Co­mo iden­ti­fi­car e se re­cu­pe­rar do over­trai­ning

CO­MO IDEN­TI­FI­CAR E SE RE­CU­PE­RAR DE UM OVER­TRAI­NING

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOR­DAN D. METZEL

A li­nha que se­pa­ra o con­di­ci­o­na­men­to má­xi­mo de uma so­bre­car­ga é tê­nue

e trei­na­dor de corrida Ra­mon diz: “Ma­ra­to­nis­tas nor­mal­men­te se ma­chu­cam por­que vi­o­lam a re­gra dos ex­ces­sos: cor­rem de­mais, rá­pi­do de­mais e mui­to in­ten­sa­men­te”. Em ou­tras pa­la­vras, mui­tas le­sões são re­sul­ta­do de over­trai­ning. De­pois de me­ses de trei­no pa­ra che­gar ao au­ge de vo­lu­me, o cor­po, se não es­ti­ver trei­na­do ade­qua­da­men­te, co­me­ça a en­trar em cri­se. Nos es­por­tes de en­du­ran­ce, co­mo a corrida, a li­nha que se­pa­ra a con­quis­ta do con­di­ci­o­na­men­to má­xi­mo de uma so­bre­car­ga é tê­nue.

Co­mo mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ci­na es­por­ti­va, atle­ta de en­du­ran­ce e pro­fis­si­o­nal do fit­ness, eu sei bem do que es­tou fa­lan­do. To­dos nós qu­e­re­mos um bom re­sul­ta­do, e nos ar­ris­ca­mos pa­ra ob­tê-lo. Mas, quan­do pas­sa­mos dos li­mi­tes, po­de­mos aca­bar com uma sín­dro­me do over­trai­ning, uma con­di­ção sur­pre­en­den­te­men­te co­mum ca­rac­te­ri­za­da por uma pi­o­ra no de­sem­pe­nho. Ela apa­re­ce em três áre­as-cha­ve – men­tal, hor­mo­nal e fí­si­ca –,

e seu la­do com­ple­xo é: vo­cê po­de nem ao me­nos se dar con­ta de que a tem. Dei­xe-me ex­pli­car me­lhor.

Men­tal

Um dos sin­to­mas mais co­muns da sín­dro­me do over­trai­ning é o es­go­ta­men­to. Um cor­re­dor que se es­tres­sa de­mais (pen­se: so­no de má qua­li­da­de, in­ges­tão ca­ló­ri­ca de­fi­ci­en­te e au­men­to da an­si­e­da­de com a che­ga­da da com­pe­ti­ção) se sen­ti­rá es­go­ta­do. A fa­di­ga men­tal cos­tu­ma ser su­bes­ti­ma­da, mas po­de pre­ju­di­car o trei­na­men­to. Uma men­te can­sa­da ca­mi­nha de mãos da­das com um cor­po can­sa­do. Quan­do a energia es­tá bai­xa, co­lap­sos ner­vo­sos e le­sões ocor­rem.

Pa­ra evi­tar que o es­go­ta­men­to men­tal im­pe­ça que vo­cê ob­te­nha seu me­lhor, cui­de da men­te. Dur­ma mais nas se­ma­nas de mai­or vo­lu­me – é du­ran­te o des­can­so que sua men­te e seu cor­po têm tem­po pa­ra a re­cu­pe­ra­ção. Pro­gra­me ati­vi­da­des re­la­xan­tes, co­mo uma mas­sa­gem ou um dia de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te pa­ra vo­cê. E tu­do bem se per­mi­tir dar uma ali­vi­a­da. Pu­lar uma corrida lon­ga pa­ra dor­mir po­de ser mais útil que exi­gir de­mais de si mes­mo e ig­no­rar os si­nais do seu cor­po.

Hor­mo­nal

Seu cor­po é uma má­qui­na ajus­ta­da com pre­ci­são. Os hormô­ni­os, pro­du­zi­dos por vá­ri­as glân­du­las, são res­pon­sá­veis por man­ter a ho­me­os­ta­se, o de­li­ca­do equi­lí­brio que con­tro­la mui­tas de nos­sas fun­ções diá­ri­as, dos ci­clos de so­no aos si­nais de fo­me. Quan­do so­fre­mos de over­trai­ning, os hormô­ni­os se des­con­tro­lam – al­guns são pro­du­zi­dos em ex­ces­so e ou­tros, me­nos que o ne­ces­sá­rio, o que aca­ba cau­san­do pro­ble­mas que in­clu­em uma que­da de imu­ni­da­de e re­a­ções de ape­ti­te anor­mais. Po­de até mes­mo oca­si­o­nar ame­nor­reia, a per­da da mens­tru­a­ção, nas mulheres.

Se vo­cê sus­pei­tar que pos­sui um de­se­qui­lí­brio hor­mo­nal, é ho­ra de fa­lar com seu mé­di­co e tal­vez se­ja bom con­sul­tar um nu­tri­ci­o­nis­ta es­por­ti­vo. Seu mé­di­co po­de pe­dir exa­mes de san­gue e ve­ri­fi­car a exis­tên­cia de ir­re­gu­la­ri­da­des hor­mo­nais e nos ní­veis de fer­ro, cu­jos re­sul­ta­dos dão pis­tas pa­ra um di­ag­nós­ti­co. Os pro­ble­mas mais co­muns cos­tu­mam ser nu­tri­ci­o­nais – co­mo não in­ge­rir ca­lo­ri­as o su­fi­ci­en­te pa­ra as de­man­das es­por­ti­vas – e po­dem ser re­sol­vi­dos com um bom pla­no ali­men­tar.

Fí­si­ca

O com­po­nen­te mais ób­vio do over­trai­ning é uma le­são fí­si­ca. Cor­re­do­res se ar­ras­tam de­sa­ni­ma­da­men­te pa­ra den­tro do meu con­sul­tó­rio com le­sões que pi­o­ram à me­di­da que su­as ro­da­gens au­men­tam, in­cluin­do do­res e incô­mo­dos nos pés, no ten­dão cal­câ­neo, na ca­ne­la, nos jo­e­lhos e nos qua­dris. A gra­vi­da­de va­ria de le­sões le­ves por ove­ru­se que se re­sol­vem em al­gu­mas se­ma­nas até fra­tu­ras que po­dem le­var me­ses pa­ra sa­rar.

As­sim co­mo com as so­bre­car­gas men­tal e hor­mo­nal, o over­trai­ning fí­si­co é um si­nal de que vo­cê es­tá pe­gan­do pe­sa­do de­mais com o seu cor­po. Lem­bre que cor­rer 15 km é uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­te pa­ra ca­da cor­re­dor, de­pen­de do ti­po de cor­po, da me­câ­ni­ca da pi­sa­da e do his­tó­ri­co pré­vio de le­sões. Do­res que mu­dam a téc­ni­ca de corrida e al­te­ram os me­ca­nis­mos da pas­sa­da pre­ci­sam ser vis­tas por um mé­di­co. Pe­que­nas do­res e incô­mo­dos po­dem se trans­for­mar ra­pi­da­men­te em pro­ble­mas mais sé­ri­os se não ti­ve­rem di­ag­nós­ti­co ade­qua­do.

No fim das con­tas, pla­ni­lhas de trei­na­men­to es­tru­tu­ra­das, uma boa nu­tri­ção e rou­pas e tê­nis con­fiá­veis são mui­to im­por­tan­tes pa­ra os cor­re­do­res. Mas eles não sig­ni­fi­cam na­da se vo­cê não pres­tar aten­ção ao seu cor­po. Se os in­dí­ci­os da sín­dro­me do over­trai­ning fo­rem iden­ti­fi­ca­dos ce­do, é mais pro­vá­vel que eu te ve­ja na lar­ga­da da ma­ra­to­na que no meu con­sul­tó­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.