Atle­ta an­fí­bio

NAS RU­AS OU DEN­TRO DA ÁGUA, ADE­MIR PAU­LI­NO BUS­CA UM DE­SEM­PE­NHO ME­LHOR A CA­DA DIA, SE­JA COM­PE­TIN­DO OU TREI­NAN­DO SEUS ALU­NOS

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR JOÃO OR­TE­GA FO­TOS ALE­XAN­DRE GENNARI

Nas ru­as ou den­tro d’água, Ade­mir Pau­li­no bus­ca um de­sem­pe­nho me­lhor a ca­da dia, se­ja com­pe­tin­do ou trei­nan­do seus alu­nos

QUAN­DO O ATLE­TA Ade­mir Pau­li­no re­pre­sen­tou o Bra­sil no seu ter­cei­ro mun­di­al de aquatlo, em Pe­quim, na Chi­na, em 2011, sua men­te en­trou em um es­ta­do de es­pí­ri­to que nun­ca ha­via es­ta­do até en­tão. Ao per­ce­ber que pou­cos me­tros à fren­te es­ta­va o 1º co­lo­ca­do em sua ca­te­go­ria (30 a 34 anos), seu cor­po fi­cou en­tor­pe­ci­do com a se­de de vi­tó­ria. Já não sen­tia mais dor ou can­sa­ço. Ner­vo­sis­mo, tam­pou­co. Fal­ta­vam ape­nas 800m pa­ra aca­bar o tre­cho fi­nal de corrida, e o ou­ro mun­di­al nun­ca pa­re­ceu tão pró­xi­mo. A ca­da pas­so, di­mi­nuía a dis­tân­cia pa­ra o nor­te-ame­ri­ca­no até a ul­tra­pas­sa­gem.

As lem­bran­ças das du­as edi­ções an­te­ri­o­res pre­en­chi­am seus pen­sa­men­tos. Ha­via fi­ca­do no 5º lu­gar em am­bas. Tão per­to do pó­dio, Ade­mir ti­nha cons­ci­ên­cia de que seus pró­pri­os er­ros ha­vi­am cus­ta­do se­gun­dos pre­ci­o­sos. Fi­ca­ra des­lum­bra­do por re­pre­sen­tar seu país e por es­tar num even­to de ta­ma­nha mag­ni­tu­de. E não con­se­guiu ter a sua me­lhor per­for­man­ce.

Mas em 2011 a história foi ou­tra. Aque­le es­ta­do de es­pí­ri­to não per­mi­tia des­lum­bre ou fal­ta de con­cen­tra­ção. O nor­te-ame­ri­ca­no ha­via fi­ca­do pa­ra trás, e a li­nha de che­ga­da fi­ca­va vi­sí­vel. “Quan­do fal­ta­vam me­nos de 200m, vol­tei à minha cons­ci­ên­cia do cor­po, às do­res, ao can­sa­ço. Vi os atle­tas atrás de mim sprin­tan­do, e eu fui até as mi­nhas úl­ti­mas for­ças. Cru­zei a li­nha de che­ga­da ape­nas 2 se­gun­dos an­tes do nor­te­a­me­ri­ca­no”, con­ta o cor­re­dor e na­da­dor pau­lis­ta­no. “Foi uma che­ga­da es­pe­ci­al. Qual­quer de­ta­lhe er­ra­do po­de­ria ter me cus­ta­do o ou­ro.”

PAI­XÃO DE IN­FÂN­CIA

Aos 10 anos de ida­de, Ade­mir já era um cor­re­dor. Uma das pri­mei­ras me­mó­ri­as que ele tem é de ir cor­ren­do até a ca­sa da avó. “Ia ima­gi­nan­do que es­ta­va ven­cen­do uma pro­va”, re­ve­la. Com 11, com­ple­tou os 15 km da Corrida de São Sil­ves­tre (na úl­ti­ma edi­ção em que a pro­va era dis­pu­ta­da à noi­te, em 1988).

Ao la­do do ami­go e vi­zi­nho Ale­xan­dre Gi­or­da­no, Ade­mir sem­pre pro­cu­ra­va um no­vo de­sa­fio, um no­vo es­por­te pa­ra pra­ti­car. Na ado­les­cên­cia, am­bos já fa­zi­am par­te de um gru­po de cor­re­do­res que se en­con­tra­va no Par­que Ibi­ra­pu­e­ra, em São Pau­lo, pa­ra trei­nar. Foi no con­ta­to com atle­tas mais ve­lhos que os ga­ro­tos aca­ba­ram co­nhe­cen­do o tri­a­tlo. Fi­ca­ram sa­ben­do de uma pro­va na re­gião e re­sol­ve­ram as­sis­ti-la. “Ali a gen­te de­ci­diu que ia en­ca­rar aque­le es­por­te”, con­ta.

“Pe­la ques­tão do de­sa­fio, de ser uma coi­sa no­va.”

O pro­ble­ma é que, pe­la ori­gem hu­mil­de, o jo­vem e en­tu­si­as­ma­do atle­ta não ti­nha con­di­ção de com­prar uma bi­ci­cle­ta. Por is­so con­ti­nu­ou fo­ca­do na corrida e co­me­çou a na­dar no cen­tro olím­pi­co, que fi­ca na zo­na sul da cidade. Di-

O ATLE­TA ADE­MIR FOI CAM­PEÃO PAU­LIS­TA E BRA­SI­LEI­RO DI­VER­SAS VE­ZES NO AQUATLO.

ver­sos tri­a­tle­tas trei­na­vam ali e da­vam di­cas aos ga­ro­tos, que ain­da eram ini­ci­an­tes den­tro da água. “Quan­do eu en­trei na pis­ci­na pe­la pri­mei­ra vez, fi­quei apa­vo­ra­do. Qua­se mor­ri de can­sa­ço an­tes de al­can­çar os pri­mei­ros 50m. Che­guei na ou­tra bor­da com mui­to es­for­ço”, re­lem­bra Ade­mir.

Com mui­to trei­no e de­di­ca­ção, foi se tor­nan­do um na­da­dor me­lhor. An­tes de com­ple­tar a mai­o­ri­da­de, já ti­nha dis­pu­ta­do al­gu­mas pro­vas me­no­res de tri­a­tlo. No pri­mei­ro ano de fa­cul­da­de, pas­sou a dar au­las de na­ta­ção. Na pós-gra­du­a­ção, es­pe­ci­a­li­zou-se em es­por­tes aquá­ti­cos. Co­mo sem­pre, te­ve um gran­de de­sem­pe­nho na corrida e se tor­nou um “atle­ta an­fí­bio”. Mas nun­ca en­con­trou tem­po pa­ra pra­ti­car na bi­ci­cle­ta o quan­to ne­ces­si­ta­va, e por is­so sua car­rei­ra co­mo tri­a­tle­ta não ren­deu fru­tos.

Nes­se con­tex­to, co­nhe­cer o aquatlo foi al­go de­ci­si­vo em sua tra­je­tó­ria. “Des­co­bri que ha­via um es­por­te que unia as du­as coi­sas que eu pra­ti­ca­va ha­via tan­tos anos”, diz o pau­lis­ta­no. A mo­da­li­da­de, que une dois tre­chos de 2,5 km de corrida in­ter­ca­la­dos com 1 km de na­ta­ção, pas­sou a ocu­par a agen­da de pro­vas do atle­ta e trei­na­dor. “Eu sem­pre gos­tei de ati­vi­da­de ae­ró­bi­ca, do es­por­te in­di­vi­du­al. De es­tar vo­cê com vo­cê mes­mo, de de­sa­fi­os, de se su­pe­rar. E sem­pre trei­nei de ma­nei­ra com­pe­ti­ti­va, bus­can­do per­for­man­ce. Pa­ra mim, a gran­de ques­tão é o de­sa­fio de ser me­lhor a ca­da dia”, con­ta Ade­mir. No aquatlo, foi cam­peão pau­lis­ta e cam­peão bra­si­lei­ro di­ver­sas ve­zes, até ser cha­ma­do pa­ra dis­pu­tar o seu pri­mei­ro cam­pe­o­na­to mun­di­al, na Aus­trá­lia, em 2009. PAS­SAN­DO O BASTÃO

Des­de o pri­mei­ro ano da fa­cul­da­de, quan­do co­me­çou a dar au­las de na­ta­ção, Ade­mir pe­gou gos­to por pas­sar o seu co­nhe­ci­men­to pa­ra os ou­tros. Lo­go que se for­mou, fun­dou sua pri­mei­ra as­ses­so­ria es­por­ti­va ao la­do de um só­cio. Em 2009, aban­do­nou a em­pre­sa pa­ra tri­lhar o pró­prio ca­mi­nho e fun­dar uma as­ses­so­ria que car­re­gas­se o seu no­me. Ho­je a Ade­mir Pau­li­no As­ses­so­ria Es­por­ti­va con­ta com qua­se 400 alu­nos.

O pau­lis­ta­no ad­mi­te que seu “la­do trei­na­dor” des­per­tou de­pois do “la­do atle­ta”. “Sou atle­ta des­de que me co­nhe­ço por gen­te, e mes­mo as­sim fiz o me­lhor tem­po da minha vi­da nos

21 km em Toronto, ago­ra em 2018, com 41 anos de ida­de”, ex­pli­ca o es­por­tis­ta, in­te­gran­te do Ti­me Olym­pi­kus. “Es­sa é a minha pe­ga­da: es­tar a ca­da dia me­lhor. Mas, por ou­tro la­do, aca­bei me des­co­brin­do trei­na­dor. Quan­do co­me­cei a dar trei­nos, per­ce­bi que, além de gos­tar, eu le­vo jei­to. Eu me sin­to uma pe­ça im­por­tan­te na trans­for­ma­ção das pes­so­as pe­lo es­por­te e fi­co mui­to fe­liz em par­ti­ci­par des­se pro­ces­so. O que me mo­ve co­mo trei­na­dor é mas­si­fi­car o es­por­te, já que ele me deu tu­do: des­de os va­lo­res co­mo ser hu­ma­no até o meu ga­nha-pão”, com­ple­ta.

INFILTRADO NOS KALENJIN

Em 2017, Ade­mir te­ve a opor­tu­ni­da­de de, se­gun­do ele, re­a­li­zar um so­nho de in­fân­cia. O trei­na­dor e atle­ta foi o pri­mei­ro bra­si­lei­ro a fi­car jun­to com os cor­re­do­res lo­cais em um acam­pa­men­to no Quê­nia. Na tri­bo dos Kalenjin, de on­de sur­ge a mai­o­ria dos gran­des atle­tas do país, ele con­vi­veu por mais de três se­ma­nas e trei­nou ao la­do de gran­des no­mes mun­di­ais da corrida de fun­do.

“EU SEM­PRE TREI­NEI DE MA­NEI­RA COM­PE­TI­TI­VA. É O DE­SA­FIO DE SER ME­LHOR A CA­DA DIA.”

Com­par­ti­lhan­do a co­mi­da dos Kalenjin, dor­min­do no mes­mo alo­ja­men­to e par­ti­ci­pan­do de su­as cor­ri­das, Ade­mir bus­cou ins­pi­ra­ção. “A ca­rac­te­rís­ti­ca fí­si­ca de­les é de um atle­ta de re­sis­tên­cia, só que vai além dis­so”, ex­pli­ca o pau­lis­ta­no. “Eles têm a cul­tu­ra da corrida, uma sé­rie de fa­to­res que con­tri­bui pa­ra o su­ces­so.”

No acam­pa­men­to, es­ta­vam al­guns dos prin­ci­pais atle­tas do mun­do, co­mo Wil­son Kip­sang (me­da­lhis­ta de bron­ze nos Jo­gos Olím­pi­cos de 2012 e ven­ce­dor das ma­ra­to­nas de Tó­quio, Lon­dres, Ber­lim e No­va York), Abel Ke­rui (me­da­lhis­ta de pra­ta nas Olim­pía­das de 2012 e ou­ro nos Mun­di­ais de 2009 e 2011) e Mary Kei­tany (tri­cam­peã da Ma­ra­to­na de Lon­dres e te­tra­cam­peã da de No­va York). “Os cor­re­do­res que­ni­a­nos sem­pre me ins­pi­ra­ram. E foi is­so o que eu bus­quei nes­se pe­río­do: en­ten­der o es­ti­lo de vi­da de­les pa­ra cres­cer co­mo atle­ta e co­mo trei­na­dor”, con­clui Ade­mir.

“O QUE ME MO­VE CO­MO TREI­NA­DOR É MAS­SI­FI­CAR O ES­POR­TE, JÁ QUE ELE ME DEU TU­DO.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.