Pre­vi­na e tra­te a ca­ne­li­te

AS ME­LHO­RES FOR­MAS DE TRA­TAR E PRE­VE­NIR A CA­NE­LI­TE

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR R. W. SCIOLO

So­lu­ções sim­ples e avan­ça­das pa­ra es­se pro­ble­ma co­mum em cor­re­do­res

dos cor­re­do­res, tan­to dos no­va­tos co­mo dos avan­ça­dos: uma dor na par­te de bai­xo da per­na que ar­de e ir­ra­dia quan­do vo­cê co­me­ça a gol­pe­ar o as­fal­to. Em mui­tos ca­sos, tra­ta-se de uma ca­ne­li­te.

“Tam­bém co­nhe­ci­da co­mo sín­dro­me do es­tres­se ti­bi­al me­di­al (MTSS, do in­glês), acre­di­ta-se que a ca­ne­li­te ocor­re quan­do a in­fla­ma­ção se de­sen­vol­ve na in­ser­ção do mús­cu­lo com o os­so”, ex­pli­ca Cor­de­lia Car­ter, mé­di­ca e di­re­to­ra do Wo­men’s Sports Me­di­ci­ne Cen­ter, em No­va York (EUA). É a cha­ma­da pe­ri­os­ti­te, e a in­fla­ma­ção pro­du­zi­da é a res­pon­sá­vel por es­sa dor agu­da que vo­cê sen­te.

Odi­ag­nós­ti­co cor­re­to da ca­ne­li­te é im­por­tan­te. “Ca­ne­li­te é um ter­mo bas­tan­te tur­vo que cos­tu­ma­mos usar em ca­sos am­plos de: ‘Oh, minha per­na es­tá do­en­do’”, diz Cor­de­lia. “É um ter­mo abran­gen­te, mas a dor nem sem­pre é cau­sa­da re­al­men­te pe­la ca­ne­li­te.”

Se a dor au­men­tar, per­sis­tir de­pois do trei­no ou in­ter­fe­rir no seu dia a dia, vo­cê de­ve pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal pa­ra se as­se­gu­rar de que não é na­da sé­rio. Se não for o ca­so, há tra­ta­men­tos do ti­po “fa­ça vo­cê mes­mo” que po­dem aju­dar.

A for­ma mais fá­cil de tra­tar: pa­rar, ge­lo, ro­lo e alon­ga­men­to

Nos ca­sos de dor agu­da, dê uma pa­ra­da nas su­as ati­vi­da­des mais vi­go­ro­sas pa­ra dar tem­po à in­fla­ma­ção pa­ra di­mi­nuir. “Se vo­cê se sen­tir um pou­co me­lhor e ten­tar vol­tar [ce­do de­mais], re­tro­ce­de­rá ao pon­to ini­ci­al”, fa­la Cor­de­lia.

Co­lo­car ge­lo nas per­nas é a pri­mei­ra coi­sa a ser fei­ta. En­ro­le uma bol­sa com er­vi­lhas con­ge­la­das em uma to­a­lha e co­lo­que-a so­bre a re­gião da dor. Ela se amol­da à per­na me­lhor que uma bol­sa de ge­lo e aju­da­rá a re­du­zir a in­fla­ma­ção e o in­cha­ço. “To­mar an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os tam­bém po­de aju­dar – ape­nas se as­se­gu­re de não ex­ce­der a do­se re­co­men­da­da e to­me-os jun­to das re­fei­ções pa­ra evi­tar in­dis­po­si­ções es­to­ma­cais”, diz Cor­de­lia.

En­quan­to não es­ti­ver cor­ren­do, re­ser­ve um tem­po pa­ra usar o ro­lo de es­pu­ma e pa­ra alon­gar, fo­can­do no ten­dão cal­câ­neo. Ex­pe­ri­men­te es­te alon­ga­men­to: fi­que de pé com um dos an-

te­pés apoi­a­do na bei­ra­da de um de­grau e abai­xe o cal­ca­nhar. Re­tor­ne à po­si­ção ini­ci­al e re­pi­ta com a ou­tra per­na.

O in­ves­ti­men­to in­ter­me­diá­rio: mei­as e pal­mi­lhas Con­ti­nua do­en­do? É ho­ra de co­lo­car um pou­co mais de em­pe­nho pa­ra sa­rar. Jun­to com a in­fla­ma­ção cos­tu­ma ha­ver in­cha­ço, mes­mo quan­do vo­cê não po­de vê-lo. Mei­as de com­pres­são po­dem di­mi­nuí­lo, ali­vi­an­do, as­sim, um pou­co a dor.

Ou­tra op­ção são as pal­mi­lhas sem re­cei­ta, que cos­tu­mam ser me­nos du­ras que as or­to­pé­di­cas per­so­na­li­za­das. Elas são es­pe­ci­al­men­te úteis se vo­cê ti­ver pés cha­tos, já que o ex­ces­so de pro­na­ção aca­ba es­tres­san­do mús­cu­los e ten­dões ain­da mais, au­men­tan­do o ris­co de de­sen­vol­ver uma ca­ne­li­te. “Se vo­cê pu­der neu­tra­li­zar o pro­ble­ma de ali­nha­men­to da pi­sa­da, po­de po­ten­ci­al­men­te equi­li­brar as for­ças que pas­sam pe­lo pé e tor­no­ze­lo ao cor­rer, o que cer­ta­men­te di­mi­nui­rá su­as pro­ba­bi­li­da­des de ter uma le­são por uso ex­ces­si­vo, co­mo a ca­ne­li­te”, ex­pli­ca a mé­di­ca Cor­de­lia. A so­lu­ção avan­ça­da: fi­tas de ki­ne­si­o­lo­gia Se vo­cê ti­ver um ca­so crô­ni­co de ca­ne­li­te, fi­tas de ki­ne­si­o­lo­gia po­dem aju­dar a ali­vi­ar a dor. De acor­do com um es­tu­do pu­bli­ca­do na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Jour­nal of Sports Me­di­ci­ne and Phy­si­cal Fit­ness, pes­so­as que usa­ram fi­tas ki­ne­sio du­ran­te ape­nas uma se­ma­na sen­ti­ram uma mai­or re­du­ção na dor que aque­las que usa­ram pal­mi­lhas pa­dro­ni­za­das. “Fi­tas ki­ne­sio le­van­tam os te­ci­dos su­per­fi­ci­ais, tra­tan­do a le­são ao mo­ver os re­sí­du­os pa­ra fo­ra da re­gião e ao es­ti­mu­lar as ter­mi­na­ções ner­vo­sas que re­la­xam o mús­cu­lo”, diz Ca­me­ron Yu­en, fi­si­o­te­ra­peu­ta em No­va York.

Me­ça a quan­ti­da­de de fi­ta ne­ces­sá­ria sen­ta­do com a per­na na fren­te do cor­po e os pés fle­xi­o­na­dos. Se­gu­re a fi­ta 5 cm abai­xo do to­po do de­dão, des­co­le 5 cm do ou­tro ex­tre­mo da fi­ta e gru­de-a lo­go abai­xo da par­te ex­ter­na do seu jo­e­lho. De­pois des­co­le o res­tan­te e es­ti­que a fi­ta an­tes de gru­dá-la lo­go abai­xo da ba­se do de­dão, com o pé ain­da fle­xi­o­na­do. En­tão co­lo­que os de­dos em pon­ta e pres­si­o­ne su­a­ve­men­te a fi­ta ao lon­go da ca­ne­la até ela fi­car pla­na. Cor­te ti­ras adi­ci­o­nais do com­pri­men­to da lar­gu­ra to­tal de sua ca­ne­la e co­lo­que-as la­te­ral­men­te so­bre seus pon­tos de dor.

Con­se­lho de es­pe­ci­a­lis­ta: quan­do vo­cê for ca­paz de fa­zer uma ati­vi­da­de me­nos in­ten­sa co­mo ca­mi­nhar sem ne­nhum des­con­for­to ou dor, en­tão vol­te a cor­rer gra­du­al­men­te. Au­men­te a ro­da­gem no má­xi­mo 10% a ca­da se­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.