Memórias de uma cam­peã

ELI­A­NA REI­NERT CONS­TRUIU UMA TRA­JE­TÓ­RIA RE­CHE­A­DA DE ME­DA­LHAS E RECORDES E ACOM­PA­NHOU O CRES­CI­MEN­TO DA COR­RI­DA DE RUA NO BRASIL

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOÃO ORTEGA

Eli­a­na Rei­nert cons­truiu uma tra­je­tó­ria re­che­a­da de me­da­lhas e recordes e acom­pa­nhou o cres­ci­men­to da cor­ri­da de rua no Brasil

RE­LEM­BRAR O pas­sa­do é essencial para en­ten­der a tra­je­tó­ria do atle­tis­mo e da cor­ri­da de rua no Brasil atu­al­men­te. O ex-pu­gi­lis­ta nor­te-ame­ri­ca­no Ge­or­ge Fo­re­man, na sua au­to­bi­o­gra­fia, re­fle­te sobre o po­der das boas memórias e a mo­ti­va­ção que elas dão para vi­ver me­lhor os di­as de hoje. “On­tem não existe mais, ex­ce­to na mi­nha me­mó­ria. É óti­mo lem­brar as boas memórias do meu pas­sa­do. Mas a ra­zão de ela ser uma boa lem­bran­ça é por ter si­do pro­vei­to­sa quan­do o pas­sa­do ain­da era o pre­sen­te. En­tão apro­vei­tar o dia de hoje traz dois be­ne­fí­ci­os: a fe­li­ci­da­de ago­ra e o fa­to de me garantir uma boa me­mó­ria para de­pois.”

As idei­as do bi­cam­peão mun­di­al de bo­xe são pre­ci­sas quan­do re­cor­da­mos uma tra­je­tó­ria que fi­cou no pas­sa­do, mas ain­da re­ver­be­ra nos di­as de hoje. Nos olhos da ex-atle­ta pro­fis­si­o­nal e trei­na­do­ra de cor­ri­da Eli­a­na Rei­nert, as memórias da tra­je­tó­ria na cor­ri­da se trans­for­mam em lá­gri­mas tí­mi­das. “Gra­ti­fi­can­te”, ela diz sobre o ato de re­vi­ver a his­tó­ria que co­me­çou em Blu­me­nau, San­ta Catarina, seis dé­ca­das atrás.

Na infância, Eli­a­na era uma me­ni­na frá­gil e so­fria com re­cor­ren­tes pro­ble­mas de saú­de, até ope­rar as amíg­da­las aos

9 anos de ida­de. Foi só na pré-ado­les­cên­cia, quan­do se mu­dou com a fa­mí­lia para um sí­tio per­to da cidade de Join­vil­le, que ela te­ve os primeiros con­ta­tos com as ati­vi­da­des fí­si­cas. “Hou­ve uma trans­for­ma­ção”, con­ta. “Lá eu con­vi­via com a na­tu­re­za, fa­zia di­ver­sas ati­vi­da­des. Fui fi­can­do mais for­te, mais atlé­ti­ca.”

Aos 14 anos, ela par­ti­ci­pou da sua pri­mei­ra cor­ri­da. Nunca ti­nha trei­na­do nem con­ta­va com tê­nis para a prá­ti­ca. Mas se apai­xo­nou por cada par­te da pro­va: das do­res nas per­nas à ines­que­cí­vel sen­sa­ção de cru­zar a li­nha de che­ga­da. A par­tir da­que­le mo­men­to, o es­por­te não saiu mais dos seus pen­sa­men­tos. “No primeiro con­ta­to com a cor­ri­da, vi o quan­to era di­fí­cil, e eu que­ria sa­ber até on­de con­se­gui­ria che­gar. A cor­ri­da foi um desafio. Era um di­fe­ren­ci­al dentro da mi­nha pers­pec­ti­va de ado­les­cen­te.”

POR UM LU­GAR AO SOL Adap­tar-se a um es­ti­lo de vi­da que não con­tem­plas­se a cor­ri­da se tor­nou im­pos­sí­vel para Eli­a­na. Ela che­gou a bus­car trabalho no es­cri­tó­rio de uma em­pre­sa do se­tor têx­til para aju- dar com as con­tas da fa­mí­lia, mas não con­se­guiu se man­ter fo­ca­da por muito tempo. “Fui man­da­da embora por­que eu sem­pre da­va um jei­to de sair mais ce­do para cor­rer”, con­fes­sa. “Nes­sa épo­ca, fiz um tra­to com meus pais: eu faria to­do ti­po de trabalho no sí­tio para ter tempo de cor­rer.”

O iní­cio da vi­da adul­ta não po­de­ria ter si­do mais in­ten­so. Além do trabalho que fa­zia no sí­tio da fa­mí­lia, Eli­a­na cur­sa­va fa­cul­da­de de edu­ca­ção física e cor­ria com um treinador de Join­vil­le. “Foi ele que se­di­men­tou em mim a ques­tão da dis­ci­pli­na para o trei­na­men­to, e is­so fi­cou para to­da a mi­nha vi­da”, con­ta. “Ti­nha di­as que eu saía da au­la de noi­te e ele me es­pe­ra­va até a ma­dru­ga­da para trei­nar.”

Quan­do ter­mi­nou a fa­cul­da­de e sua per­for­man­ce co­me­çou a de­co­lar, foi na­tu­ral que se­guis­se rumo para São Paulo. A mai­or cidade do país era o lar da já tra­di­ci­o­nal Cor­ri­da de São Silvestre, que abriu es­pa­ço para as mu­lhe­res em 1975. No ano se­guin­te, Eli­a­na par­ti­ci­pou da pro­va, que era um so­nho pes­so­al, e cru­zou a li­nha de che­ga­da no 8º lu­gar.

Ape­sar do grande de­sem­pe­nho, o apoio ao atle­ta

pro­fis­si­o­nal no país era ínfimo, es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção às mu­lhe­res. “Era in­ci­pi­en­te. Apoio es­tru­tu­ral, pen­san­do em Brasil, em fe­de­ra­ção, não ti­nha. As mu­lhe­res es­ta­vam co­me­çan­do a se in­se­rir nas cor­ri­das mais lon­gas. Atra­vés do meu de­sem­pe­nho, eu bus­ca­va apoio de marcas”, re­la­ta Eli­a­na. En­tre um ou ou­tro pa­tro­cí­nio pon­tu­al, a car­rei­ra na cor­ri­da já não lhe pa­re­cia tão se­gu­ra.

O ano de 1978 foi um di­vi­sor de águas para a atle­ta. Para Eli­a­na, era tudo ou na­da: caso ti­ves­se uma per­for­man­ce de des­ta­que na São Silvestre da­que­le ano, o so­nho de ser uma atle­ta pro­fis­si­o­nal con­ti­nu­a­ria ace­so. Do con­trá­rio, se­ria ho­ra de le­var uma vi­da que não de­pen­des­se da von­ta­de de al­guns pa­tro­ci­na­do­res.

Al­guns podem afir­mar que foi o des­ti­no, ou­tros, mais cé­ti­cos, di­rão que o re­sul­ta­do veio de trei­na­men­to e dis­ci­pli­na. O fa­to é que Eli­a­na fi­cou em 3º lu­gar, su­biu no pó­dio e viu o so­nho de ser uma atle­ta pro­fis­si­o­nal se tor­nar pal­pá­vel.

UMA ATLE­TA COM­PLE­TA

O re­sul­ta­do na Cor­ri­da de São Silvestre va­leu um con­vi­te para Eli­a­na trei­nar no Clu­be Pi­nhei­ros, um dos mai­o­res e com mais tra­di­ção no atle­tis­mo da cidade de São Paulo. Ali, con­ta­va com es­tru­tu­ra e es­ta­bi­li­da­de que não co­nhe­cia até en­tão.

To­dos os di­as, Eli­a­na da­va vol­tas e mais vol­tas na pis­ta de atle­tis­mo do clu­be. Na­que­le pe­río­do da sua his­tó­ria, re­ce­beu aju­da de gran­des figuras do es­por­te na­ci­o­nal. “Eu usa­va um tê­nis ve­lho e fi­ca­va ro­dan­do na pis­ta. E o João do Pu­lo (me­da­lhis­ta olím­pi­co e len­da do atle­tis­mo) fi­ca­va me ven­do cor­rer da ar­qui­ban­ca­da. Pa­tro­ci­na­do pe­la Adi­das, ele foi para Ber­lim e vol­tou com um tê­nis no­vi­nho ama­re­lo da mar­ca para mim. Aque­le tê­nis me fez cor­rer mais, me deu muito gás”, con­ta, emo­ci­o­na­da, co­mo se re­ce­bes­se o pre­sen­te de novo. “Eram es­tí“ti­ve mu­los co­mo es­se que me da­vam mais von­ta­de de ven­cer, que me jo­ga­vam lá na fren­te.”

Bons re­sul­ta­dos apa­re­ce­ram tan­to em pro­vas de rua co­mo com­pe­tin­do em pis­ta. Em

1979, Eli­a­na foi 3º lu­gar na São Silvestre. Três anos de­pois, foi con­vi­da­da para fa­zer par­te da pri­mei­ra equi­pe da Cor­po­re, en­ti­da­de fun­da­da para ala­van­car a cor­ri­da no Es­ta­do de São Paulo. Com o treinador Wan­der­lei de Oli­vei­ra, a cor­re­do­ra pas­sou a ter ain­da mais des­ta­que no ce­ná­rio bra­si­lei­ro e tam­bém in­ter­na­ci­o­nal.

Não im­por­ta­va a dis­tân­cia ou o ti­po de so­lo. Ao lon­go dos anos 1980, ela foi pen­ta­cam­peã da já ex­tin­ta Mi­ni­ma­ra­to­na da Ga­ze­ta Es­por­ti­va (21 km), em São Paulo. Que­brou os recordes

“NA DÉ­CA­DA DE 1970, O APOIO AO ATLE­TA PRO­FIS­SI­O­NAL NO PAÍS ERA ÍNFIMO. HOJE HÁ MAIS RE­CUR­SOS, HÁ UMA FE­DE­RA­ÇÃO, MAS O ATLE­TIS­MO BRA­SI­LEI­RO NÃO VAI PARA FREN­TE.”

bra­si­lei­ros nos 3.000m, 5.000m e 10.000m em pis­ta. E ven­ceu a Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro. Para Wan­der­lei, foi uma das atle­tas mais im­por­tan­tes de seu tempo: “Foi a pri­mei­ra mulher de al­to ní­vel que trei­nei. Era fora de sé­rie. Uma atle­ta com­ple­ta, cor­ria bem na rua e na pis­ta, o que era ra­ro na épo­ca”.

COR­REN­DO POR AL­TOS E BAIXOS

Eli­a­na con­fes­sa que o grande mo­men­to da sua car­rei­ra, en­tre­tan­to, não te­ve a ver com me­da­lhas, recordes e pó­di­os. Em 1986, a atle­ta foi con­vi­da­da pe­la ONU para re­pre­sen­tar a Amé­ri­ca do Sul na Vol­ta ao Mundo pe­la Paz. “Vi­a­jei pelo mundo to­do, co­nhe­ci no­vas cul­tu­ras, no­vos po­vos”, re­lem­bra, nos­tál­gi­ca, sobre a ex­pe­di­ção que bus­ca­va passar a men­sa­gem da paz atra­vés do es­por­te. “Eu sem­pre ti­ve o ide­al de que é pos­sí­vel trans­for­mar as pessoas atra­vés da cor­ri­da. Faz a di­fe­ren­ça.”

a hon­ra de ser seu téc­ni­co até 1987”, con­ta Wan­der­lei. Na­que­le ano, o treinador se mu­dou para Portugal, en­quan­to Eli­a­na so­freu o mai­or ba­que da sua car­rei­ra. Ela re­ce­bia pa­tro­cí­nio do Pão de Açú­car, ti­nha aca­ba­do de ven­cer a Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro (on­de fez seu recorde pes­so­al: 2h49­min) e estava ran­que­a­da para cor­rer os 42 km nos Jo­gos Pan-ame­ri­ca­nos de Atlan­ta. En­tre­tan­to os car­to­las da fe­de­ra­ção de­ci­di­ram não le­var mu­lhe­res para a pro­va. “A par­tir da­li, co­me­cei a re­pen­sar mi­nha car­rei­ra, por­que per­ce­bi o quan­to eu estava a mer­cê de car­to­las e ín­di­ces in­con­sis­ten­tes”, revela a ex-atle­ta. “Co­me­cei a cul­ti­var a ideia de ser trei­na­do­ra.”

De vol­ta ao Clu­be Pi­nhei­ros no fim de 1980, Eli­a­na vi­via uma car­rei­ra du­pla: en­quan­to ain­da ti­nha gran­des re­sul­ta­dos co­mo atle­ta – nes­se mo­men­to, treinando so­zi­nha –, ela ocu­pa­va o cargo de trei­na­do­ra. De­sen­vol­ven­do-se na no­va função, Eli­a­na se pre­pa­ra­va para aban­do­nar a an­ti­ga.

“A apo­sen­ta­do­ria foi gra­du­al, mas di­fí­cil”, revela. “O atle­ta é ou dei­xa de ser atra­vés da com­pe­ti­ção. Vo­cê pre­ci­sa cons­truir no­vas re­fe­rên­ci­as. A mi­nha foi de trei­na­do­ra. A úl­ti­ma pro­va que dis­pu­tei re­al­men­te co­mo pro­fis­si­o­nal e com pa­tro­cí­nio foi a Ma­ra­to­na de No­va York em 1992, mas foi ma­ra­vi­lho­sa.” Na tra­di­ci­o­nal pro­va dos EUA, ela foi a me­lhor sul-ame­ri­ca­na e fi­cou no 25º lu­gar ge­ral. E, a par­tir de en­tão, pas­sou a cor­rer de for­ma mais amadora.

“Eu me re­a­li­zei bas­tan­te. Vi­a­jei o mundo in­tei­ro e ti­ve re­sul­ta­dos me­lho­res do que ha­via so­nha­do”, ava­lia.

DE VOL­TA AO PRE­SEN­TE

As memórias emo­ci­o­nam e fa­zem Eli­a­na re­vi­ver os seus tem­pos de ou­ro no atle­tis­mo. Mas, aos 61 anos, não se

atém a olhar só para trás: ela man­tém vi­gor fí­si­co, von­ta­de de se su­pe­rar e uma vi­são crí­ti­ca em re­la­ção ao es­por­te no país. Atu­al­men­te, é for­ma­da tam­bém em psi­co­lo­gia e alia trei­na­men­to fí­si­co e men­tal para seus atle­tas na pis­ta do Clu­be Pi­nhei­ros, que já é a sua segunda ca­sa.

“Hoje o Brasil pos­sui mais re­cur­sos, tem di­nhei­ro, tem uma fe­de­ra­ção. Há um con­tin­gen­te de ta­len­tos im­pres­si­o­nan­te. Mas o atle­tis­mo bra­si­lei­ro não vai para fren­te”, ana­li­sa a trei­na­do­ra. “O atle­ta pre­ci­sa de apoio, de aju­da de or­dem psi­co­ló­gi­ca. O atle­tis­mo é um es­por­te de ba­se, e mui­ta gen­te que pra­ti­ca vem de uma es­tru­tu­ra dis­fun­ci­o­nal. Só al­guns dos mais bem ran­que­a­dos ganham uma bol­sa, is­so é muito pou­co. A di­fe­ren­ça en­tre hoje e há 20 anos não é tão grande as­sim.”

Nes­se sen­ti­do, Eli­a­na tenta fa­zer sua par­te. Atu­al­men­te, tra­ba­lha com atle­tas ama­do­res, só­ci­os do clu­be. Para ela, o fenô­me­no da cor­ri­da de rua amadora é um dos gran­des pontos po­si­ti­vos para a trans­for­ma­ção das pessoas atra­vés do es­por­te. “Si­go mo­ti­va­da para sen­si­bi­li­zar e es­ti­mu­lar pessoas a se su­pe­ra­rem por meio da cor­ri­da”, fi­na­li­za Eli­a­na.

2 1 Che­ga­da na edição 2018 da Meia Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro2 Ma­ra­to­na de No­va York de 1999, na al­tu­ra do Km 25 3 Tre­cho de su­bi­da no Re­ve­za­men­to Ilha­be­la, em ju­nho de 2008 3

4

7 8 10 4 Largada em pro­va da Track & Fi­eld de 20055 Eli­a­na vence a Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro de 19876 Che­ga­da vi­to­ri­o­sa em eta­pa do cir­cui­to fe­mi­ni­no Avon, 19807 Che­ga­da da Ma­ra­to­na do Rio de Ja­nei­ro de 19868 Eli­a­na na pri­mei­ra Earth Run, no Japão, em 19869 Pó­dio em pro­va de 7km da Avon10 Tor­neio pau­lis­ta­no em pis­ta de atle­tis­mo, pro­va dos 10.000m11 Pó­dio na Meia Ma­ra­to­na Ga­ze­ta Es­por­ti­va, emSão Paulo, 1981 11

9

5

6

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.