NASCIDOS PA­RA COR­RER

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JESSICA SALTER

As cri­an­ças tam­bém ado­ram a corrida, mas pre­ci­sam da nos­sa aju­da pa­ra te­rem es­sa ale­gria ao mes­mo tem­po que cres­cem sau­dá­veis

As cri­an­ças ado­ram cor­rer, mas pre­ci­sam de nos­sa aju­da pa­ra te­rem es­sa ale­gria en­quan­to cres­cem sau­dá­veis

Minha fi­lha de 19 me­ses aca­bou de apren­der a cor­rer. E des­co­briu que seus pri­mei­ros pas­sos po­dem ser mui­to mais di­ver­ti­dos se ela mo­vi­men­tar as per­nas com mais ve­lo­ci­da­de e me­xer os bra­ços pa­ra ci­ma e pa­ra bai­xo, pa­ran­do aqui e ali pa­ra ad­mi­rar uma for­mi­ga ou uma fo­lha an­tes de re­co­me­çar. Mas, re­su­min­do, não é por is­so que mui­tos de nós cor­re­mos? Pa­ra che­gar a al­gum lu­gar mais ra­pi­da­men­te, apro­vei­tar a na­tu­re­za e se di­ver­tir? “Cor­rer é um jei­to na­tu­ral de as cri­an­ças se mo­vi­men­ta­rem”, afir­ma o mé­di­co Ee­ro Ha­a­pa­la, da Uni­ver­si­da­de da Fin­lân­dia, que es­tu­da os efei­tos da ati­vi­da­de fí­si­ca nas cri­an­ças. “Faz par­te de su­as vi­das quan­do brincam.”

En­tão co­mo é pos­sí­vel que mais da me­ta­de das cri­an­ças bra­si­lei­ras de

1 a 12 anos não es­te­jam cum­prin­do a re­co­men­da­ção da OMS de 300 mi­nu­tos por se­ma­na de ati­vi­da­de fí­si­ca? E que, na fai­xa etá­ria en­tre

10 e 12 anos, o se­den­ta­ris­mo atin­ja 45% das cri­an­ças? Po­de­mos co­lo­car a cul­pa na fal­ta de áre­as ver­des pa­ra a prá­ti­ca. Mas quer um mo­ti­vo mais sim­ples? “Quan­do as cri­an­ças vão pa­ra a es­co­la, fre­quen­te­men­te são proi­bi­das de cor­rer”, afir­ma Samantha Young, di­re­to­ra de ope­ra­ções da ins­ti­tui­ção de ca­ri­da­de Kids Run Free. “Por is­so elas pa­ram.”

Ina­ti­vi­da­de

Pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de South Aus­tra­lia des­co­bri­ram que cri­an­ças le­vam 90 se­gun­dos a mais pa­ra cor­rer 1 mi­lha

(1,6 km) com­pa­ra­das à ga­ro­ta­da de 30 anos atrás. E os ní­veis de ati­vi­da­de es­tão di­mi­nuin­do. De qu­em é a cul­pa? Dos adul­tos, pa­ra co­me­çar. Po­de­mos su­por, com se­gu­ran­ça, que os lei­to­res da Run­ner’s World es­tão en­tre os qua­se 40% de bra­si­lei­ros que se­guem a re­co­men­da­ção de exer­cí­ci­os da OMS, mas cer­ca de 60% não pra­ti­cam es­por­tes. “É fun­da­men­tal fa­zer nos­sos fi­lhos se mo­vi­men­ta­rem se qui­ser­mos ter uma ge­ra­ção de cri­an­ças sa­di­as. Mas, se 54% dos adul­tos têm so­bre­pe­so ou são obe­sos e não fa­zem o mí­ni­mo re­co­men­da­do de ati­vi­da­de fí­si­ca, o que po­de­mos es­pe­rar de nos­sas cri­an­ças?”, per­gun­ta Ee­ro.

Cri­se de obe­si­da­de

Sem uma mu­dan­ça de há­bi­tos, em me­nos de uma dé­ca­da a obe­si­da­de po­de atin­gir

11,3 mi­lhões de cri­an­ças no Bra­sil, de acor­do com um aler­ta di­vul­ga­do pe­la Fe­de­ra­ção Mun­di­al de Obe­si­da­de. Com o atu­al rit­mo de cres­ci­men­to da epi­de­mia, em cin­co anos o mun­do te­rá mais cri­an­ças e ado­les­cen­tes obe­sos do que com bai­xo pe­so.

No Bra­sil, o Mi­nis­té­rio Pú­bi­co apro­vou, em ou­tu­bro des­te ano, uma pro­pos­ta em que re­co­men­da ações que con­tri­bu­am pa­ra a pre­ven­ção e o com­ba­te à obe­si­da­de in­fan­til, com mo­ni­to­ra­men­to e fis­ca­li­za­ção do cum­pri­men­to da lei de co­mer­ci­a­li­za­ção de ali­men­tos a lac­tan­tes, re­gras em re­la­ção à pu­bli­ci­da­de in­fan­til, bem co­mo in­cen­ti­vo e pro­mo­ção de am­bi­en­tes es­co­la­res sau­dá­veis.

Já em Lon­dres, o pre­fei­to Sa­diq Khan cri­ou uma for­ça ta­re­fa con­tra a obe­si­da­de in­fan­til. “Ba­si­ca­men­te, é uma in­jus­ti­ça so­ci­al”, afir­ma Scott Cain, em­pre­en­de­dor da área de tecnologia e fun­da­dor do Run Fri­en­dly, que tem pai­xão por aju­dar cri­an­ças a se­rem mais ati­vas. “Mas pa­re­ce que pre­ci­sa­mos che­gar ao pon­to em que as coi­sas pra­ti­ca­men­te não po­dem mais pi­o­rar pa­ra que as pes­so­as se sin­tam de­ter­mi­na­das a fa­zer al­gu­ma coi­sa.”

Ga­nhos fí­si­cos

A obe­si­da­de não só cus­ta ca­ro – mais pre­ci­sa­men­te 2,4% do PIB bra­si­lei­ro – co­mo tam­bém po­de im­por res­tri­ções à vi­da, até mes­mo fa­tais. Adul­tos obe­sos têm se­te ve­zes mais chan­ce de de­sen­vol­ver di­a­be­tes ti­po 2 e mai­or pro­ba­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver pro­ble­mas co­mo do­en­ças car­día­cas e de­pres­são.

Por ou­tro la­do, a ati­vi­da­de fí­si­ca não só me­lho­ra o con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co das cri­an­ças e po­de co­la­bo­rar pa­ra o con­tro­le do pe­so co­mo tam­bém “aju­da na den­si­da­de ós­sea, con­tri­bui pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do cé­re­bro e pa­ra o apren­di­za­do e as dei­xa mais fe­li­zes”, afir­ma o mé­di­co Co­lin Moran, pro­fes­sor ad­jun­to na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as da Saú­de e do Es­por­te na Uni­ver­si­da­de de Stir­ling, na Es­có­cia.

Fa­zer com que as cri­an­ças co­me­cem a pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca o mais ce­do pos­sí­vel pro­por­ci­o­na be­ne­fí­ci­os que elas po­de­ri­am co­lher co­mo se fos­sem pen­si­o­nis­tas: um es­tu­do mos­trou que cri­an­ças que pu­la­vam, cor­ri­am e an­da­vam por vol­ta dos 18 me­ses ti­nham os­sos mais for­tes ao che­gar na ado­les­cên­cia, o que di­mi­nui a chan­ce de de­sen­vol­ver os­te­o­po­ro­se mais tar­de. Ou­tra pes­qui­sa mos­trou que co­me­çar exer­cí­ci­os de al­ta energia, mes­mo na ado­les­cên­cia, re­du­ziu a per­da de al­tu­ra no en­ve­lhe­ci­men­to.

Eu­fo­ria men­tal

As­sim co­mo cor­re­do­res adul­tos co­lo­cam o tê­nis pa­ra bus­car o tal “ba­ra­to da corrida”, as cri­an­ças tam­bém têm be­ne­fí­ci­os men­tais. Es­tar ati­vo fez com que a mai­o­ria das cri­an­ças com ida­de en­tre 5 a 11 anos se sen­tis­se mais fe­liz (79%) e mais confiante, con­for­me re­la­ta­do por seus pais em uma pes­qui­sa fei­ta pe­la Pu­blic He­alth En­gland and Dis­ney. Na mes­ma pes­qui­sa, 93% das cri­an­ças afir­ma­ram gos­tar de fa­zer ati­vi­da­des fí­si­cas.

“Ocor­rem tan­tas mu­dan­ças hor­mo­nais nos anos da pu­ber­da­de que eu acho que elas pre­ci­sam se exer­ci­tar co­mo for­ma de se li­ber­tar”, afir­ma Matt Roberts, pai de dois fi­lhos e per­so­nal trai­ner. “Nós, adul­tos, sa­be­mos que o exer­cí­cio faz com que nos sin­ta­mos bem, que ele nos dá uma sen­sa­ção de em­po­de­ra­men­to. Além dis­so, aju­da a re­gu­lar os

“É fun­da­men­tal fa­zer nos­sos fi­lhos se mo­vi­men­ta­rem se qu­e­re­mos ter uma ge­ra­ção de cri­an­ças sa­di­as.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.