UM SU­CES­SO ATRÁS DE OU­TRO

PLA­NE­JE COM IN­TE­LI­GÊN­CIA SEU CA­LEN­DÁ­RIO DE PRO­VAS PARA NÃO COR­RER O RIS­CO DE QUE­BRAR

Runner’s World (Brazil) - - PULSAÇÃO TREINO - POR ASHLEY MA­TEO

EXISTE UMA ra­zão pe­la qual pro­va­vel­men­te nunca ve­re­mos atle­tas de eli­te no to­po da car­rei­ra tan­to na Ma­ra­to­na de Chi­ca­go co­mo na de No­va York no mes­mo ano. Eles sa­bem que exi­gir tan­to do cor­po em mais de uma ma­ra­to­na im­por­tan­te por tem­po­ra­da po­de pre­ju­di­car o de­sem­pe­nho na segunda com­pe­ti­ção.

Mas fa­zer cor­ri­das con­se­cu­ti­vas não é in­co­mum para ama­do­res. Al­guns se ins­cre­vem ime­di­a­ta­men­te em ou­tra pro­va de­pois de des­per­di­ça­rem uma opor­tu­ni­da­de de bater o recorde pes­so­al, ou­tros sim­ples­men­te que­rem con­ti­nu­ar cur­tin­do o ba­ra­to da úl­ti­ma pro­va até a li­nha de che­ga­da da pró­xi­ma.

Vo­cê não pre­ci­sa fo­car ape­nas em uma grande cor­ri­da por tem­po­ra­da, des­de que saiba o que es­tá fa­zen­do.

Por que vo­cê que­bra

“A sa­be­do­ria ge­ral da cor­ri­da ten­de a não apoi­ar o acú­mu­lo de vá­ri­as pro­vas in­cluin­do uma com dis­tân­cia de ma­ra­to­na por­que, de­pois do Km 32 – a ro­da­gem mais longa da maioria dos trei­nos para os 42 km –, vo­cê pres­si­o­na seu cor­po para além de seus li­mi­tes fí­si­cos”, diz Ja­net Hamilton, fi­si­o­lo­gis­ta do exer­cí­cio e trei­na­do­ra de cor­ri­da. E cor­rer em rit­mo de pro­va acres­cen­ta ou­tro ele­men­to de es­tres­se. “Fi­si­o­lo­gi­ca­men­te, é pro­vá­vel que vo­cê tam­bém so­fra al­gum ti­po de fa­di­ga men­tal.”

Se vo­cê se es­for­çar com a mes­ma in­ten­si­da­de no­va­men­te dentro de pou­co tempo, au­men­ta­rá o ris­co de lesões. É tam­bém co­mum que cor­re­do­res so­fram uma re­du­ção na imu­ni­da­de e, no fim das con­tas, de­mo­rem mais tempo para se re­cu­pe­rar. “Ati­vi­da­des de longa duração e que de­man­dem es­for­ços má­xi­mos so­bre­car­re­gam di­fe­ren­tes áre­as do cor­po – te­ci­dos mus­cu­la­res, ten­dões, os­sos e até mes­mo va­sos san­guí­ne­os e pa­re­des mu­co­sas do

sis­te­ma res­pi­ra­tó­rio”, ex­pli­ca Ja­net. “A re­cu­pe­ra­ção e a re­ge­ne­ra­ção dos te­ci­dos levam tempo e energia me­ta­bó­li­ca, e, se vo­cê des­vi­ar es­sa energia vol­tan­do a fa­zer trei­nos in­ten­sos dentro de pou­co tempo, po­de pre­ju­di­car o processo de re­cu­pe­ra­ção e re­ge­ne­ra­ção.”

O mes­mo acon­te­ce se vo­cê cor­rer os 21 km de­pois de uma ma­ra­to­na – e pro­va­vel­men­te se fi­zer tam­bém du­as mei­as se­gui­das. “Embora os 21 km te­nham me­ta­de da dis­tân­cia, vo­cê cor­re a um es­for­ço mais in­ten­so que o de uma ma­ra­to­na in­tei­ra”, ela acres­cen­ta. “Ain­da é uma ati­vi­da­de de es­for­ço má­xi­mo, que tem que ser le­va­da em con­ta no que diz res­pei­to à re­cu­pe­ra­ção.”

Co­mo se man­ter for­te

Le­ah Ro­sen­feld, trei­na­do­ra de cor­ri­da do Run SMART Pro­ject (um ser­vi­ço de trei­na­men­to on­li­ne) nor­te-ame­ri­ca­na, tem uma re­co­men­da­ção sim­ples po­rém efe­ti­va para a re­cu­lon­go pe­ra­ção: “Ide­al­men­te, de­pois de uma ma­ra­to­na, vo­cê pre­ci­sa de um dia de re­cu­pe­ra­ção para cada mi­lha (1,6 km) per­cor­ri­da”, re­co­men­da. “O que são cer­ca de três se­ma­nas de trei­nos le­ves e de re­cu­pe­ra­ção ati­va. De­pois o ide­al é trei­nar nor­mal­men­te du­ran­te três ou qua­tro se­ma­nas an­tes de es­tar pronto para a pró­xi­ma cor­ri­da. Ou se­ja, vo­cê de­ve­ria es­pe­rar cer­ca de dois me­ses en­tre uma com­pe­ti­ção e ou­tra.”

“Uma coi­sa que vo­cê não de­ve fa­zer en­tre du­as cor­ri­das: trei­nos adi­ci­o­nais em rit­mo de pro­va”, ad­ver­te Le­ah. “Vo­cê de­fi­ni­ti­va­men­te não de­ve so­bre­car­re­gar o mes­mo sis­te­ma ener­gé­ti­co que aca­bou de usar. É por is­so que algumas pessoas se sen­tem to­tal­men­te exaus­tas ou sem energia na segunda pro­va – o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral é agre­di­do e so­bre­car­re­ga­do.” Em vez dis­so, se for cor­rer de 12 a 25 km em um dia, di­vi­da o trei­no em vá­ri­as par­tes ao de um pe­río­do de 24 ho­ras. Por exemplo: três cor­ri­das de 6 km ao lon­go do dia no lu­gar de 18 km de uma vez só. Para trei­nos mais cur­tos, fa­ça in­ter­va­la­dos de 30 a 60 se­gun­dos fortes no má­xi­mo, com o do­bro do tempo de des­can­so.

Se for fa­zer al­go que exi­ja uma qui­lo­me­tra­gem al­ta em um cur­to pe­río­do de tempo (co­mo uma pro­va de re­ve­za­men­to), Ja­net re­co­men­da au­men­tar seu trei­no mais lon­go, dei­xan­do-o com a mes­ma dis­tân­cia to­tal que vo­cê cor­re­rá no even­to.

A ex­ce­ção de­fi­ni­ti­va

E cla­ro que, se­gun­do Ja­net, vo­cê sem­pre po­de sim­ples­men­te de­ci­dir pe­gar le­ve. “Ape­nas aca­bar uma pro­va a um es­for­ço in­fe­ri­or ao má­xi­mo não oca­si­o­na­rá os mes­mos da­nos aos te­ci­dos que com­pe­tir se es­for­çan­do ao má­xi­mo. Se vo­cê for ape­nas par­ti­ci­par de um even­to, e não com­pe­tir, os cál­cu­los mu­dam.”

1. 2.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.