Cor­re­do­ra al­ter­na­ti­va

ACOS­TU­MA­DA A VI­A­JAR IN­TER­NA­CI­O­NAL­MEN­TE A TRA­BA­LHO, ISA­BEL AMO­RIM APRO­VEI­TA PA­RA CO­NHE­CER RE­FÚ­GI­OS DA CORRIDA PE­LO MUN­DO

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOÃO OR­TE­GA

Acos­tu­ma­da a vi­a­jar a tra­ba­lho, Isa­bel Amo­rim apro­vei­ta pa­ra co­nhe­cer os en­can­tos se­cre­tos de cor­ri­das pou­co co­nhe­ci­das

A EXE­CU­TI­VA e ul­tra­ma­ra­to­nis­ta Isa­bel Amo­rim já cor­reu ma­ra­to­nas fa­mo­sas no Bra­sil, co­mo a do Rio de Ja­nei­ro e de São Pau­lo, e no ex­te­ri­or, co­mo a de No­va York, uma das cor­ri­das mais fa­mo­sas de to­do o mun­do. “A pro­va é lin­da”, ad­mi­te, so­bre o tra­di­ci­o­nal even­to nor­te-ame­ri­ca­no. “Mas, pa­ra mim, tem gen­te de­mais.”

A car­rei­ra da pau­lis­ta­na de 49 anos sem­pre lhe pro­por­ci­o­nou mui­tas vi­a­gens ao re­dor do mun­do. Exe­cu­ti­va em em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção, ela se re­la­ci­o­na com pro­fis­si­o­nais de di­ver­sas re­giões. Quan­do Isa­bel fi­ca sa­ben­do de um no­vo des­ti­no pa­ra o qual vai a tra­ba­lho, já pes­qui­sa so­bre pro­vas de corrida no mes­mo lu­gar e da­ta. Nes­sas si­tu­a­ções, co­nhe­ce en­can­tos do mun­do que ja­mais ima­gi­na­ria ver com os pró­pri­os olhos e sen­tir com os pró­pri­os pés. “A corrida, es­pe­ci­al­men­te a de mon­ta­nha, te faz che­gar a lu­ga­res que só dá pa­ra ir cor­ren­do mes­mo”, diz Isa­bel.

SUBINDO A MON­TA­NHA

Fo­ram as su­ces­si­vas vi­a­gens pa­ra tra­ba­lhar pe­la Amé­ri­ca La­ti­na que in­cen­ti­va­ram Isa­bel a co­me­çar a pra­ti­car a corrida. “Eu fi­ca­va ca­çan­do pis­ci­nas nas ci­da­des em que es­ta­va, até que achei que se­ria bem mais fá­cil co­me­çar a cor­rer”, con­ta. “Era só le­var um tê­nis pa­ra qual­quer lu­gar que eu fos­se!”

No iní­cio da dé­ca­da de 2000, Isa­bel co­me­çou a pra­ti­car com acom­pa­nha­men­to da atle­ta e trei­na­do­ra Cris Car­va­lho (cri­a­do­ra do Nú­cleo Aven­tu­ra e uma das prin­ci­pais atle­tas do seg­men­to no Bra­sil, até sua mor­te, em 2015). Lo­go em 2003, fez sua es­treia em pro­vas de mon­ta­nha no Cru­ce de los An­des, tra­di­ci­o­nal corrida que pas­sa pe­la Pa­tagô­nia ar­gen­ti­na e chi­le­na. “Uma das mais bo­ni­tas que já fiz até ho­je”, re­ve­la a pau­lis­ta­na.

Des­de en­tão, Isa­bel fi­cou to­tal­men­te en­can­ta­da com as ul­tra­ma­ra­to­nas na na­tu­re­za. “As pro­vas lon­gas, pa­ra mim, são uma ma­nei­ra de che­gar em lu­ga­res que eu ja­mais con­se­gui­ria. Al­can­çar o to­po de uma mon­ta­nha, cor­rer em ci­ma de um vul­cão, ul­tra­pas­sar um va­le que não pos­sui aces­so”, con­ta.

En­tre as pro­vas mais marcantes de que já par­ti­ci­pou, a exe­cu­ti­va des­ta­ca sua es­treia no Cru­ce de Los An­des. A Ma­ra­to­na do Mont Saint Mi­chel, na re­gião da Nor­man­dia, na Fran­ça, tam­bém en­tra no rol das mais be­las, por pas­sar pe­los cam­pos e che­gar à cos­ta. Com­ple­ta o pó­dio uma pro­va na­ci­o­nal, que mar­cou por ser a mais lon­ga que com­ple­tou em ape­nas um dia: a Ul­tra Trail 70k em Bo­tu­ca­tu, no in­te­ri­or de São Pau­lo.

CORRIDA AL­TER­NA­TI­VA

Quan­do cor­reu a Ma­ra­to­na de No­va York, em 2013, Isa­bel fi­cou in­co­mo­da­da com a quan­ti­da­de de gen­te na rua. Pre­fe­riu, por exem­plo, a Ma­ra­to­na de São Fran­cis­co, na

Ca­li­fór­nia. A né­voa não per­mi­tiu ver a be­le­za da cidade, mas ela gos­tou da pra­ti­ci­da­de, da or­ga­ni­za­ção e da tran­qui­li­da­de do pú­bli­co lo­cal.

“Nor­mal­men­te, pro­cu­ro cor­rer pro­vas al­ter­na­ti­vas”, diz. “Tem me­nos gen­te, são mais fá­ceis pa­ra se ins­cre­ver e pa­ra achar va­ga em ho­téis.” Is­so acon­te­ce tam­bém por cau­sa da di­fi­cul­da­de em se pla­ne­jar com an­te­ce­dên­cia. Isa­bel ra­ra­men­te sa­be on­de vai es­tar em um ano e des­co­bre que pre­ci­sa vi­a­jar a tra­ba­lho com uma an­te­ce­dên­cia de se­ma­nas. As­sim, é mais viá­vel se ins­cre­ver em pro­vas pou­co co­bi­ça­das pe­lo pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal.

É o ca­so, por exem­plo, da Wa­chau­ma­rathon, na Áus­tria. Em se­tem­bro des­te ano, Isa­bel foi à Vi­e­na, ca­pi­tal do país eu­ro­peu, pa­ra tra­ba­lhar. Pro­cu­rou na in­ter­net por uma pro­va na mes­ma épo­ca e en­con­trou es­sa ma­ra­to­na, que acon­te­ce a oes­te da ca­pi­tal, na bei­ra do rio Da­nú­bio. “Se vo­cê pre­fe­re as ma­ra­to­nas com mui­ta tor­ci­da, som al­to e ga­le­ra, es­ta pro­va não é pa­ra vo­cê. O lu­gar é tran­qui­lo, com pou­ca gen­te no ca­mi­nho. Mas, se gos­ta de ou­vir sua pró­pria mú­si­ca, ver pai­sa­gens lin­das e não ter que se aco­mo­dar na mul­ti­dão, aqui tem uma óti­ma op­ção”, re­co­men­da a exe­cu­ti­va.

Ape­sar de ter fi­ca­do 45 di­as sem trei­nar por cau­sa de uma le­são na pan­tur­ri­lha, Isa­bel con­se­guiu seu re­cor­de pes­so­al nos 42 km: 4h33. “Eu pen­sei em ten­tar com­ple­tar a pro­va, e no fim foi minha ma­ra­to­na de rua mais rá­pi­da. Con­se­gui me su­pe­rar, fiz al­go que pa­re­cia tão lon­ge na­que­le mo­men­to. Is­so é co­mo uma me­tá­fo­ra pa­ra minha vi­da. Por is­so a corrida é al­go mui­to sim­bó­li­co”, afir­ma.

FO­CO NA RO­TI­NA

Pa­ra Isa­bel, qu­em diz que con­se­gue trei­nar pa­ra ul­tra­ma­ra­to­nas sem dei­xar de la­do al­gu­mas res­pon­sa­bi­li­da­des da ro­ti­na es­tá men­tin­do. “De vez em quan­do, vo­cê dei­xa o tra­ba­lho ou a família pa­ra trás nas pri­o­ri­da­des”, ex­pli­ca. Nos úl­ti­mos anos, a exe­cu­ti­va re­ve­la

que pri­o­ri­za os trei­nos a fes­tas e ou­tros even­tos so­ci­ais, por se sen­tir me­lhor quan­do pra­ti­ca es­por­tes.

“Ro­ti­na na­da mais é do que fa­zer es­co­lhas. Vo­cê de­ci­de o que é mais im­por­tan­te, o que vai te dei­xar mais fe­liz na­que­le mo­men­to. Vo­cê po­de dei­xar de cor­rer pa­ra fi­car com a família ou sair com os ami­gos. Mas, se vo­cê for cor­rer um lon­gão no sá­ba­do, não vai con­se­guir to­mar vi­nho na sex­ta até as 3h da ma­nhã”, exem­pli­fi­ca a cor­re­do­ra.

Por ou­tro la­do, os trei­nos têm aju­da­do Isa­bel na ho­ra de re­sol­ver ques­tões de­li­ca­das de ou­tras par­tes da sua vi­da. “A corrida pa­ra mim sem­pre foi uma ati­vi­da­de de re­fle­xão”, con­ta. “Minha ca­be­ça vai lon­ge. Às ve­zes eu pe­go um pro­ble­ma e vou com ele até o fim da corrida. Pen­san­do em cau­sas, con­sequên­ci­as e so­lu­ções. Is­so me faz mui­to bem.”

Se­gun­do a exe­cu­ti­va, fo­ram in­con­tá­veis as ve­zes em que ter­mi­nou uma corrida e lo­go re­sol­veu um pro­ble­ma no tra­ba­lho. “Acho que a corrida é o mo­men­to em que minha ca­be­ça fi­ca mais li­vre pa­ra ter idei­as. Eu des­li­go o ce­lu­lar pa­ra fi­car re­al­men­te so­zi­nha. Quan­do vol­to, li­go pa­ra meus co­le­gas con­tan­do as idei­as que ti­ve”, diz. Quan­do a ca­be­ça vai lon­ge, po­rém, fi­ca di­fí­cil con­cen­trar em de­sem­pe­nho. Isa­bel afir­ma ter di­fi­cul­da­de em pen­sar em tem­po ou ve­lo­ci­da­de quan­do es­tá cor­ren­do. “Pa­ra mim é co­mo uma me­di­ta­ção ati­va.” 6 e 7 Ul­tra-trail du Mont-blanc em 2015.

8 De­sa­fio das ser­ras de 2014. “Fo­ram 80 km em 2 di­as. Es­que­ci a lan­ter­na e pas­sei um aper­to. Se não ti­ves­se ami­gos, te­ria si­do pi­or.”

9 2o lu­gar nos 75 km do Re­ve­za­men­to Ma­re­si­as-ber­ti­o­ga de 2017.

10 “Co­mo não po­dia cor­rer em se­tem­bro por­que es­ta­va ma­chu­ca­da, fiz um trek­king de três di­as en­tre Cour­mayeur e Cha­mo­nix. Per­cor­ri cer­ca de 60 km.”

“RO­TI­NA NA­DA MAIS É DO QUE FA­ZER ES­CO­LHAS. VO­CÊ DE­CI­DE O QUE É MAIS IM­POR­TAN­TE, O QUE VAI TE DEI­XAR MAIS FE­LIZ NA­QUE­LE MO­MEN­TO”, DIZ ISA­BEL.

1

2 3 1 e 2 O long trail do Ver­mont que Isa­bel fez em ju­lho de 2016.3 50 km do En­du­ran­ce Chal­len­ge Ul­tra­tail das Agu­lhas Ne­gras 2015.4 So­bre a KTR Cam­pos do Jor­dão em ju­nho de 2018: “Pro­va cur­ta, mas du­rís­si­ma”.5 Trei­no de bi­ke nos vi­nhe­dos na Áfri­ca do Sul, per­to de Ca­pe­town, em ju­lho de 2018.

5

4

10

7 8

9

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.