Pa­ra on­de vão nos­sos atle­tas?

O ATLE­TIS­MO NA­CI­O­NAL PER­DEU UM DE SEUS MAI­O­RES CLU­BES, SO­FRE COM A FAL­TA DE PA­TRO­CÍ­NIO E TEM UMA PERS­PEC­TI­VA PRE­O­CU­PAN­TE PA­RA O FU­TU­RO

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOÃO OR­TE­GA

O atle­tis­mo na­ci­o­nal per­deu um de seus mai­o­res clu­bes, so­fre com fal­ta de pa­tro­cí­nio e tem uma pers­pec­ti­va pre­o­cu­pan­te pa­ra o fu­tu­ro

FES­TA DE AL­GUNS, apre­en­são de ou­tros. Os fo­gos de ar­ti­fí­cio na vi­ra­da do ano mar­ca­rão o fim do con­tra­to de de­ze­nas de atle­tas e treinadores de al­to ren­di­men­to bra­si­lei­ros, co­lo­can­do um pon­to de in­ter­ro­ga­ção no ho­ri­zon­te do es­por­te na­ci­o­nal. O tér­mi­no anun­ci­a­do do clu­be de atle­tis­mo B3 (an­ti­ga Bm&fbo­ves­pa ), em ja­nei­ro, man­te­ve pa­ra os pro­fis­si­o­nais 12 me­ses de apor­te fi­nan­cei­ro e es­tru­tu­ra de trei­nos. Ago­ra, qu­em não en­con­trou um no­vo des­ti­no pa­ra su­as car­rei­ras vive uma incô­mo­da ex­pec­ta­ti­va pa­ra o fu­tu­ro.

UM MAR­CO NA HISTÓRIA DO ATLE­TIS­MO BRA­SI­LEI­RO

O clu­be da re­gião do ABC pau­lis­ta con­ta­va com um ti­me for­ma­do por 57 atle­tas de di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des do atle­tis­mo, além de 13 treinadores. O su­ces­so do pro­je­to de apoio ao es­por­te na­ci­o­nal que du­rou cer­ca de três dé­ca­das se con­so­li­dou com cin­co me­da­lhis­tas olím­pi­cos: ou­ro de Maur­ren Mag­gi em 2008 no sal­to em dis­tân­cia, bron­ze com Van­der­lei Cor­dei­ro em 2004 na ma­ra­to­na, e Ro­se­mar Co­e­lho, Thaí­sa Pres­ti e Lu­ci­mar Mou­ra, que fi­ze­ram par­te do re­ve­za­men­to 4 x 100m, fi­can­do com o bron­ze em Pe­quim 2008.

Além des­ses, gran­des atle­tas de re­co­nhe­ci­men­to na­ci­o­nal pas­sa­ram pe­lo clu­be: Fa­bi­a­na Mu­rer, do sal­to com va­ra; Ja­del Gre­gó­rio, do sal­to tri­plo; e os ma­ra­to­nis­tas Van­der­lei Cor­dei­ro de Li­ma e Ma­ríl­son Go­mes dos San­tos. Atu­al­men­te com con­tra­to com a B3, es­tão en­tre os des­ta­ques Mau­ro Vi­ní­cius “Duda” (bi­cam­peão mun­di­al do sal­to em dis­tân­cia in­do­or), Dar­lan Ro­ma­ni (fi­na­lis­ta olím­pi­co no ar­re­mes­so de pe­so) e Vic­tor Hu­go Mou­rão (ve­lo­cis­ta es­pe­ci­a­li­za­do nos 100m e 200m).

Os re­cur­sos fi­nan­cei­ros da Bm&fbo­ves­pa per­mi­ti­ram

uma es­tru­tu­ra de pon­ta pa­ra os atle­tas, al­go que ra­ra­men­te era en­con­tra­do em gran­des clu­bes do país. Além dis­so, pro­mo­ve­ram um in­ter­câm­bio im­por­tan­te com téc­ni­cas es­tran­gei­ras de trei­na­men­to, co­mo con­ta a ex-atle­ta Fa­bi­a­na Mu­rer: “O sal­to com va­ra, por exem­plo, era uma pro­va que não ti­nha tra­di­ção no Bra­sil. Não ha­via ma­te­ri­al, co­nhe­ci­men­to de téc­ni­ca ou de trei­na­men­to. A B3 foi mui­to im­por­tan­te pa­ra is­so. Fez in­ter­câm­bio de co­nhe­ci­men­to com o ex­te­ri­or, im­por­ta­ram os ma­te­ri­ais lá de fo­ra e equi­pa­ram a pis­ta com tu­do o que a gen­te pre­ci­sa pa­ra o sal­to com va­ra. En­tão o clu­be foi fun­da­men­tal pa­ra o meu de­sen­vol­vi­men­to, pa­ra os re­sul­ta­dos que co­lhi e pa­ra a evo­lu­ção do sal­to com va­ra do Bra­sil co­mo um to­do”.

Em 2018, par­te do apor­te da B3 foi re­pas­sa­do ao IVCL Or­cam­pi, clu­be de Cam­pi­nas, no in­te­ri­or de São Pau­lo, que tam­bém re­ce­beu a gran­de mai­o­ria dos atle­tas da equi­pe ex­tin­ta, além de to­dos os treinadores. Não por aca­so, o Or­cam­pi ob­te­ve o me­lhor de­sem­pe­nho da sua história no Tro­féu Bra­sil de Atle­tis­mo 2018, fi­can­do ape­nas atrás do Clu­be Pi­nhei­ros. En­tre­tan­to, pa­ra o ano que vem, com o fim do di­nhei­ro da B3, é im­pro­vá­vel que os atle­tas con­ti­nu­em trei­nan­do na equi­pe cam­pi­nei­ra.

SEM APOIO, SEM CLU­BE, SEM TREI­NO

São pou­cos os clu­bes que tra­ba­lham com o atle­tis­mo de al­to ren­di­men­to, e a gran­de mai­o­ria con­ta com re­cur­sos es­cas­sos. Evan­dro Lá­za­ri, trei­na­dor e pre­si­den­te do Or­cam­pi, apon­ta uma pre­vi­são alar­man­te pa­ra o clu­be: “Até ago­ra, a ver­ba pa­ra 2019 é ze­ro. Não te­mos na­da de pa­tro­cí­nio”. Pa­ra o ano que vem, exis­te um pro­je­to atra­vés da Lei do In­cen­ti­vo ao Es­por­te pa­ra o atle­tis­mo de ba­se (en­tre 12 e 17 anos). En­tre­tan­to, ca­so não sur­jam no­vos re­cur­sos, o clu­be fi­ca­rá res­tri­to à for­ma­ção dos jo­vens atle­tas. “Ho­je não te­mos co­mo ga­ran­tir na­da pa­ra nin­guém da equi­pe de al­to ren­di­men­to. Des­de qu­em es­ta­va an­tes até qu­em veio nes­te ano com o fim da B3, treinadores ou atle­tas”, com­ple­men­ta. Is­so sig­ni­fi­ca que, na pi­or das hi­pó­te­ses, mais de 100 pro­fis­si­o­nais do es­por­te es­ta­rão de­sem­pre­ga­dos no iní­cio do ano.

Nes­se pa­no­ra­ma pou­co ani­ma­dor, pes­so­as li­ga­das ao atle­tis­mo

“A GEN­TE SA­BE QUE NÃO FI­COU NA­DA DO LE­GA­DO OLÍM­PI­CO”, DIZ IRINEU. “O ES­POR­TE NÃO TEM VI­SI­BI­LI­DA­DE. TI­RAN­DO O FU­TE­BOL. EU CANSEI DE APRE­SEN­TAR PRO­JE­TO DE ATLE­TIS­MO NO PAS­SA­DO, E OS EM­PRE­SÁ­RI­OS FA­LA­VAM ABER­TA­MEN­TE QUE PREFERIAM IN­VES­TIR NO FU­TE­BOL.”

bus­cam so­lu­ções viá­veis. O Nú­cleo de Al­to Ren­di­men­to Es­por­ti­vo (NAR) de São Pau­lo te­ve um au­men­to, em 2018, de cer­ca de 40% no flu­xo de atle­tas, ala­van­ca­do prin­ci­pal­men­te pe­lo atle­tis­mo. Sem fins lu­cra­ti­vos, es­se pro­je­to é man­ti­do por pa­tro­ci­na­do­res e dá es­tru­tu­ra de trei­na­men­to e ava­li­a­ção fí­si­ca com al­to ní­vel de ex­ce­lên­cia de for­ma gra­tui­ta. En­tre­tan­to, di­fe­ren­te de um clu­be, a or­ga­ni­za­ção ho­je não pa­ga sa­lá­rio ou cria vín­cu­los per­ma­nen­tes com seus usuá­ri­os.

Irineu Lo­tur­co, di­re­tor do NAR, é um exem­plo de en­ga­ja­men­to a fim de bus­car um fu­tu­ro me­lhor pa­ra o es­por­te bra­si­lei­ro. Nos úl­ti­mos me­ses, ele tem se reu­ni­do com em­pre­sá­ri­os de des­ta­que – e com

in­te­res­se es­pe­ci­al na ques­tão do es­por­te – com o in­tui­to de le­van­tar ver­bas que pos­sam ser des­ti­na­das pa­ra dar es­tru­tu­ra a atle­tas com gran­de po­ten­ci­al. “A ex­pec­ta­ti­va é de que no ano que vem o mo­vi­men­to con­ti­nue ace­le­ra­do, o que ge­ra cus­tos de ma­nu­ten­ção, de ali­men­ta­ção, téc­ni­cos e ope­ra­ci­o­nais. Por is­so te­nho bus­ca­do no­vos par­cei­ros pa­ra 2019”, ex­pli­ca.

João Pau­lo Di­niz (Gru­po Pe­nín­su­la), Pau­lo Ka­ki­noff (Gol) e Fabio Igel (Mo­nashe­es) são al­guns dos em­pre­sá­ri­os de al­to ca­li­bre que vi­si­ta­ram o NAR em no­vem­bro a con­vi­te de Irineu. Ca­so a ope­ra­ção te­nha su­ces­so, além de man­ter a es­tru­tu­ra do nú­cleo com o cres­cen­te flu­xo de atle­tas, o di­re­tor não des­car­ta que o apoio pos­sa pa­gar bol­sa pa­ra atle­tas que es­te­jam sem clu­be em 2019. “É uma pos­si­bi­li­da­de. Mas o mo­men­to po­lí­ti­co e econô­mi­co de ins­ta­bi­li­da­de do Bra­sil ho­je não dei­xa a gen­te sa­ber co­mo vai fi­car a ques­tão do es­por­te, e as em­pre­sas tam­bém es­tão apre­en­si­vas. Nin­guém sa­be o que vai acon­te­cer”, afir­ma.

AS RAÍ­ZES DE UM DRA­MA NA­CI­O­NAL

A mai­o­ria dos es­por­tes olím­pi­cos bra­si­lei­ros te­ve um au­men­to na ver­ba go­ver­na­men­tal e tam­bém fi­cou em evi­dên­cia na mí­dia an­tes dos Jo­gos Olím­pi­cos de 2016, no Rio de Ja­nei­ro. O pro­ble­ma, po­rém, é que is­so não se man­te­ve de­pois da com­pe­ti­ção. “A gen­te sa­be que não fi­cou na­da do le­ga­do olím­pi­co”, diz Irineu. “O es­por­te não tem vi­si­bi­li­da­de. Ti­ran­do o fu­te­bol. Eu cansei de apre­sen­tar pro­je­to de atle­tis­mo no pas­sa­do, e os em­pre­sá­ri­os fa­la­vam aber­ta­men­te que preferiam in­ves­tir no fu­te­bol.”

Se não há vi­si­bi­li­da­de mi­diá­ti­ca na mo­da­li­da­de, as em­pre­sas não ve­em re­tor­no fi­nan­cei­ro pa­ra apoi­ar o es­por­te. En­tão a res­pon­sa­bi­li­da­de de fi­nan­ci­ar o atle­tis­mo fi­ca­ria por con­ta de ações go­ver­na­men­tais. A Lei do In­cen­ti­vo ao Es­por­te, san­ci­o­na­da em 2006, per­mi­te que al­guns pro­je­tos sai­am do pa­pel atra­vés de re­cur­sos de em­pre­sas que que­rem aba­ter gas­tos fis­cais. En­tre­tan­to re­pas­sar à ini­ci­a­ti­va pri­va­da o in­ves­ti­men­to no es­por­te não se mos­trou su­fi­ci­en­te de­pois de mais de uma dé­ca­da de in­cen­ti­vo. “Sem dú­vi­da ne­nhu­ma, fal­ta po­lí­ti­ca na­ci­o­nal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do es­por­te”, res­sal­ta o di­re­tor do NAR.

Evan­dro Lá­za­ri, que foi trei­na­dor no B3 e é dou­tor em edu­ca­ção fí­si­ca es­pe­ci­a­li­za­do em ad­mi­nis­tra­ção es­por­ti­va, se­gue

a mes­ma li­nha de ra­ci­o­cí­nio. “A ges­tão es­por­ti­va, em ní­vel de con­fe­de­ra­ções e fe­de­ra­ções, após os Jo­gos Olím­pi­cos, pa­re­ce que tem me­lho­ra­do. Mas ain­da es­tá mui­to lon­ge de on­de te­mos que che­gar. Pre­ci­sa­mos de uma ges­tão mais pro­fis­si­o­nal dos clu­bes e do es­por­te co­mo um to­do, pa­ra sa­ber­mos ven­der me­lhor o nos­so pro­du­to”, ex­pli­ca.

A Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Atle­tis­mo (CBAT), na mes­ma li­nha, afir­ma ter um pla­no de mí­dia pa­ra po­pu­la­ri­zar a mo­da­li­da­de a par­tir do ano que vem. “A CBAT pre­ten­de re­po­si­ci­o­nar o atle­tis­mo no Bra­sil, atin­gin­do to­dos os seus pra­ti­can­tes, uti­li­zan­do as mí­di­as so­ci­ais co­mo fer­ra­men­ta, de mo­do a tor­ná-lo mais co­nhe­ci­do e atra­en­te pa­ra a po­pu­la­ção em ge­ral, vi­san­do ala­van­car o seu de­sen­vol­vi­men­to em to­do o Bra­sil. Es­se pro­ces­so se­rá ini­ci­a­do a par­tir de 2019”, ex­pli­ca Mar­ti­nho No­bre dos San­tos, di­re­tor exe­cu­ti­vo da or­ga­ni­za­ção.

En­quan­to o des­va­lo­ri­za­do “pro­du­to atle­tis­mo” con­ti­nua em bai­xa – tan­to en­tre pos­sí­veis pa­tro­ci­na­do­res quan­to nas pri­o­ri­da­des go­ver­na­men­tais –, o prog­nós­ti­co pa­ra as com­pe­ti­ções é pes­si­mis­ta. Com a pos­si­bi­li­da­de do fim do atle­tis­mo pro­fis­si­o­nal da Or­cam­pi em 2019, Evan­dro vê um ce­ná­rio “ex­tre­ma­men­te pre­o­cu­pan­te”. “No ano que vem, pro­va­vel­men­te te­re­mos me­nos equi­pes do que es­te ano. Mes­mo se a gen­te con­se­guir um pa­tro­cí­nio, se­rá qua­se im­pos­sí­vel man­ter um clu­be com 102 atle­tas no Tro­féu Bra­sil co­mo acon­te­ceu em 2018. Eu ve­jo com mui­ta pre­o­cu­pa­ção e me­do o que es­tá ocor­ren­do com o atle­tis­mo bra­si­lei­ro.”

As Olim­pía­das de Tó­quio, em me­nos de dois anos, sur­gem, por­tan­to, co­mo um gran­de de­sa­fio pa­ra um país que ain­da não tem des­ti­no pa­ra os pró­pri­os atle­tas. A Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Atle­tis­mo, em par­ce­ria com o Co­mi­tê Olím­pi­co Bra­si­lei­ro (COB), pro­me­te dar o su­por­te ne­ces­sá­rio pa­ra os re­pre­sen­tan­tes do país na com­pe­ti­ção. “In­de­pen­den­te­men­te de es­ta­rem ou não em clu­bes, to­dos os atle­tas em con­di­ções de re­pre­sen­tar o Bra­sil se­guem apoi­a­dos di­re­ta­men­te pe­la CBAT, em par­ce­ria com o COB”, diz Mar­ti­nho.

O even­to que se­rá re­a­li­za­do em me­nos de dois anos é uma pre­o­cu­pa­ção pe­que­na se com­pa­ra­da a um fu­tu­ro mais dis­tan­te, na ava­li­a­ção de Fa­bi­a­na Mu­rer. “O in­ves­ti­men­to fei­to pa­ra os Jo­gos do Rio ain­da es­tá va­len­do pa­ra mui­tos atle­tas que vão dis­pu­tar as Olim­pía­das em 2020. Mas e pa­ra as pró­xi­mas? Vai ter re­no­va­ção? Es­sa é a gran­de ques­tão”, con­tes­ta a cam­peã mun­di­al.

“NO ANO QUE VEM, PRO­VA­VEL­MEN­TE TE­RE­MOS ME­NOS EQUI­PES DO QUE ES­TE ANO. MES­MO SE A GEN­TE CON­SE­GUIR UM PA­TRO­CÍ­NIO, SE­RÁ QUA­SE IM­POS­SÍ­VEL MAN­TER UM CLU­BE COM 102 ATLE­TAS NO TRO­FÉU BRA­SIL CO­MO ACON­TE­CEU EM 2018”, DIZ EVAN­DRO.

11 An­ti­ga es­tru­tu­ra da B32 Fa­bi­a­na Mu­rer3 Van­der­lei Co­dei­ro de Li­ma4 Ma­ríl­son Go­mes dos San­tos

2

4

3

5, 6, 7 Es­tru­tu­ra da Or­cam­pi em Cam­pi­nas

10

8, 9, 10 Ins­ta­la­ções do Nú­cleo de Al­to Ren­di­men­to Es­por­ti­vo (NAR) em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.