­no in­ter­va­la­do com sprints é a me­lhor pe­di­da.

Re­cu­pe­re-se mais

O en­ve­lhe­ci­men­to po­de fa­zer com que qu­al­quer pes­soa de­se­je ter um fi­si­o­te­ra­peu­ta sem­pre à dis­po­si­ção, mas uma bo­la e um ro­lo de es­pu­ma tam­bém podem dar con­ta do re­ca­do – e são bem mais baratos. Es­sas fer­ra­men­tas de au­to­mas­sa­gem aju­dam a ali­vi­ar pontos de ten­são, dei­xan­do os mús­cu­los mais fle­xí­veis e pre­pa­ra­dos para o alon­ga­men­to, além de pro­por­ci­o­na­rem uma sen­sa­ção agra­dá­vel.

Sal­te

Nos­sos te­ci­dos mo­les podem fi­car mais pro­pen­sos à le­são con­for­me en­ve­lhe­ce­mos, tor­nan­do exer­cí­ci­os bá­si­cos de le­van­ta­men­to de peso e cer­tos edu­ca­ti­vos mais ar­ris­ca­dos – en­tão mui­ta gen­te evi­ta mo­vi­men­tos ex­plo­si­vos de for­ma ge­ral.

Mas existe uma for­ma se­gu­ra de se be­ne­fi­ci­ar de­les: use ape­nas o peso do cor­po (ou, se qui­ser um desafio mai­or, uti­li­ze uma faixa elás­ti­ca de re­sis­tên­cia). Co­me­ce na par­te in­fe­ri­or do movimento, pa­ra­do, de­pois sal­te. Por exemplo: para um aga­cha­men­to com salto, des­ça len­ta­men­te até a par­te mais bai­xa do movimento. Man­te­nha a po­si­ção de 1 a 2 se­gun­dos, en­tão sal­te e ater­ris­se com su­a­vi­da­de. Is­so tra­ba­lha fi­bras de con­tra­ção rá­pi­da di­fí­ceis de trei­nar, acres­cen­ta elas­ti­ci­da­de a to­dos os seus pas­sos e te aju­da nas su­bi­das. Um con­se­lho para an­tes de co­me­çar: técnica apro­pri­a­da é essencial. Con­te com um bom edu­ca­dor fí­si­co, com ex­pe­ri­ên­cia na cor­ri­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.