COR­REN­DO POR EQUI­LÍ­BRIO

DES­DE QUE ALANA SÍCOLI CO­ME­ÇOU A PRA­TI­CAR COR­RI­DA, GA­NHOU FOR­ÇAS PARA LU­TAR CON­TRA A DE­PRES­SÃO E ME­LHO­ROU SUA RE­LA­ÇÃO COM A CO­MI­DA

Runner’s World (Brazil) - - INSPIRAÇÃO - POR JOÃO ORTEGA FOTOS ALE­XAN­DRE GENNARI

FOI EM UMA tar­de chu­vo­sa de in­ver­no que a far­ma­cêu­ti­ca Alana Sícoli apren­deu a dar va­lor a al­go que esteve à sua vol­ta ao lon­go de to­da a vi­da: a cor­ri­da. Nas­ci­da em uma fa­mí­lia es­por­tis­ta – pai tri­a­tle­ta, mãe e ir­mã gê­mea cor­re­do­ras –, a ni­te­rói­en­se de 30 anos diz que nunca se apai­xo­nou pelo es­por­te du­ran­te a infância e a ju­ven­tu­de por­que “não le­va­va jei­to”. En­tre­tan­to, em ju­lho de 2014, sa­ber que a ir­mã Pau­la ha­via com­ple­ta­do a Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro des­per­tou ne­la um in­te­res­se pe­la cor­ri­da que estava es­con­di­do em al­gum can­to da sua mente.

Na épo­ca, Alana des­co­nhe­cia o que era uma ma­ra­to­na. “Eu não sa­bia nem do que se tra­ta­va. Ti­ve que pes­qui­sar no Go­o­gle quan­tos quilô­me­tros ti­nha”, diz. “Não con­se­guia ima­gi­nar que al­guém po­de­ria cor­rer mais de 40 km sem pa­rar. En­chi mi­nha ir­mã de per­gun­tas, e sa­ber que ela ha­via com­ple­ta­do a pro­va bem, feliz e em­bai­xo de chu­va me­xeu muito co­mi­go.”

Nes­se pe­río­do, Alana lu­ta­va con­tra uma de­pres­são pós­par­to – sua fi­lha So­fia ha­via nas­ci­do al­guns me­ses an­tes. Além dis­so, a far­ma­cêu­ti­ca so­fria de um trans­tor­no ali­men­tar cha­ma­do ano­re­xia pur­ga­ti­va, em que a pes­soa tem uma ali­men­ta­ção muito res­tri­ta e ten­de a in­du­zir o vô­mi­to de­pois de comer. O es­por­te, que ron­dou to­da sua infância, sur­gia na­que­le mo­men­to co­mo uma es­ca­pa­tó­ria in­te­res­san­te na­que­le pa­no­ra­ma no­ci­vo.

“EU ESTAVA NUM MO­MEN­TO MUITO DI­FÍ­CIL POR CAU­SA DA DE­PRES­SÃO. A COR­RI­DA FOI A MI­NHA POR­TA DE SAL­VA­ÇÃO.”

ABRIN­DO POR­TAS

Foi na­que­le do­min­go de chu­va que Alana avi­sou a fa­mí­lia in­tei­ra: “Vou vi­rar cor­re­do­ra!”. A maioria não deu mui­ta bo­la, afi­nal, ela nunca ha­via si­do li­ga­da aos esportes. Mas a ir­mã gê­mea sentiu a ver­da­de no seu anún­cio e de­ci­diu aju­dá-la. “Ela me li­gou e dis­se que acre­di­ta­va que eu iria vi­rar uma cor­re­do­ra sim. Já me deu um mon­te de di­cas, achou que era mi­nha trei­na­do­ra [ri­sos]”, re­la­ta Alana.

Com o apoio de Pau­la em trei­nos e nas pri­mei­ras pro­vas, Alana co­me­çou a tomar gos­to pelo es­por­te. “Eu estava num mo­men­to muito di­fí­cil por cau­sa da de­pres­são. A cor­ri­da foi a mi­nha por­ta de sal­va­ção. Não a sal­va­ção, mas a por­ta para a sal­va­ção. Ela foi o ca­mi­nho para me ti­rar da­qui­lo. Eu co­me­cei a cor­rer e aqui­lo me­xeu co­mi­go”, re­la­ta a far­ma­cêu­ti­ca. “A cor­ri­da me tirava da ca­ma, me fa­zia ter um dia feliz, com aque­la sen­sa­ção pós-trei­no com endorfina eu me sen­tia bem. Eu pre­ci­sa­va comer para cor­rer e via que po­dia comer e cor­rer, e aqui­lo não ia me en­gor­dar, en­tão eu fui per­den­do mi­nhas pa­ra­noi­as, me acei­tan­do, gos­tan­do do meu cor­po, ape­sar de ele es­tar mai­or. A cor­ri­da mu­dou com­ple­ta­men­te co­mo eu me via e co­mo me sen­tia co­mi­go mes­ma.”

Se­guin­do os pas­sos do pai, Alana tam­bém co­me­çou a pra­ti­car o tri­a­tlo. Co­mo na­da­va des­de cri­an­ça, fi­cou para a bi­ci­cle­ta o mai­or desafio. A ca­ri­o­ca ad­mi­te que es­sa ain­da é a mo­da­li­da­de que re­quer mais evo­lu­ção, embora já te­nha com­ple­ta­do algumas pro­vas de tri­a­tlo.

No ano se­guin­te ao iní­cio da sua tra­je­tó­ria nos esportes, Alana – ao la­do do ma­ri­do, Tho­maz, e da fi­lha, So­fia – se mu­dou para No­va York, on­de deu iní­cio aos seus estudos em medicina ori­en­tal e acu­pun­tu­ra. Naturalmen­te, afas­tar-se da ir­mã e do país on­de vi­veu to­da sua vi­da trou­xe de vol­ta al­guns sen­ti­men­tos ruins. “De­pres­são não é al­go que a gen­te cu­ra, mas que man­tém sob con­tro­le. Por is­so, de­pois de dois anos bem, fi­quei com medo de que ela vol­tas­se com a mu­dan­ça de país, com o in­ver­no muito pe­sa­do da­qui”, ex­pli­ca a cor­re­do­ra.

Di­an­te des­se pa­no­ra­ma, dois ami­gos de infância re­co­men­da­ram a Alana que ela cri­as­se um perfil no Ins­ta­gram con­tan­do seus pas­sos na cor­ri­da. “Eles dis­se­ram para mim que, co­mo eu sem­pre fui bem co­mu­ni­ca­ti­va, as pessoas gos­ta­ri­am de ler es­se meu ‘diário’”, con­ta a tri­a­tle­ta. E as­sim, em ja­nei­ro de 2016, nas­ceu o @eu­es­co­lhi­cor­rer.

DIÁRIO DE COR­RI­DA

“Nunca pen­sei que fos­se vi­rar uma in­flu­en­cer”, diz Alana. Com o desafio pro­pos­to para cor­rer a Ma­ra­to­na de Chi­ca­go, a pri­mei­ra de sua vi­da, em 2016, a cor­re­do­ra pas­sou a re­la­tar os seus trei­nos e de­sa­fi­os no perfil do Ins­ta­gram. Ela nunca ima­gi­nou o cres­ci­men­to de se­gui­do­res do @eu­es­co­lhi­cor­rer. Hoje são qua­se 110 mil pessoas. “Foi re­al­men­te na­tu­ral e gos­to­so, por­que eu re­ce­bo muito ca­ri­nho ali e es­cre­vo com muito ca­ri­nho tam­bém.”

As pu­bli­ca­ções da ca­ri­o­ca cos­tu­mam ex­por as di­fi­cul­da­des co­muns à maioria dos cor­re­do­res ama­do­res, sem­pre com um tom le­ve e brin­ca­lhão. “O ti­po de men­sa­gem que eu qu­e­ro passar é a re­a­li­da­de do meu dia a dia. Não

“A COR­RI­DA ME TIRAVA DA CA­MA, ME FA­ZIA TER UM DIA FELIZ, COM AQUE­LA SEN­SA­ÇÃO PÓS-TREI­NO COM ENDORFINA EU ME SEN­TIA BEM.”

sou di­fe­ren­te de ninguém, não sou a me­lhor cor­re­do­ra que existe, não nas­ci com o dom, não fa­ço uma meia ma­ra­to­na em 1h30”, diz. “Eu pas­so pe­los pro­ble­mas que to­do mundo pas­sa. Às vezes acor­do com pre­gui­ça. Te­nho ca­sa, ca­chor­ro, ma­ri­do, fi­lha, trabalho e es­tu­do. En­tão o que eu qu­e­ro passar é que a cor­ri­da é uma pai­xão muito grande e que ca­be na mi­nha ro­ti­na. E to­do mundo po­de en­con­trar a ho­ra do dia para cui­dar de si mes­mo, não só fi­si­ca­men­te co­mo tam­bém men­tal­men­te.”

Ao na­ve­gar pe­las fotos da tri­a­tle­ta, é no­tá­vel tam­bém uma por­ção de pu­bli­ca­ções sobre co­mi­da. “Ali­men­ta­ção é um pon­to muito im­por­tan­te para mim. Sou uma pes­soa que já pas­sou por um trans­tor­no ali­men­tar, já ti­ve di­ver­sas res­tri­ções que eu fa­zia co­mi­go mes­ma. En­tão, hoje em dia, não fun­ci­o­no mais com res­tri­ção”, ex­pli­ca Alana. “Eu amo fru­ta, ver­du­ra, le­gu­me, grãos in­te­grais, ado­ro co­mi­da sau­dá­vel. Mas tam­bém amo piz­za, ham­búr­guer, re­fri­ge­ran­te. Eu en­con­trei na cor­ri­da o meu equi­lí­brio.”

Hoje Alana vê o perfil no Ins­ta­gram co­mo um dos gran­des be­ne­fí­ci­os que a cor­ri­da lhe trou­xe. “Em um mo­men­to muito di­fí­cil para mim, de ter vin­do mo­rar fora e me sen­tir muito so­zi­nha, o @eu­es­co­lhi­cor­rer foi uma grande com­pa­nhia. Eu não gos­to da pa­la­vra se­gui­dor, acre­di­to que lá o que te­nho são ami­gos. To­do mundo ali com­par­ti­lha da mes­ma pai­xão e a gen­te se entende muito bem. Hoje em dia te­nho muitos ami­gos de ver­da­de que fiz ali”, con­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.