MUI­TO ALÉM DO PE­SO

A AD­VO­GA­DA MÁR­CIA LO­PES PER­DEU 18 KG EM DOIS ANOS DE COR­RI­DA. MAS SEUS GA­NHOS VÃO MUI­TO ALÉM DA­QUE­LES NA BA­LAN­ÇA

Runner’s World (Brazil) - - INS­PI­RA­ÇÃO - POR ANA BAR­BO­SA

“SE VO­CÊ CON­TI­NU­AR do jei­to que es­tá, ou vo­cê vai ter um in­far­to, ou um der­ra­me.” Foi es­sa fra­se, di­ta por uma mé­di­ca, que fez o aler­ta ver­me­lho so­ar pa­ra a ad­vo­ga­da Márcia Lopes em junho de 2017.

Na épo­ca com 49 anos, Márcia ti­nha uma ro­ti­na si­mi­lar a de mui­tas mu­lhe­res que con­ci­li­am ma­ter­ni­da­de e vi­da pro­fis­si­o­nal: tra­ba­lha­va de­mais, não ti­nha ho­rá­rio pa­ra na­da, vi­via can­sa­da. Ela tam­bém en­gros­sa­va o ti­me de 300 mil se­den­tá­ri­os bra­si­lei­ros. Não pra­ti­ca­va exer­cí­cio fí­si­co, es­ta­va aci­ma do pe­so e a saú­de de­man­da­va aten­ção – o co­les­te­rol es­ta­va al­to, os ní­veis de tri­gli­cé­ri­des, nas al­tu­ras, e ela ha­via se tor­na­do hi­per­ten­sa.

Na épo­ca, Márcia até ti­nha cons­ci­ên­cia de que pre­ci­sa­va re­pen­sar seus há­bi­tos. En­sai­ou es­sa mu­dan­ça al­gu­mas ve­zes, mas a in­ten­ção não saía da te­o­ria. Se por um la­do a ir­mã a in­cen­ti­va­va, cha­man­do-a pa­ra cor­rer, por ou­tro o ma­ri­do a de­sen­co­ra­ja­va. “Ele não acha­va que eu con­se­gui­ria, di­zia que não da­ria cer­to. E, se qu­an­do vo­cê tem um com­pa­nhei­ro do seu la­do, te apoi­an­do, já é di­fí­cil, ima­gi­na o con­trá­rio...”, re­lem­bra.

Com o fim do ca­sa­men­to, Márcia re­sol­veu que era o mo­men­to de cui­dar de si. E pre­ci­sou en­ca­rar as du­ras pa­la­vras da mé­di­ca: “Se vo­cê ti­ver in­far­to, pe­la sua ida­de, vai ser ful­mi­nan­te. Se for der­ra­me, há chan­ces de vo­cê fi­car em uma ca­ma pa­ra sem­pre. Qu­em vai cui­dar do seu fi­lho se uma des­sas coi­sas acon­te­cer?”.

“Foi ali que ba­teu. Me­xeu com o que não po­dia me­xer”, con­ta Márcia. A par­tir da­li, ela pas­sou a se­guir à ris­ca as re­co­men­da­ções mé­di­cas, que in­di­ca­vam uma mu­dan­ça na sua ro­ti­na. Em ju­lho de 2017, acei­tou o con­vi­te da ir­mã e pas­sou a an­dar no Par­que Ibi­ra­pu­e­ra. Ela con­ta que nem sa­bia que exis­ti­am gru­pos de cor­ri­da, es­ta­va ali pa­ra ca­mi­nhar. Mas lo­go se jun­tou a al­gu­mas pes­so­as um pou­co mais ve­lhas que ela e deu iní­cio à no­va fa­se de sua vi­da: “Fui um dia, de­pois fui em ou­tro. Tu­do mui­to de­va­gar­zi­nho”. Ela acor­da­va às 5h da ma­nhã pa­ra trei­nar, mes­mo no in­ver­no pau­lis­ta­no. OS PRI­MEI­ROS QUILÔ­ME­TROS

Com in­sis­tên­cia, a ir­mã a con­ven­ceu de se ins­cre­ver pa­ra uma pro­va de 3 km que acon­te­ce­ria em mar­ço do ano se­guin­te. “Eu fi­ca­va pen­san­do: ‘Co­mo é que eu vou cor­rer 3 km?’. Pa­ra mim, is­so era uma coi­sa ina­tin­gí­vel, so­frí­vel. Mas mi­nha ir­mã fa­la­va: ‘Vo­cê vai pa­ra a pro­va, qual­quer coi­sa vo­cê ca­mi­nha. Vai que aos pou­qui­nhos, vo­cê vai con­se­guir’. E eu fui.”

E as­sim, aos pou­cos, Márcia co­me­çou a se ar­ris­car na cor­ri­da. Em ja­nei­ro de 2018, ela deu seus pri­mei­ros tro­tes. De­pois cor­reu 50 me­tros. 100. 200. A ca­da con­quis­ta, uma co­me­mo­ra­ção. “Qu­an­do com­ple­tei meu pri­mei­ro quilô­me­tro, de­pois de qua­se mor­rer, eu co­me­mo­rei”, brin­ca. No dia da pro­va, ela cor­reu os 3 km na com­pa­nhia da ir­mã, do fi­lho – que ho­je tem 18 anos – e do cu­nha­do. “Ter­mi­nei e, de­pois de 3 mi­nu­tos, con­se­gui vol­tar a res­pi­rar. Eu ain­da es­ta­va vi­va!”

Por mui­to tempo ela ha­via es­cu­ta­do que não con­se­gui­ria. A cor­ri­da em mar­ço foi uma pe­que­na amos­tra de que, sim, ela ti­nha con­di­ções pa­ra ir mui­to além do que di­zi­am. “Eu te­nho um ami­go que diz: ‘Vo­cê nem ter­mi­na a pro­va e já es­tá cho­ran­do’. E eu cho­ro mes­mo. Cho­ro de ale­gria, cho­ro de emo­ção... por­que eu con­si­go.”

JUN­TOS PA­RA IR MAIS LON­GE

Pa­ra mo­ti­var Márcia ain­da mais nes­se iní­cio, a ir­mã in­di­cou que ela se­guis­se um per­fil no Ins­ta­gram: o de Edu­ar­do Pin­to, ex-obe­so que, por cau­sa da cor­ri­da e de ou­tras ati­vi­da­des, con­se­guiu per­der 41 kg. Ho­je em dia, atra­vés do @de­sa­fi­o300­bra­sil, ele in­cen­ti­va pes­so­as a saí­rem do so­fá e a ado­ta­rem um es­ti­lo de vi­da mais ati­vo. Márcia se iden­ti­fi­cou e, qu­an­do ele veio pa­ra São Pau­lo em uma das edi­ções do pro­je­to, ela per­ce­beu que os par­ti­ci­pan­tes do gru­po não eram atle­tas, mas, sim, pes­so­as co­muns, co­mo ela, em bus­ca de uma vi­da mais sau­dá­vel.

Ao fre­quen­tar o Par­que Ibi­ra­pu­e­ra, em São Pau­lo, ela aca­bou en­tran­do em con­ta­to com mui­tas co­mu­ni­da­des, entre elas o Se­ven Run­ners Crew. “Eles me de­ram to­das as ori­en­ta­ções. As di­cas mais cer­tei­ras pa­ra qu­em, co­mo eu, es­ta­va co­me­çan­do na cor­ri­da. E me de­ram to­da a mo­ti­va­ção de que eu pre­ci­sa­va. Até ho­je são a mi­nha ba­se”, con­ta. “A cor­ri­da é in­di­vi­du­al na ho­ra que vo­cê es­tá cor­ren­do, mas ela não pre­ci­sa ser as­sim. Pa­ra vo­cê se man­ter em­pol­ga­do, po­de mar­car com o gru­po e, a par­tir do mo­men­to em que tem es­se com­pro­mis­so, vo­cê não de­sis­te.”

Ho­je um dos gru­pos com os quais ela mais se iden­ti­fi­ca é o Clã En­dor­fi­na. “São ami­gos que sa­em pa­ra cor­rer e que fa­zem trei­nos di­fe­ren­tes. To­do mun­do lá den­tro tem sua pró­pria his­tó­ria de su­pe­ra­ção, to­do mun­do se aju­da pa­ra ninguém de­sis­tir. Além dis­so, eles não dei­xam a ati­vi­da­de cair na ro­ti­na”, elo­gia.

APOIO MÚ­TUO

Ho­je em dia é Márcia qu­em dá apoio aos no­va­tos. “Eu in­cen­ti­vo mes­mo, pois sei co­mo é di­fí­cil es­se co­me­ço e co­mo es­se in­cen­ti­vo é im­por­tan­te. Eu sou aque­la que, se não for cor­rer, vou pa­ra fi­car na li­nha da che­ga­da, tor­cen­do pe­las pes­so­as que es­tão che­gan­do.”

Na úl­ti­ma edi­ção da São Sil­ves­tre, ela se en­con­trou com ami­gos e se uniu a um gru­po de vo­lun­tá­ri­os que dis­tri­buíam cer­ve­ja pa­ra os cor­re­do­res no Km 14. Es­sa tra­di­ção co­me­çou em 2014 e vi­sa apoi­ar os es­por­tis­tas no quilô­me­tro mais de­sa­fi­a­dor da pro­va. Na­que­le dia, Márcia es­ta­va tão em paz con­si­go que pre­fe­riu ce­ar ape­nas com seu

“PA­RA VO­CÊ SE MAN­TER EM­POL­GA­DO, PO­DE MAR­CAR COM O GRU­PO E, A PAR­TIR DO MO­MEN­TO EM QUE TEM ES­SE COM­PRO­MIS­SO, VO­CÊ NÃO DE­SIS­TE.”

fi­lho, em ca­sa. “Eu que­ria era es­tar com ele, es­tar bem co­mi­go mes­ma. Só as­sim vo­cê con­se­gue fi­car bem com os ou­tros tam­bém.”

MUI­TO ALÉM DOS QUI­LOS PERDIDOS

Qu­an­do olha pa­ra trás e ob­ser­va a Márcia de dois anos an­tes da cor­ri­da, ela per­ce­be que a di­fe­ren­ça vai além dos qui­los perdidos ou da dis­po­si­ção re­vi­go­ra­da – só pa­ra se ter uma ideia, em mar­ço de 2017 ela ti­nha 30% de gor­du­ra cor­po­ral e 76 kg. Ho­je o ín­di­ce é de 18% e ela es­tá com 58 kg. Re­cen­te­men­te, ao pro­cu­rar fo­tos de qu­an­do era se­den­tá­ria, ela, em su­as pró­pri­as pa­la­vras, te­ve a “sen­sa­ção de que não exis­tia”. Te­ve di­fi­cul­da­de pa­ra achar al­gu­mas ima­gens e, em to­das, ela apa­re­cia na com­pa­nhia de ou­tras pes­so­as, sem­pre um pou­co es­con­di­da.

Ho­je, em com­pen­sa­ção, ela co­le­ci­o­na fo­tos de su­as con­quis­tas: “São mi­nhas vi­tó­ri­as”. A cor­ri­da fez com que Márcia se co­nhe­ces­se me­lhor e pu­des­se se man­ter for­te e sau­dá­vel. “Eu fa­ço acom­pa­nha­men­to com car­di­o­lo­gis­ta es­por­ti­vo e sei que es­tou bem. Fui fa­zer meus exa­mes de ro­ti­na ano pas­sa­do e eles ti­ve­ram um re­sul­ta­do ex­ce­len­te. Tam­bém foi por cau­sa da cor­ri­da que re­e­du­quei a mi­nha ali­men­ta­ção e, até por is­so, aca­bei

“EU CHE­GA­REI AOS 51 COM A MI­NHA PRI­MEI­RA MEIA MA­RA­TO­NA. E SE­RÁ UMA AMOS­TRA DE QUE NÃO HÁ IDA­DE PA­RA CO­ME­ÇAR.”

per­den­do mui­to pe­so. As pes­so­as olham pa­ra mim e fa­lam: ‘Nos­sa, co­mo vo­cê es­tá di­fe­ren­te’. E eu res­pon­do: ‘Is­so por­que vo­cê es­tá ven­do por fo­ra. Se vis­se por den­tro, aí vo­cê ia ver o que é di­fe­ren­ça’.”

Até no tra­ba­lho ela per­ce­be a mu­dan­ça. O che­fe tam­bém no­tou e elo­gi­ou a gar­ra com que tem en­ca­ra­do os de­sa­fi­os diá­ri­os. “É tu­do is­so que eu co­me­mo­ro. Não é só a ale­gria da cor­ri­da, do tér­mi­no do trei­no, mas as gra­ti­fi­ca­ções por tu­do o que o es­por­te me trou­xe. Qu­an­do eu me re­fi­ro ao ano pas­sa­do, 2018, cos­tu­mo fa­lar que é o pri­mei­ro ano dos me­lho­res anos da mi­nha vi­da.”

ALE­GRIA DE VI­VER

No ano pas­sa­do ela só se ar­ris­cou nas pro­vas de 5 e 10 km pois se­guiu re­co­men­da­ções mé­di­ca e pro­fis­si­o­nal de só ir pa­ra dis­tân­ci­as mai­o­res qu­an­do es­ti­ves­se con­for­tá­vel nas me­no­res – de mar­ço a de­zem­bro fo­ram 33 me­da­lhas. Aque­le foi tam­bém o con­se­lho de Ale­xan­dre Di­niz, ami­go ma­ra­to­nis­ta que man­tém um gru­po de cor­ri­da:

“Não quei­me etapas”.

Ela pre­fe­ria se sen­tir se­gu­ra e ir no seu rit­mo, se di­ver­tin­do sem­pre. “Eu ge­ral­men­te ter­mi­no as pro­vas pu­lan­do, por­que, se é pa­ra ter­mi­nar, tem que ter­mi­nar bem. Não é pa­ra fa­zer a pro­va e me ma­tar, tem que ser uma coi­sa boa pa­ra mim.”

Ho­je Márcia se­gue as pla­ni­lhas fei­tas pe­lo trei­na­dor Dario Gui­ma­rães. Além de trei­nar cor­ri­da de três a qua­tro ve­zes por semana, ela faz trei­no de for­ta­le­ci­men­to na aca­de­mia três ve­zes. Seu me­lhor tempo nos 5 km são 24 mi­nu­tos. Ela já se con­si­de­ra uma atle­ta bem mais rá­pi­da do que no iní­cio, por mais que es­te­ja res­pei­tan­do o seu rit­mo.

Sua pró­xi­ma me­ta no es­por­te é es­tre­ar nos 21 km, na Ma­ra­to­na In­ter­na­ci­o­nal de São Pau­lo. “É um pou­qui­nho an­tes do meu ani­ver­sá­rio, eu che­ga­rei aos 51 com a mi­nha pri­mei­ra meia ma­ra­to­na. E se­rá uma amos­tra de que não há ida­de pa­ra co­me­çar.” Sua me­ta na vi­da? Che­gar aos 80 anos cor­ren­do. Se con­ti­nu­ar nes­sa to­a­da, não há dúvidas de que che­ga­rá lá ven­den­do saú­de.

FO­TOS ALE­XAN­DRE GEN­NA­RI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.