O es­por­te in­di­vi­du­al que pros­pe­rou em gru­po

FENÔ­ME­NO PAR­TI­CU­LAR DO BRASIL, O CRES­CI­MEN­TO DAS AS­SES­SO­RI­AS DE RUA NOS ANOS 1990 ALA­VAN­COU O “BO­OM” DA COR­RI­DA DE RUA

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOÃO ORTEGA

Fenô­me­no par­ti­cu­lar do Brasil, o cres­ci­men­to das as­ses­so­ri­as de rua nos anos 1990 ala­van­cou o “bo­om” da cor­ri­da de rua

JÁ VI­ROU RO­TI­NA para qu­em es­tá acos­tu­ma­do a par­ti­ci­par das gran­des pro­vas de cor­ri­da de rua pelo país: grupos de pessoas com ca­mi­se­tas da mes­ma cor aque­cem e lar­gam jun­tos e, no fim da pro­va, co­me­mo­ram jun­tos seus re­sul­ta­dos in­di­vi­du­ais. São as as­ses­so­ri­as de cor­ri­da: li­de­ra­dos por trei­na­do­res, os alu­nos re­ce­bem atenção es­pe­cí­fi­ca de acor­do com su­as me­tas e ne­ces­si­da­des. Mas, no fim das con­tas, muitos es­tão lá pe­las ami­za­des e companhias, o que tor­na o es­por­te ain­da mais re­com­pen­sa­dor.

Es­se mo­de­lo de ne­gó­cio sur­giu de ma­nei­ra es­pon­tâ­nea no Brasil e te­ve grande par­ce­la de res­pon­sa­bi­li­da­de no cha­ma­do “bo­om” da cor­ri­da de rua nos anos 1990. O sur­gi­men­to das as­ses­so­ri­as pi­o­nei­ras de São Paulo, no iní­cio da dé­ca­da, ala­van­cou o pú­bli­co das pro­vas bem or­ga­ni­za­das – que, à épo­ca, eram pou­co nu­me­ro­sas. Hoje são mi­lha­res de as­ses­so­ri­as de cor­ri­da es­pa­lha­das pelo Brasil e mais de 200 só na cidade de São Paulo.

CO­MO TUDO CO­ME­ÇOU

A Cor­po­re, en­ti­da­de que re­pre­sen­ta os cor­re­do­res de São Paulo, é sem­pre ci­ta­da pe­los es­pe­ci­a­lis­tas na his­tó­ria da cor­ri­da de rua do país co­mo grande res­pon­sá­vel por ele­var o pa­ta­mar do es­por­te e atrair a atenção do pú­bli­co ama­dor. Wan­der­lei Oli­vei­ra, um dos fun­da­do­res do gru­po, ex­pli­ca que ela sur­giu da falta de ori­en­ta­ção por par­te dos atle­tas ama­do­res.

“De 1979 a 1982, tra­ba­lhei na Fe­de­ra­ção Pau­lis­ta de Atle­tis­mo. Era fre­quen­te a vi­si­ta de pessoas per­gun­tan­do co­mo fa­zia para ini­ci­ar na prá­ti­ca do atle­tis­mo, em es­pe­ci­al na cor­ri­da. So­men­te os atle­tas li­ga­dos aos clu­bes re­ce­bi­am ori­en­ta­ção dos técnicos de atle­tis­mo para cam­pe­o­na­tos e de­ter­mi­na­das com­pe­ti­ções”, re­la­ta o treinador. “Per­ce­ben­do es­sa ne­ces­si­da­de, no dia 10 de abril de 1982 nos­so gru­po de ami­gos cor­re­do­res cri­ou a Cor­po­re – Cor­re­do­res Pau­lis­tas Reu­ni­dos.”

Se­gun­do Wan­der­lei, a en­ti­da­de ofe­re­cia ori­en­ta­ção para ini­ci­an­tes no es­por­te sem cus­tos. Além dis­so, ti­nha co­mo missão divulgar os be­ne­fí­ci­os da ati­vi­da­de física e mas­si­fi­car a mo­da­li­da­de no es­ta­do. A Cor­po­re pro­por­ci­o­na­va tam­bém pro­vas gra­tui­tas, com bom ní­vel de or­ga­ni­za­ção.

Po­rém, por ser uma en­ti­da­de sem fins lu­cra­ti­vos, ela não se ca­rac­te­ri­za­va no mo­de­lo de uma as­ses­so­ria de cor­ri­da co­mo é hoje. Seus ideais, en­tre­tan­to, ser­vi­ram de ins­pi­ra­ção para o sur­gi­men­to das pri­mei­ras as­ses­so­ri­as em São Paulo. No iní­cio dos anos 1990, Wan­der­lei pas­sou a ser treinador do Pão de Açú­car Club, um ino­va­dor clu­be-em­pre­sa, cu­jo ob­je­ti­vo era tra­zer os be­ne­fí­ci­os da cor­ri­da para seus fun­ci­o­ná­ri­os. Com aten­di­men­to in­di­vi­du­a­li­za­do, ali­a­do à me­ta prin­ci­pal que era a Ma­ra­to­na de Re­ve­za­men­to do Pão de Açú­car (a pri­mei­ra edição da pro­va foi em 1993), o clu­be deu iní­cio à on­da de grupos de cor­ri­da pri­va­dos para atle­tas ama­do­res.

AS AS­SES­SO­RI­AS PI­O­NEI­RAS

Foi nes­se ce­ná­rio que dois trei­na­do­res an­te­na­dos à ten­dên­cia do es­por­te per­ce­be­ram que ha­via um grande mer­ca­do inex­plo­ra­do. A exemplo de Wan­der­lei, os edu­ca­do­res fí­si­cos Mar­cos Paulo Reis e Ma­rio Sérgio Silva pas­sa­ram a dar di­cas, ofe­re­cer pla­ni­lhas e pro­mo­ver trei­na­men­to in­di­vi­du­a­li­za­do para cor­re­do­res (ou as­pi­ran­tes a cor­re­do­res).

Se­gun­do Ma­rio Sérgio, na épo­ca, a cor­ri­da de rua co­me­çou a cres­cer na eli­te pau­lis­ta­na. “A re­cep­ção do pú­bli­co era boa. Ape­sar de a cor­ri­da de rua não ser um movimento só­li­do co­mo é hoje, a figura do em­pre­sá­rio Abílio Di­niz, do Pão de Açú­car, e algumas outras ca­ras res­pei­ta­das na sociedade im­pul­si­o­na­ram muito. As pessoas que fa­la­vam com a gen­te, nor­mal­men­te de uma clas­se al­ta, já co­nhe­ci­am a his­tó­ria do Abílio com o es­por­te”, ex­pli­ca.

Para Mar­cos Paulo, o grande desafio nes­se novo mer­ca­do era que o pú­bli­co com­pre­en­des­se as van­ta­gens que ele te­ria ao par­ti­ci­par de um gru­po de cor­ri­da. “Era muito di­fí­cil ex­pli­car o que fa­zía­mos. A re­cep­ção do pú­bli­co era boa à me­di­da que a pes­soa entendia o que eu estava ven­den­do”, diz o treinador.

Tan­to a Run & Fun, de Ma­rio Sérgio, quan­to a MPR, de Mar­cos Paulo, são hoje re­fe­rên­cia dentro do seg­men­to. En­tre­tan­to a for­ma de atu­ar das as­ses­so­ri­as não era tão especializada quan­to é hoje. “Era al­go mais ama­dor. Eu ti­nha um es­cri­tó­rio pe­que­no on­de fa­zia uma lo­gís­ti­ca de trei­nos in­di­vi­du­a­li­za­da para a vi­da da pes­soa. Fui mon­tan­do um ne­gó­cio em ci­ma de um novo mer­ca­do”, re­la­ta o fun­da­dor da MPR. Na mes­ma li­nha, Ma­rio Sérgio con­ta que co­me­çou seu ne­gó­cio treinando sua ex-mulher, que me­lho­rou muito o de­sem­pe­nho, e a par­tir daí o cres­ci­men­to se deu “no boca a boca”.

Con­for­me as as­ses­so­ri­as de rua fo­ram cres­cen­do em quan­ti­da­de de alu­nos, as pro­vas bem or­ga­ni­za­das pas­sa­ram a ter mais ins­cri­tos. Foi um apoio mú­tuo en­tre trei­na­do­res e or­ga­ni­za­do­res. “As pri­mei­ras as­ses­so­ri­as fo­ram as gran­des res­pon­sá­veis pelo ‘bo­om’ da cor­ri­da pelo país. As­sim co­mo os primeiros or­ga­ni­za­do­res – e aí eu co­lo­co a Cor­po­re e a Ma­ra­to­na de Re­ve­za­men­to do Pão de Açú­car co­mo fun­da­men­tais nes­se processo”, con­ta Ma­rio Sérgio.

É im­por­tan­te res­sal­tar que es­se fenô­me­no foi par­ti­cu­lar do Brasil: nos EUA, por exemplo, as prin­ci­pais ma­ra­to­nas cres­ce­ram em adeptos an­tes de sur­gi­rem gran­des as­ses­so­ri­as de cor­ri­da.

TEC­NO­LO­GIA PARA O FU­TU­RO

Com o avan­ço tec­no­ló­gi­co na cor­ri­da, as as­ses­so­ri­as ti­ve­ram que se adap­tar e li­dar com uma no­va con­cor­rên­cia, que são os trei­nos e di­cas vir­tu­ais (des­de os vídeos de trei­na­men­to no iní­cio do sé­cu­lo até os apli­ca­ti­vos de cor­ri­da da atualidade). “To­do mundo pos­sui a fer­ra­men­ta da tec­no­lo­gia, mas al­guém tem que le­var es­sa tec­no­lo­gia ex­pli­ca­da para o cli­en­te. Se vo­cê não ti­ver es­se aten­di­men­to para o cor­re­dor, es­tá mor­to no ne­gó­cio”, ex­pli­ca Mar­cos Paulo.

O grande vo­lu­me de as­ses­so­ri­as de cor­ri­da que sur­giu na úl­ti­ma dé­ca­da cri­ou um mer­ca­do mais seg­men­ta­do. Se an­tes um treinador da­va di­cas tan­to para cor­ri­da de rua co­mo na­ta­ção, cor­ri­da em tri­lha e ciclismo, hoje cada um pro­cu­ra di­re­ci­o­nar seu produto para um ni­cho es­pe­cí­fi­co.

Mes­mo com a grande con­cor­rên­cia en­tre as­ses­so­ri­as – além de ter a com­pe­ti­ção dos apli­ca­ti­vos es­pe­ci­a­li­za­dos –, os fun­da­do­res dos grupos pi­o­nei­ros não ve­em o fu­tu­ro com de­sâ­ni­mo. “O ca­ra que es­tá nu­ma as­ses­so­ria hoje é uma pes­soa com me­ta, com ob­je­ti­vos es­pe­cí­fi­cos”, diz Mar­cos Paulo. “À me­di­da que a tec­no­lo­gia cres­ce, o cli­en­te te quer ain­da mais per­to para se di­fe­ren­ci­ar na pro­va.”

Para Ma­rio Sérgio, o prin­ci­pal con­cor­ren­te da cor­ri­da de rua não é ou­tro es­por­te, e por is­so ele acha que as as­ses­so­ri­as ain­da têm muito a cres­cer. “O con­cor­ren­te da cor­ri­da não é ou­tra ati­vi­da­de: é o so­fá. Co­mo te­mos 52% de se­den­tá­ri­os no país, há um es­pa­ço muito grande para o cres­ci­men­to. Acre­di­to que as as­ses­so­ri­as vão passar por um mo­men­to de lim­pe­za, por con­ta do vo­lu­me muito grande, e que algumas vão sair do mer­ca­do por falta de atle­tas. Mas as que fa­zem um trabalho sé­rio, ba­se­a­do na ci­ên­cia, ten­dem a man­ter o gru­po grande e vão se­guir cres­cen­do”, afir­ma.

“ERA MUITO DI­FÍ­CIL EX­PLI­CAR O QUE FA­ZÍA­MOS. A RE­CEP­ÇÃO DO PÚ­BLI­CO ERA BOA À ME­DI­DA QUE A PES­SOA ENTENDIA O QUE EU ESTAVA VEN­DEN­DO”, DIZ O TREINADOR MAR­COS PAULO.

Ma­rio Sérgio, da Run & Fun, Mar­cos Paulo, da MPR e Wan­der­lei Oli­vei­ra, da Cor­po­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.