ACA­BEI UMA MARATONA COM MEU FI­LHO NO COLO

Na ma­nhã se­guin­te à Maratona de No­va York de 2018, Robby Ket­chell sou­be que uma fo­to de­le com o fi­lho, Wyatt, ha­via vi­ra­li­za­do. Ele com­par­ti­lhou co­nos­co a história por trás da imagem

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR CAITLIN GIDDINGS

A de Robby Ket­chell com o fi­lho Maratona de No­va York de 2018 vi­ra­li­zou. Ele com­par­ti­lhou co­nos­co a história por trás da imagem

JÁ FIZ MUI­TAS COR­RI­DAS de tri­lha e ul­tra­ma­ra­to­nas, co­mo a Le­ad­vil­le Trail 100. Mas a Maratona de No­va York se­ria mi­nha pri­mei­ra pro­va de 42 km de as­fal­to, ano pas­sa­do.

No co­me­ço do ano, no dia 12 de mar­ço, mi­nha es­po­sa, Marya, deu à luz nos­so fi­lho, Wyatt. Ele nas­ceu com sín­dro­me de Down. Eu que­ria uma for­ma de ho­me­na­ge­ar a ele e a to­das as ou­tras pes­so­as afe­ta­das pe­la sín­dro­me. En­tão de­ci­di cor­rer No­va York e le­van­tar fun­dos pa­ra ou­tras pes­so­as na mes­ma si­tu­a­ção.

2018 foi um ano di­fí­cil. De­pois de Wyatt nas­cer pre­ma­tu­ro, pas­sa­mos 67 dias na UTI ne­o­na­tal. Ele saiu do hos­pi­tal ali­men­ta­do por uma son­da, e lu­ta­mos to­dos os dias pa­ra que ele não pre­ci­sas­se vol­tar a uti­li­zá-la. Há mui­tas coi­sas en­vol­vi­das em man­tê-lo sau­dá­vel – in­ter­ven­ção pre­co­ce, fi­si­o­te­ra­pia, te­ra­pia ocu­pa­ci­o­nal. Tem si­do uma jor­na­da du­ra.

To­do mun­do com sín­dro­me de Down tem uma ter­cei­ra có­pia do cro­mos­so­mo 21 em to­das as cé­lu­las do cor­po. Mas ca­da um de­les é úni­co por­que is­so po­de afe­tá-los de inú­me­ras for­mas, e os efei­tos po­dem ser de mo­de­ra­dos a se­ve­ros. O que tor­na a pes­qui­sa di­fí­cil de ser apli­ca­da ao lon­go de to­do es­pec­tro.

De­fei­tos no co­ra­ção são um dos mai­o­res pro­ble­mas, e Wyatt pas­sa­rá por uma ci­rur­gia car­día­ca em abril. Ele tam­bém tem di­fi­cul­da­des pa­ra co­mer por­que seu tô­nus mus­cu­lar é re­al­men­te bai­xo e a ana­to­mia de sua bo­ca é di­fe­ren­te. Não há mui­tas pes­qui­sas so­bre co­mo me­lho­rar is­so, en­tão é im­por­tan­te fi­nan­ci­ar mais in­ter­ven­ções e fon­tes que pos­sam aju­dar ele e os ou­tros.

En­trei em con­ta­to com a Lu Mind Re­se­ar­ch, uma ins­ti­tui­ção de ca­ri­da­de que ar­re­ca­da dinheiro pa­ra pes­qui­sas so­bre a sín­dro­me de Down, e ti­ve a ideia de ba­ter o tem­po de 3h21 na maratona em ho­me­na­gem às três có­pi­as do cro­mos­so­mo 21 de Wyatt. Meu ob­je­ti­vo de ar­re­ca­da­ção de fun­dos tam­bém era US$ 3.210. Sim­bó­li­co, certo? Aca­ba­mos ar­re­ca­dan­do mais de US$ 11.000.

Em 2017, cor­ria de 80 a 110 km se­ma­nais pa­ra trei­nar pa­ra cor­ri­das de tri­lha. Mas ano pas­sa­do ti­ve que me es­for­çar pa­ra en­con­trar tem­po pa­ra cor­rer 55 km por se­ma­na com re­gu­la­ri­da­de. Qu­an­do es­tá­va­mos no hos­pi­tal, não ha­via tem­po. E eu ali­nhei na lar­ga­da com fas­ci­te plan­tar nos dois pés.

A prin­ci­pal coi­sa que qu­e­ro fa­zer é lem­brar as pes­so­as de que não se tra­ta de co­lo­car li­mi­tes a si mes­mo – tra­ta-se de su­pe­rá-los. Is­so é uma gran­de coi­sa pa­ra qual­quer um com sín­dro­me de Down. Lu­ta­mos com is­so to­dos os dias, à me­di­da que as pes­so­as ten­tam li­mi­tar Wyatt ou sim­ples­men­te vê-lo co­mo um di­ag­nós­ti­co. Pa­ra mim, cor­rer em 3h21 era al­go im­por­tan­te. Não con­se­gui. Mas dei tu­do pa­ra che­gar lá.

Por vol­ta do Km 13, sou­be que es­ta­va em apu­ros. No Km 27, ti­ve que to­mar uma de­ci­são: ali­vi­ar meu pa­ce de 4min40/km o su­fi­ci­en­te pa­ra aca­bar em cer­ca de 3h40 ou con­ti­nu­ar dan­do tu­do de mim e ver o que acon­te­ce­ria. Eu sa­bia que es­ta­va aca­ba­do, mas me man­ti­nha dis­pos­to a tu­do. Mi­nha téc­ni­ca es­ta­va mui­to ruim. Eu da­va bo­fe­ta­das no as­fal­to, mas con­se­guia cor­rer a 4min40/km e se­guia avan­çan­do. Por vol­ta do Km 32, caí de jo­e­lhos. Ti­nha a sen­sa­ção de que mi­nhas per­nas es­ta­vam a pon­to de que­brar. Era is­so. Sa­bia que eu ain­da po­dia ter­mi­nar an­dan­do des­de aque­le pon­to, mas gos­ta­ria de dar o meu me­lhor.

Sem­pre quis cru­zar a li­nha de che­ga­da com Wyatt no colo, mas ti­nha cons­ci­ên­cia de que, se con­se­guis­se ba­ter o tem­po de 3h21, se­ria por pou­co e não te­ria tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra le­vá-lo co­mi­go. De­pois do Km 32, an­dan­do, man­dei uma men­sa­gem à mi­nha mulher pa­ra lhe con­tar o que ti­nha acon­te­ci­do e lhe di­zer que es­ta­va in­do pe­gar o Wyatt. Ela teve que se es­for­çar pa­ra che­gar per­to da li­nha de che­ga­da, pois a maratona é enor­me. Mas ela pô­de me dar o Wyatt pou­co antes do Km 42. E eu cru­zei a li­nha de che­ga­da com ele no colo.

Pa­ra mim, foi qua­se me­lhor que ba­ter o tem­po de 3h21. Ti­nha ex­pan­di­do meus li­mi­tes, es­sa era a ques­tão. Não po­dia ir além. E tí­nha­mos po­di­do des­fru­tar do mo­men­to de atra­ves­sar a li­nha de che­ga­da jun­tos. Re­al­men­te não sou de cho­rar, mas lá­gri­mas co­me­ça­ram a bro­tar. As pes­so­as ao meu re­dor cho­ra­vam – mes­mo gen­te que não co­nhe­cia a história, que sim­ples­men­te ti­nha me vis­to car­re­gan­do meu fi­lho. Nor­mal­men­te, qu­an­do vo­cê cor­re uma maratona, co­lo­ca seu no­me no nú­me­ro de pei­to pa­ra que to­do mun­do tor­ça por vo­cê. Eu co­lo­quei Wyatt no meu, en­tão as pes­so­as gri­ta­vam por ele. Is­so tor­nou tu­do emo­ti­vo a par­tir do pri­mei­ro quilô­me­tro.

En­quan­to eu ca­mi­nha­va com ele no colo, to­do mun­do con­ti­nu­ou gri­tan­do seu no­me. Eu dis­se a to­dos: “Es­te é o Wyatt”. E is­so tor­nou tu­do mui­to es­pe­ci­al.

Vi es­sa fo­to na ma­nhã se­guin­te da cor­ri­da, e nós en­tra­mos em con­ta­to com o fo­tó­gra­fo pe­lo Ins­ta­gram, on­de Marya con­ta a história de Wyatt em @tour_­de_wyatt.

Ter um fi­lho com sín­dro­me de Down nos mu­dou da me­lhor for­ma possível e nos deu uma pers­pec­ti­va de vi­da di­fe­ren­te. A quan­ti­da­de de amor e a jor­na­da que es­ta­mos atra­ves­san­do são sim­ples­men­te in­crí­veis. Sei que vol­ta­rei no ano que vem pa­ra ba­ter o tem­po de 3h21.

NO KM 27, EU SA­BIA QUE ES­TA­VA ACA­BA­DO, MAS ME MAN­TI­NHA DIS­POS­TO A TU­DO

Robby e Wyatt aca­bam a maratona em 4h41­min12

Marya, Wyatt e Robby Ket­chell na ca­sa de­les em New Hampshi­re (EUA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.