A CHI­NA ES­TÁ OBCECADA PE­LA COR­RI­DA

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR WILL FORD

Mais de 20 milhões de chi­ne­ses es­tão to­man­do as ruas das ci­da­des e as tri­lhas das al­dei­as do in­te­ri­or com eu­fo­ria

NOS ÚL­TI­MOS ANOS, UM BO­OM DE COR­RI­DA ATIN­GIU A NAÇÃO MAIS POPULOSA DO MUN­DO. MAIS DE 20 MILHÕES DE CHI­NE­SES ES­TÃO TO­MAN­DO AS RUAS DAS CI­DA­DES E AS TRI­LHAS DAS AL­DEI­AS DO IN­TE­RI­OR COM EU­FO­RIA E, AO LON­GO DO PRO­CES­SO, MUDANDO GRA­DU­AL­MEN­TE A IDEN­TI­DA­DE DA RE­PÚ­BLI­CA PO­PU­LAR

A NO­VA COR­RI­DA DE TRI­LHA MAIS ES­PE­RA­DA DA CHI­NA CO­ME­ÇOU COM UMA AULA ES­TI­LO JAZZERCISE AO SOM DE MÚ­SI­CA TE­CH­NO.

5h da ma­dru­ga­da, e a lar­ga­da pa­re­cia uma dis­co­te­ca. Cor­re­do­res reu­ni­dos atrás de um tra­di­ci­o­nal por­tão chi­nês fa­zen­do po­li­chi­ne­los e to­can­do al­ter­na­da­men­te as mãos nas pon­tas dos pés, sin­cro­ni­zan­do seus aque­ci­men­tos com rit­mo la­te­jan­te da bass mu­sic. Um ins­tru­tor com ly­cra dos pés à ca­be­ça pu­xa­va a aula, gri­tan­do atrás de um fo­ne de ou­vi­do. Má­qui­nas de fu­ma­ça ex­plo­di­am ao rit­mo da mú­si­ca e ho­lo­fo­tes ilu­mi­na­vam um car­taz pen­du­ra­do no por­tão tra­di­ci­o­nal: Ga­o­li­gong by UTMB.

Um cor­re­dor chi­nês ace­nou pa­ra mim em si­nal de apro­va­ção. “Na­da mal a vi­be aqui, não?” Uma mú­si­ca dan­ce ele­trô­ni­ca bom­bou du­ran­te a meia ho­ra se­guin­te, até Li Zha­ohui, o mes­tre de ce­rimô­ni­as e lo­cu­tor dos even­tos de atle­tis­mo das Olim­pía­das de Pe­quim, en­trar em ce­na. Na­que­la ma­nhã, ele ves­tia uma ja­que­ta vin­ta­ge da For­ça Aérea dos EUA, bor­da­da com o em­ble­ma dos Flying Ti­gers, o es­qua­drão nor­te-ame­ri­ca­no que lu­tou ao la­do dos chi­ne­ses nes­sa re­gião, ao nor­te da fron­tei­ra da Chi­na com Myan­mar, na pro­vín­cia de Yun­nan, du­ran­te a Se­gun­da Guerra Mun­di­al. Preso ao re­dor de sua ca­be­ça, ha­via um óculos de avi­a­ção re­trô dos anos 1940.

“Es­ta­mos aqui... em Teng­chong, a ci­da­de mais bo­ni­ta de to­das!”, ele pro­cla­mou, pri­mei­ro em chi­nês, de­pois em um in­glês com so­ta­que car­re­ga­do.

“Vo­cês po­dem con­quis­tar a montanha... de Ga­o­li­gong! Vo­cês po­dem vo­ar. Po­dem to­car os céus... co­mo águi­as! To­dos vo­cês são he­róis! Is­so é... in­crí­vel!” Os cor­re­do­res, que so­ma­vam cer­ca de 400, vi­bra­vam jun­to com a mul­ti­dão.

Ao meu la­do es­ta­va Pa­vel To­ro­pov, da Xingzhi Ex­plo­ring, a com­pa­nhia chi­ne­sa que es­ta­va or­ga­ni­zan­do a Ga­o­li­gong jun­to com a or­ga­ni­za­ção do UTMB, a ul­tra­ma­ra­to­na mais im­por­tan­te do mun­do, com ba­se na Fran­ça. O es­pe­tá­cu­lo não o in­ti­mi­da. Ele or­ga­ni­za cor­ri­das ao re­dor do mun­do des­de 2011, e a Ga­o­li­gong era seu mais re­cen­te pro­je­to.

Em Teng­chong, Pa­vel per­ma­ne­ceu tran­qui­la­men­te atrás do por­tão, inex­pres­si­vo, olhan­do oca­si­o­nal­men­te de re­lan­ce os atle­tas es­tran­gei­ros que con­vi­da­ra pa­ra a pro­va. A lar­ga­da dos 55 km na­que­la ma­nhã mar­ca­va a pri­mei­ra das três cor­ri­das do fim de se­ma­na, com provas de 125 e 160 km em se­gui­da. As ul­tra­ma­ra­to­nis­tas Sun­maya Budha e Me­re­dith Edwards eram as grandes fa­vo­ri­tas en­tre as mu­lhe­res nos 55 km, e Ja­son Sch­larb e Nathan Mon­ta­gue, en­tre os ho­mens.

No pal­co, Li Zha­ohui con­ti­nu­a­va fa­lan­do com en­tu­si­as­mo, antes da apre­sen­ta­ção dos atle­tas da eli­te, um por um, jun­to a ra­ja­das da má­qui­na de fu­ma­ça. Ja­son, Me­re­dith, Sun­maya e Nathan tro­ta­ram até o pal­co, e a mul­ti­dão de cor­re­do­res ama­do­res in­ves­tiu con­tra as gra­des com seus smartpho­nes nas mãos pa­ra ti­rar fotos. No­va­men­te, Li Zha­ohui elo­gi­ou os com­pe­ti­do­res co­mo uma co­le­ção de he­róis, e o re­ló­gio deu iní­cio à con­ta­gem re­gres­si­va pa­ra a lar­ga­da dos 55 km.

Qu­an­do che­gou ao ze­ro, os cor­re­do­res da eli­te vo­a­ram pa­ra fora do por­tão ao som da mú­si­ca pul­san­te, e, atrás de­les, mul­ti­dões de atle­tas cor­ri­am com ja­que­tas co­lo­ri­das e mo­chi­las de hi­dra­ta­ção, aplau­din­do e ti­ran­do fotos ao mes­mo tem­po. Pa­vel me cha­mou pa­ra den­tro de um car­ro e ace­le­ra­mos por uma es­tra­da si­nu­o­sa até o pri­mei­ro pon­to de con­tro­le. → AO LON­GO DOS ÚL­TI­MOS CIN­CO ANOS mais ou me­nos, even­tos co­mo a Ga­o­li­gong pas­sa­ram a in­te­grar o la­do mais pom­po­so do bo­om mas­si­vo de provas de cor­ri­da na Chi­na. A maioria dos or­ga­ni­za­do­res chi­ne­ses diz que o au­men­to re­pen­ti­no co­me­çou por vol­ta de 2011, com uma en­xur­ra­da de ma­ra­to­nas, de­pois veio uma se­gun­da on­da de even­tos de cor­ri­da de tri­lha em 2015. Na­que­les pri­mei­ros anos, mui­tas cor­ri­das eram or­ga­ni­za­das sem mui­to cui­da­do, e de­sas­tres eram fre­quen­tes. Em al­guns even­tos, vo­lun­tá­ri­os não apa­re­ci­am de­vi­do ao mau tem­po, fal­ta­vam ten­das mé­di­cas e não ha­via evacuação mé­di­ca dis­po­ní­vel. Des­de en­tão, Pa­vel me con­tou, a qualidade das cor­ri­das me­lho­rou dras­ti­ca­men­te. Em par­te de­vi­do à ex­pe­ri­ên­cia, mas tam­bém por con­ta do mo­vi­men­to uni­fi­ca­do e po­pu­lar de vigilância das com­pe­ti­ções nas mí­di­as so­ci­ais. Qu­an­do fa­lei com Shen Bo, co­fun­da­dor do Gu­dong, o Stra­va chi­nês, ele es­ti­mou que ago­ra a Chi­na po­dia ter pe­lo me­nos 200 milhões de cor­re­do­res, ou um cor­re­dor a ca­da sete pes­so­as.

Es­sa foi de lon­ge a es­ti­ma­ti­va mais al­ta que es­cu­tei. Os or­ga­ni­za­do­res de cor­ri­das da San­fo, o equi­va­len­te chi­nês da nor­te­a­me­ri­ca­na REI, es­ti­mam o nú­me­ro mais sen­sa­to de 20 milhões. Yu Lan­ji­ang, fun­da­dor da Zui­ku, o app de ins­cri­ção em provas mais usado da Chi­na, diz que sou­be da exis­tên­cia de mais de 800 cor­ri­das de rua em 2017, além de pe­lo me­nos 450 de tri­e­ram

lha. Ele es­pe­ra­va que, no fim de 2018, o to­tal su­bis­se pa­ra mais de 1.500. A San­fo chu­tou ain­da mais al­to, acre­di­tan­do que pas­sa­rão de 2.000. Hou­ve rumores de que a Chi­na es­ta­va ten­tan­do en­trar no Ul­tra Trail World Tour, e, em 15 de abril de 2018, mais de 40 ma­ra­to­nas fo­ram ce­le­bra­das no mes­mo fim de se­ma­na no país.

“Foi o fim de se­ma­na que os or­ga­ni­za­do­res chi­ne­ses con­si­de­ra­ram que te­ria as melhores con­di­ções de tem­po”, um cor­re­dor me ex­pli­cou. “Além de que, eles tam­bém ti­nham es­cu­ta­do que a Maratona de Bos­ton se­ria na­que­le mes­mo fim de se­ma­na, e ela é mui­to fa­mo­sa, to­do mun­do a co­nhe­ce!”

Uma dé­ca­da atrás, era di­fí­cil ima­gi­nar es­se fre­ne­si chi­nês pe­la cor­ri­da. Tro­tar pe­las ruas atraía olha­res, e a maioria dos cor­re­do­res trei­na­va na pis­ta. His­to­ri­ca­men­te, cor­rer era al­go a ser evi­ta­do por quem pu­des­se – era vis­to co­mo uma for­ma de tra­ba­lho ma­nu­al pa­ra cam­po­ne­ses do qual a no­va clas­se mé­dia de­se­ja­va se es­qui­var.

Mas no fim da pri­mei­ra dé­ca­da do se­gun­do mi­lê­nio, de­pois das Olim­pía­das de 2008, as coi­sas co­me­ça­ram a mu­dar. “O po­vo chi­nês co­me­çou a se per­gun­tar: ‘E ago­ra?’”, um or­ga­ni­za­dor me con­tou, dis­cu­tin­do o es­ta­do de âni­mo de­pois que

a Chi­na con­quis­tou a fan­ta­sia na­ci­o­na­lis­ta de vencer no qua­dro de me­da­lhas de ou­ro. Co­mo con­sequên­cia dos Jo­gos, o atle­tis­mo fi­cou me­nos fo­ca­do no direito de se van­glo­ri­ar glo­bal­men­te e mais in­tros­pec­ti­vo, mais fo­ca­do no in­di­ví­duo. Os chi­ne­ses co­me­ça­ram a es­ta­be­le­cer ob­je­ti­vos pa­ra si mes­mos e, se­gun­do os or­ga­ni­za­do­res me con­ta­ram, re­sol­ve­ram cor­rer por uma ques­tão de saúde men­tal, e me­nos por con­cei­tos abs­tra­tos re­la­ci­o­na­dos à for­ça da nação. Cor­rer es­ta­va se tor­nan­do um hobby oni­pre­sen­te en­tre a clas­se mé­dia, que aban­do­na­va os an­ti­gos pa­ra­dig­mas do es­por­te – o ethos na­ci­o­na­lis­ta e o do­mí­nio das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do.

Qi Min, um dos melhores ul­tra­ma­ra­to­nis­tas da Chi­na, sur­giu das ri­go­ro­sas de­man­das dos pro­gra­mas de atle­tis­mo pa­tro­ci­na­dos pe­lo Es­ta­do chi­nês. Ele cres­ceu nu­ma re­gião po­bre da pro­vín­cia de Yun­nan, a cer­ca de dez ho­ras de car­ro da ci­da­de de Teng­chong. Aos 11 anos, ele do­mi­nou uma com­pe­ti­ção do en­si­no mé­dio de pis­ta e cha­mou a aten­ção dos téc­ni­cos das es­co­las es­por­ti­vas lo­cais. No ano se­guin­te, a fa­mí­lia de­le o ma­tri­cu­lou na es­co­la pro­vin­ci­al de cor­ri­da do go­ver­no, o de­grau mais bai­xo de um sis­te­ma ins­pi­ra­do no mo­de­lo so­vié­ti­co.

Aos 14 anos, ele as­cen­deu à equi­pe pro­vin­ci­al. Lá, os atle­tas trei­na­vam o tem­po to­do, três ho­ras de ma­nhã e três de­pois do al­mo­ço, e já não as­sis­ti­am às au­las. Nin­guém ti­nha au­to­ri­za­ção pa­ra sair do cam­pus, e as ho­ras em que não es­ta­vam trei­nan­do eram de­di­ca­das à re­cu­pe­ra­ção, até as lu­zes se apa­ga­rem, às 21h. Nas com­pe­ti­ções, ele era ex­pos­to ape­nas aos ho­téis e às zo­nas de com­pe­ti­ção, e o per­cur­so en­tre um lu­gar e ou­tro era fei­to den­tro de um ôni­bus.

“Vi­vía­mos com­ple­ta­men­te des­co­nec­ta­dos do res­to do mun­do”, Qi Min me con­tou, fa­lan­do em chi­nês e sor­rin­do. “Nun­ca gos­tei dis­so. Vo­cê não po­de sair e, na ver­da­de, nem tem mei­os pa­ra so­bre­vi­ver fora da es­co­la. Meu di­plo­ma do en­si­no mé­dio não sig­ni­fi­ca na­da.”

Qi Min com­pa­rou sua es­co­la com o trei­na­men­to mi­li­tar, fa­zen­do lem­brar as crí­ti­cas mais co­muns ao sis­te­ma esportivo chi­nês: o cus­to al­tís­si­mo de sa­cri­fi­car a edu­ca­ção pe­lo de­sem­pe­nho fí­si­co. Ele fez re­fe­rên­cia às pro­mes­sas olím­pi­cas que, com pou­ca ou ne­nhu­ma edu­ca­ção, ti­nham se ar­rui­na­do de­pois do fim de su­as car­rei­ras es­por­ti­vas.

Aos 26 anos, Qi Min for­çou sua saí­da fin­gin­do uma lesão de jo­e­lho. Foi só en­tão que co­me­çou a des­fru­tar da cor­ri­da, com­pe­tin­do em con­sa­gra­das cor­ri­das de tri­lha da Chi­na. Em pou­co tem­po, ele atraiu in­te­res­ses co­mer­ci­ais, co­mo os da Gar­min, que o pa­tro­ci­na. Ago­ra, aos 29 anos, a cor­ri­da co­mer­ci­al trans­for­mou sua vi­da, as­sim co­mo as de al­guns dos melhores cor­re­do­res da Chi­na.

Pou­cas se­ma­nas antes da Ga­o­li­gong, ele e sua na­mo­ra­da, Yao Mi­ao, que tam­bém é corredora da eli­te, atraí­ram aten­ções ao vencer a Vi­bram Hong King 100 nas ca­te­go­ri­as mas­cu­li­na e fe­mi­ni­na. De­pois des­sa cor­ri­da, Qi Min co­men­tou que gos­ta­ria de, um dia, fa­zer par­te do ranking de melhores cor­re­do­res de montanha do mun­do e po­der de­sa­fi­ar al­guns dos melhores pro­fis­si­o­nais nor­te­a­me­ri­ca­nos e eu­ro­peus. → É DI­FÍ­CIL IMA­GI­NAR uma mu­dan­ça mais drás­ti­ca de es­ti­lo de vi­da que a de Qi Min. Ele e Yao Mi­ao ago­ra mo­ram em Da­li, uma das ci­da­des mais bo­ni­tas da Chi­na e ba­se do tu­ris­mo de aven­tu­ra, na bei­ra­da do pla­nal­to ti­be­ta­no, em Yun­nan. Ele é co­le­ga de quar­to de seu me­lhor ami­go e par­cei­ro de trei­no, Shen Ji­asheng, ou­tro fu­gi­ti­vo das es­co­las es­ta­tais e fa­vo­ri­to pa­ra vencer os 125 km da Ga­o­li­gong. Os dois pos­tam fre­quen­te­men­te fotos no We­chat – uma pla­ta­for­ma de mí­dia so­ci­al chi­ne­sa que com­bi­na o sis­te­ma de posts do Fa­ce­bo­ok com men­sa­gens de tex­to –, com­pen­san­do o tem­po per­di­do nas es­co­las e equi­pes pro­vin­ci­ais do go­ver­no. Es­ses posts con­quis­ta­ram cen­te­nas de cur­ti­das ao ven­der a cor­ri­da co­mo um es­ti­lo de vi­da re­la­xa­do.

“Trei­nan­do por con­ta pró­pria, sem os téc­ni­cos das equi­pes pro­vin­ci­ais, vo­cê po­de não ser tão rá­pi­do”, diz Shen Ji­asheng, “mas tem uma vi­da me­lhor.” Ele ti­nha guar­da­do em seu ipho­ne uma fo­to com uma ci­ta­ção de Ki­li­an Jor­net es­cri­ta so­bre um fun­do mon­ta­nho­so es­pe­ta­cu­lar: se vo­cê não sen­te pra­zer ao trei­nar, nun­ca me­lho­ra­rá. “Gos­to des­sa ci­ta­ção”, ele dis­se. “Acho que é pro­vá­vel que ele es­te­ja certo.”

Eles tam­bém gos­tam de exi­bir seus abdô­mens e mis­tu­rar cor­ri­da com cau­sas po­lí­ti­cas, co­mo no ví­deo cha­ma­do “Fa­zen­do uma boa

“VI­VÍA­MOS COM­PLE­TA­MEN­TE DES­CO­NEC­TA­DOS DO RES­TO DO MUN­DO. VO­CÊ NÃO PO­DE SAIR NEM POS­SUI MEI­OS PA­RA SO­BRE­VI­VER FORA DA ES­CO­LA.”

ação to­dos os dias”, gra­va­do em Teng­chong, que mos­tra Qi Min dan­do tro­ca­dos a um mo­ra­dor de rua com rou­pas de cor­ri­da. “Divertido, né?”, fa­lou Qi Min qu­an­do lhe per­gun­tei so­bre o ví­deo. É pro­fun­do tam­bém, e ele sa­be dis­so.

A maioria dos cor­re­do­res co­mo Qi Min e Shen Ji­asheng ain­da es­tá em si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra pre­cá­ria. Wei Jun, um ofi­ci­al que dei­xou o mi­nis­té­rio do es­por­te em 2014 pa­ra fun­dar sua pró­pria em­pre­sa de cor­ri­das, foi mais cau­te­lo­so ao con­si­de­rar que atle­tas pa­tro­ci­na­dos que ti­nham es­ca­pa­do do sis­te­ma do Es­ta­do es­ta­vam triun­fan­do. A pres­são pa­ra com­pe­tir uma e ou­tra vez em bus­ca de prê­mi­os em dinheiro e de aten­ção, se­gun­do ele, era um in­cen­ti­vo que mui­tos cor­re­do­res, que ha­vi­am en­tra­do re­cen­te­men­te no mer­ca­do co­mer­ci­al na Chi­na, se es­for­ça­vam pa­ra ma­ne­jar. Qi Min, Yao Mi­ao e Shen Ji­asheng trei­na­vam sem téc­ni­cos, já que es­tes cos­tu­ma­vam tra­ba­lhar ape­nas nas es­co­las de trei­na­men­to do go­ver­no, e is­so po­dia sig­ni­fi­car pro­ba­bi­li­da­des mais al­tas de se le­si­o­nar.

→ NA GA­O­LI­GONG, ou­tro cor­re­dor chi­nês, Li Yun­gui, pas­sou em pri­mei­ro pe­lo pon­to de con­tro­le dos 55 km, no Km 10. Pou­cos mi­nu­tos de­pois, pas­sa­ram Ja­son, Sun­maya e Nathan. De­pois de mais de um ano de co­or­de­na­ção com o UTMB e as au­to­ri­da­des chi­ne­sas, Pa­vel es­ta­va emo­ci­o­na­do.

O pon­to de con­tro­le dos 10 km fi­ca­va no to­po de uma co­li­na gra­ma­da de cam­pos mar­rons e era co­or­de­na­do por um al­deão lo­cal, o Du­an Shi­bi­ao, ves­ti­do com rou­pas com es­tam­pa de ca­mu­fla­gem. Ele ti­nha tra­zi­do uma pe­que­na bar­ra­ca na noi­te an­te­ri­or e vi­gi­a­va o lo­cal des­de en­tão. Ele tam­bém ha­via tra­ba­lha­do na cor­ri­da tes­te da Ga­o­li­gong no ano an­te­ri­or.

“No ano pas­sa­do, um ho­mem de 70 anos cor­reu! Ad­mi­ro is­so”, ele me fa­lou. As mu­dan­ças cul­tu­rais e econô­mi­cas que fi­ze­ram com que moradores de áre­as ur­ba­nas de clas­se mé­dia co­me­ças­sem a cor­rer re­cre­a­ti­va­men­te ain­da não che­ga­ram ao in­te­ri­or, que é dras­ti­ca­men­te me­nos de­sen­vol­vi­do em com­pa­ra­ção às ci­da­des da Chi­na. Em re­giões re­mo­tas do país, as com­pe­ti­ções ain­da são um es­pe­tá­cu­lo que im­pres­si­o­na. A corredora Li Zha­oyang ago­ra mo­ra nu­ma ci­da­de, mas ela cres­ceu na pro­vín­cia ru­ral de Yun­nan. Qu­an­do ela fa­la com sua mãe, não se dá ao tra­ba­lho de men­ci­o­nar sua vi­da co­mo corredora. Ex­pli­car por que ela cor­re se­ria uma fa­ça­nha qua­se im­pos­sí­vel.

“Às vezes os al­deões me per­gun­tam quem me paga fa­zer is­so”, ou­tro cor­re­dor me con­tou, “e en­tão vo­cê tem que ex­pli­car que, na

re­a­li­da­de, vo­cê é quem es­tá pa­gan­do a al­guém por aque­la tor­tu­ra.”

Ao lon­go do per­cur­so, vo­lun­tá­ri­os das al­dei­as lo­cais se mis­tu­ra­vam com jo­vens de ci­da­de que ater­ris­sa­vam lá pro­ve­ni­en­tes de to­do o país, for­man­do uma com­bi­na­ção ra­ra. Os al­deões ti­nham re­ce­bi­do bar­ra­cas azuis, e to­dos men­ci­o­na­ram as ins­tru­ções que os fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no e or­ga­ni­za­do­res de cor­ri­das lhes ha­vi­am da­do. Mui­tos dis­se­ram que, pa­ra Teng­chong, aque­le era o mai­or even­to do ano.

“Mi­nha pri­mei­ra re­a­ção qu­an­do vi a cor­ri­da foi pen­sar que era al­go ina­cre­di­tá­vel”, um mo­ra­dor de Yon­gle cha­ma­do Ren Chang­chen me con­tou. “É in­com­pre­en­sí­vel ta­ma­nha dis­tân­cia!” De­pois de al­gu­mas ho­ras de pas­seio pe­los pontos de con­tro­le, al­can­ça­mos a li­nha de che­ga­da, em Heshun, uma antiga ci­da­de bem pre­ser­va­da e com ru­e­las de pe­dra ao la­do de Teng­chong. Os melhores cor­re­do­res co­me­ça­vam a ter­mi­nar os 55 km, com Li Yun­gui na 1ª co­lo­ca­ção, se­gui­do por Ja­son Sch­larb, que aca­bou apro­xi­ma­da­men­te 20 mi­nu­tos mais tar­de. Sun­maya ter­mi­nou em 6º lu­gar no ge­ral, com uma vi­tó­ria do­mi­nan­te en­tre as mu­lhe­res.

No fim da tar­de, Shen Ji­asheng cru­zou a li­nha de che­ga­da, con­quis­tan­do o 1º lu­gar nos 125 km, que ha­via co­me­ça­do na mes­ma ma­nhã. En­quan­to fãs aplau­di­am e ti­ra­vam fotos ao re­dor de­le, Shen es­pe­rou pa­ci­en­te­men­te o 2º co­lo­ca­do, o jo­vem cor­re­dor ja­po­nês Ruy Ue­da, a quem o público cha­ma­va afe­tu­o­sa­men­te de “jo­vem car­ne fres­ca”, e o abra­çou após sua che­ga­da.

→ POU­CAS HO­RAS DE­POIS, Qi Min lar­gou pa­ra as 100 mi­lhas (160 km) jun­to com Kris­sy Mo­ehl, Mi­ke War­di­an e Ge­di­mi­nas Gri­nius, ao som de uma in­ten­sa mú­si­ca ele­trô­ni­ca e dos gri­tos de um in­can­sá­vel Li Zha­ohui, que ago­ra es­ta­va ves­ti­do co­mo um mon­ge ta­ois­ta. Pa­vel ace­le­rou pa­ra al­can­çar Sa­mantha Chan, uma corredora jo­vem e pro­mis­so­ra de Hong Kong, e eu fui dor­mir. Antes de cair no so­no, con­fe­ri o pro­gres­so de Qi Min. Ele es­ta­va li­de­ran­do. No dia se­guin­te, acor­dei com a notícia de que Qi Min ti­nha aban­do­na­do por vol­ta do Km 82, pou­co de­pois da me­ta­de da com­pe­ti­ção. Pa­vel pen­sou que ele pro­va­vel­men­te ha­via es­que­ci­do de be­ber água o su­fi­ci­en­te, um erro que ti­nha vis­to Qi Min co­me­ter an­te­ri­or­men­te. No We­chat, Qi Min dei­xou es­ta men­sa­gem pa­ra seus apoi­a­do­res, jun­to com uma imagem de­le unin­do as pal­mas das mãos em agra­de­ci­men­to antes da pro­va: “A mi­nha pri­mei­ra pro­va de 100 mi­lhas ti­ve que aban­do­nar, su­pe­res­ti­mei a mim mes­mo e su­bes­ti­mei as 100 mi­lhas... Acho que ain­da pre­ci­so de ou­tros dois anos”.

Em­bo­ra ain­da con­ti­nue se es­qui­van­do da marca das 100 mi­lhas, me­ses mais tar­de Qi Min es­ta­va de vol­ta e ter­mi­nou em 2º a CCC do UTMB, pro­va de 101 km em Cha­mo­nix, na Fran­ça.

De vol­ta ao fim da Ga­o­li­gong, Ge­di­mi­nas man­te­ve o rit­mo pa­ra vencer os 160 km, e Kris­sy Mo­ehl che­gou pou­cas ho­ras de­pois pa­ra le­var o tí­tu­lo fe­mi­ni­no. Li Zha­ohui con­ti­nu­a­va com seu mo­nó­lo­go na li­nha de che­ga­da. Em de­ter­mi­nan­do pon­to, ele deu uma der­ra­pa­da fa­lan­do so­bre os cem anos de hu­mi­lha­ção da Chi­na nas mãos dos po­de­res es­tran­gei­ros. “Even­tos de cor­ri­da co­mo aque­le”, ele su­pli­cou, “cer­ta­men­te tor­na­ri­am a Chi­na uma nação mais for­te.” Mas es­se ape­lo ao na­ci­o­na­lis­mo pa­re­ceu es­tar em de­sa­cor­do com os pró­pri­os cor­re­do­res, que, co­mo mui­tos de­les me con­ta­ram, ti­nham ra­zões mais pes­so­ais pa­ra cor­rer.

“É ape­nas uma coi­sa que co­me­cei a fa­zer pa­ra me di­ver­tir com os ami­gos”, um con­cluin­te de 50 anos, que ti­nha co­me­ça­do a cor­rer ape­nas três anos antes, me con­tou.

Na ma­nhã se­guin­te, tu­do in­di­ca­va que o even­to ha­via si­do bem-su­ce­di­do. No hotel, Pa­vel es­ta­va ven­do as fotos que os cor­re­do­res ti­nham pu­bli­ca­do nas mí­di­as so­ci­ais. As res­pos­tas dos qua­se mil cor­re­do­res eram no ge­ral po­si­ti­vas. E Li Zha­ohui ti­nha fi­ca­do sem voz.

→ VOEI ATÉ PE­QUIM no dia se­guin­te pa­ra co­nhe­cer os gru­pos de cor­ri­da da ci­da­de on­de o bo­om ha­via co­me­ça­do e pa­ra falar com mais or­ga­ni­za­do­res so­bre a ex­plo­são das provas de cor­ri­da. Eu não con­se­guia ima­gi­nar co­mo elas po­di­am ser co­mer­ci­al­men­te sus­ten­tá­veis, em es­pe­ci­al ver­sões tão pom­po­sas qu­an­to a Ga­o­li­gong, e pen­sei em uma bo­lha. Nos anos re­cen­tes, a Chi­na ha­via so­fri­do uma sé­rie de­las – de que­das na Bol­sa de Va­lo­res a ce­mi­té­ri­os de bi­ci­cle­tas de sistemas de com­par­ti­lha­men­to ou cons­tru­ções ex­ces­si­vas de com­ple­xos de apar­ta­men­tos.

Wei Jun dis­se que o mo­men­to cul­tu­ral te­ria ali­men­ta­do o bo­om, par­ti­cu­lar­men­te qu­an­do se tra­ta da ten­dên­cia da Chi­na de imi­tar e se lan­çar pre­ci­pi­ta­da­men­te em um mer­ca­do emer­gen­te. No seu es­cri­tó­rio de Pe­quim, ele apon­tou pa­ra o ipho­ne em ci­ma da me­sa. “Na Chi­na, as­sim que as pes­so­as ve­em um ami­go com­pran­do al­gu­ma coi­sa, elas tam­bém que­rem o mes­mo”, ex­pli­cou. “Os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos são iguais qu­an­do ve­em uma pro­vín­cia ri­val ce­le­bran­do uma cor­ri­da. Eles tam­bém que­rem uma. E en­tão um

em­pre­en­de­dor vê o apa­re­ci­men­to de tan­tos or­ga­ni­za­do­res de provas e ele tam­bém quer ten­tar!”

Na Chi­na, as ten­dên­ci­as po­pu­la­res e a acei­ta­ção do go­ver­no cos­tu­mam au­men­tar ra­pi­da­men­te uma so­bre a ou­tra, e a cor­ri­da parece es­tar se­guin­do o mes­mo ca­mi­nho. Cor­ri­das en­tram no jo­go de in­cen­ti­vos po­lí­ti­cos dos ofi­ci­ais lo­cais chi­ne­ses, que o par­ti­do do go­ver­no al­ter­na ao re­dor do país a ca­da dois anos. Pa­ra que es­se qua­dro de ofi­ci­ais con­si­ga uma pro­mo­ção, os melhores cur­rí­cu­los en­fa­ti­zam um rá­pi­do cres­ci­men­to econô­mi­co, além de uma va­ri­e­da­de de ou­tras re­a­li­za­ções na pro­du­ção de even­tos cí­vi­cos e de “serviços cul­tu­rais” com uma gran­de par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar. Ce­le­brar cor­ri­das cum­pre qua­se to­dos os re­qui­si­tos pa­ra me­lho­rar o cur­rí­cu­lo. A co­ber­tu­ra da mí­dia das cor­ri­das pro­por­ci­o­na di­vul­ga­ção pa­ra sua ci­da­de, por mais re­mo­ta ou co­mum que ela se­ja, e pa­tro­ci­na­do­res cha­ma­ti­vos e co­ber­tu­ra te­le­vi­si­va dão aos ofi­ci­ais a opor­tu­ni­da­de de exi­bir es­se su­pos­to cres­ci­men­to econô­mi­co. E, co­mo não há in­cen­ti­vo pa­ra que eles se re­pri­mam, ou con­si­de­rem – já que eles irão em­bo­ra den­tro de dois anos – que ati­vi­da­des po­de­ri­am ge­rar cres­ci­men­to de lon­go pra­zo. Per­gun­tar-se se es­ses in­ves­ti­men­tos fa­zem sen­ti­do eco­no­mi­ca­men­te é não com­pre­en­der a ques­tão. Pa­ra os ofi­ci­ais do go­ver­no chi­nês, re­al­men­te não se tra­ta de vi­a­bi­li­da­de co­mer­ci­al.

Um sis­te­ma as­sim, en­tre­tan­to, não é lu­cra­ti­vo. “Vo­cê per­gun­ta a qual­quer um e ele vai lhe di­zer”, Pa­vel me con­tou, “nin­guém es­tá ga­nhan­do dinheiro com cor­ri­das na Chi­na.” Yu Lan­ji­ang con­cor­dou. Ele su­põe que o nú­me­ro de cor­re­do­res na no país ain­da cres­ce­rá du­ran­te al­guns anos, mas não es­tá se­gu­ro so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de do cres­ci­men­to co­mer­ci­al ao re­dor de­les.

A pró­pria se­de da Zui­ku evi­den­ci­a­va es­ses de­sa­fi­os. Ne­la, fi­ca­vam api­nha­dos 11 em­pre­ga­dos. Mas na por­ta ao la­do ou­tra star­tup se de­di­ca­va à cons­tru­ção de du­chas pa­ra cor­re­do­res no Par­que Flo­res­tal Olímpico de Pe­quim, o lu­gar mais po­pu­lar da ci­da­de pa­ra trei­nar. Yu Lan­ji­ang acha­va que eles pro­va­vel­men­te es­ta­vam ga­nhan­do dinheiro.

“E a Zui­ki, co­mo vai?”, per­gun­tei ao seu fun­da­dor, Yu Lan­ji­ang. “Ain­da não es­tá dan­do dinheiro. Com sor­te, es­ta­mos per­to”, ele dis­se, sa­cu­din­do a ca­be­ça.

Mais tar­de, en­con­trei o gru­po de cor­ri­da You­ji (que se cha­ma as­sim por cau­sa de uma no­va fa­bri­can­te de rou­pas de cor­ri­da com uma pe­que­na lo­ja per­to do cen­tro financeiro) pa­ra um trei­no. Co­me­ça­mos a cor­rer pa­ra o oes­te, em di­re­ção à Pra­ça da Paz Ce­les­ti­al, e de­mos uma vol­ta ao re­dor do fos­so da Ci­da­de Proi­bi­da, um per­cur­so co­mum em Pe­quim pa­ra se fa­zer um tro­te. Foi um mo­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo cor­rer na Pra­ça da Paz Ce­les­ti­al e no Gran­de Sa­lão do Po­vo. Du­ran­te a ses­são le­gis­la­ti­va anu­al de mar­ço do ano pas­sa­do, o pre­si­den­te da Chi­na, Xi Jin­ping, ti­nha re­vi­sa­do a Cons­ti­tui­ção pa­ra li­vrar a pre­si­dên­cia de li­mi­tes de man­da­to. Veí­cu­los de segurança en­chi­am as ruas – ce­nas co­mo es­sa ti­nham se tor­na­do lu­gar co­mum em Pe­quim ao lon­go dos úl­ti­mos anos. Não pu­de não pen­sar nas con­tra­di­ções en­tre o rá­pi­do cres­ci­men­to da cor­ri­da – um es­por­te que, em sua es­sên­cia, exem­pli­fi­ca o in­di­vi­du­a­lis­mo – e os mais re­cen­tes gi­ros au­to­ri­tá­ri­os do go­ver­no. Mas a Chi­na sem­pre foi cheia des­sas con­tra­di­ções. Sua so­ci­e­da­de – es­pe­ci­al­men­te o con­tin­gen­te jo­vem e urbano – se mo­via fre­quen­te­men­te em uma di­re­ção e o go­ver­no em ou­tra, e às vezes me per­gun­to se al­gum dia es­sas con­tra­di­ções che­ga­rão a se re­sol­ver com­ple­ta­men­te.

Qu­an­do pas­sa­mos pe­lo la­do les­te de Zhong­na­nhai, a prin­ci­pal re­si­dên­cia da li­de­ran­ça chi­ne­sa, meu par­cei­ro de cor­ri­da não me dei­xou di­mi­nuir o rit­mo. “Não po­de­mos pa­rar aqui”, dis­se, ca­be­ce­an­do na di­re­ção dos po­li­ci­ais.

A con­tra­di­ção, eu lem­brei, não va­lia a pena fi­car ob­ce­ca­do com ela, co­mo nor­mal­men­te ocor­re com a mí­dia oci­den­tal. Pen­sei nas mu­dan­ças re­ais que pa­re­ci­am es­tar su­pe­ran­do a pre­sen­ça de uma ve­lha gu­ar­da: Qi Min ha­via cri­a­do uma no­va vi­da pa­ra si mes­mo sem a aju­da do go­ver­no, You­ji ti­nha ca­da vez mais mem­bros, Zui­ku es­ta­va ins­cre­ven­do mais cor­re­do­res, e ur­ba­ni­tas con­ti­nu­a­vam a cor­rer por seus no­vos ob­je­ti­vos. A cor­ri­da ti­nha se tor­na­do tão gran­de, tão con­ta­gi­an­te, que não im­por­ta que ma­no­bras ocor­rem den­tro do Zhongha­nhai ou quan­tos po­li­ci­ais se en­fi­lei­ram nas ruas lá fora, a Chi­na vai con­ti­nu­ar cor­ren­do.

A par­tir do al­to, em sen­ti­do an­tiho­rá­rio: Qi Min antes da lar­ga­da dos 160 km da Ga­o­li­gong; o ven­ce­dor dos 160 km, Ge­de­mi­nas Gri­nius, na che­ga­da em Heshun; cri­an­ças lo­cais ani­mam um cor­re­dor dos 125 km

KIT BÁ­SI­CO PA­RA A UL­TRA João Ba­tis­ta, ul­tra­ma­ra­to­nis­ta ama­dor com In­do­mit Costa Es­me­ral­da (104 km) e a Half Mi­si­on (80 km) no cur­rí­cu­lo, in­di­ca cin­co itens pa­ra en­ca­rar as lon­gas dis­tân­ci­as

A lar­ga­da dos 55 km da Ga­o­li­gong. O cor­re­dor chi­nês Li Yun­gui su­pe­ra o nor­te­a­me­ri­ca­no Ja­son Sch­larb e ven­ce com um tem­po de 5h04­min45

O úl­ti­mo quilô­me­tro até a che­ga­da co­mum em Heshun

Um cor­re­dor dos 160 km fu­ma, en­quan­to con­fe­re seu equi­pa­men­to na ten­da mé­di­ca do Km 58; um com­pe­ti­dor dos 125 km passa pe­la in­di­ca­ção do Km 30

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.