Quan­do a in­for­ma­ção trans­cen­de a te­la

DE­POIS DE TRA­BA­LHAR CON­TEÚ­DOS SO­BRE SE­DEN­TA­RIS­MO, PRO­FES­SO­RA CRIA COR­RI­DA DE RUA PA­RA ALU­NOS DE ES­CO­LA MU­NI­CI­PAL NA GRAN­DE SÃO PAU­LO

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR THIENY MOLTHINI

De­pois de tra­ba­lhar con­teú­dos so­bre se­den­ta­ris­mo, pro­fes­so­ra cria cor­ri­da de rua pa­ra alu­nos de es­co­la mu­ni­ci­pal na Gran­de São Pau­lo

QUAL A IM­POR­TÂN­CIA da in­for­ma­ção pa­ra vo­cê? Len­do uma re­vis­ta de cor­ri­da pro­va­vel­men­te vo­cê busca por da­dos que te aju­dem a cor­rer me­lhor, tal­vez apri­mo­rar a alimentaçã­o, ter há­bi­tos de vida mais sau­dá­veis. Qu­em sa­be não é por aqui que vo­cê aca­be to­man­do a de­ci­são de dar o pró­xi­mo pas­so pa­ra uma dis­tân­cia mai­or – 10, 21 ou, tal­vez, 42 km.

Es­se é o po­der da in­for­ma­ção quan­do ela é com­pre­en­di­da. É co­mo um ca­nal, um diá­lo­go, ele só exis­te se há com­pre­en­são de qu­em re­ce­be a men­sa­gem. A in­for­ma­ção po­de mu­dar vi­das. Ela tor­na qu­em a pos­sui ca­paz de pen­sar além das fron­tei­ras do seu con­ví­vio. É po­der de­ba­ter, ar­gu­men­tar, com­par­ti­lhar idei­as e co­nhe­ci­men­to. É com­pre­en­são e des­co­ber­ta. A in­for­ma­ção em­po­de­ra o ci­da­dão. E é as­sim que co­me­ça a his­tó­ria de uma cor­ri­da que há dois anos é or­ga­ni­za­da por uma es­co­la mu­ni­ci­pal de Osas­co, na Gran­de São Pau­lo.

QUAN­DO O ES­POR­TE CO­ME­ÇA NO COM­PU­TA­DOR

For­ma­da em pe­da­go­gia, Tel­ma Apa­re­ci­da San­ta­na, de 56 anos, é res­pon­sá­vel pe­lo pro­je­to de in­for­má­ti­ca da es­co­la mu­ni­ci­pal Prof. La­er­te Jo­sé dos San­tos há 10 anos. Na uni­da­de ela le­ci­o­na pa­ra alu­nos do 1º ao 5º ano do en­si­no fun­da­men­tal.

Nas au­las de in­for­má­ti­ca, são abor­da­dos te­mas, so­bre­tu­do, in­ter­dis­ci­pli­na­res. No fim de ca­da ano le­ti­vo, os pro­fes­so­res en­vi­am um pro­je­to pa­ra ser tra­ba­lha­do no ano se­guin­te. Pa­ra 2017 a ideia de Tel­ma foi abor­dar o jor­nal. Mas não qual­quer jor­nal, um di­re­ci­o­na­do às cri­an­ças e aos pré-ado­les­cen­tes, o jor­nal Jo­ca.

Cri­a­do por Stépha­nie Ha­bri­ch, o Jo­ca tem co­mo ob­je­ti­vo in­for­mar as cri­an­ças so­bre tu­do o que acon­te­ce no Bra­sil e no mun­do, mas de uma ma­nei­ra di­dá­ti­ca, pa­ra que eles pos­sam, ver­da­dei­ra­men­te, en­ten­der e ab­sor­ver a no­tí­cia. Ou se­ja, não são jo­gos de in­te­ra­ção ou ma­té­ri­as fic­tí­ci­as, mas fa­tos re­ais es­cri­tos pa­ra os pe­que­nos. Quan­do con­ver­sa­mos com Stépha­nie, a pau­ta que es­ta­va sen­do apu­ra­da era o rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le em Bru­ma­di­nho, em Mi­nas Ge­rais, em 25 de ja­nei­ro, que co­mo­veu o país.

“O Jo­ca faz a con­tex­tu­a­li­za­ção de di­ver­sos as­sun­tos pa­ra as cri­an­ças. Ele é im­par­ci­al e apar­ti­dá­rio. Não pos­sui uma opi­nião, ele le­va a no­tí­cia pa­ra a cri­an­ça. Uma vez que a cri­an­ça faz par­te da so­ci­e­da­de, ela pre­ci­sa en­ten­der o que acon­te­ce em vol­ta de­la”, ex­pli­ca Stépha­nie.

Quan­do cri­ou o pro­je­to, Tel­ma fa­lou com uma ami­ga, que con­se­guiu le­var a pro­pos­ta até Stépha­nie, que abra­çou a ideia. “Ela leu o pro­je­to e acre­di­tou no meu tra­ba­lho. Do­ou uma se­nha pa­ra usar­mos e 30 jor­nais im­pres­sos. Des­ses, 15 fi­cam na in­for­má­ti­ca. Eles ain­da con­se­guem in­te­ra­gir na pla­ta­for­ma on­li­ne. Sem con­tar a TV Jo­ca, que tem vá­ri­os ví­de­os no Youtu­be”, con­ta, emo­ci­o­na­da, a pro­fes­so­ra.

O Jo­ca es­tá dis­po­ní­vel pa­ra as cri­an­ças na ver­são on­li­ne – com um si­te on­de há atu­a­li­za­ções diá­ri­as – e na ver­são im­pres­sa, quin­ze­nal. Pe­lo si­te ( jor­nal­jo­ca.com.br), pais e pro­fes­so­res po­dem fa­zer a as­si­na­tu­ra de am­bos os pro­du­tos. Nas es­co­las, o ma­te­ri­al é en­vi­a­do com um guia de ati­vi­da­des, as­sim os pro­fes­so­res con­se­guem apro­vei­tar ao má­xi­mo o con­teú­do do veí­cu­lo de ma­nei­ra in­ter­dis­ci­pli­nar. Foi des­sa for­ma que a pro­fes­so­ra Tel­ma co­me­çou a tra­ba­lhar o Jor­nal Jo­ca na sa­la de au­la, no co­me­ço de 2017. “Eu que­ria tra­ba­lhar a no­tí­cia a par­tir de uma lei­tu­ra atu­a­li­za­da so­bre o mun­do”, ex­pli­ca a pe­da­go­ga.

PLANTANDO UMA SE­MEN­TE

Em ju­nho da­que­le ano, uma re­por­ta­gem da­ria iní­cio a uma gran­de ini­ci­a­ti­va. Na edi­ção 96, o Jo­ca abor­da­va o se­den­ta­ris­mo dos bra­si­lei­ros. In­ti­tu­la­da “Mais da me­ta­de dos bra­si­lei­ros não pratica es­por­tes”, a ma­té­ria tra­zia os re­sul­ta­dos de um es­tu­do da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os (PNAD) fei­to en­tre 2014 e 2015. O te­ma mo­bi­li­zou as cri­an­ças du­ran­te as au­las de in­for­má­ti­ca e le­van­tou a im­por­tân­cia da ati­vi­da­de fí­si­ca. “A ma­té­ria ti­nha grá­fi­cos com por­cen­ta­gens mos­tran­do qu­em pra­ti­ca­va mais es­por­te e qual era o mais pra­ti­ca­do. En­tre os ho­mens, fu­te­bol, en­tre as mu­lhe­res, ca­mi­nha­da”, lem­bra Tel­ma.

Mas a abor­da­gem do te­ma não pa­rou por aí. Na se­ma­na se­guin­te, ao fa­la­rem so­bre o assunto, a pro­fes­so­ra fez uso de um ví­deo da TV Jo­ca so­bre Es­por­tes Ma­lu­cos. De­pois es­tu­da­ram ou­tra ma­té­ria, da edi­ção 99, que abor­da­va a des­pe­di­da do gran­de ído­lo do atle­tis­mo Usain Bolt. (Aqui um de­ta­lhe que vai fa­zer a di­fe­ren­ça nes­ta his­tó­ria: Tel­ma, pe­da­go­ga, é cor­re­do­ra, as­sim co­mo nós.) Foi com to­do es­se ce­ná­rio de fun­do que sur­giu uma ideia: mon­tar uma cor­ri­da pa­ra que as cri­an­ças pu­des­sem vi­ven­ci­ar a prá­ti­ca e, as­sim, mos­trar a im­por­tân­cia do es­por­te pa­ra a saú­de e ou­tras áre­as de su­as vi­das.

Com a ideia, Tel­ma foi bus­car o apoio de ou­tras áre­as. Pri­mei­ro, Lu­ci­a­na, pro­fes­so­ra de edu­ca­ção fí­si­ca. De­pois fa­lou com An­gé­li­ca Go­mes, pro­fes­so­ra re­gu­lar e cor­re­do­ra (até meia ma­ra­to­na ela já fez). En­tão foi só fa­lar com a di­re­to­ra, Gei­da Pe­rei­ra, que abra­çou a ideia. “Quan­do vol­tás­se­mos do re­ces­so, fa­ría­mos uma cor­ri­da.”

FOI DA­DA A LAR­GA­DA

Em ju­lho, co­mo pro­me­ti­do, co­me­ça­ram os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra a pro­va, que reu­ni­ria as cri­an­ças e apre­sen­ta­ria a cor­ri­da de rua a elas. “To­mou uma for­ma gran­di­o­sa, não con­si­go ex­pli­car. To­do mun­do se

“MUI­TOS PO­DE­RI­AM DE­SIS­TIR SÓ DE PEN­SAR EM CRI­AN­ÇAS COR­REN­DO NA RUA. MAS TO­DOS ABRAÇARAM A IDEIA, OS ALU­NOS SE ENVOLVERAM MUI­TO E FOI UMA GRAN­DE FES­TA”, LEM­BRA TEL­MA

en­vol­veu, ins­pe­to­ras, me­ren­dei­ras, co­zi­nhei­ras”, con­ta Tel­ma.

Foi tu­do uma gran­de no­vi­da­de pa­ra Tel­ma. Afi­nal, não era ape­nas co­lo­car as cri­an­ças em uma rua e “dar a lar­ga­da”.

Mas is­so ela foi des­co­brin­do aos pou­cos, com a aju­da de ca­da um dos en­vol­vi­dos no pro­je­to. “Sou­be por ou­tra pro­fes­so­ra, mãe de um alu­no cor­re­dor, que se­ria ne­ces­sá­rio fa­zer a lar­ga­da em ‘ilhas’. Era pre­ci­so se­pa­rar por ano e tur­ma. Ali­nhar de qu­a­tro a cin­co alu­nos e dar a lar­ga­da, sem­pre com um fun­ci­o­ná­rio”, lem­bra.

“Pe­di­mos apoio ao Cor­po de Bom­bei­ros e ao de­par­ta­men­to de trân­si­to pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça das cri­an­ças. Tra­ça­mos o per­cur­so de 300 me­tros, de­fi­ni­mos a lar­ga­da e a che­ga­da, com fai­xa e tu­do, e até mon­ta­mos uma bo­ni­ta me­sa de fru­tas. Mui­tos po­de­ri­am de­sis­tir só de pen­sar em cri­an­ças cor­ren­do na rua. Mas to­dos abraçaram a ideia, os alu­nos se envolveram mui­to e foi uma gran­de fes­ta!”, con­ta Tel­ma.

En­quan­to os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra a pro­va eram fei­tos, di­fe­ren­tes dis­ci­pli­nas

tra­ba­lha­vam o even­to de al­gu­ma for­ma, de ma­nei­ra in­ter­dis­ci­pli­nar. Por exem­plo, nas au­las de lín­gua por­tu­gue­sa, além da lei­tu­ra e in­ter­pre­ta­ção de tex­to, os alu­nos tra­ba­lha­ram pro­du­ção de tex­to ao pre­en­che­rem as su­as fi­chas de ins­cri­ção pa­ra a pro­va. Em ma­te­má­ti­ca, os nú­me­ros or­di­nais, car­di­nais, me­di­das de tem­po e dis­tân­cia. Em ci­ên­ci­as, o sis­te­ma lo­co­mo­ti­vo e nu­tri­ção. Ge­o­gra­fia, lei­tu­ra de ru­as do bair­ro, lo­ca­li­za­ção. Em his­tó­ria, co­mo co­me­çou a cor­ri­da de rua. Nas au­las de in­glês, o vo­ca­bu­lá­rio da cor­ri­da. Na in­for­má­ti­ca, o uso das fer­ra­men­tas pa­ra a lei­tu­ra de re­por­ta­gens e in­te­ra­ção (já que as cri­an­ças po­dem co­men­tar o con­teú­do on­li­ne). E, cla­ro, na edu­ca­ção fí­si­ca, a im­por­tân­cia da ati­vi­da­de fí­si­ca e a ideia de co­le­ti­vi­da­de e es­pí­ri­to es­por­ti­vo.

UMA INI­CI­A­TI­VA

QUE SE PERPETUA

Em ou­tu­bro tu­do es­ta­va pron­to. A ce­le­bra­ção do Dia das Cri­an­ças da­que­le ano se­ria di­fe­ren­te. Com di­rei­to a se­lo de iden­ti­fi­ca­ção co­la­do no pei­to, gar­ra­fi­nha pa­ra ga­ran­tir a hi­dra­ta­ção, me­da­lhas e prê­mi­os pa­ra to­dos os alu­nos par­ti­ci­pan­tes, do 1º ao 5º ano do en­si­no fun­da­men­tal, foi re­a­li­za­da a pri­mei­ra edi­ção da Kids Run La­er­te.

Apro­xi­ma­da­men­te 715 alu­nos par­ti­ci­pa­ram em dois di­as de pro­va. Pri­mei­ro dia com o 1º, 2º e 3º anos fa­zen­do provas cur­tas, de 200 m a 300 m. No se­gun­do dia, a ga­ro­ta­da do 4º e 5º anos fez um tra­je­to um pou­co mai­or, de cer­ca de 400 m.

“Na pri­mei­ra cor­ri­da, os Bom­bei­ros le­va­ram ca­mi­nhão. Era mui­to le­gal! Quan­do dá­va­mos a lar­ga­da, eles to­ca­vam a si­re­ne. Só qu­em vi­veu es­se mo­men­to con­se­gue en­ten­der a emo­ção”, lem­bra a pro­fes­so­ra, se des­cul­pan­do pe­la emo­ção que já era pos­sí­vel iden­ti­fi­car em sua voz. Nin­guém fi­cou de fo­ra, in­clu­si­ve as cri­an­ças es­pe­ci­ais e com li­mi­ta­ções de mo­bi­li­da­de. “Te­mos um alu­no ca­dei­ran­te. Vo­cê não sa­be a emo­ção que foi ver os seus dois ir­mãos mais ve­lhos, do 5º ano, em­pur­ran­do a ca­dei­ra de ro­das de­le. A mai­or fe­li­ci­da­de do mun­do!”

“É um de­sa­fio ain­da mai­or pa­ra as cri­an­ças com li­mi­ta­ções fí­si­cas, uma ques­tão de su­pe­ra­ção.” E en­ga­na-se qu­em pen­sa que foi ape­nas uma cor­ri­da. Aque­le foi o even­to da co­mu­ni­da­de, um acon­te­ci­men­to que en­vol­veu pais, alu­nos, fun­ci­o­ná­ri­os e até os cães te­ra­peu­tas do mu­ni­cí­pio (que tra­ba­lham em hos­pi­tais e pre­sí­di­os da ci­da­de).

Em 2018, a pro­va che­gou à sua se­gun­da edi­ção. Nas du­as ve­zes con­tan­do ape­nas com o pa­tro­cí­nio da Stépha­nie, que re­al­men­te acre­di­tou na cau­sa. A re­per­cus­são foi tan­ta que, na­que­le ano, o pre­fei­to do mu­ni­cí­pio, Ro­gé­rio Lins, foi pres­ti­gi­ar o even­to. E tu­do, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, aconteceu de ma­nei­ra es­pe­ci­al. “Tí­nha­mos ter­mi­na­do a pro­va do 5º ano. Es­tá­va­mos com a alu­na Aman­da. Ela tem de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca, pre­ci­sa de mu­le­ta pa­ra se lo­co­mo­ver. E ela quis cor­rer. Aman­da an­da­va e cor­ria um pou­qui­nho. Quan­do atin­giu a pri­mei­ra su­bi­da, per­gun­tei se que­ria aca­bar a pro­va com o car­ro da Po­lí­cia. Mas ela dis­se: “Vou ter­mi­nar”. E ela foi. E to­do mun­do tor­cen­do por ela. Quan­do Aman­da en­trou na es­co­la, o pre­fei­to es­ta­va che­gan­do. Foi emo­ção atrás de emo­ção. Não me per­gun­te co­mo, mas apa­re­ceu um tro­féu de su­pe­ra­ção, que aca­bou sen­do en­tre­gue pe­lo pre­fei­to pa­ra Aman­da”, con­ta Tel­ma, ago­ra, com­ple­ta­men­te emo­ci­o­na­da.

IN­FOR­MA­ÇÃO CO­MO COM­BUS­TÍ­VEL

A no­tí­cia deu iní­cio a um pro­je­to que to­mou pro­por­ções que nin­guém ima­gi­na­va. Mo­bi­li­zou cri­an­ças, fun­ci­o­ná­ri­os

e a co­mu­ni­da­de. “Na­da se faz so­zi­nho. Pre­ci­sa­mos da união de to­dos pa­ra fa­zer um even­to e dei­xar um le­ga­do. A cor­ri­da faz par­te de uma gran­de pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à obe­si­da­de in­fan­til. A gen­te pre­ci­sa in­cen­ti­var. É um es­por­te ba­ra­to, é só co­lo­car um tê­nis e sair cor­ren­do.” A ideia de Stepha­nie pa­re­ce ter cum­pri­do o seu pa­pel, mas es­se é só o co­me­ço.

Nas­ci­da na Ale­ma­nha, Stépha­nie veio pa­ra o Bra­sil ain­da pe­que­na, mas seus pais as­si­na­vam veí­cu­los eu­ro­peus co­mo o Jo­ca – di­re­ci­o­na­dos pa­ra cri­an­ças –, que ela re­ce­bia em ca­sa. “Ape­nas na Fran­ça há mais de dez jor­nais e 280 re­vis­tas di­re­ci­o­na­das pa­ra as cri­an­ças. É uma for­ma de mos­trar res­pei­to a elas. Se vo­cê não for­má-las des­de pe­que­nos, co­mo fa­ze­mos? Não adi­an­ta es­pe­rar um mi­la­gre lá na fren­te. Não é ape­nas uma fer­ra­men­ta de lei­tu­ra, é apren­der a ser um ci­da­dão res­pon­sá­vel pe­los seus atos. Se não há in­for­ma­ção, co­mo po­de­mos mu­dar is­so?”

Cri­a­do em 2011 com ins­pi­ra­ção em jor­nais pa­ra cri­an­ças do mun­do in­tei­ro, o Jo­ca con­ta com 20 mil as­si­nan­tes, apro­xi­ma­da­men­te.

“Na ho­ra de es­co­lher­mos as nos­sas pau­tas, le­mos no­tí­ci­as do mun­do in­tei­ro e con­ver­sa­mos com cor­res­pon­den­tes mi­rins pa­ra sa­ber a vi­são das cri­an­ças so­bre os as­sun­tos e co­mo aque­la si­tu­a­ção os afe­ta”, con­ta a em­pre­sá­ria. “A cri­an­ça es­tá ex­pos­ta às no­tí­ci­as e ela é ca­paz de en­ten­der, cri­ar em­pa­tia, de­sen­vol­ver um ra­ci­o­cí­nio de re­so­lu­ção. As­sim ela po­de pen­sar em for­mas de aju­dar sua co­mu­ni­da­de.” Pa­ra Tel­ma, o jor­nal se tor­nou o com­bus­tí­vel da es­co­la. “Que o meu tra­ba­lho sir­va de ins­pi­ra­ção pa­ra no­vas prá­ti­cas pe­da­gó­gi­cas de su­ces­so.”

Em 2019, a Kids Run La­er­te já es­tá ga­ran­ti­da. Ago­ra a pe­da­go­ga es­pe­ra que no­vas em­pre­sas se so­li­da­ri­zem com a cau­sa e aju­dem, qu­em sa­be, com chips pa­ra mo­ni­to­rar o per­cur­so das cri­an­ças. “É uma gran­de emo­ção, uma vi­tó­ria por tu­do ter da­do cer­to. É uma ale­gria que con­ta­gia a es­co­la in­tei­ra e to­da a co­mu­ni­da­de. Vo­cê vê as cri­an­ças comentando. É emo­ci­o­nan­te. Ca­da lar­ga­da é uma emo­ção di­fe­ren­te, prin­ci­pal­men­te pa­ra os alu­nos es­pe­ci­ais. To­do mun­do es­tá ven­cen­do os seus li­mi­tes.”

DE­POIS DE DU­AS EDI­ÇÕES, AGO­RA A KIDS RUN LA­ER­TE É UM PRO­JE­TO QUE FAZ PAR­TE DO CA­LEN­DÁ­RIO DE EVEN­TOS DA ES­CO­LA E É AGUARDADA PE­LOS ALU­NOS

1. A pro­fes­so­ra Ghis­le­ne de Cas­sia Mel­lo(de ca­pa bran­ca) com os alu­nos do 2º ano2. A pro­fes­so­ra Re­ja­ne e os alu­nos do 3º ano3. Stépha­nie Ha­bri­ch, cri­a­do­ra do Jo­ca4. Pro­fes­so­ra Ma­ria Cleu­za San­ta­na 1 2

4

3

5 6

7. O pre­fei­to com os alu­nos do 4º ano da es­co­la mu­ni­ci­pal 7

8. A pro­fes­so­ra Tel­ma Li­ber­ti (cri­a­do­ra do pro­je­to) com o alu­no Thiago de Pau­la Ne­ves 8

5. O pre­fei­to de Osas­co, Ro­gé­rioLins (de ca­mi­sa azul), vi­si­tou a es­co­la na se­gun­da edi­ção do Kids Run La­er­te6. A vi­ce-di­re­to­raEma Ca­ro­li­na e a alu­na Aman­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.